Simplesmente Poliana – uma história de fé, amor e esperança

polianaReflexões de um pai mórmon sobre a vida e a morte de sua filha
Muitos são os sentimentos de quem perde um ente querido. Alguns sentem remorso por não terem feito o que estava ao seu alcance. No meu caso, o maior desafio é saber que teremos que esperar mais do que gostaríamos para revê-la novamente. Se por um lado o sentimento de perda nos faz sentir vontade de trocar absolutamente TUDO pela vida de quem tanto amamos, por outro a esperança bem fundamentada e o apoio dos amigos nos dão força para atravessar nosso deserto pessoal.
Olá, amigos. Há algum tempo, vi uma publicação aqui no site dizendo que o Vozes Mórmons gostaria de contar com mais vozes, de diferentes pontos de vista,  incentivando pessoas de todos os lugares a publicarem suas reflexões sobre temas ligados ao mormonismo. Simplesmente Poliana – uma história de fé, amor e esperança é um livro escrito por um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sobre suas experiências e de sua família, por ocasião da morte de sua filha, então com nove anos de idade. Continuar lendo

O Livro Tibetano dos Mortos e o Livro de Mórmon

Que paralelo poderia ser traçado entre O Livro de Mórmon e o Livro Tibetano dos Mortos? Pelo nosso bom senso, nenhum, certo? Mas não é isso o que diz Donald S. Lopez Jr., um especialista em budismo e estudos tibetanos da Universidade de Michigan. Continuar lendo

Steve Jobs e Alma 34

Não acredito que Steve Jobs tenha sido uma grande pensador que deixou à humanidade algo inovador em termos de ideias. Seu legado é muito mais em termos da beleza e recursos que produziu em seus produtos. Injusto seria buscar nele uma fonte de sabedoria. No entanto, ao rever o seu famoso discurso aos formandos da Universidade de Stanford em 2005, fiquei pensando que a maneira como ele tratou da morte me remete ao discurso de Amuleque no Livro de Mórmon.

Continuar lendo

Não somos todos mendigos? (E se você se chamasse Amy Winehouse?)

Amy Winehouse aos oito anos

A cantora britânica Amy Winehouse acaba de falecer e não são poucos os comentários que vemos e ouvimos sobre como ela “cavou a própria sepultura”. Com certeza, é necessário num momento como este relembrar os danos que o alcoolismo e o vício em drogas causam ao indivíduo e a todos à sua volta. Um problema surge, no entanto, quando nos falta aquele entendimento que só a compaixão pode nos dar e esquecemos que o álcool e as drogas geralmente não são o início em si da autodestruição, mas o meio.

Em seu belo artigo Compaixão para os que não merecem, Kent Larsen escreveu sobre o perigo espiritual a que nos sujeitamos a ter uma compaixão seletiva: Continuar lendo