Poligamia — Necessária Para Exaltação?

Poligamia é, historicamente, um dos fatores mais formativos e impactantes para a formação, tanto da Igreja Mórmon, como de toda cultura mórmon.

“Isso não é necessário para a minha exaltação.”

Com essa afirmação, contudo, muitos mórmons evitam discutir assuntos sobre sua própria história, ou mesmo sobre a teologia ou a doutrina mórmon, e até mesmo sobre eventos atuais.

Capa do livro ‘Fastasmas da Poligamia: Assombrando os Corações e o Céu de Mulheres e Homens Mórmons’ de Carol Lynn Pearson, que explora a ansiedade de mulheres mórmons contemporâneas com o conceito de poligamia na vida após a morte

Independente de que cada membro da Igreja, individualmente, opte por ignorar sua história ou teologia ou cultura, seria poligamia um princípio “necessário para exaltação” na fé mórmon?

O que disseram Profetas e Apóstolos da Igreja SUD a respeito disso?

Joseph Smith:

“… a doutrina do casamento plural e celestial é a doutrina mais sagrada e importante já revelada ao homem sobre a terra, e que, sem obediência a este princípio nenhum homem pode jamais alcançar a plenitude de exaltação na glória celestial.” (Diário de William Clayton, 12 Jul 1843, Church History Library, MS 3423)

Brigham Young:

“[O casamento plural] está intimamente ligado com a exaltação do homem, mostrando como ele se torna exaltado para ser um rei e um sacerdote – sim, assim como um Deus, como seu Pai Celestial. Sem a doutrina que esta revelação revela, nenhum homem na terra jamais poderia ser exaltado para ser um Deus.” (Journal of Discourses 6:282)

John Taylor:

“…[O] sistema [de casamento] com apenas uma esposa não apenas degenera a família humana, tanto fisicamente como intelectualmente, mas é inteiramente incompatível com noções filosóficas de imortalidade; é uma isca para tentação, e comprovadamente sempre foi uma maldição para os povos. Portanto, eu vejo a sabedoria de Deus em não tolerar qualquer sistema semelhante entre os dignos [da glória] celestial que serão reis e rainhas em Deus para sempre.” (The Latter-day Saints’ Millenial Star, volume 15, página 227)

John Taylor (Revelação de 1886): 

“Meu filho John, hás me questionado sobre o Novo e Sempiterno Convênio e o quão obrigatório deve ser ao meu povo. Assim diz o Senhor: Todos os mandamentos que Eu comando devem ser obedecidos por aqueles que se chamam por Meu nome, a menos que tenham sido por Mim revogados ou por Minha autoridade, e como posso Eu revogar um convênio eterno, pois Eu o Senhor sou eterno e Meus eternos convênios jamais podem ser anulados ou ignorados, mas permanecerão para sempre.

Não dei a Minha palavra com grande clareza sobre este assunto? E não houve grande números do Meu povo sendo negligentes na observância da Minha lei e em guardar os Meus mandamentos, e ainda assim Eu os suportei por todos estes anos; e isto por causa de suas fraquezas, por causa destes tempos perigosos, e ademais, é mais aprazível para Mim que os homens usem de seus livre-arbítrios nestes assuntos.

Não obstante, Eu o Senhor não mudo e Minha palavra e meus convênios e minha lei tampouco. E como Eu já proclamei ao Meu servo Joseph: Todos que desejam entrar na Minha glória devem obedecer a Minha lei. E não comandei aos homens que, sendo da semente de Abraão, e desejando entrar na Minha glória, eles devem fazer as obras de Abraão? Eu não revoguei esta lei, e tampouco o farei, pois é eterna, e aqueles que desejam entrar na Minha glória devem obedecer estas condições; assim será, Amém.” (Manuscrito descoberto entre os documentos pessoais de John Taylor por seu filho, o Apóstolo John W. Taylor, que fez a seguinte anotação: “Meu pai recebeu esta revelação que, contudo, nunca foi apresentada à Igreja.” Arquivos de John W. Taylor, 22 Fev 1911)

Heber C. Kimball:

“Eu não teria medo de prometer a um homem com sessenta anos de idade, se ele ouvir o conselho do irmão Brigham e de seus líderes, que ele vai rejuvenecer-se em sua idade. Eu tenho notado que um homem que tem só uma esposa, e está inclinado a essa doutrina, que logo começa a murchar e secar, enquanto um homem que entra em pluralidade [de esposas] parece refrescado, jovem e enérgico. Por que é assim? Porque Deus ama aquele homem, e porque ele honra Sua obra e Sua palavra. Alguns de vocês podem não acreditar nisso; mas eu não só acredito nisso – eu também sei disso. Para um homem de Deus ser confinado a uma esposa é um mau negócio; pois já é tanto quanto nós podemos aguentar agora para manter-nos sob os fardos que temos de suportar; e eu não sei o que deveriamos fazer se tivéssemos apenas uma esposa cada.” (Journal of Discourses 5:18)

Orson Pratt:

“Haverá muitos que não ouvirão, haverá o tolo no meio dos sábios, que não receberá o novo e eterno convênio em sua plenitude, e nunca irá atingir a sua exaltação …” (Journal of Discourses 1:65)

George Q. Cannon:

“Não é uma barganha cara que eles são convidados a fazer? Trocar toda a esperança de felicidade eterna com esposas e filhos na presença celestial de Deus e do Cordeiro pelo favor miserável do mundo! Tão intimamente entrelaçada é a doutrina [do casamento plural] com a exaltação de homens e mulheres no grande porvir que não pode ser abandonada, sem desistir-se ao mesmo tempo toda a esperança de glória imortal.” (Juvenile Instructor 20:136)

Joseph F. Smith:

“Algumas pessoas têm suposto que a doutrina do casamento plural era uma espécie de superfluidade, ou algo não-essencial, para a salvação ou exaltação da humanidade. Em outras palavras, alguns dos Santos disseram, e acreditaram, que um homem com uma mulher, selada a ele pela autoridade do Sacerdócio para o tempo e a eternidade, receberá uma exaltação tão grande e gloriosa, se ele for fiel, quão ele poderia possivelmente com mais de uma [esposa]. Quero aqui entrar meu protesto solene contra essa idéia, pois sei que é falsa. Não há bênção prometida senão sob específicas condições, e nenhuma bênção pode ser obtida pela humanidade, exceto através do fiel cumprimento das condições, ou lei, sobre as quais a mesma é prometida. O casamento de uma mulher a um homem, para o tempo e para a eternidade pelo poder de selamento, de acordo com a lei de Deus, é um cumprimento da lei celestial do casamento [apenas] em parte – e é bom até onde dá – e conquanto o homem cumpra essas condições da lei, ele receberá sua respectiva recompensa, e essa recompensa, ou bênção, ele não poderia obter por qualquer outro motivo ou condição. Mas este é apenas o começo da lei, não ela toda. Portanto, quem imaginou que poderia obter a plenitude das bênçãos relativas a essa lei celestial, cumprindo apenas uma parte de suas condições, enganou-se. Não se pode fazê-lo. (Journal of Discourses 20:28)

Joseph F. Smith:

“O casamento de uma mulher com um homem para o tempo e a eternidade pelo poder de selamento, de acordo com a vontade de Deus, é um cumprimento da lei do casamento celestial em parte – e é bom o suficiente temporáriamente – e assim tanto quanto um homem habita estas condições da lei, ele receberá a sua recompensa por isso, e essa recompensa, ou bênção, ele não poderia obter por qualquer outra razão ou condições. Mas este é apenas o início da lei, e não a totalidade. Portanto, quem imaginou que ele poderia obter a plenitude das bênçãos pertencentes a esta lei celestial, através do cumprimento de apenas uma parte de suas condições, tem enganado a si mesmo. Ele não pode fazê-lo.” (Journal of Discourses 20:28)

Joseph F. Smith:

“Nós, a Primeira Presidência e apóstolos da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pedimos respeitosamente a Vossa Excelência conhecer os seguintes fatos: Nós anteriormente ensinamos ao nosso povo que a poligamia ou Casamento Celestial, conforme ordenada por Deus por intermédio de Joseph Smith estava certa; que era uma necessidade para a maior exaltação do homem na vida futura.” (CPI Reed Smoot v. 1, p. 18)

Bruce R. McConkie:

“… O Senhor freqüentemente comandou seus santos antigos para praticar o casamento plural … toda a história da antiga Israel era uma em que a pluralidade de esposas era a ordem ter divinamente aceita e aprovada de matrimônio. Milhões de pessoas que entraram nesta ordem receberam para si, nela e por ela, exaltação eterna no céu mais alto do mundo celestial … o Profeta e irmãos dirigentes receberam a ordem de entrar na prática, o que fizeram em toda a virtude e pureza de coração … Obviamente, a prática sagrada começará novamente após a Segunda Vinda do Filho do Homem e a inauguração do milênio … “ (Mormon Doctrine, p. 522)

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, março 2019:

Evitar a especulação

Não faça especulações sobre se o casamento plural é um requisito para o reino celestial. Não sabemos se o casamento plural será um requisito para a exaltação. (Doutrina e Convênios e História da Igreja — Manual do Professor do Seminário, publicado no site oficial da Igreja SUD, março 2019)

7 comentários sobre “Poligamia — Necessária Para Exaltação?

  1. Sempre achei estranha essa obsessão do JS querer viver a poligamia, um homem normal pode fazer sexo com frequência com mais de uma mulher, mas 15, 20 ao mesmo tempo é impossível sem ter problemas de saúde, para mim JS era um tarado sexual.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.