As Festividades Pagãs Antigas em nossos Rituais Natalinos

No filme A Vida de Brian (1979), Reg, interpretado por John Cleese, pergunta a outros membros da Frente Popular da Judéia:

“… além de saneamento básico, medicina, educação, vinho, ordem pública, irrigação, estradas, sistema de água doce, e saúde pública; o que os romanos fizeram por nós?”

“Trouxeram paz” é a resposta que ele recebe.

Em retrospectiva, o Natal pode ser adicionado à lista.

Quando pensamos nos romanos, dar presentes, cantar músicas, e celebrar o nascimento de Cristo não se apresentam imediatamente. Guerras travadas, opressão geral, e um desejo interminável de governar o mundo têm mais chances de serem citadas.

Mas várias tradições de Natal vêm de antigas festas pagãs, inclusive a celebração romana da Saturnália.

O historiador e investigador cultural Polidoro Vergil (c. 1470-1555) foi o primeiro a registrar as semelhanças entre certas práticas pagãs e cristãs. Ele observou a conexão entre a tradição predominantemente inglesa, “O Senhor da Misrule”, que ocorria no dia de Natal e um costume equivalente da Saturnália. Ambos envolviam mestres e servos ou escravos trocando de papéis por um dia.

A razão pela qual os romanos permitiram tal tolice é baseada na natureza da Saturnália. Realizada em meados de dezembro, a Saturnália, uma celebração em homenagem ao deus Saturno, era caracterizada pelo relaxamento da ordem social e uma atmosfera de carnaval.

Ruínas do Templo de Saturno (oito colunas à direita)

Saturno, outrora a principal divindade dos italianos, era o deus do tempo, da agricultura e das coisas abundantes. Ele reinou durante a Era de Ouro, uma era de paz, felicidade e abundância. De fato, os prazeres associados à Era de Ouro talvez tenham sido encenados na própria Saturnália.

A Saturnália celebrava  o deus em seu papel de supervisor de uma estação de ansiedade. Os invernos eram rigorosos e a comida às vezes escassa. E, à medida que os dias se tornavam mais curtos e a terra morria simbolicamente, o tempo sazonal precisava ser comemorado e o deus apaziguado e feliz.

A Saturnália era a prévia para o início do solstício de inverno, o dia mais curto do ano, registrado como 25 de dezembro no calendário juliano.

Com folias e festividades, banquetes e cessação dos negócios formais, os romanos esperavam ansiosamente a vinda da luz do sol. Com o retorno da primavera, haveria uma fertilidade renovada. As plantações cresciam e os animais da fazenda davam à luz, proporcionando mais um ano de abundância e barriga cheia.

Como parte das festividades, os romanos trocavam presentes: velas, anéis de sinete, palitos de dente, pentes, pasta de dente, chocalhos de bebê, grampos de cabelo, chinelos de lã, gorros, toalhas de mesa e, sim, até meias e os filhotes de Natal! Estes eram trocados durante ou após um banquete, servidos pelo chefe da família e talvez por seus filhos enquanto os escravos desfrutavam de seu tempo livre.

A associação de Saturno com doações de presentes levou estudiosos como Samuel L Macey a ligá-lo ao Papai Noel. Mas, como Macey sabe, Saturno tinha um lado sombrio e, como muitas divindades romanas, havia esqueletos em seu armário! Alguém que decide comer seus filhos como forma de manter o poder, por exemplo, não é um protótipo ideal do Papai Noel. Por outro lado, algumas crianças acham o Papai Noel bastante assustador.

O pintor francês Antoine Callet representou a Saturnália em 1783.

Como a televisão ainda não havia sido inventada e a internet estava a anos-luz de distância, os pobres romanos de antigamente tiveram que ocupar seu tempo de lazer saturnal com interação humana. Eles gostavam de jogos, apostas, fantasiavam-se, e recitavam poesias (algumas de natureza ousada). Beber, o flagelo moderno da temporada de férias, também era uma característica do Saturnalia. Enquanto alguns de nós se ofendem com os comentários farpados nas reuniões de Natal, os romanos simplesmente os consideravam uma parte ritualizada do mundo invertido da temporada de tolices.

Além da Saturnália, houve outro importante festival romano com laços influentes ao Natal: a celebração do Sol Inconquistado em 25 de dezembro. De acordo com um almanaque do quarto século [da Era Comum], o Calendário de Filocalus, há uma menção da celebração do “Inconquistado” em 25 de dezembro, que provavelmente é uma referência ao “Sol Inconquistado”.

No mesmo manuscrito, 25 de dezembro também é listado como o nascimento de Jesus.

O Calendário de Filocalus é, portanto, citado por alguns estudiosos como evidência potencial da coalescência do festival do Sol Inconquistado com a celebração do nascimento de Cristo. David M Gwynn sugere: “A comemoração do nascimento de Cristo em 25 de dezembro … parece ter se originado no ocidente, em parte para fornecer uma contrapartida cristã ao aniversário do Sol”.

No final do período romano tardio, o Natal já fazia parte do calendário cristão. Os festivais pagãos podem ter desaparecido oficialmente, mas restaram vestígios dos velhos costumes.

E assim começou a longa história do Natal.


Marguerite Johnson é Professora de Estudos Clássicos na The University of Newcastle, e sua pesquisa foca predominantemente em estudos de culturas mediterrâneas antigas, particularmente em representações de gênero, sexualidades, e o corpo humano.

Artigo originalmente publicado aqui. Reproduzido com permissão.

The Conversation

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.