10 Clichês Mórmons Devem Evitar

Quem não tem um parente próximo, querido, amado, que nos mata de vergonha quando em companhia de nossos amigos ou colegas? Pode ser um tio racista, ou um irmão cara-de-pau; pode ser um pai preconceituoso, ou uma mãe que gosta de opinar da vida alheia sem filtros sociais. Nós amamos e adoramos tais parentes, mas acabamos morrendo de vergonha de apresentá-los a nossos amigos e colegas.

O mesmo pode ocorrer na Igreja. Quem, dentre os ex-missionários, nunca quis morrer (ou matar alguém) ao levar aquele investigador especial à sua primeira reunião dominical, apenas para ouvir um irmão ou uma irmã subir ao púlpito para prestar aquele testemunho mais cabeludo, de dar arrepios no missionário mais calejado?

Em absolutamente todas circurnstâncias sociais, há sempre a possibilidade de se cometar uma gafe ou causar um certo desconforto com a palavra errada, ou a ideia mal colocada. Todos nós passamos por isso, seja cometendo a gafe, seja testemunhando o desastre social inevitável.

Contudo, há gafes sociais que são recorrentes dentro de determinadas culturas ou contextos sociais. Um exemplo clássico é daquela pessoa sem noção que se aproxima de uma moça mais gordinha e lhe pergunta o tempo da gestação!

“As pessoas exigem liberdade de expressão para compensar pela liberdade de pensamento que elas raramente usam.” ― Søren Kierkegaard

(Nota: aos desavisados, nunca, nunca, nunca pergunte tempo de gestação ao menos que você tenha absoluta certeza se a moça esta grávida. Em caso de dúvidas, pergunte-lhe as novidades em sua vida, e permita-lhe a oportunidade de anunciar — ou não — sua gravidez. Eu já testemunhei essa gafe algumas vezes, e posso dizer que a dor no peito é real!)

Eu compilei, então, as gafes — ou clichês — mais comuns entre mórmons no Brasil, ao menos na minha experiência pessoal. Montei uma lista das 10 gafes que eu mais encontrei na vida, e as que mais me causaram desconforto cultural, social, e intelectual. Quando proferidas na frente de um convidado não-mórmon, me causaram vergonha, e quando proferidas na frente de apenas mórmons velhos de causa, me causaram apenas constrangimento.

Compartilho a minha lista para incentivar os demais mórmons a evitá-las como quem evita a gripe suína, e também na esperança de que compartilhem comigo as gafes que mais lhes incomodam, e o por quê.

Continuar lendo

Mórmons Que Amam Os Gays

Apesar da discriminação oficial por parte de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, há muitos Mórmons que amam e apoiam os seus amigos e familiares que são gays, lésbicas, ou transgêneros.

Muitos membros da Igreja SUD apoiam a legalização do casamento homosexual, e alguns até defendem a mudança das doutrinas da Igreja para permitir casamento homossexual no templo. Há algumas semanas, alunos da BYU produziram um vídeo com alunos da BYU que são gays ou lésbicas.

Outros Mórmons, como a Comunidade de Cristo, já aceitam plenamente seus irmãos e irmãs na comunidade glbt.

Agora, um nova série de vídeos produzidos pelo Projetos Mormon Stories e Empathy First demonstram testemunhos de vários Santos dos Últimos Dias que se arrependeram das décadas de discriminação e preconceito contra gays:

 

Vídeo Original

 

Vídeo Legendado

 

O site tem até agora 14 testemunhos que valem a pena assistir. Eu espero que um de vocês, mais tecnológicamente habilidoso, se voluntarie para por legendas em português, por que são todos comoventes e inspiradores. No jargão Mórmon, “cheios de espírito”!

Como disse a irmã Andréa no final deste clipe acima: “Eu apenas oro para que, quem quer que assista isso, você aprenda a se amar e se apreciar como pessoa, e enxergar a sua própria divindade, seu eu interior, seu espírito, assim como você realmente é. Eu digo isso em nome de Jesus Cristo, amém.”

Vai melhorar.

 

Leia também BYU: Campanha Vai Melhorar e mormonsandgays.org

BYU: Campanha ‘Vai Melhorar’ Chega À Universidade Mórmon

A campanha It Gets Better (n.t. Vai Melhorar) faz parte do ‘Projeto Trevor‘, uma organização sem fins lucrativos voltada para a prevenção de suicídios de adolescentes não-heterossexuais (gays, lésbicas, transgêneros, ou bissexuais).

E, finalmente, a campanha chega ao campus da Brigham Young University, universidade privada mantida pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Pra quem não se sente confortável com o áudio em inglês do vídeo, segue uma sinopse, além de contexto, e comentário.

Continuar lendo