‘Paulo, Apóstolo de Cristo’ está mais à Coca-Cola que à Bíblia

O cartaz de Paulo, Apóstolo de Cristo mostra um Paulo com olhar determinado (James Faulkner) olhando diretamente para o espectador. Lucas, interpretado por Jim Caviezel, (Jesus em A Paixão de Cristo), parece resoluto ao seu lado. Dois atores brancos, bonitos, e castigados pelo sol, com narizes fortes e queixos fortes, interpretam heróis da fé cristã.

O que poderia estar errado aqui?

Em termos de precisão histórica, há muita coisa errada. E muito em jogo. Paulo, Apóstolo de Cristo é um entre muitos numa crescente onda de filmes bíblicos que romantizam e distorcem o passado, e ainda arriscam causar danos atuais. Esses filmes são como refrigerantes: doce, fácil de engolir, mas prejudicial se parte de uma dieta constante.

Cartaz de “Paulo, Apóstolo de Cristo” com Paulo (James Faulkner) e Lucas (Jim Caviezel) olhando diretamente para o espectador.

Eu me diverti assistindo Paulo, Apóstolo de Cristo; a subtrama fictícia de Paulo assombrado pelo assassinato de uma jovem é bastante tocante. Apesar disso, acredito que o filme deve mais à Coca-Cola do que à Bíblia. Eis cinco razões: Continuar lendo

Palavra de Sabedoria e a Ciência

Quem nunca ouviu a afirmação que a revelação da chamada “Palavra de Sabedoria” foi revolucionária e um enorme avanço sobre as ciências médicas, que viriam a confirma-la décadas ou centenas de anos depois? Que a Palavra de Sabedoria é uma profecia cumprida e confirmada pela Ciência moderna? E, como prova disso, o estado de Utah — ainda em sua maioria Mórmon — goza de uma das maiores taxas de expectativa de vida nos EUA e no mundo!

Bom, do ponto de vista histórico sabemos que a Palavra de Sabedoria é praticamente idêntica ao movimento chamado de “temperância” que alastrava por toda a região norte-nordeste dos EUA desde o início do século XIX, atingindo furor nas décadas de 1820 e 1830.

Ignorando a questão de sua independência de origens, a Palavra de Sabedoria traz afirmações de saúde claras e específicas, que permanecem no contexto Mórmon fortemente até hoje.

Ao menos alguns líderes da Igreja defendem ou defenderam Ciência como o resto do mundo a utiliza: ferramenta para o avanço do conhecimento e bem estar da Humanidade. Sendo assim, eu achei que seria interessante ver o que as Ciências Médicas, principalmente as pesquisas científicas mais recentes, tem a dizer hoje sobre a Palavra de Sabedoria (como publicada em Doutrina e Convênios, seção 89).

O que dizem os estudos recentes? [1]

Continuar lendo