Entrevista com Maurício Berger e Seguidores

“Não estou afirmando nada”, diz Maurício Berger quando questionado se considera ser a reencarnação de Joseph Smith, doutrina que vinha sendo sendo pregada abertamente por muitos de seus seguidores meses antes da entrevista.

O gaúcho Mauricio Berger diz haver traduzido a parte selada das Placas de Mórmon. Ele lidera hoje um novo movimento religioso restauracionista.

O Livro Selado de Mórmon, os anjos Rafael e Morôni, poligamia, reencarnação e a busca pela unificação de todos os santos dos últimos dias são alguns dos temas tratados nesta entrevista concedida por Maurício Berger e seus associados a Emanuel Santana. Em suas respostas, podemos ver o retrato de um jovem movimento religioso ainda em construção, com todas as suas inseguranças e convicções. Continuar lendo

Joseph Smith: O Sermão de King Follet

Discursos de Conferências Gerais de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acontecem semestralmente. Um dia muito importante que membros de vários países se juntam em capelas, casas ou em frente ao computador para assistirem e ouvirem o presidente da Igreja, o qual o chamam de profeta.

Em 07 de abril de 1844 o presidente e fundador do mormonismo, Joseph Smith Jr. (1805-1844) deu um discurso que se tornaria um dos mais importantes para os estudiosos da religião mórmon. Esse discurso antecede seus três últimos e conturbados meses de vida até seu assassinato em Carthage, Illinois. Continuar lendo

A “Revolta Racial” em Salt Lake City Que Nunca Aconteceu

Na esteira dos protestos em Salt Lake City, boatos circularam sobre a iminente invasão de casas na região norte de Utah. Manifestantes supostamente planejavam bater em portas e “se as pessoas atenderem quando baterem, eles [iriam atirar] para provar que vidas negras importam”. Departamentos de polícia de toda a região emitiram declarações através de mídia social de que parecia não haver uma ameaça credível. De fato, os boatos podem ter sido desencadeados por postagens de mídias sociais, como uma postada por “Blacklivess Matter”, que prometia “estaremos assassinando famílias brancas até que a justiça seja feita!!!” ou outra da “ANTIFA America”, que declarava “Hoje à noite dizemos ‘F…. A Cidade’ e entraremos nas áreas residenciais. . . nos bairros brancos. . . para tomar o que é nosso”. Isso era assustador. Mas, como os rumores em Utah,  faziam parte de uma mentira. A rede NBC News descobriu, por exemplo, que a conta da “ANTIFA America” estava vinculada a um grupo neonazista conhecido como Identity Evropa. O objetivo de tais boatos era semear discórdia, medo e, assim como a violência entre manifestantes, servia para deslegitimar um movimento e desviar a atenção de sua mensagem.

‘Líderes SUD: usem sua influência em prol da justiça moral”, dizia a faixa carregada por estudantes e professores da Universidade de Utah, em 1965. Marchando ao lado de membros da NAACP, em Salt Lake City, eles pediam que a Igreja Mórmon usasse sua influência em favor do movimento de direitos civis. | Imagem: The Daily Utah Chronicle/KUED

Essa tática de desinformação e propaganda política tem uma longa história entre governos e tem sido empregada nos Estados Unidos em inúmeras ocasiões. Infelizmente, os rumores sobre violência inspirada pelo Black Lives Matter (Vida Negras Importam) no norte de Utah fazem lembrar uma campanha de desinformação semelhante, lançada contra a população de Utah em setembro de 1965. Continuar lendo

Revelação a Newel K. Whitney Através de Joseph, o Vidente (1842)

Um ano antes de ditar a revelação sobre “pluralidade de esposas”, a qual viria a ser canonizada décadas após sua morte como a seção 132 de Doutrina & Convênios, Joseph Smith recebeu uma revelação em que o Senhor instruia seu futuro sogro sobre como realizar o casamento de sua filha ao Profeta.

Sarah Ann Whitney, em Utah. Em 1842, Sarah Ann Whitney foi selada a Joseph Smith em cerimônia oficiada por seu pai, e tendo sua mãe como testemunha. O ritual foi prescrito em uma revelação recebida por Joseph Smith | Imagem: Cortesia de Batsheba W. Bigler Smith Photograph Collection, circa 1865-1900, Biblioteca de Historia da Igreja, Salt Lake City.

Em 25 de julho de 1842, Joseph Smith Jr. ditou a Newel K. Whitney uma revelação sobre a cerimônia na qual Whitney lhe daria sua filha, Sarah Ann Whitney, em casamento.

A revelação foi publicada pela primeira vez este ano pelo Projeto Joseph Smith Papers, reconhecido projeto documental do Departamento Histórico d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e faz parte do seu mais recente volume de documentos, cobrindo o tumultuado período entre maio e agosto de 1842.

De acordo com os editores, a revelação, antes inacessível ao público, traz “as únicas instruções existentes do período de vida de [Joseph Smith] para a realização de uma cerimônia de casamento plural”. Continuar lendo

Estátua de Brigham Young Pichada na BYU

Na manhã de segunda-feira (15/06), seguranças da Universidade Brigham Young (BYU) encontraram pichada a estátua do profeta e colonizador mórmon que dá nome à universidade.

Estátua de Brigham Young, no campus da que leva seu nome, em Provo, Utah (15/06/2020). | Imagem: cortesia da Polícia da BYU.

Duas pessoas vistas pelas câmeras de seguranca da instituição haviam jogado tinta látex vermelha sobre a estátua e escrito a palavra “Racista” no seu pedestal. Um spray e uma lata de tinta foram deixados no local pelos pichadores. Continuar lendo

Templo de Xangai, Um Elefante Branco?

Elefantes brancos fazem parte da realidade política brasileira. São aquelas obras faraônicas ou intermináveis como a BR-230, conhecida como Rodovia Transamazônica desde a década de 1970, que prometia ligar a Paraíba ao Amazonas, ou estádios de futebol construídos na Copa do Mundo como o Mané Garrincha em Brasília, que trazem um prejuízo de milhões para o governo federal, tendo esse sido o mais caro de todos. Porém, o presidente Russell M. Nelson anunciou algo que talvez fará da rodovia inacabada ou do estádio com pouco uso muito mais úteis.

Xangai

Nessa última Conferência Geral tivemos algumas novidades como a nova logomarca. Mas os anúncios dos templos foram o que chamaram mais a atenção. Depois dos templos de Roma – a cidade da “Igreja do Diabo” – e do Rio de Janeiro – “a cidade do pecado” (se bem que Las Vegas tem um desde 1989) -, foram anunciados os templos de Dubai, nos Emirados Árabes, e Xangai, na China. O templo na riquíssima cidade contará com apenas uma estaca para atender. Estranho, uma vez que reza a lenda mórmon que um local precisa merecer o templo com frequência, dizimistas, etc. Por mais de 10 anos Recife atendeu toda a região do nordeste e norte do país. Isso num país onde a Igreja Mórmon já tinha um número muito elevado de membros em seus relatórios. Mas o pior vem por aí. Continuar lendo

James Talmage: Isolamento Social ou a Economia?

O Apóstolo James Edward Talmage, autor do clássico Jesus, O Cristo e uma das maiores influências na teologia mórmon do século 20, anotou em seu diário pessoal suas impressões sobre se devemos proteger a economia ou salvar vidas durante uma pandemia global.

James Edward Talmage, Apóstolo da Igreja SUD (1911-1933) e autor do clássico ‘Jesus O Cristo’ (1915).

No dia 9 de janeiro de 1919, Talmage anotou sua opinião pessoal sobre como a pandemia global de influenza H1N1, erronea e popularmente conhecida como “gripe espanhola”, estava sendo abordada por autoridades públicas e pela classe empresarial (ênfases nossas):

Continuar lendo

Mórmons Escolhendo Mamom, Coronavírus Revela

Em tempos de crise global causada pela pandemia do coronavírus, nota-se uma alarmante expressão ideológica dentro da cultura mórmon.

Jesus limpa o templo, por Carl Heinrich Bloch. Jesus explicitamente proibiu Seus discípulos de acumular bens materiais e dinheiro

A de mórmons abertamente abraçando Mamom.

Explicamos: Continuar lendo

As Festividades Pagãs Antigas em nossos Rituais Natalinos

No filme A Vida de Brian (1979), Reg, interpretado por John Cleese, pergunta a outros membros da Frente Popular da Judéia:

“… além de saneamento básico, medicina, educação, vinho, ordem pública, irrigação, estradas, sistema de água doce, e saúde pública; o que os romanos fizeram por nós?”

“Trouxeram paz” é a resposta que ele recebe.

Em retrospectiva, o Natal pode ser adicionado à lista.

Quando pensamos nos romanos, dar presentes, cantar músicas, e celebrar o nascimento de Cristo não se apresentam imediatamente. Guerras travadas, opressão geral, e um desejo interminável de governar o mundo têm mais chances de serem citadas.

Mas várias tradições de Natal vêm de antigas festas pagãs, inclusive a celebração romana da Saturnália. Continuar lendo

Como Viemos Celebrar o Natal?

O Natal é literalmente “a missa para Cristo”, o dia em que os cristãos celebram o nascimento de Jesus.¹

Por que celebramos o nascimento de Jesus em 25 de dezembro? (Gerard van Honthorst – Adoração dos Pastores, 1622)

A data ocidental para o nascimento de Jesus é bastante arbitrária. Foi escolhido pelo Papa Leão I, bispo de Roma (440-461), para coincidir com o Festival da Saturnália, quando os romanos adoravam Saturno, o deus do sol. Este era o dia do equinócio solar, o dia mais curto do ano no hemisfério norte, que marcava oficialmente o meio do inverno.

A data do Natal no Ocidente foi escolhida pelo Papa Leo I. (El Papa San León I Magno por Francisco Herrera Filho, 1622-1685)

Leo pensou que isso distrairia sua congregação romana da adoração ao sol, celebrando a festa do nascimento de Cristo no mesmo dia. Ele descreveu Jesus como a “nova luz”; uma imagem de salvação, porém oportuna na medida em que os dias começavam a se prolongar a partir de 25 de dezembro.

A data da festa varia dentro das denominações cristãs. Os cristãos ocidentais celebram a Natividade em uma data fixa, 25 de dezembro. Alguns cristãos ortodoxos orientais o celebram no dia 6 de janeiro, juntamente com Epifania, a revelação do menino Jesus a três sábios. Os ortodoxos gregos e russos comemoram o Natal em 7 de janeiro e a Epifania em 19 de janeiro.

De onde se originaram as tradições natalinas? Continuar lendo

Mórmons no México: Uma Breve História de Poligamia, Violência, e Fé

Nove membros de uma importante família mórmon no norte do México, todos mulheres e crianças, foram mortos a tiros em 4 de novembro [p.p.] em território cujo controle é disputado pelo Cartel de Sinaloa e pelas milícias La Linea.

O México, que tem sofrido com altas taxas de crimes por mais de uma década, viu a violência aumentar nas últimas semanas. Em 17 de outubro, um tiroteio na cidade de Culiacan envolvendo o Cartel de Sinaloa levou as autoridades a libertarem da prisão Ovidio Guzman, filho do chefão das drogas preso Joaquin “El Chapo” Guzman.

Veículos cheios de balas em que membros da família LeBaron estavam viajando sentados em uma estrada de terra perto de Bavispe, na fronteira de Sonora-Chihuahua, México, em 6 de novembro de 2019. (AP Photo/Christian Chavez)

No contexto de tanto derramamento de sangue, os assassinatos dos LeBaron são altamente incomuns e tragicamente cotidianos.

Ao contrário da maioria das vítimas de assassinato no México, os LeBarons são cidadãos dos EUA e mórmons – parte de uma Continuar lendo

Igreja Mórmon Sai em Defesa da Cura Gay

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, popularmente conhecida como Igreja Mórmon, anunciou publicamente sua oposição oficial e institucional ao projeto-de-lei proposta no estado de Utah, onde se encontra a sede mórmon, que propõe proibir tratamentos fraudulentos de “cura gay”.

Mórmon protesta contra homofobia institucional da Igreja SUD

O projeto estabeleceria uma nova regra para o equivalente ao Conselho Regional de Psicologia do estado de Utah que condenaria como conduta anti-profissional e anti-ética a “prática de engajar ou tentar engajar em esforços para mudança de orientação sexual ou identidade de gênero em clientes menores de 18 anos de idade”.

Ao se manifestar publicamente em oposição ao projeto, a Igreja indica aos legisladores do estado de Utah que ela deseja que se mantenha o status quo onde seus correligionários tem livre acesso a charlatões que prometem a  chamada “cura gay”, ou eufemisticamente conhecido como “tratamento de conversão”, que ainda é razoavelmente popular entre mórmons. Continuar lendo

Racismo na BYU

Meu professor de “Fundações da Restauração” justificou a proibição do sacerdócio aos negros, dizendo: “Não vamos fingir que Deus não havia feito restrições raciais para o sacerdócio e o evangelho antes. Ele não queria que o evangelho fosse ensinado aos gentios em um ponto. Não sei por que Deus faz essas restrições, mas Ele deixou as duas continuarem por um longo tempo.” Embora eu possa não conhecer bem o histórico dessas restrições, fiquei ofendida com a sua declaração e com a sua tentativa de ignorar as perguntas sobre o assunto. Eu era a única afro-americana nessa classe de 200 pessoas, mas todos os que fizeram alguma pergunta tinham problemas com a proibição, e o professor respondeu defensivamente a todos eles. Sua abordagem para encerrar as perguntas dos alunos e insistir que não criticassem os profetas do passado impediu nossa capacidade de fazer perguntas e não aceitar tudo com “fé cega”.

O atual Apóstolo e Profeta Dallin Oaks, então Presidente da BYU, vestido como o mascote da universidade mórmon ‘Cosmo o Puma’, em 1979.

Um amigo meu da BYU¹ (que é branco) e eu estávamos conversando sobre a ressurreição e o que aconteceria fisicamente conosco. Ele me perguntou: “Você não acha que após a ressurreição você ficará branca como o Pai Celestial e Jesus Cristo?” Suas suposições incorretas eram que 1) para sermos perfeitos, todos nós Continuar lendo