Moroni Torgan Eleito Vice-Prefeito de Fortaleza

Só do ano 2000 para cá, Moroni Torgan disputou oito eleições. Com exceção de 2010, a cada ano par, santinhos desse santo dos últimos dias são distribuídos entre os cearenses.

Charge: Florêncio Batista.

Charge: Florêncio Batista.

A despeito de seu bom histórico em disputas para o legislativo, suas quatro tentativas de se eleger prefeito de Fortaleza foram malogradas. Chegou a disputar o segundo turno em 2004, porém, em 2012 alcançou um tímido quarto lugar.

Já em 2014, o mórmon mostrou que, mesmo com seu elevado índice de rejeição (que o atrapalha para ser eleito no executivo), ainda é bom de voto: o candidato do DEM teve a maior votação do estado para deputado federal.

Neste ano, não tentou ser prefeito. Mesmo tendo afirmado que não tinha mais vocação para ser vice de ninguém, Moroni, devido à nova conjuntura política nacional e emergência de jovens políticos locais, terminou sendo empurrado a ser

Continuar lendo

Artimanhas sacerdotais e as eleições

Pode uma estaca da Igreja sud apoiar um candidato a cargo eletivo? Pode seu presidente declarar tal apoio? Foi isso o que fez Francisco de Assis dos Reis, presidente da Estaca Castelão, em Fortaleza. No último dia 07 de agosto, o presidente de estaca escreveu no Facebook:

estaca2

Não há nada de errado que um líder eclesiástico mórmon declare apoio a um candidato ou participe da sua campanha. O que é problemático é um presidente de estaca afirmar que sua estaca esteja apoiando um candidato, partido ou coligação política.  Continuar lendo

Moroni Torgan e a Igreja em Fortaleza

zuMoroniO Mormonismo no nordeste brasileiro teve início mais de 30 anos após a chegada dos primeiros missionários ao nosso país. Os pioneiros desta parte do Brasil foram Milton e Irene Soares, que se batizaram no Recife, em 1960. Seis anos depois, seria a vez de minha cidade ter seus primeiros conversos, com o batismo da família Cintra[1].

No início o crescimento foi lento, e a política de segregação racial não ajudava muito em uma região onde considerável parte dos moradores seria impedida de exercer plenamente a condição de membro.

Continuar lendo

Neutralidade política ameaçada

“É proposto que apoiemos como novo prefeito…”

A Igreja sud afirma ter uma neutralidade política, não endossando partidos ou candidaturas. Por isso, um membro da igreja que se candidate a cargo eletivo não é apoiado oficialmente como um representante da igreja. Mas será que os membros não veem tais pessoas como representantes quando tais são líderes proeminentes?

Recentemente desobrigado como presidente de missão em Portugal, o ex-deputado federal Morôni Torgan está de volta à política eleitoral brasileira, concorrendo à prefeitura de Fortaleza pelo DEM. Mas Torgan é também um líder eclesiástico: na última Conferência Geral, ele foi um dos novos setentas de área chamados. Continuar lendo