Veríssimo e a lição por fazer

Luis Fernando Veríssimo é um dos maiores cronistas do país. Dono de um humor sutil e uma ampla bagagem cultural, Veríssimo desta vez vez se aventurou a falar sobre Mitt Romney e o papel da religião na pré-campanha presidencial dos EUA, no seu texto O fator religião nas eleições americanas. Nem seria uma grande aventura, caso Veríssimo se desse ao trabalho de fazer a sua lição de casa e se informar sobre o que acreditam os mórmons, como a maioria dos jornalistas aparentemente têm feito ao escrever sobre o ex-governador de Massachusetts.

Veríssimo acerta no tom respeitoso sobre as origens da Igreja sud, afirmando que “A Igreja Mórmon foi criada no século dezenove pelo americano Joseph Smith, que a baseou em contatos pessoais que teve com Deus e com Jesus Cristo”, além de afirmar que mórmons não estão tão distantes assim dos demais cristãos em suas narrativas sobrenaturais: “a civilização cristã se baseia em mitos e milagres apenas mais antigos do que os relatados por Joseph Smith”. Porém, Veríssimo não distingue o mormonismo de Joseph Smith no século XIX e as doutrinas e práticas sud no século XXI: “Sua religião”, diz o simpático autor gaúcho, ” permite a poligamia, por exemplo, e ele só tem uma mulher.” Aqui Veríssimo esquece que todos os membros da Igreja à qual pertence Romney são monogâmicos.

Com certeza, não há como ignorar a importância do casamento plural na história mórmon e seus reflexos que ainda continuam a exercer tanto medo quanto fascínio nos mórmons monogâmicos, membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Aliás, o próprio Romney é um descendente dos polígamos mórmons que migraram para o México após o Manifesto de 1890. Com essas considerações, não quero fazer coro à histeria de que são acometidos alguns membros da Igreja sud quando é mencionada a existência histórica da poligamia entre mórmons no século XIX ou quando a mídia se refere aos praticantes atuais do casamento plural como “mórmons”. Mas é um tanto surpreendente que se cometa tal erro crasso no texto de Veríssimo, dados a facilidade de acesso à informação de que dispomos e o maior cuidado que parece existir no senso comum ao se tratar do tópico religião (com exceção do islamismo que segue sendo infelizmente um alvo popular após o 11 de setembro).

Provavelmente motivado pela sua confusão entre membros da Igreja sud e mórmons fundamentalistas – sem saber ainda que o chamado fundamentalismo mórmon não tem nada a ver com que usalmente chamamos hoje de fundamentalismo – Veríssimo prossegue com uma bela pregação humanista, alertando contra os perigos do fundamentalismo religioso, sugerindo com isso que mórmons podem ser potencialmente intolerantes e perigosos para a política internacional.

Veríssimo também desconsidera o fato de que os mórmons nos EUA não formam um bloco que apoiará um único candidato. Tal como seus conterrâneos, mórmons norte-americanos se dividem em suas opiniões sobre Romney, Obama, Ron Paul e todos os demais pré-candidatos à presidência americana.

Mas, sendo tolerantes com a ignorância de que em maior ou menor grau todos compartilhamos sobre as religiões alheias,  celebremos a sabedoria nesta interessante afirmação de Veríssimo:

A religião de cada um é questão de cada um e não deve mesmo fazer parte do embate político, e o mundo e a vida são coisas tão misteriosas que nenhuma teoria sobre de onde viemos, para onde vamos e quem pagará a corrida é mais improvável ou menos absurda do que outra.

11 comentários sobre “Veríssimo e a lição por fazer

  1. Me admira o texto postado por uma pessoa tao influente na nossa sociedade como o Sr. Veríssimo, uma vez o admirei, hoje tenho vergonha de ser brasileira e representada por alguem tao ignorante, e muito mais me admira os seguidores que sao capazes achar que o texto foi brilhante.
    Nao sou famosa nem culta como ele, sou uma pessoa normal mas com valores e um deles e o respeito as pessoas e suas crencas; ” shame on you” Verissimo!

    • Entendo a sua decepção, Luciane. Mas, da minha parte, não me sinto representado por L. F. Veríssimo nem sinto vergonha da minha identidade como brasileiro por causa do que ele escreveu ou venha a escrever. Aliás, continuo gostando do seu trabalho como autor. Meu texto acima não teve a intenção de “denunciar” L. F. Veríssimo, nem de promover Mitt Romney como o candidato dos mórmons.

      A falta de informação de Veríssimo chama a atenção justamente por destoar do que está acontecendo em geral na imprensa brasileira sobre o tema das eleições americanas.

    • Sim, agimos a partir de uma crença (ideia, teoria, ideologia, doutrina, percepção, etc). Mas de que forma uma crença religiosa se manifesta na ação política? Teríamos algum exemplo de como isso pode acontecer na política atual?

      O mormonismo do séc. XIX buscou fundar uma nação independente quando os santos deixaram Nauvoo e foram ao oeste, colonizar um território fora dos EUA. Mas, hoje? Qual a agenda política sud? Se existe, é bem diferente daquela sonhada por Joseph Smith e Brigham Young. EScrevi uma breve introduçaão ao tema aqui: http://vozesmormons.com.br/2011/10/18/teodemocracia/

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.