Mórmons brasileiros gostarão de histórias sobre J. Golden Kimball?

JGoldenKimballFalhei em contar uma piada em Facebook há alguns dias. Tentei contar uma piada sobre J. Golden Kimball—em português para mórmons brasileiros. Ficou óbvio agora que não tem contexto, não sabem nada sobre J. Golden Kimball.

É uma pena. Enquanto algumas das histórias contadas sobre ele não são verídicas, elas fazem parte do folclore mórmon, e dão-nos uma maneira para enfrentar os nossos dificuldades em guardar os mandamentos. De uma maneira importante, rir das falhas em guardar a palavra de sabedoria ou não dizer palavrões faz o guardar os mandamentos mais fácil.

J. Golden Kimball era uma autoridade geral da Igreja, servindo como setenta de 1892 a 1938. Um dos muitos filhos de Heber C. Kimball, Golden tinha apenas 15 anos na morte do pai. Como o pai tinha 47 esposas e talvez 200 filhos, ele foi pobre como criança, e tinha que trabalhar desde cedo para manter a vida. Trabalhou como almocreve, rancheiro, e como gerente numa serraria. Junto com esse trabalho manual, adotou o costume de beber café e dizer palavrões.

Mas em 1881 Golden ouviu um discurso de Karl G. Maeser, o diretor da Brigham Young Academy (depois BYU), e decidiu deixar o rancho, reformar-se e estudar na Brigham Young Academy. Mas os hábitos de dizer palavrões e beber café ficaram com ele—e naquela época essas práticas não eram considerados tão más. A Igreja apenas começou a enfatizar a palavra de sabedoria no começo do século 20, e adicionou uma pergunta sobre a palavra de sabedoria às perguntas para receber recomendação ao templo nos anos 1950.

Em 1883 Golden foi chamado para servir como missionário e em 1891 serviu como presidente da missão dos estados do sul nos EUA. E em 1892 foi chamado para servir como um dos 7 presidentes dos Setenta, uma autoridade geral.

Golden logo se tornou um dos discursantes favoritos na Igreja. Ninguém dormia durante seus discursos, pois estavam repletos de humor e sagacidade. E ele até incluía palavrões leves e histórias em que ele bebeu café nos seus discursos.

É claro que o presidente da Igreja, Heber J. Grant, tentou reformá-lo. Uma vez o Presidente Grant lhe deu um discurso por escrito, sem nenhuma palavrão, para ler em vez de seu discurso extemporâneo habitual. Golden tentou ler o discurso, mas logo ficou frustrado, e virou para o profeta e disse:

“Diabos, Heber, eu não posso ler essa coisa maldita!”

Em 1938, aos oitenta e cinco anos, Golden morreu num acidente automobilístico, depois de servir como autoridade geral durante 46 anos.

Na cultura mórmon, ele é conhecido hoje através de muitas histórias engraçadas, as quais geralmente brincam com as nossas fraquezas em frente da expectativa de perfeição. Se os leitores da Vozes Mórmons querem, posso tentar traduzir algumas dessas histórias. É meio difícil, pois histórias engraçadas dependem muito da cultura, e não sei se a cultura brasileira vai reagir da mesma forma que a cultura do oeste dos Estados Unidos. E tampouco sei se posso traduzir as palavrões de uma forma semelhante (a palavrão “diabos” e mais ou menos forte que “hell” em inglês? Em português pode-se diminuir a força da palavrão por usar letras iniciais? Como se traduz SOB?).

E mesmo se posso fazer uma tradução das histórias, vale a pena? A cultura mórmon no Brasil precisa de tais histórias? Ou deve a cultura mórmon no Brasil desenvolver histórias brasileiras para contar? Já existem tais histórias brasileiras?

Para mim, eu acho que vale a pena. Mas como não sou brasileiro, vou prosseguir apenas se os brasileiros quiserem.

Que acham? Querem curtir essas histórias?

34 comentários sobre “Mórmons brasileiros gostarão de histórias sobre J. Golden Kimball?

  1. Quando passei por UTAH comprei uma fita de vídeo sobre J. Golden Kimball, a maior parte das histórias eram contadas por um neto seu. Eram realmente bem interessantes e engraçadas.
    A melhor delas é quando dizia que cargos na Igreja eram chamados por “Revelation & Relation” (revelação e relação), e que ele jamais teria sido chamado para ser uma autoridade geral se não fosse filho de uma das esposas polígamas de Heber C. Kimball, uma admissão de humildade que me cativou e fez-me atrair para o seu caráter.

    Quando a questão das palavras xulas (“palavrões”) é sempre bom lembrar que tais palavras perdem sua conotação ofensiva de acordo com o tempo, a cultura e o local onde é utilizada.
    Por exemplo, SOB (literalmente “filho de uma cadela”) em Inglês não tem a mesma ofensividade do que FDP em Português. Rapariga em Portugal é simplesmente o feminino de “rapaz”, no Nordeste brasileiro é sinônimo para prostituta, “moleque” no sul tem a conotação apenas de garoto travesso, no Nordeste é quase sinônimo de “delinquente juvenil”.
    Várias palavras em nosso idioma, como “caramba”, “sacanagem”, “puxa-saco” tiveram origem de palavrões, hoje quase perdida. Lembrando ainda que as palavras xulas geralmente surgem da linguagem de cadeia e quase sempre invocam uma referências sexual, são expressões usadas para ofender e intimidar, são processadas em partes do cérebro diferentes de onde é processada a linguagem normal, os portadores da síndrome de Tourette, e.g., são incapazes de se comunicar em palavras, porém conseguem xingar em palavrões.

    Att.

    • Portadores de tourette são incapases de se comunicar em palavras… isso foi preconceituoso…. Eu sou portador de tourette, nao falo palavroes… meus espasmos são motores (braços, rosto). E mesmo os que falam, tbm falam palavras normais…

  2. Como falaram, na época essas palavras não eram combatidas com tanta ênfase, as pessoas e até mesmo as autoridades gerais estavam recebendo conhecimento das verdades pouco a pouco. Tenho certeza absoluta que se J. G. Kimball vivesse hoje, jamais falaria tais palavras. Entendo o que querem dizer e é simplesmente mágico ouvir histórias como essa de grandes líderes do passado, mas jugo que conforme o tempo passa a barra aumenta, a nossas responsabilidades como membros da igreja cresce em progressão geográfica

  3. Esse personagem deve ter sido uma figura, como falamos aqui. Vale a pena saber histórias sobre ele, e de como ele era autêntico. Creio apenas que os mormons no Brasil vão sempre achar que está mentindo, pois eles acham que as autoridades gerais da igreja são infalíveis. Os mormons alimentão essa falácia em suas mentes adormecidas.

  4. Pingback: J. Golden Kimball: Café no Chocolate Quente | Vozes Mórmons

  5. Oi, Kent!
    “Caí” pela primeira vez hoje no site de vocês e estou gostando especialmente dos seus artigos!
    Ao ler esse sobre J. Golden Kimball, lembrei que durante minha Missão ouvi histórias dele sendo contadas por um casal missionário de Utah. Eles falavam muito “hell” e “damn” e eu achei super engraçado ouvir essas histórias sobre uma autoridade geral! Sinceramente, acho que para quem não entende inglês, as histórias dele não fazem tanto sentido, não ficam engraçadas quando traduzidas e não serão tão apreciadas principalmente porque a cultura mórmon brasileira tem suas especificidades… aqui os membros não vêem as autoridades gerais como homens passíveis de falhas e fraquezas e não vêem piada nisso…
    Enfim, eu adoraria ler mais histórias sobre ele – em inglês!!!

    • Lívia, eu concordo com a sua observação. Seria muito saudável se nós brasileiros conseguíssimos enxergar as Autoridades Gerais como pessoas.

      Eu acho que uma boa introdução às estórias clássicas do “Uncle Golden” são essas compilações curtas porém baratas: Parte 1 e parte 2. O autor da coletânea, James Kimball, é tatara-sobrinho do J. Golden, e além desses livros, ele rodava com um stand-up imitando o J. Golden e contando as suas estórias. Eu tinha uma fita cassete dele na minha missão que eu ouvia com todos os meus companheiros novos. Se conseguir achar, vale muito a pena, também.

  6. Kent Larsen

    Gostei do cara. Posta ai as histórias em inglês mesmo.
    SOB = FDP
    “Get back here you fucking sob!
    Mas em português ninguém diz ” Volta aqui seu fdp” e sim, “Volta aqui seu filho….”

  7. Olá irmão Kent…

    Creio que histórias assim existem e muitas. Onde vivo mesmo tem um irmão que discursando e dando aulas fala bobagens engraçadas. testemunhos com histórias e estórias também.

    Conheci alguns irmãos com o vício do café e cigarro. Um mesmo era Líder de Missão da Ala e num supermercado bebeu café e disse: “Ah Elder um copinho faz mal não!” Um dia em sua casa ia abrindo a garrafa de chá e ele disse que não era pra abrir e quando vi era café. Também conheci um que retornou e lutou contra isso.

    Infelizmente bibi chá preto por conta de uma Sister. Ela reclamou que a latinha de chá estava amarga e bebi. Olhando melhor vi que continha chá preto. Na hora ela ficou decepcionada e apenas brinquei com isso e rimos no Distrito.

    Você saberia me dizer que Presidente mudou de aconselhamento em mandamento? Foi em Conferência Geral e teve votação?

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s