Palavra de Sabedoria e a Ciência

Quem nunca ouviu a afirmação que a revelação da chamada “Palavra de Sabedoria” foi revolucionária e um enorme avanço sobre as ciências médicas, que viriam a confirma-la décadas ou centenas de anos depois? Que a Palavra de Sabedoria é uma profecia cumprida e confirmada pela Ciência moderna? E, como prova disso, o estado de Utah — ainda em sua maioria Mórmon — goza de uma das maiores taxas de expectativa de vida nos EUA e no mundo!

Bom, do ponto de vista histórico sabemos que a Palavra de Sabedoria é praticamente idêntica ao movimento chamado de “temperância” que alastrava por toda a região norte-nordeste dos EUA desde o início do século XIX, atingindo furor nas décadas de 1820 e 1830.

Ignorando a questão de sua independência de origens, a Palavra de Sabedoria traz afirmações de saúde claras e específicas, que permanecem no contexto Mórmon fortemente até hoje.

Ao menos alguns líderes da Igreja defendem ou defenderam Ciência como o resto do mundo a utiliza: ferramenta para o avanço do conhecimento e bem estar da Humanidade. Sendo assim, eu achei que seria interessante ver o que as Ciências Médicas, principalmente as pesquisas científicas mais recentes, tem a dizer hoje sobre a Palavra de Sabedoria (como publicada em Doutrina e Convênios, seção 89).

O que dizem os estudos recentes? [1]

1) VINHO E ÁLCOOL

“Eis que não é bom nem aceitável aos olhos de vosso Pai que alguém entre vós tome vinho ou bebida forte…” (v. 5)

– Reduz risco de Catarata [2]

– Reduz Risco de Diabete [3][4][5]

– Reduz risco de Doença Coronária em Fumantes [6]

– Reduz risco de Derrames [7]

– Reduz risco em Câncer Intestinal [8]

– Reduz risco de Perda de Memoria [9]

– Embora se diga que as substancias responsáveis pela ação anti-plaquetária e anti-inflamatória endotelial (os Flavonóides) são encontradas tanto no Vinho Tinto como no Suco de Uva, inúmeros estudos demonstram que o fator protetor cardiovascular que a combinação no Vinho Tinto (com Álcool) é *significantemente maior* que no Suco de Uva. Há vários estudos que demonstram ação protetora maior em combinações etílicas *sem* uvas! [6][7][10][11][12][13][14][15]

2) ANTISSEPSIA

“E também bebidas fortes não são para o ventre, mas para lavar vosso corpo.” (v. 7)

– Anti-sépticos baseados em Álcool causam mais danos que os baseados em sabão, sem maior proteção. [16]

3) TABACO

“E também tabaco… é uma erva para machucaduras…” (v. 8)

– Do ponto de vista da Saúde Publica, não há um único uso beneficio do tabaco! [17]

– Na verdade, o uso tópico do tabaco só poderia *piorar* as “machucaduras.” [18]

– Há que se notar aqui que, apesar do grave equívoco acima, a revelação acerta quando proíbe o consume de tabaco (“…tabaco não é para o corpo nem para o ventre e não é bom para o homem…”), embora esse fosse um dos pontos do movimento de temperância mencionado acima, e a própria queixa inicial de Emma Smith, que inspirou a revelação.

4) CAFÉ

“E também bebidas quentes não são para o corpo nem para o ventre.” (v. 9) [19]

– Reduz risco de Parkinson [20][21]

– Reduz risco de Câncer Intestinal [22]

– Reduz risco de Diabetes do tipo 2 [23]

– Reduz risco de Fibrose Hepática ou Esteatose Hepática [24]

– Reduz sintomas de Asma [25]

– Reduz sintomas em algumas Cefaléias não-Migranosas [26]

5) CARNE

“Agrada-me que [carnes de animais] não sejam usadas a não ser no inverno ou em tempos de frio ou de fome. (v. 13) E [os animais do campo e as aves do céu e todos os animais selvagens] fez Deus para uso do homem apenas em épocas de escassez ou fome excessiva.” (v. 15)

Recomendação do USDA: 2 a 3 porções do grupo de carnes, equivalente a 5-7 onças de proteína, como carne magra por dia.

6) TRIGO, GRÃOS, CEVADA

“Contudo, o trigo para o homem… e a cevada… para bebidas suaves, como também outros grãos.” (v. 17)

CERVEJA!!! [27]

– Há que se notar aqui que, apesar da contradição ao incentivar o consumo de cerveja, a recomendação vaga para o uso de grãos é boa (“Todos os grãos são bons para alimento do homem…”). Não obstante, a bizarra exclusão de milho, aveia, centeio, e cevada para animais e não para seres humanos complica e confunde este trecho, que talvez por isso, seja largamente ignorado (“…trigo para o homem e o milho para o boi e a aveia para o cavalo e o centeio para as aves e os porcos…e a cevada para todos os animais úteis…”).

7) PROMESSA

“E correrão e não se cansarão; e caminharão e não desfalecerão.” (v. 20)

Pelo contrário, o consumo moderado de café melhora Asma, e de vinho (álcool) melhora função cardíaca, facilitando atividades aeróbicas (i.e., correr sem cansar, caminhar sem desfalecer). [6][10][11][12][15]

8) SABEDORIA

“E encontrarão sabedoria e grandes tesouros de conhecimento, sim, tesouros ocultos…” (v. 19)

No frigir dos ovos, a única real importância de se seguir a Palavra de Sabedoria: “tesouros ocultos” (i.e., experiência religiosa).

Em conclusão, a Palavra de Sabedoria, conforme descrita na revelação publicada, não tem muito valor do ponto de vista médico-científico. Ela teria sido muito mais profética, e útil, se tivesse insistido em lavar as mãos, ferver a água, tomar vacinas, e moderação em todas as coisas!

Quanto à questão religiosa, cabe à cada um medir o que ela lhe pode oferecer, embora eu ache que há questões mais importantes do ponto de vista ético e espiritual do que simples práticas dietéticas:

“Nada há fora do homem que, entrando nele, possa contaminá-lo; mas o que sai do homem, isso é que o contamina.” [28]

“Ai de vós… porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, e tendes omitido o que há de mais importante na lei, a saber, a justiça, a misericórdia e a fé… Guias cegos! que coais um mosquito, e engulis um camelo. Ai de vós… porque limpais o exterior do copo e do prato, mas por dentro estão cheios de rapina e de intemperança… limpa primeiro o interior do copo, para que também o exterior se torne limpo.” [29]

—-
[01] É importante notar que todos os estudos mencionados nesse artigo exploram consumo leve e/ou moderado. Doses diárias elevadas, outros estudos demonstram, de café, álcool, e carne vermelha, aumentam riscos para várias doenças cardíacas, hepáticas, mamárias, e gastrointestinais.
[02] Light to moderate daily consumption reduces risk of cataract. ARVO 2005 Annual Meeting: Abstract B198. Presented May 4, 2005.
[03] Sun, C. Moderate daily consumption may reduce risk of diabetes. Cell Metabolism. October 2007; vol 6: pp 307-319.
[04] Zabolotny, J. Cell Metabolism. October 2007; vol 6: pp 247-249.
[05] Long-term alcohol consumption in relation to all-cause and cardiovascular mortality among survivors of myocardial infarction: the Health Professionals Follow-up Study. Eur Heart J. March 28, 2012.
[06] Moderate daily consumption counteracts smoking effect on coronary disease. Am Heart J 147(2):E5, 2004.
[07] Alcohol Consumption and Risk of Stroke in Women. Stroke. STROKEAHA.111.639435.
[08] Moderate daily consumption decreases risk of Colon Cancer. American College of Gastroenterology’s Annual Scientific Meeting, Las Vegas, Oct. 20-25, 2006.
[09] Valenzano, D. Moderate daily consumption may decrease aging effects, including memory loss. Current Biology. Feb. 7, 2006; vol 16: pp 296-300.
[10] Goldberg IJ, Mosca L, Piano MR, et al. AHA Science Advisory: Wine and your heart: a science advisory for healthcare professionals from the Nutrition Committee, Council on Epidemiology and Prevention, and Council on Cardiovascular Nursing of the American Heart Association. Circulation. 2001; 103: 472–475.
[11] Klatsky AL. Alcohol, coronary disease, and hypertension. Annu Rev Med. 1996; 47: 149–160.
[12] Demrow HS, Slane PR, Folts JD. Administration of wine and grape juice inhibits in vivo platelet activity and thrombosis in stenosed canine coronary arteries. Circulation. 1995; 91: 1182–1188.
[13] Lipoproteins and blood pressure as biological pathways for effect of moderate alcohol consumption on coronary heart disease. Circulation. Mar 1992; 85: 910 – 915.
[14] Alcohol Consumption Raises HDL Cholesterol Levels by Increasing the Transport Rate of Apolipoproteins A-I and A-II. Circulation. Nov 2000; 102: 2347 – 2352. (Colesterol “bom”!)
[15] Importance of Pattern of Alcohol Consumption. Circulation. December 20/27, 2005; 112: 3818 – 3819.
[16] Alcohol based anti-septics cause much more harm for the same anti-septic effect than soap-like detergents. American Journal of Infection Control 2003, vol. 31, no1, pp. 43-48.[17] Cancer Tobacco Atlas.
[18] O [tabaco] retarda o processo de cicatrização ao: (1) diminuir o fluxo sanguíneo, (2) diminuir, através de CO, o transporte de oxigênio ao tecido em cicatrização, (3) reduz a taxa de epitelização (formação de novas células) pela presença de catecolaminas, (4) inibe o transporte transcelular de oxigênio, (5) reduz a formacao de hemácias, fibroblastos, e macrófagos, e (6) aumenta agregacao plaquetária, aumentando a taxa de crostas anormais, dificultando o processo cicatricial.” — The Tobacco Reference Guide.
[19] Hyrum Smith, da Primeira Presidência e Patriarca Presidente, define “bebidas quentes” como “café e chá.” Times and Seasons, 1 Jun 1842, vol. 3, p. 800.
[20] Hu, F. Moderate daily Coffee consumption reduces risk of Parkinson’s disease. Annals of Internal Medicine. January 2004; vol 140; pp 1-8.
[21] Leitzmann, M. The Journal of the American Medical Association , June 9, 1999, vol 281; pp 2106-2122.
[22] Giovannucci, E. Moderate daily Coffee consumption reduces risk of Colon Cancer. American Journal of Epidemiology. June 1, 1998; vol 147; pp 1043-1052.
[23] Biao Cheng, Xinran Liu, Hao Gong et al. Coffee Components Inhibit Amyloid Formation of Human Islet Amyloid Polypeptide in Vitro: Possible Link between Coffee Consumption and Diabetes Mellitus. J. Agric. Food Chem., 2011, 59 (24), pp 13147–13155, DOI: 10.1021/jf201702h.
[24] Molloy, JW, Calcagno, CJ, et al. Association of coffee and caffeine consumption with fatty liver disease, nonalcoholic steatohepatitis, and degree of hepatic fibrosis. Hepatology. 2012;55:429-436. Abstract.
[25] Pagano, R. Moderate daily Coffee consumption reduces symptoms of Asthma Chest. August 1988; vol 94; pp 387-389.
[26] Benedetti MD. Moderate daily Coffee consumption reduces symptoms of some types of non-migranous headaches. Neurology. July 12, 2000; vol 55; pp 1350-1358.
[27] Ver referências #3 e #7 a #12.
[28] Ma 7:15-23
[29] Mt 23:23-25

50 comentários sobre “Palavra de Sabedoria e a Ciência

  1. Obrigado, Marcello, pelas referências médico-científicas, colocadas dessa forma objetiva. Eu apenas salientaria o fato de que seu texto – com exceção das obervações sobre carne e cerveja! – aborda em grande parte a “Palavra de Sabedoria” moderna, ou seja, a sua interpretação mais atual, que é bastante diferente do texto em D&C 89. Por exemplo, o versículo 05 sobre o vinho segue fazendo a ressalva de que o vinho é apenas aceitável na ordenança do sacramento. Dessa forma, o o texto sugere a propriedade de um consumo regular de vinho em pequena quantidade para fins cerimoniais. Da mesma forma, a definição de café e chá preto como “bebidas quentes” é muito posterior à revelação.

    De qualquer forma, a introdução de D&C 89 já deixa claro o espírito de “sabedoria”, com as devidas ressalvas a que você aponta no final do seu texto: “não como mandamento ou coerção, mas como revelação e palavra de sabedoria, manifestando a ordem e a vontade de Deus quanto à salvação física de todos os santos nos últimos dias — Dada como princípio com promessa, adaptada à capacidade dos fracos e do mais fraco de todos os santos, que são ou podem ser chamados santos.”

    • Antônio, a minha proposta aqui não era analisar a seção 89 textualmente ou mesmo em seu contexto histórico, mas sim apenas comparar as asserções por ela feita com as mais recentes análises científicas. Se vinho era aceito ou não para fins ritualísticos ou se ela teria a proposta de ser ou não obrigatória eram, para os fins desta presente comparação, irrelevantes.

      O único real problema, como você mesmo apontou, seria a dependência da interpretação de “bebidas quentes,” que é completamente ambígua no texto em si. Felizmente, a publicação oficial da interpretação como “café e chá” sob os auspícios editoriais de Joseph Smith norteiam a discussão, embora realmente o texto original não fosse claro.

      Nota tangencial: embora a Palavra de Sabedoria fosse vista como “princípio com promessa,” procedimentos de excomunhão em Missouri e em Illinois citavam violações à ela como base para expulsão.

  2. O texto possui boa desenvoltura, e boas referências, Sou sud e tento ser o mais imparcial possível em mina vida como um todo, e apesar de ter minhas opiniões contrárias a palavra de sabedoria, achei que a exposição acima foi bastante tendenciosa a um lado, aquele que agrada o autor como verdade.

    • Acho que você esta certa Fabiano. Bonitas palavras para explicar o que vemos todos os dias na TV… Se de alguma forma hoje o cigarro fosse indicado no mundo inteiro como algo que traz saúde para todos ainda assim a palavra de sabedoria resistira, pois os mórmons vivem este que é para mim um mandamento por ser um principio da igreja e não por um movimento que passou pela região norte-nordeste e que após isso veio à palavra de sabedoria ou sei lá. Que tal mandarmos este artigo para a presidência de ária, quem sabe eles podem responder um questão tão difícil. Eu voto por continuar guardando o princípio, e esperar uma nova revelação… Vai que eles liberam o vinho (com álcool) na sacramental, já pensou não teria problemas para encontrar jovens para abençoar.

      • Nacélio, o fato da Palavra de Sabedoria ter sido extremamente influenciada pelo Movimento de Temperância é um fato histórico, o que não significa que haja necessidade de alterações nos costumes e práticas religiosas do presente. Um apenas informa o outro.

        Da mesma maneira, o fato da Palavra de Sabedoria não ter embasamento científico (salvo as exceções tangenciais mencionadas acima, i.e., abstenção do fumo do tabaco e a recomendação da ingesta de grãos) tampouco significa que haja necessidade de alterações nos costumes e práticas religiosas do presente. Novamente, um apenas informa o outro.

  3. Nas escrituras existem muitas passagens, onde pessoas se embreagam com “vinho”. O próprio salvador utilizava-se do vinho. E sempre aconselhou bebeis, mas não vos empreagueis. Porém, ele deixou uma advertência: -“Do suco da videira não mais bebereis, até que eu venho e bebereis comigo…”. (Não lembro a exatidão da escritura). Cigarro, drogas, substâncias nocivas é mais do que óbvio que serão prejudiciais de alguma maneira. As duas partes que não compreendo sobre esta revelação são: 1) -“Não é dado como mandamento ou forma de coeração.” (Parece-me que D´us já estava prevendo o futuro, onde os homens mudariam a forma da doutrina, tornando-a um mandamento “mortal”). 2) -“Chá, café são bebidas quentes”. (Quando as escrituras se refereiam a bebidas quentes, estariam refereindo-se a Wiske, Vodka, Cunhaque e outras bebidas alcóolicas que no “velho oeste” eram conhecidas como “bebidas quentes”. Então o que não era mandamento no passado, hoje virou mandamento “MORTAL”. Pois, sem isso você não pode entrar no templo e fazer convênios, logo sofrerá uma segunda morte espiritual ainda pior que a primeira.

    • Pois é Heber, é bastante fajuta a explicação de alguns apologistas que dizem o vinho utilizado entre os judeus era não-alcoólico. Noé e Ló são exemplos de personagens que se embriagaram após a ingesta (exagerada) de vinho. O anfitrião da festa de casamento em que Jesus realiza seu primeiro milagre elogia o “vinho do milagre” como melhor que o primeiro servido. Concordo com o Marcello que existem escrituras que enfatizam questões éticas de maior importância (ainda que muitas vezes ignoradas entre os cristãos de uma forma geral) e que desmorona todo esse edifício construído em torno da Palavra de Sabedoria.

      • Leonel, esse é o grande problema — e o grande dilema — dos apologistas, ao meu ver. Até onde vale distorcer fatos apenas para “provar” determinado ponto ou crença?

    • É verdade, Heber, que existem muitas contradições quando se pensa em todo o período histórico, mas se for aplicado o filtro cultural, muita coisa é respondida – ao menos me parece ser assim. Um exemplo: era um costume muito difundido na época de Cristo o uso do vinho, e usá-lo não era um problema; no entanto, parece-me que à época do recebimento da revelação em D&C 89, a coisa era outra. A cultura do local dizia que pessoas que se diziam “de bem” ou “santos” não poderiam usar vinho, porque tal ato era visto pela sociedade como sendo pertinente à carne, considerado até mesmo profano. Quando à questão do mandamento, foi Brigham Young que recebeu a revelação transformando a PS em mandamento, ao invés de ser um simples conselho. Isso, segundo o livro A Igreja Restaurada, foi porque as pessoas ignoravam o conselho e alguns membros eram mesmo vistos como beberrões. Garanto que isso não atrai pessoas para a Igreja. Achei interessante ver por esse lado, pode levar a alguma coisa produtiva, também.

  4. O que nunca compreendi nessa revelação foi a proibição ao uso do vinho. Até mesmo no Livro de Mormon há duas situações em que os exércitos nefitas dão vinho para o exército dos lamanitas se embebedaram de vinho. Nas escrituras a palavra de vinho é mencionada dezenas de vezes (mesmo no LIvro de Mormon), sempre associada a algum efeito do álcool. É de mais para minha cabeça dizer que existia um vinho sem álcool.

    • Pois é, Dan.

      * Noé ficou tão bêbado que quando seu filho Cão o viu embriagado, estava nú. Por isso ele amaldiçoou seu neto Canaã, filho de Cão, à escravidão. Noé não foi punido. [1]

      * Ló ficou tão bêbado que fez sexo com suas duas filhas, e teve dois filhos-netos, um dos quais seria um ancestral direto de Jesus Cristo. [2]

      * Jesus Cristo bebeu na cruz para aliviar a dor e o estresse. [3][4]

      • Há apologistas SUDs que afirmam que, na verdade Cão, não viu seu pai nu, mas sim vestido na roupa de peles dada a Adão por Deus (um protótipo dos atuais garments) e que era um símbolo do sacerdócio. Mas, qualquer que seja a explicação, o fato inconteste é que Noé “encheu a cara” com vinho e isso, aparentemente, não trouxe maiores problemas para ele.

    • Os apologistas mórmons estão corretos ao afirmar que a palavra “vinho” que aparece na bíblia significa desde o suco não fermentado à bebida embriagante. Porém extrapolar a ponto de propor uma interpretação onde Jesus e as demais personagens bíblicas se abstinham de álcool tal como um mórmon contemporâneo é algo forçoso.

      Segundo o evangelho de Lucas, o próprio Jesus chegou a comentar seu contraste com o primo: “Porque veio João Batista, que (…) nem bebia vinho, e dizeis: Tem demônio.
      Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizeis: Eis aí um homem comilão e bebedor de vinho, amigo dos publicanos e dos pecadores”. (Lc 7.33,34)

      Não sendo Nazireu, Jesus podia degustar os produtos da vinha (Nm 6:4) . Que sua bebida era fermentada, as acusações de “comilão e bebedor de vinho” por parte dos seus opositores parecem confirmar a tal hipótese. Outras figuras ilustres das escrituras parecem ir Tb nessa direção.

      Um curioso comentário no livro de provérbios demonstra indulgência no uso do álcool em determinadas circunstancias:
      “Dai bebida forte ao que está para perecer, e o vinho ao que está em amargura de espírito. Bebam e se esqueçam da sua pobreza, e da sua miséria não se lembrem mais” Provérbios 31:6-7.

      No contexto do Mormonismo, a palavra de sabedoria deixou de ser um conselho de moderação para ser uma lei de abstinência somente após a morte de Smith, que segundo relatos, era conivente com comercialização de bebidas na Mansion House e chegou a tomar “umas” na cadeia de Cartage, talvez seguindo o conselho de Lemuel, rei de Massá, no já citado Provébios 31.

  5. Creio que este versículo da seção 89 deva ser levado em conta ao se analisar a eficácia científica de toda a revelação:

    “Dada como princípio com promessa, adaptada à capacidade dos fracos e do mais fraco de todos os santos, que são ou podem ser chamados santos.”

    Ora, apesar do álcool, do vinho e até a cerveja ter seus benefícios, para quem é geneticamente predisposto ao alcoolismo sabe que uma gota de álcool pode ser fatal e desencadear todo o seu vício. Minha esposa veio de família onde o pai era alcóolotra, e hoje, mesmo 10 anos após a morte do pai as sequelas daquela experiência ainda a ferem e ferem suas irmãs. Creio que não há benefício algum do álcool que possa mitigar as sequelas psicológicas de uma família que enfrentou o problema do alcoolismo na pele.
    O mesmo se pode dizer do café para um hipertenso ou para quem sofre de enxaquecas.
    A única ressalva científica que teria da seção 89 é realmente, como o Jun apresentou, se tabaco serve como cura para machucaduras de gado. Parece estranho esta rcomendação e pode refletir mais o uso fitoterápico de seu tempo do que uma inspiração para a revelação.
    Pesquisei um pouco na Internet e vi que no passado Folhas de tabaco foram usadas com sucesso pelos índios na cura das feridas do maculo, uma doença trazida pelos escravos africanos, chegando mesmo a ser chamada de erva santa pelos portugueses.
    http://www.sbhm.org.br/index.asp?p=noticias&codigo=98

    Quanto a eficácia da promessa deixada pela Palavra de Sabedoria, creio que vale a pena citar o estudo de campo conduzido pelos professores não-mórmons da UCLA, os quais acompanharam por 15 anos um grupo de quase 10.000 sumo-sacerdotes SUD e concluíram que estes possuíam uma expectativa de vida cerca de 10 anos superior à média populacional
    http://209.157.64.200/focus/f-religion/2492613/posts

    Att.

    • Marcelo, obrigado pelo comentário, mas aqui você erra em todas as suas proposições.

      1) Você esta citando evidência anedotal e apelando para exceções e extremos. Sem dúvida alguma, alcoolismo é preocupante e devastador. Mas hoje sabemos que o alcoolismo é exceção, e não a regra.

      Para pessoas alérgicas, crustáceos podem ser fatais, e a maioria das pessoas descobre suas alergias durante sua primeira crise — muitas vezes sob grandes riscos. Nem por isso, justifica-se proibir o consumo de camarões para poder entrar no Templo! Além disso, você estaria disposto a recomendar ao Templo alguém que bebe uma taça de vinho por dia, desde que consiga comprovar que esta imune ao alcoolismo?

      O mesmo para café. Se você não sofre de enxaqueca, então a Palavra de Sabedoria não se aplica?

      Em nenhum estudo médico você verá a afirmação que, por que café tem benefícios para a maioria da população, terá benefícios para toda a população, inclusive para enxaquecosos.

      A verdade é que, aqui, você esta deturpando as Ciências Médicas para se encaixar nos seus preconceitos pessoais. Estudos demonstram que o consumo moderado de álcool é benéfico, mas estudos também demonstram que se você tem história familiar de alcoolismo, suas chances de alcoolismo são muito maiores que a população geral. Toma-se, assim, em consideração todos os dados para oferecer recomendações mais adequadas — e mais baseadas na realidade, e menos em preconceitos culturais ou religiosos.

      Se Medicina fosse simples como a + b + c, tudo seria bem mais simples. Mas não é assim. Criacionistas gostariam que fosse, mas não é.

      2) Por que os “antigos” usavam o tabaco dessa maneira, não significa que o uso é válido. Estudos recentes sugerem que, não, o tabaco não ajuda na cicatrização.

      3) Presumo que você tenha lido o estudo, então, você deve ter percebido que eles não corrigiram para co-fatores importantes e relevantes, como estratificações de níveis sócio-econômicos, contrastando com níveis populacionais em seções similares.

      Eu tenho certeza que não preciso explicar por que isso é importante num estudo desse tipo.

      Eu, pessoalmente, não ficaria surpreso se SUD ativos tivessem uma expectativa de vida maior que a população em média, mas não por causa da Palavra de Sabedoria. Um volume grande de estudos recentes sugerem que a estabilidade de grupos sociais (religiões, maçonaria, etc.), assim como nível educacional, escolaridade, e nível sócio-econômico (poder de consumo) afetam significativamente na expectativa de vida. E Santos dos Últimos Dias, nos EUA ao menos, tendem a ter níveis educacionais maiores que a média populacional, que eleva o poder de consumo médio (melhorando opções dietéticas), melhorando qualidade de vida (menos dívidas, menos estresse), e maior acesso a atendimento médico, especialmente preventivo.

      Abstenção de tabagismo ajuda, mas há 30 ou 40 anos atrás isso era muito mais significativo como fator diferencial. Hoje, muito menos, com as enormes reduções de taxas de tabagismo, especialmente nas classes sociais mais altas.

      O estudo que você mencionou é ruim, mal desenhado, e completamente irrelevante no que diz respeito à Palavra de Sabedoria. Como você deve saber, um porção enorme de estudos médicos sofrem desses problemas, o que torna a leitura e seguimento de literatura médica um hábito muito difícil. Inclusive, a maiora das boas escolas de medicinas tem cursos específicos de como ler a literatura médica científica, filtrando os estudos ruins dos bons, os irrelevantes dos úteis, os de baixo impacto e valor dos de alto impacto e valor.

      Para ser completamente honesto, muitos dos estudos que eu citei acima também sofrem de problemas de desenho e/ou execução. Por isso eu tentei incluir apenas os melhores, ou os mais representativos de linhas de pesquisa que apresentaram múltiplas confirmações na literatura.

  6. O consumo de carne de porco era proibido para os antigos israelitas, e somente para os israelitas daquela época. Entendo que o consumo de álcool, no mínimo que seja, é proibido somente para os de nossa época. Acho que os efeitos do álcool são mais prejudiciais agora do que eram antigamente; vemos isso, por exemplo, nos acidentes de trânsito. Também acho que as relações familiares são mais afetadas hoje pelo álcool do que eram antigamente.

    Interessante que ninguém diz que ser contra a palavra de sabedoria comer churrasco no verão, o que é expressamente contra indicado na seção 89.

  7. Dan, a carne de porco CONTINUA proibida para os israelitas de hoje. Porco não é kosher, nem vários outros animais, sem falar nos peixes sem escamas. E alcoolismo sempre existiu no mundo. Nem por isso o vinho deixou de fazer parte da mesa judaica, muito menos de cerimônias importantes como o kiddush. O álcool é proibido para muçulmanos. (Que também gostam de poligamia, como os mórmons, que creem na poligamia no mundo vindouro.)

    Quanto à carne, os adventistas é que estão certos e estimulam o vegetarianismo e uma alimentação verdadeiramente saudável, rica em grãos integrais, verduras, frutas, legumes. A Palavra de Sabedoria mórmon, tal qual enfatizada hoje em dia (proibir café, cigarro, álcool e chá preto, sob pena de não entrar no templo), é o mínimo do mínimo e deixa de lado o que realmente importa: atividade física regular e alimentação equilibrada e saudável (que até poderia incluir café, chá e álcool em pequenas quantidades, mas banir frituras, açúcares industriais, refrigerantes, gorduras, carnes embutidas e outros verdadeiros venenos).

  8. >Mas hoje sabemos que o alcoolismo é exceção, e não a regra. <

    Mas este é o meu ponto Jun. O versículo diz que a Palavra de Sabedoria foi nivelada por baixo, pela exceção, "adaptada à capacidade dos fracos e mais fracos de todos os santos". (D&C 89:3), não pelo geral.

    Claro que todo estudo tem suas deficências, mas este é o único que conheço que foi conduzido com o propósito especifíco de avaliar a eficáciada da Palavra deSabedoria.

    • Se for pra REALMENTE nivelar por baixo, aí ninguém poderia fazer absolutamente nada! Só pelo fator alergia, existe gente com alergia a amendoim, leite de vaca, ovos, soja, peixes e frutos do mar, nozes, entre outras coisas. Existem pessoas com tipos específicos de asma que, veja só, não podem fazer exercício sem usar bombinha! E pior: existem asmáticos que morrem por entrarem num lugar com muito pó!
      Estaria, de fato, a Palavra de Sabedoria “adaptada à capacidade dos fracos e mais fracos de todos os santos”? Ou o que estaria adaptado seriam os anexos e adições à Palavra de Sabedoria? Isso não aproximaria a interpretação religiosa da explicação científica, que tanto julgam ser “inconstante” e com “meias verdades”?

    • Marcelo, você leu o estudo? Você percebeu que não era um estudo sobre dieta SUD? Você percebeu que o estudo não foi “trabalho de campo” (i.e., foi transversal, e não coorte)? Você percebeu que ele não foi experimental, não foi prospectivo, não foi randomizado, não foi controlado? Você percebeu que o estudo não controla e calcula por variáveis (“confounding factors”) importantes e fundamentais? Você percebeu que a seleção populacional é extremamente pequena para o controle (i.e., população geral) espalhada por uma região geográfica e econômica enorme, enquanto a seleção para o grupo alvo (i.e., Mórmons) é muito maior, seletiva, e concentrada numa região geográfica pequena e econômica rica?

      E assim por diante. Os problemas nesse estudo são tantos e tão grandes que ele praticamente inútil. Mas não se sinta mal com isso, por favor. A maioria de estudos médicos publicados é assim, com exceção de poucos jornais específicos que são mais rigorosos. Faz parte.

      • Sim Jun, não era específico sobre a dieta SUD, mas sobre o estilo-de-vida SUD!
        O estudo acompanhou a taxa de mortalidade de 9815 sumo-sacerdotes SUD durante 25 anos e a comparou com a taxa de mortalidade de mais de 15.000 americanos de perfil semelhante. A conclusão é de que os sumo-sacerdotes SUD vivem mais! Agora se quer atribuir isto mais ao efeito grupo ou a estabilidade de seus casamentos do que efetivamente a dieta SUD, eu acho improvável. Apesar de acreditar que estes 2 efeitos possam ser também significativos, minha intuição leva a pensar que a dieta o seja muito mais. Se minha intuição está falha então precisamos de outro estudo com 10.000 sumo-sacerdotes SUD de um lado, 10.000 adultos do outro lado que frequentam suas Igrejas no Domingo (ou Sábado), de mesmo nível social, que tenham casamentos estáveis, não-fumantes mas que bebam café e álcool esporadicamente. Acompanhá-los por 25 anos e verificar se suas diferenças de taxa de mortalidade são significativas ou não em um nível de confiança de 95% a 99%.
        Enquanto não tivermos um estudo assim, este da UCLA é o mais próximo que temos para analisarmos a longevidade entre mórmons ativos e não-mórmons, todo o resto é mera especulação.

        Att.

      • Não dá pra entender se aqui tem a proposta de ver ou analisar os pontos da Doutrina da igreja que se funda em base religiosa e espiritual que é a sua essência, as pessoas querem se contrapor com visão científica , filosófica materialista, e usam isso como suas verdades.

        Rejeitam a sua própria fé com o ceticismo filosófico, onde se tudo que existe é obra do Espiritual e não do carnal ou físico.

        Se a proposta aqui não pela visão religiosa e espiritual e doutrinaria , tamos dando tiro no próprio pé.

        Pois a ciência dos homens não ultrapassa as barreiras das do materialismo.

        A sua medicina orgânica e material não foi capaz de fazer e realizar um 1% do que Cristo fez para curar os enfermos e doentes ,, e nem a sociologia, psicologia, psiquiatria e todas as ciências se frustram na tentativa de sanar os problemas físicos e espirituais das grandes civilizações como
        o antigo Egito, Assíria, Etiópia, entre outras como Constantinopla, Roma e todas com sua avançada tecnologia e avanço da época sucumbiram espiritualmente e tiveram suas consequências pregadas por seus filósofos , sábios, doutores, magos e reis.

        A doutrina sã de Cristo , ELA é TRANSCENDENTAL ,ELA existe e se firma além das barreiras da morte , além dessa matéria e além da soberba e inveja dos homens.

        Pelos olhos da espiritualidade e da eternidade dos elementos a palavra de sabedoria trans cede as barreiras da ciência e filosofia.

        Mas adiante postarei onde se encaixa a palavra de sabedoria além desse véu

        Serão os efeitos da ação e reação..

  9. Quanto ao aspecto científico, o que é considerado correto hoje pode não ser considerado amanhã. A ciência não fornece uma verdade absoluta, mas vai em busca dela sempre procurando se aperfeiçoar através de novos estudos. Um exemplo disso é o ovo, que era considerado um dos grandes vilões do coração e hoje não mais (http://revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/3/artigo2469-1.asp).
    Quanto à palavra de sabedoria em si, temos um alerta do Senhor no versículo 4:
    ” 4 Eis que, em verdade, assim vos diz o Senhor: Devido a maldades e desígnios que existem e virão a existir no coração de homens conspiradores nos últimos dias, eu vos adverti e previno-vos, dando-vos esta palavra de sabedoria por revelação…” Mesmo que os estudos descritos no artigo estejam corretos, o único meio de nos prevenir dos homens conspiradores seria seguir o ensinamento da Igreja e não consumir os itens específicos e quanto ao restante sermos cautelosos e na dúvida consultar além da ciência, o Senhor.
    Eu sei que Jesus Cristo vive e que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a vedadeira Igreja de Jesus Cristo. A palavra de sabedoria é uma revelação e sei que ela é verdadeira e vou segui-la, mesmo que alguém a coloque em dúvida, mesmo que me vejam como um tolo. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

    • A questão é: quais são os itens específicos apontados na revelação (D&C 89)? O que interpretação moderna? Se alguém a lesse sem o auxílio da interpretação oficial, quais conselhos assumiria como prescritos na revelação?

      A primeira coisa, talvez, seria que percebesse que não se trata de um mandamento – mas, um conselho inspirado com promessa – e como tal, ninguém pode ser considerado pecador por não cumpri-lo (ou, como acontece atualmente, ser impedido de entrar no Templo).

      Os primeiros itens citados são vinho (que pode ser usado apenas nas reuniões sacramentais, desde que de fabricação própria) e a proibição total do uso de bebidas fortes (destilados em geral). Bebidas fortes são para lavar o corpo (alguém o faz?). Talvez ele estranhasse o fato de usarmos água em nossas reuniões sacramentais atualmente (seria apenas preguiça de fabricá-lo?). Proibição do uso de tabaco (mascar ou cigarros) (mas a estranha indicação como medicamento para “machucaduras”). Menciona-se “bebidas quentes”, que, aparentemente, é o mesmo que bebida forte.

      Todas as ervas salutares são indicadas para o consumo humano (maconha, também?). Junto com as frutas devem ser usadas com “prudência”.

      A carne de animais só deve ser usada em tempos de escassez e frio (importante numa época que não havia geladeiras e esta era a única época em que se podia comer carne fresca), assim assim com moderação. E permissão do uso da cevada para fabricação de bebidas suaves (como cerveja, por exemplo). Nenhuma palavra contra álcool, chá preto ou café. Então, este incauto leitor perguntaria, de onde tiraram que havia uma proibição explícita contra essas substâncias – às quais alguns incluem cafeína e drogas ilegais (então, pelo mesmo raciocínio, drogas legais estão ok?).

      Ou seja, sem a interpretação oficial, não sobra nada.

      • E a interpretação oficial sempre foi e sempre será a mesma? Ou muda?
        Se muda, é igual à interpretação dada pela ciência, não?

      • O livro do Instituto explica muita coisa a respeito, mas você prefere ignorar e seguir sua opinião pessoal. Já diz o apóstolo Paulo em uma de suas cartas que muitos não suportariam a sã doutrina da salvação.

        [Editado e moderado de acordo com a Política de Comentários]

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s