The Mormon Melodaires: Proselitismo com Sertanejo e Bossa Nova, 1962

Findada a Bellé Époque, trocamos a Europa pelos EUA. Aproveitamos para esquecer o francês e experimentamos a Coca-Cola. Sobre a invenção dos irmãos Lumière, deslocamos nossos olhares para Hollywood; apaixonamo-nos por aqueles filmes sobre o oeste americano. Muitos de nós até ouvimos falar sobre os mórmons pela primeira vez por esse meio.

De algum modo nos víamos naquela tela. Os cowboys eram nossos vaqueiros; os saloons, nossos bares e aquelas canções chamadas de country se assemelhavam à nossa música rural.

Nelson Roberto Perez foi mais além: adotou o nome de Bob Nelson e gravou a versão de uma famosa canção americana ligada à Corrida do Ouro – Oh, Suzanna. Até hoje, Bob Nelson é conhecido na história da música sertaneja como um dos pioneiros em fazer a fusão desse gênero musical com o country norte-americano.

Quase duas décadas depois, foi a vez de jovens do Oeste dos EUA se identificarem com o nosso cancioneiro. Com o apoio de Finn B. Paulsen (presidente da Missão Brasileira do Sul), os élderes Douglas M. Curran, Jim Smith, Gordon Ridd e Ken Nielson formaram, em 1962, um quarteto chamado The Mormon Melodaires.

the-mormon-melodaires

O grupo se apresentou em vários estados brasileiros, estendeu sua turnê para áreas Continuar lendo

Mórmons e o Rock

Não há música no inferno, pois toda boa música pertence ao céu.

Brigham Young¹

1960

Um povo que sempre se dedicou à música como forma de entretenimento e adoração, os santos dos últimos dias não escapam das influências musicais e culturais que os cercam. Inclusive o rock.

O tema é trivial, mas mostra como pronunciamentos de líderes da Igreja podem refletir o pensamento de sua geração e como a Igreja é também capaz de aproveitar de forma positiva uma influência antes denunciada como nefasta.

Em 1972, quando o rock era ainda uma força criativa e contestatória, o apóstolo Ezra Taft Benson advertiu os estudantes da BYU contra a natureza satânica daquele estilo musical: Continuar lendo

Quem são os compositores SUDs?

violãoHá dias eu recebi uma pergunta de um amigo sobre compositores SUDs no mundo. Ele queria saber se existem compositores SUDs na América Latina? Devem existir, eu pensei, pois a música é muitíssimo importante no Brasil. Mas na verdade eu nunca ouvi nada sobre compositores SUDs no Brasil. Quem são?

A pergunta vem de Glenn Gordon, o diretor da organização não-governamental LDS Composers Trust (consórcio de compositores SUDs). Sua organização está construindo um banco de dados de todos os compositores SUDs, o qual já contem mais de 600 compositores, 80 dos quais participam regularmente em um rede na Internet. Mas quase ninguém da América Latina encontra-se no banco de dados.

Continuar lendo

Glória a Deus; Paz na Terra

JohnMMacfarlaneHá alguns anos, enquanto cantava canções de Natal em um evento não-mórmon, sugeri que o grupo cantássemos “Lá na Judéia, Onde Cristo Nasceu.” Fui recebido com olhares em branco e perguntas: “Qual música?” “Nunca ouvi falar.” Acontece que eu estava tão imerso na cultura mórmon (em grande parte eu ainda estou imerso na cultura) que eu não sabia que “Lá na Judéia, Onde Cristo Nasceu” é um hino SUD, escrito por um autor de Utah no século 19 (de fato é o único hino de natal escrito por um membro da Igreja SUD), e é, portanto, desconhecido pela maioria dos grupos não-mórmons, apesar de sua doutrina ser suficiente universal para a maioria deles.

A história da composição dessa música é interessante, por isso vou resumi-la: seu autor, John Menzies Macfarlane, era um converso escocês que emigrou para Utah em 1852 e para a vila de Cedar City, Utah em 1853. Lá, ele fez de tudo um pouco, enquanto agricultura foi descrita como sua ocupação principal, ele também foi professor de escola, o primeiro agente postal para o vilarejo de Toquerville, foi o primeiro superintendente das escolas para o condado, e foi um topógrafo. E até estudou direito e foi eleito juiz de paz da condado[1].

Mas Macfarlane também era músico, e “ocupou-se zelosamente” como músico, para dizer o mínimo. Ele organizou um coro em Cedar City, fundou uma banda de metais na cidade e liderou os esforços para comprar um órgão para a capela de Cedar City. Os concertos de seus coros eram conhecidos em todo o sul de Utah nas décadas de 1860 e 1870 e os registros da época estão repletos de elogios para os concertos. Um concerto realizado em St. George em 1868 levou o Apóstolo Erastus Snow a pedir-lhe a deslocar-se para St. George—e assim ele fez[2]. Continuar lendo

Hinos

Porque minha alma se deleita com o canto do coração; sim, o canto dos justos é uma prece a mim e será respondido com uma bênção sobre sua cabeça. (D&C 25:12)

Você tem um hino favorito? Ou depende do seu momento? Há um hino que lhe dê conforto? Motivação? Que inspire alegria?

Compartilhe nos comentários a sua opinião.

Não somos todos mendigos? (E se você se chamasse Amy Winehouse?)

Amy Winehouse aos oito anos

A cantora britânica Amy Winehouse acaba de falecer e não são poucos os comentários que vemos e ouvimos sobre como ela “cavou a própria sepultura”. Com certeza, é necessário num momento como este relembrar os danos que o alcoolismo e o vício em drogas causam ao indivíduo e a todos à sua volta. Um problema surge, no entanto, quando nos falta aquele entendimento que só a compaixão pode nos dar e esquecemos que o álcool e as drogas geralmente não são o início em si da autodestruição, mas o meio.

Em seu belo artigo Compaixão para os que não merecem, Kent Larsen escreveu sobre o perigo espiritual a que nos sujeitamos a ter uma compaixão seletiva: Continuar lendo

Notícias Mórmons da Semana

Notícias Recentes da Igreja no Brasil e no Mundo

de Mórmons no Brasil:

Meaghan Smith

A cantora Meaghan Smith é considerada uma das grandes revelações da música pop canadense. Membro da Igreja sud, Meaghan compõe músicas em que surgem referências musicais das décadas de 1920 a 1940. “Eu gosto que essa música é limpa”, diz a cantora, expressando uma visão estética influenciada por sua religiosidade, ainda que suas canções não tratem de temas em si religiosos. “Quero escrever músicas que famílias possam curtir juntas”. Continuar lendo