Basta Já

collageEu fiquei um pouco chateado ao lê-lo nas notícias durante as últimas semanas. A Igreja estava se desculpando de membros aparentemente excessivamente entusiasmados que tinham realizado as ordenanças do templo para judeus, vítimas no holocausto, OUTRA VEZ! Desta vez a situação era particularmente notório porque os judeus envolvidos incluem os pais do falecido caçador de nazistas e especialista em crimes de guerra Simon Wiesenthal e a moça diarista Anne Frank. Em seguida descobriu-se que também foi batizado postumamente Daniel Pearl, o jornalista assassinado no Afeganistão por ser judeu, e até Mahatma Gandhi! O informe também indicou que o nome do ganhador do Prêmio Nobel Elie Wiesel foi adicionado em um dos bancos de dados genealógicos da Igreja, mas, como afirmação da Igreja sobre o tema indica, nenhumas ordenanças póstumas foram realizadas, e seu nome teria sido rejeitado se alguém tentasse realizá-las.

Podem aqueles que continuam a submeter esses nomes pararem já?

Pelo que entendi, as queixas sobre o batismo de vítimas do holocausto vão sendo feitas há décadas, e por quase o mesmo tempo a política da Igreja têm sido que não fazemos o trabalho póstuma do templo nesses casos. Mas a prática continua, levando a Igreja para tentar filtrar nomes propostas de judeus no software New Family Search desde 2010. A mais recente descoberta pode indicar que esses filtros não são 100% eficazes. Segundo o que entendo do processo, é necessário fazer enganos para conseguir que o New Family Search aceite esses nomes. Pelo menos, que submete os nomes tem que ignorar a política contra, o qual se encontra no software.

Devo admitir a ser um pouco confuso sobre as reações de judeus e outros para a nossa prática, e já ouvi muitos membros da Igreja dizer a mesma: Se você não acredita em nossa religião, com certeza você não acredita que nossa prática tenha qualquer efeito! E, se você se preocupasse em entender a doutrina Mórmon sobre a prática, você saberia que mesmo os Mórmons não acreditam que estas ordenanças têm qualquer efeito a menos que e até que a pessoa batizado por meio de um procurador aceita a ordenança no futuro.

Mas, eu entendo sim uma coisa básica: alguns judeus veem essas ordenanças, especialmente no caso das vítimas do holocausto, como um tapa simbólico no rosto. Visto que desde a inquisição, quando se forçavam os judeus a serem batizados, eles sabiam que o batismo é tirar a identidade do judeu, não é de admirar que um batismo vicário póstumo seja vista como uma tentativa simbólica de apagar judeus. E quanto mais ofensivo é tal ordenança quando o judeu é alguém que morreu por ser judeu.

Para mim, e, aparentemente, para a Igreja também, isso é suficiente. Se os parentes e correligionários destas vítimas não querem que as ordenanças forem feitas, não deveremos fazê-las (a menos que um parente próximo faça a submissão do nome—e até em tal caso eu sugiro que o parente consulte com a Igreja sobre a forma de lidar com a situação). Precisamos lembrar que acreditamos na eternidade. Se é importante que essas ordenanças sejam feitas, tenho certeza de que o Senhor vai torná-las possíveis no futuro. O que é claro é que agora não é o momento. Vamos evitar a ofensa.

Então, por isso eu não entendo porque esses membros excessivamente zelosos continuam fazendo essas ordenanças. Não é a política bem conhecida já? E se essa política não é bem conhecida, então não é bem conhecida a política que você deve limitar as ordenanças feitas para os seus próprios parentes? Você não está mentindo quando você enviar os nomes e alegar que estes são seus parentes?

Claro que, em alguns casos que apareceram nas notícias, as ordenanças foram feitas por alguém que é um parente do falecido. Recentemente surgiram denúncias sobre o trabalho feito para o pai de Ann Romney, que, de acordo com as denúncias, era um ateu convicto. Mas, neste caso, Ann submeteu o nome. Para mim, tal situação é com a família, e se os irmãos ou primos de Ann não gostam disso, eles devem falar com ela. Quanto a nós, não é de nossa conta.

Esse incidente já causou tanta polêmica que a igreja agora vai terminar o acesso ao programa New Family Search de qualquer pessoa que faça uma busca pelos nomes das vítimas do holocausto. Talvez assim este incidente vai forçar esses membros da Igreja para parar. Pelo que entendi, a pessoa que subemteu os nomes dos pais Wiesenthal já perdeu o acesso ao New Family Search. Espero que esse risco vai convencer outros membros a não continuar a submeter esses nomes. Mas também sei que uma pessoa persistente vai achar uma maneira de violar o sistema. Não há sistema perfeito.

Portanto, vocês que estão submetendo esses nomes, por favor, parem já!

Enhanced by Zemanta

7 comentários sobre “Basta Já

  1. Infelizmente tem pessoas que burlam os procedimentos do familysearch, com a intenção de batizar famosos e etc… Acho isso um absurdo! Na realidade, antes de receberem o acesso total às funcionalidades do site, o pesquisador precisaria ler as políticas do site e depois passar por um teste para poder operacioná-lo, incluindo as penalidades para aqueles mais empolgados em realizar ordenanças para famosos ou vítimas do holocausto. A Igreja tem uma política bem clara sobre o assunto e alguns “excessivamente zelosos” insistem no caso e acabam colocando a Igreja em situações como esta. O family search precisa de maior segurança, até mesmo contra alguns anti-mórmons que permanecem com sua ContaSUD somente para fazer este tipo de acusação também. Mandei sugestões para o site. Vamos ver no que dá.

  2. Olá, é quanto ao batismo de judeus, eu não entendi muito bém talvez pela pouca prática que tenho com essa doutrina…não podemos batiza-los (caso fosse u um judeu claro!), e um membro comum não pode fazer essa ordenança sede altorizado? compartilho da mesa opinião que todos que estão usando o esse recurso da igréja devem ser barrados. obrigado.

    • Olá, Nacélio,

      a igreja sud não coloca restrições sobre batizar antepassados judeus ou de qualquer outra etnia ou religião. O problema está no fato de que pessoas que não são descendentes de judeus estão extraindo nomes de vítimas judias da II Guerra e os apresentando para as ordenanças do templo. Em 1995 já havia sido feito um acordo entre a Igreja e entidades judaicas para interromper essa prática.

      A Igreja tem desaconselhado a realização de ordenanças vicárias para personagens históricos – como Gandhi, por ex. – e em particular para vítimas do genocídio nazista, a não ser que o indivíduo que apresente tais nomes seja um descendente dessa pessoas.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.