Ex-Missionária Mórmon Vítima de Abuso Quebra Silêncio

Em 1984 o Presidente do Centro de Treinamento de Missionários da Igreja SUD em Provo, Utah, levou uma jovem missionária até um quarto secreto no porão do CTM e tentou estupra-la. Por décadas, ela tentou convencer vários Bispos e Presidentes de Estaca, e uma Autoridade Geral, a tomar providências para disciplinar seu estuprador, tudo em vão.

Em novembro de 2017, posando como jornalista coletando relatos de líderes eclesiásticos da Igreja SUD menos conhecidos, a vítima conseguiu agendar uma entrevista em dezembro de 2017 com seu violentador, Joseph L Bishop, que serviu como Presidente do CTM entre 1983 e 1986.

Bishop, que antes desse chamado havia servido como Bispo, Presidente de Estaca, Presidente da Missão Argentina Buenos Aires Norte, e trabalhado para a Igreja como Agente de Bem Estar na América Central, saiu do CTM e foi novamente contratado pela Igreja, desta vez para lecionar na universidade SUD Brigham Young University também em Provo até sua aposentadoria por idade. Bishop ainda publicou 2 livros que, até a semana passada, eram vendidos no site oficial da editora da Igreja SUD.

Bishop foi secretamente gravado confessando ter abusado sexualmente de várias jovens e várias missionárias sob seu cuidado durante sua longa carreira eclesiástica. E ainda admite ter confessado a Autoridades Gerais da Igreja sem ter sofrido quaisquer consequências disciplinares ou legais.

Abertura da página MormonLeaks, site que vazou a gravação

Em janeiro de 2018, a vítima abordou a Igreja através de seu advogado, supostamente para processa-la por acobertar o crime por décadas. Há uma semana, contudo, uma cópia da gravação para o público através do site MormonLeaks sem seu consentimento. Agora, pela primeira vez depois de uma semana de tumultuada repercussão pública, ela quebra o silêncio e emite uma nota pública:

“Eu sou a mulher na gravação com Joseph L. Bishop. Minha identidade será revelada quando eu abrir o processo.

Primeiro, embora o MormonLeaks tenha lançado minha gravação antes do meu consentimento, o Sr. McKnight e o Sr. Dodge apóiam a minha causa. Acredito que eles estavam preocupados com TODAS as vítimas que podem ser esquecidas se a minha história for silenciada por um acordo de liquidação e não divulgação. Eu não posso culpá-los por isso. Ter esta história vazada realmente me ajudou. Eu estava lutando com o acordo. Parte de mim queria pegar o dinheiro e parte de mim não. Eles tornaram isso fácil para mim. Eu não tive que escolher. Alguns afirmaram que sou heróica e corajosa. Eu não sou nenhuma dessas coisas. Eu entrevistei meu estuprador porque estava com raiva. A igreja me disse que eu não tinha o direito de saber qual ação, se qualquer, havia sido tomada após meus relatos para vários líderes da igreja por 30 anos de que ele me tinha estuprado. Estava farta disso. Não foi nem corajoso nem heróico.

Parte de mim queria que isso fosse embora em silêncio e uma parte maior de mim queria gritar do topo da montanha o que ele fez comigo. Agora eu começo a gritar!

Mesmo que o vazamento da gravação tenha sido anterior ao meu consentimento, não concordo que esses homens estejam me vitimizando novamente. Eu não acho que eles teriam lançado a gravação sem pensar seriamente e pesando as conseqüências seriamente.

Estou ansiosa para compartilhar mais da história nas próximas semanas.”

Leia mais detalhes sobre essa entrevista e o caso aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui.

Cultura de Estupro Mórmon

Esse caso sequer seria único ou inusitado dentro da cultura mórmon, onde mulheres vítimas de abuso sexual ou violência sexual são ignoradas ou descreditadas em favor de homens “portadores do sacerdócio”.

Eis uma lista pública com mais de 400 casos (e milhares de vítimas) oficialmente documentados de abuso sexual, abuso sexual infantil, violência sexual, e estupros cometidos por membros da Igreja SUD entre os anos de 1959 e 2017, invariavalmente acobertados por líderes eclesiásticos da Igreja.

De acordo com a então diretora da força tarefa contra abuso sexual do Condado de Weber (Utah) Marilyn Sandburg:

“A maioria desses casos de abuso foram levados ao judiciário por indivíduos que não eram os líderes religiosos, apesar de que em muitos desses casos, o abuso havia sido inicialmente denunciado aos membros do clero muito antes de ser denunciados às autoridades… Em um caso de incesto específico no qual eu trabalhei, o abuso havia sido denunciado a 6 Bispos diferentes, e apenas 1 deles fez a denúncia às autoridades. O abuso continuou por um período de 11 anos.”

Por décadas, a Igreja manteve uma política de punir alunas de sua universidade que denunciavam sofrer estupros ou violência sexual, até o ano retrasado quando decidiu rescindir tal política misógina, e apenas após meses de severa repercussão negativa na mídia norte-americana. Naturalmente, tal política coibia vítimas de denunciar abusadores e estupradores, criando uma atmosfera propícia para violências sexuais nas faculdades da Igreja por décadas.

Ameríndios da tribo Navajo estão processando a Igreja SUD alegando que eles sofreram abusos sexuais e estupros durante a infância enquanto sob a tutela de famílias de mórmons, acusando a Igreja não apenas de saber dos crimes cometidos , como de retornar as crianças para os lares onde os abusos sexuais havia sido cometido, mas também de acobertá-los e proteger os culpados sob a guisa de não embaraçar a Igreja, instruindo líderes locais e membros a não cooperarem com oficiais da lei ou denunciarem os crimes.


Leia também

Fui Estuprada e a Igreja Mórmon Mandou Arrepender-me

Ex-Líder SUD Preso Por Estupros, Pedofilia

Prêmio Pulitzer à Cobertura de Estupros em Escola Mórmon

Juíz Autoriza Intimação de Profeta Mórmon em Caso de Abuso Sexual

Vítimas de Estupro: Mudanças nas Regras da Igreja SUD

Apóstolo Richard Scott: Vítimas de Abuso Podem Ter Culpa

Igreja Mórmon Critica Jornalistas Cobrindo Vítimas de Estupros em Suas Escolas

Estupro Não Engravida, Diz Legislador Mórmon

2 comentários sobre “Ex-Missionária Mórmon Vítima de Abuso Quebra Silêncio

  1. Espero que apesar da dor ela possa inspirar muitas outras a também falar sobre isso.

    “Estou ansiosa para compartilhar mais da história nas próximas semanas.”

  2. Foi este o principal motivo pelo qual me retirei da Igreja.

    Amo o Evangelho de Cristo, mas digo que nenhuma Igreja o pratica na real. Jesus dava vez, voz e ministério às mulheres. Diferente do que a Igreja de Jesus Cristo, sob pretexto fraco, faz.

    As mulheres não tem vez nem sua palavra não vale nada porque não tem o sacerdócio, não podem dizer nada contra um membro homem.

    Recentemente soube de um caso de estupro, e o bispo disse que nada faria.

    É doloroso ver estas coisas.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.