Líderes SUD Devem se Arrepender e se Desculpar pela Crueldade para com Pessoas LGBTQ e Suas Crianças

Artigo originalmente publicado aqui, e reproduzido com permissão da Religion Dispatches. Assine ao seu boletim de notícias gratuito, ou siga o RD no Facebook ou no Twitter para atualizações diárias.

Enquanto a liderança SUD rescindia sua proibição de batizar crianças de pais LGBT, eles estranhamente afirmavam que nem a igreja nem a vontade de Deus mudaram. Você quase consegue ouvi-los dizer: “Olha, não nos culpe pelo fato de que Deus acha sua homossexualidade repugnante! Somos apenas os mensageiros!

Membros da Primeira Presidência durante a 189 Conferência Geral Anual, no Centro de Conferências de Salt Lake City, 6 de abril de 2019 (© 2019 INTELLECTUAL RESERVE, INC.).

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias me ensinou o conceito de mordomia, de ser incumbido de nutrir, proteger e garantir o bem-estar de algo que você não possui. Mordomia significa que você é responsável tanto por aqueles que lhe confiaram quanto pelos seres ou coisas que você supervisiona. Na crença SUD, os pais têm a mordomia das crianças, os bispos têm as mordomias sobre as alas, e Adão e Eva tinham a mordomia do Jardim do Éden. Os apóstolos SUD têm uma mordomia da igreja e de seus membros – e sobre o planeta e sobre todos os povos, já que os apóstolos se consideram porta-vozes autorizados de Deus na terra.

Eu estive pensando sobre isso em relação a POX, ou Política de Exclusão, de novembro de 2015 da Igreja SUD. Essa política classificava as relações entre pessoas do mesmo Continuar lendo

Mudanças no Papel das Mulheres Mórmons Discutidas

Artigo originalmente publicado aqui, e reproduzido com permissão da Religion Dispatches. Assine ao seu boletim de notícias gratuito, ou siga o RD no Facebook ou no Twitter para atualizações diárias.

Mudanças no papel das mulheres mórmons não podem ser discutidas – mas vamos discuti-las mesmo assim.

É uma covardia moral, e gaslighting [violência emocional por meio de manipulação psicológica, vulgo “omipulação”], e ainda outra traição negar a raiva e a dor das mulheres, dizer-lhes que não têm o direito de pedir à igreja que seja menos misógina porque a igreja não pode ser misógina – apenas para fazer algumas das mudanças que as mulheres têm pedido enquanto negam explicitamente que as mulheres já tiveram algum tipo de queixa legítima.

Continuar lendo