Sobre Nós

O site Vozes Mórmons busca promover a informação e reflexão sobre temas relacionados à tradição mórmon em um ambiente de liberdade intelectual e respeito a crenças.  O Vozes Mórmons é mantido pela ABEM – Associação Brasileira de Estudos Mórmons. O conteúdo de cada artigo ou comentário é de responsabilidade do seu autor, não representando necessariamente a visão oficial da ABEM ou das diversas denominações que compõem o movimento mórmon. O Vozes Mórmons não representa nem recebe respaldo de nenhuma igreja.

ABEM

A ABEMAssociação Brasileira de Estudos Mórmons – tem como missão incentivar, promover e divulgar estudos acadêmicos e expressões artísticas sobre mormonismo no Brasil. Ela cumpre sua missão ao impulsionar os estudos mórmons, incentivando a produção de conhecimento pela qual a tradição mórmon possa ser lida, debatida, interpretada, e analisada de maneira aberta, honesta, e diversificada, além de criar um espaço para compartilhar essa produção dentro de uma comunidade de aprendizado e produção intelectual entre mórmons brasileiros e estrangeiros, bem como entre mórmons e não-mórmons, e entre a comunidade acadêmica brasileira. Para tanto, ela também organiza anualmente a Conferência Brasileira de Estudos Mórmons. A ABEM não representa nem recebe respaldo de nenhuma igreja.

O Conselho da ABEM é formado, atualmente, por quatro membros:

Antonio Trevisan Teixeira (RS) é formado em Letras pela UFRGS e trabalha com ensino e tradução. Descobriu o mormonismo em 1999, tendo servido como missionário no Japão. Seus artigos sobre tradução, história do templo, políticas raciais e a interação religião e política buscam explorar a doutrina e história mórmons de um jeito que – ele pretensiosamente imagina – você nunca viu.

Emanuel SantanaEmanuel Araújo Santana (CE) é dentista formado pela UFC. Nascido na condição de membro da Igreja, teve o mormonismo como herança materna. Serviu uma missão de tempo integral no Rio Grande do Sul (2005-2007). Seus artigos, entre outras coisas, exploram a história local da Igreja, o estudo comparado das religiões e a construção das crenças, práticas e escrituras mórmons.

Kent LarsenKent Larsen (EUA) é editor e livreiro de livros em português para o mercado dos Estados Unidos e de livros mórmons. Mórmon de seis gerações, serviu uma missão em Portugal nos anos 80. Formado em contabilidade e em português na BYU, também possui MBA na New York University. Trabalha no mercado editorial nos Estados Unidos durante mais de 20 anos. É membro fiel da Igreja, sumo sacerdote e, em 2012-2013, professor do seminário. Em geral seus artigos tratam da cultura e vida mórmon e seu desenvolvimento através do mundo, bem como da história regional da Igreja no Brasil e em outros lugares no mundo.

MarcelloMarcello Jun de Oliveira (SP) é médico formado pela UNICAMP, mas sua paixão de infância é História. Nascido e criado como Mórmon de terceira geração, serviu uma missão de curto prazo no Espírito Santo, e uma missão de longuíssimo prazo na Eslováquia e na República Tcheca. Seus artigos costumam focar em História Mórmon, História Cristã, e a intercessão entre Ciência, Religião, e Justiça Social, embora episodicamente pareça que sarcasmo e ironia sejam os focos principais.

Publique Conosco

Vozes Mórmons incentiva contribuições dos seus leitores. Envie seus relatos, entrevistas, textos de opinião, fotos, vídeos, etc.

Contate-nos pelo contato@vozesmormons.org ou através do formulário abaixo:

55 comentários sobre “Sobre Nós

  1. O debate e o diálogo são muito importantes, cada um tem seu ponto de vista sobre todas as coisas, por que não emitir uma opinião pessoal sobre a doutrina da Igreja? Tem um artigo em que o Élder Bruce R, MacConkie ensina que os profetas também tem sua opinião pessoal sobre as coisas, até mesmo o Profeta Joseph Smith tinha suas opiniões, desde que essas opiniões estejam em consonância com aquilo em que você acredita isso só mostra que você não está sendo enganado, mas que busca por si mesmo saber a verdade de todas as coisas. Acredito que as pessoas com idéias fracas e um emocional fraco, que se deixam levar por diferentes opiniões não deveriam ler esse site, mas as pessoas que sabem no que acreditam e tenham seu testemunho pessoal, as coisas desse site não vão fazer muita diferença na vida espiritual delas, mas vão trazer mais experiência e conhecimento acadêmicos.

    Dennys Roa, 30 anos,
    Membro desde Março de 2005
    Sumo Sacerdote – Conselheiro no Bispado
    Universitário de Logística

  2. O conselho da ABEM é composto por um “timaço”, gosto dos textos dos quatro. Porém, penso que nos textos do Marcello Jun é com um toque de anti-mórmon, gosto muito de ler seus textos, mas também gostaria de ver um texto seu com palavras positivas sobre o mormonismo. Acima diz que o David e Kent são membros ativos e o Antônio e Marcello não são?

    • Obrigado, Daison.

      Eu posso lhe assegurar que não há nada de anti-Mórmon nos meus textos. Pelo contrário. Eu acho que os verdadeiros anti-Mórmons são os apologistas que mentem, distorcem, e enganam para tentar “proteger” e “sanitarizar” a Igreja.

      Na minha opinião, uma sociedade madura e intelectualmente saudável é aquela que encara os seus problemas e os seus erros com a mente aberta para uma multiplicidade de opiniões, aberta para os fatos e dados estatísticos e a Ciência, e acima de tudo aberta para aprender. Uma sociedade que acredita saber tudo não aprende nada e apenas se ilude.

      Com isso em mente, eu vejo tudo o que eu escrevo como sendo “positivo” sobre o Mormonismo. Afinal, como disse George Santayana: “[Q]uando a experiência não é conhecida… a infância é perpetua. Aqueles que não se recordam do passado serão condenados a repeti-lo.” O Mormonismo SUD está, atualmente, apenas em sua infância intelectual. Não seria hora de avançar para a adolescência? Ela é confusa, é difícil, e às vezes dolorosa, mas essencial para se atingir a maioridade.

      • Fico feliz pelas tuas palavras, mas como diz na tua biografia acima, sempre tem um tom de sarcasmo e ironia, e isto tu tens que concordar, hehehe…

        Como tu fizeste missão na Eslováquia e na República Tcheca, seria interessante fazer um texto sobre tua missão nestes países relatando a cultura SUD nesta região.

        Abraço.

  3. Kent Larsen

    Não vejo o Mormon Think como o único motivador de descrença e acho injusta essa critica somente a ele já que qualquer site que aponte os erros do mormonismo e suas atitudes obscuras da história estaria nessa classificação, mesmo, como você afirma, de qualidade acadêmica o que torna suas informações ainda mais consistentes para o crente, se não perde sua crença pelo menos passar a duvidar de sua fé. porém o Mormon Think faz algo que outros não fazem ele mostra a defesa dos apologistas nos temas discutidos permitindo uma avaliação mais ampla do leitor entre as duas opiniões. Acho isso uma atitude muito positiva e honesta por parte deles.

  4. Gosto muito dos temas. Marcello Jun. Aqui aprendemos a aplicar a “dúvida metódica cartesiana”. Continue fazendo isto, e acredito que você vai muito longe!

  5. Sou mórmon desde os meus 11 anos de idade e hoje tenho 47, uma longa caminhada, servi como missionário por dois anos e em outros muitos chamados, atualmente sirvo como presidente dos rapazes a mais de 5 anos, aprendi durante todos esses anos que o respeito ao livre arbítrio de meu próximo é uma atitude que me aproxima da essência do Plano de nosso Pai Celestial , porém acho importante enfatizar que as minhas escolhas não mudam a natureza dos mandamentos de Deus. Todos são bem vindos ao seu evangelho mas não podemos tentar adaptá-lo de acordo com as nossas convicções, para atendermos as nossas necessidades, isso somente através de revelação conforme aprendemos em Amós 3-7, porém todos são muito bem vindos por que a natureza de nossas ações não muda o fato de que todos somos seus filhos e ele nos ama apesar de nossas escolhas.

  6. Oração individual e familiar, Jejum mensal, leitura e estudo das escrituras, visitas de mestre familiar, reunião familiar, frequência a reunião sacramental, apoio aos lideres gerais e locais. Se um acadêmico ou um simples camponês estiver fazendo, valerá mais do que qualquer profundo conhecimento doutrinário e filosófico de qualquer doutor ou intelectual.

    Algumas sugestões para um bom debate:

    Quem ajudei hoje?
    Visitei uma pessoa necessitada?
    Orei por alguém que faltou a reunião?
    Tive alguma experiencia missionaria esta semana?
    Entendo que sou devedor de Cristo, e que Sua Graça completará meus esforços?

    Talvez não pareça tão acadêmico assim, mas creio que a humildade existe em todos os níveis intelectuais.

    Fraternalmente;

    Roni Elias

    (Servi missão em Brasilia de 98 a 2000, me formei em Adm da Produção e Pós Graduado em Logística, Atualmente sou Diretor de Uma Instituição de Ensino, e sirvo como Bispo de minha Ala)

  7. Jun, vocês tenta levar a imagem da igreja só para o lado negativo, querendo ou não vocês com isso estão destruindo a fé dos mais fracos, outra coisa, preconceito contra homossexual é uma coisa e aceitação como normal é outra, a igreja não incentiva a ter ódio deles, mas explica que aos olhos de Deus esta união é tão errada assim como o adultério e quebra da lei da castidade, podemos vencer todas se realmente quisermos com a ajuda do Senhor.

    • Certamente não, Márcia.

      Nós publicamos fatos que são positivos, fatos que são negativos, e fatos que são neutros sobre o Mormonismo. O julgamento de mérito é absolutamente responsabilidade do leitor. Cada um decide se aquele fato em particular lhe parece ser positivo, negativo, ou neutro.

      E não “aceita[r] como normal” é o exemplo perfeito de “preconceito contra homossexuais”, por definição. Esse não é o artigo para se discutir esse tema (aqui você pode achar vários dedicados a esse assunto), justamente por “julgar” homossexuais de maneira fundamentalmente diferente de heterossexuais.

  8. Quanto tempo perdido. Sou professora universitária, pesquisadora da CAPES e cientista na área das ciências sociais. Tantos problemas interessantes para serem pesquisados na sociedade. Tantas contribuições que poderiam ser dadas mediante pesquisas sérias, e encontro isso. Um site para publicar inverdades e compartilhar bobagens em relação à doutrina Mórmon. Sugestão: Ou vocês publicam as doutrinas verdadeiras da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, ou vão vender picolé na praia que será mais útil socialmente. A propósito respeitar a opinião sexual e estilo de vida das pessoas é bem diferente de incentivá-las a fazer qualquer tipo de coisa. Respeito é bom e todo mundo gosta. Incentivo é outra coisa.

    • Paula, se você é “cientista” e “pesquisadora” na “área das ciências sociais” e você é tão ignorante sobre historiografia, sociologia de religião, antropologia de religião, filosofia, crítica textual, e princípios básicos de raciocínio lógico nós lhe sugerimos voltar às instituições de onde é diplomada e cobrar seu dinheiro de volta.

  9. Ai migos, o que vejo aqui apenas é a união do conhecimento e boa vontade de “super doutores” com a sede de atenção. Dizem que é pra abertura do estudo e discussão sobre o mormonismo a qualquer pessoa independente da crença/religião mas postam artigos apelativos e notícias desnecessárias a qualquer pessoa, seja no grau de membro ou estudiosa da igreja. Sério, se vcs querem estudar, estudem, e se querem disseminar o conhecimento adquirido (muitas vezes visivelmente misturado com opiniões próprias) vão e compartilhem com os amiguinhos, mas é realmente desnecessário criar um site e expor essa informações de modo parcial, e onde há a possibilidade de difamação do nome da igreja e/ou enfraquecimento do testemunho por parte de pessoas que não entendem plenamente o contexto da história envolvida ou mesmo dos artigos publicados ou que estao caminhando lentamente no evangelho que vêm aqui em busca de edificação. Seria um tanto mais louvável o uso desse “intelectualismo” todo pra causas mais nobres.

    • Laura, obrigado pelo seu comentário. Permita-nos algumas considerações:

      1) Você está nos julgando “super doutores com a sede de atenção”. Além de tentar adivinhar nossos pensamentos, você está adivinhando nossas intenções e caráteres, sem sequer nos conhecer pessoalmente. Não apenas isso é uma atitude irresponsável e infantil, viola os ensinamentos mais fundamentais do Cristianismo:

      “Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada para medir vocês.Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu? Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão.”

      2) A atribuição sobre os artigos de “apelativos” e “desnecessários” é opinião sua, ao qual você tem o seu direito. Contudo, nós temos as nossas opiniões, e não achamos quaisquer os artigos “apelativos” ou “desnecessários”. E nós temos, tal como você, o direito às nossas opiniões pessoais.

      Muitos Mórmons acreditam que “necessário” são apenas os fatos que passam uma imagem positiva da Igreja, de sua história e cultura. Alguns Mórmons, contudo, acreditam que todos os fatos são “necessários” para uma visão adulta e inteligente da cultura e da religião.

      Quando você pretende nos censurar (“compartilhem com os amiguinhos” mas não “criar um site e expor essa informações”), a única coisa que faz é expor seus medos e inseguranças sobre a realidade. Embora dissonância cognitiva seja uma reação universal e natural, é o nosso dever, como humanos modernos pós-iluminismo, ser conscientes de, e buscar superar, nossos instintos básicos.

      3) Não há nenhum exemplo de difamação no nosso site, de ninguém, e de nenhuma instituição.

      4) Se você se preocupa com os que “não entendem plenamente o contexto da história envolvida ou mesmo dos artigos publicados”, você pode discorrer sobre esses contextos nos comentários.

      Dito isso, nós acreditamos que muitos dos contextos podem ser compreendidos com a leitura cumulativa dos artigos publicados. Certamente há muita matéria a se cobrir, e por isso seguimos publicando, mas estamos sempre aceitando novos textos ou novas sugestões de assuntos não abordados.

      5) Nós acreditamos que “intelectualismo” é uma causa nobre. Certamente é uma causa mais nobre do que shoppings de luxo ou legalmente perseguir minorias.

  10. Bom, o julgamento é natural quando se le o tipo de conteúdo disposto aqui. E defina o seu conceito de “infantil”, só pq mencionei o termo “sede” junto a “atenção”? No fundo não é esse o proposito do blog? Se não quisessem atenção não criariam um site, conversariam esses assuntos entre si mesmos, faria mais sentido. E embora eu goste bastante de buscar por conhecimento inclusive religioso, ainda não gosto de fugir do meu proposito essencial que que é ser suficiente lapidada para ter direito a vida eterna, portanto tento alinhar os conhecimentos adquiridos com o evangelho de Jesus Cristo e não focando na historia mundana, focando os erros e falhas do evangelho atual, por isso classifiquei seu conteúdo como desnecessário. E quando mencionei difamação me referi aos que lêem e não compreendem ou interpretam errado a mensagem transmitida aqui. E quanto a perseguição a minorias, recomendo um artigo da Forbes falando sobre a liberdade de expressão relacionada aos mórmons, no qual eu, que repudio qualquer tipo de perseguição as minorias, concordo pois não vejo quaisquer declarações ou discursos de ódio por parte de nossos líderes ou materiais.

    • Obrigado, Laura, pela resposta. Eis algumas considerações:

      1) “Bom, o julgamento é natural quando se le o tipo de conteúdo disposto aqui.”

      Não. O julgamento que você fez só é natural quando visto por um prisma infantilizado: Se não é do jeito que eu gosto, é feio e horroroso. Se não fala bem de quem é gosto, é feio e invejoso.

      Um julgamento adulto seria levar em consideração a proposta que nós anunciamos e considerar os textos em justaposição com, e contraposição com, tal proposta.

      Ademais, o “julgamento” é exatamente a antítese dos ensinamentos de Jesus.

      2) “E defina o seu conceito de “infantil”, só pq mencionei o termo “sede” junto a “atenção”?”

      Ver acima. Se não é do jeito que eu gosto, é feio e horroroso. Se não fala bem de quem é gosto, é feio e invejoso.

      3) “No fundo não é esse o proposito do blog? Se não quisessem atenção não criariam um site, conversariam esses assuntos entre si mesmos, faria mais sentido.”

      Nós estamos conversando esses assuntos entre nós mesmos. Convidamos outras pessoas com os mesmos interesses intelectuais a conversar esses assuntos conosco. Convidamos outras pessoas com os mesmos interesses intelectuais a escrever artigos para o site.

      Como você acha que nós nos encontramos? O site serve, também, de ponto de encontro. Outras pessoas, com os mesmos interesses, e com opiniões diferentes e até divergentes, lêem os artigos, comentam, escrevem artigos elas mesmo, e recebem comentários, e assim por diante.

      Se você tivesse lido o site, ao invés de querer julgá-lo, saberia disso.

      Quando você posta um monte de fotos suas no Facebook, você só quer chamar atenção? Está buscando elogios a sua beleza? Ou está compartilhando algo que lhe é importante com as pessoas que lhe são importante? Deixa suas fotos em público para despertar voyerismo e angariar fãs? Ou será que nada mais quer se deixar disponível para amigos e conhecidos da vida real poderem lhe encontrar e interagir com você na sua vida digital, ou mesmo fazer novos amigos?

      4) “E embora eu goste bastante de buscar por conhecimento inclusive religioso, ainda não gosto de fugir do meu proposito essencial”

      Isso é prerrogativa sua. É o que você acha importante para a sua vida. Você quer a pretensão de forçar as suas opiniões nos outros? Você quer impor sobre os outros que o que você acha importante para sua vida seja o importante para a vida dos outros?

      5) “por isso classifiquei seu conteúdo como desnecessário.”

      Você pode achar isso, certamente. Você está equivocada, porque ignorância do que você chama de “história mundana” quase sempre implica em manipulações institucionais, erros éticos, e preconceitos. Não obstante, não nos cabe a nós forçá-la a compreender isso, da mesma maneira que não lhe cabe a você forçar a crer que nosso “conteúdo” seja “desnecessário”.

      6) “E quando mencionei difamação me referi aos que lêem e não compreendem ou interpretam errado a mensagem transmitida aqui.”

      Se você encontrar um exemplo de difamação sendo publicada nos comentários aqui, você pode corrigi-los com seus comentários. Ou, se preferir, você pode nos enviar nota e nós o corregiremos com prazer.

      7) “E quanto a perseguição a minorias, recomendo um artigo da Forbes falando sobre a liberdade de expressão relacionada aos mórmons, no qual eu, que repudio qualquer tipo de perseguição as minorias, concordo pois não vejo quaisquer declarações ou discursos de ódio por parte de nossos líderes ou materiais.”

      Por favor, nos passe o link desse artigo. Gostaríamos de lê-lo, sem dúvidas.

      Contudo, você está redondamente equivocada. Veja alguns exemplos mais recentes aqui, aqui, aqui, e aqui. Por isso nosso “conteúdo” é necessário, para corrigir a falta de conhecimento ou percepção de muitos Mórmons em assuntos tão importantes e relevantes como a perseguição institucional, ou mesmo simples preconceito, de minorias.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.