Mórmons e A Virgem

Críticos do Mormonismo costumam acusá-los de não acreditar que Maria, mãe de Jesus, fora realmente “virgem” e que Deus teria feito sexo com Maria para conceber o Salvador.

Mórmons, por outro lado, costumam tomar ofensa com essas acusações e citam múltiplas e frequentes referências ao título oficial “A Virgem” abundantes na literatura Mórmon.

Pietà (1876) por William-Adolphe Bouguereau (1825-1905)

Pietà (1876) por William-Adolphe Bouguereau (1825-1905)

O problema para os críticos é que, em realidade, a maioria dos Mórmons realmente acredita que Maria fora virgem e que Deus não teve relações sexuais com ela.

O problema para os Mórmons é que, em realidade, muitos Profetas e Apóstolos Mórmons ensinaram que Ele teve.

Brigham Young

“O nascimento do Salvador foi tão natural como são os nascimentos de nossos filhos, foi o resultado de ação natural. Ele tomou para si de carne e sangue – foi gerado por seu Pai, como nós de nossos pais.” (Journal of Discourses 8:115)

Brigham Young

“Eu acredito que o Pai desceu do céu, como os Apóstolos disseram que Ele fez, e gerou o Salvador do mundo, porque ele é o Unigênito do Pai, o que não poderia ser se o Pai não o tivesse gerado pessoalmente.” (Journal of Discourses 1:238)

Brigham Young

“Deus fez Seus filhos como Ele mesmo para ficar ereto, e dotou-as com inteligência e poder e domínio sobre todas as Suas obras, e deu-lhes os mesmos atributos que Ele próprio possui. Ele criou o homem, como nós criamos nossos filhos, pois não há outro processo de criação no céu, sobre a terra, na terra, nem debaixo da terra, ou em todas as eternidades, que são, que foram, ou que serão.” (Journal of Discourses 11:122)

Brigham Young

“O homem José, o marido de Maria, não teve, pelo que sabemos, mais de uma esposa, porém Maria, mulher de José teve outro marido. Nesta conta infiéis têm chamado o Salvador de bastardo. Isto é apenas uma opinião humana sobre uma das obras inescrutáveis do Todo-Poderoso. Aquele mesmo bebê que foi embalado na manjedoura, foi gerado, não por José, marido de Maria, mas por outro Ser. Você pergunta por quem? Ele foi gerado por Deus, nosso Pai Celestial. Essa resposta deve lhe ser suficiente — você nunca precisa perguntar mais sobre esse assunto.” (Journal of Discourses 11:268)

Brigham Young

“Quando chegou o momento que seu primogênito, o Salvador, devesse vir ao mundo e tomar um tabernáculo, o Pai mesmo veio pessoalmente e favoreceu aquele espírito com um tabernáculo em vez de deixar qualquer outro homem fazê-lo. O Salvador foi gerado pelo Pai de Seu espírito, pelo mesmo Ser que é o Pai de nossos espíritos, e essa é toda a diferença orgânica entre Jesus Cristo e você e eu.” (Journal of Discourses 4:218)

Brigham Young

“Quando a Virgem Maria concebeu o menino Jesus, o Pai o tinha gerado em Sua própria semelhança. Ele não foi gerado pelo Espírito Santo … Jesus, nosso irmão mais velho, foi gerado na carne pelo mesmo personagem que estava no jardim do Éden, e que é nosso Pai no Céu … Agora, lembre-se, desde agora e para sempre, que Jesus Cristo não foi gerado pelo Espírito Santo. Vou repetir uma pequena anedota. Eu estava conversando com um certo professor estudioso sobre este assunto, quando eu respondi, a esta idéia, se o Filho fora gerado pelo Espírito Santo, que seria muito perigoso para ele batizar e confirmar as mulheres, e lhes dar o Espírito Santo, para que ele não gerasse filhos nelas…” (Journal of Discourses 1:50)

Heber C. Kimball

“Em relação à maneira em que eu vejo as obras de Deus e Suas criaturas, eu vou dizer que eu fui naturalmente gerado; assim como fora meu pai, e também o meu Salvador Jesus Cristo. De acordo com as Escrituras, ele é o primogênito de Seu Pai na carne, e não houve nada de antinatural nisso.” (Journal of Discourses 8:211)

Orson Pratt

“Temos agora claramente demonstrado que Deus o Pai tinha uma pluralidade de esposas, uma ou mais na eternidade, por quem Ele gerou nossos espíritos, bem como o espírito de Jesus, Seu primogênito, e outra na terra por quem Ele gerou o tabernáculo de Jesus, como Seu Unigênito neste mundo.” (The Seer, p. 172)

Orson Pratt

“Deus, o Pai de nosso espírito, tornou-se o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo segundo a carne. Por isso, o Pai diz a respeito dele: ‘Tu és meu Filho, hoje te gerei.’ Somos informados no primeiro capítulo de Lucas, que Maria foi escolhida pelo Pai como uma virgem especial, através de quem Ele gerou Jesus. O anjo disse à Virgem Maria: ‘O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo deve ofuscar-te; por isso, também o Ser Santo que há de nascer de ti será chamado Filho de Deus.’ Após o poder do Altíssimo sobrepujar sobre Maria, e ela através desse meio havia concebido, ela relatou a circunstância para sua prima Isabel nas seguintes palavras: “Aquele que é Poderoso me fez grandes coisas; e santo é o seu nome.” Parece que a partir desta relação que o Espírito Santo acompanhou o ‘Altíssimo’ quando Ele sobrepujou a Virgem Maria e gerou a Jesus, e desde essa circunstância alguns supõem que o corpo de Jesus foi gerado pelo Espírito Santo sem a instrumentalidade da presença imediata do Pai. Não há dúvida de que o Espírito Santo desceu sobre Maria, para santificá-la e fazê-la santa, e prepará-la para suportar a presença gloriosa do ‘Altíssimo’, para que, quando ‘Ele’ fosse ‘sobrepuja-lá’ ela pudesse conceber, sendo preenchida com o Espírito Santo; Por isso o anjo disse, conforme registrado em Mateus: ‘Aquilo que nela foi gerado é do Espírito Santo’; Isto é, o Espírito Santo lhe deu força para permanecer na presença do Pai sem ser consumida, mas foi o personagem do Pai que gerou o corpo de Jesus; e por esta razão Jesus é chamado de ‘o Unigênito do Pai’; Ou seja, o único neste mundo cujo corpo carnal foi gerado pelo Pai. Havia milhões de filhos e filhas que Ele gerou antes da fundação deste mundo, mas eles eram espíritos, e não corpos de carne e ossos; Considerando que, tanto o espírito e o corpo de Jesus foram gerado pelos Pai — o espírito tendo sido gerado no céu muitas eras antes do tabernáculo ser gerado sobre a terra. O corpo carnal de Jesus exigiu uma mãe, bem como um Pai. Portanto, o Pai e a Mãe de Jesus, segundo a carne, devem ter sido associados juntos na capacidade de marido e mulher; Portanto, a Virgem Maria deve ter sido, pelo tempo, a esposa legítima de Deus o Pai; Usamos o têrmo esposa legítima, porque seria blasfêmia no mais alto grau dizer que Ele a sobrepujou e gerou o Salvador ilegalmente. Teria sido ilegal para qualquer homem ter interferido com Maria, que já estava desposada com José; Um crime tão hediondo teria exposto ambas as partes culpadas à pena de morte, de acordo com a lei de Moisés. Mas Deus tendo criado todos os homens e mulheres, tinha o direito mais perfeito para fazer com a Sua própria criação de acordo com a Sua santa vontade e prazer: Ele tinha o direito legal para sobrepujar a Virgem Maria na capacidade de um marido, e gerar um Filho, embora ela estivesse desposada com outro; A lei que Ele deu para governar os homens e mulheres não se destinava a governar a Si mesmo, ou prescrever regras para a Sua própria conduta. E também era legal para Ele, depois de ter lidado assim com Maria, para lhe desse a José, seu esposo prometido. Se Deus o Pai deu Maria para José para o tempo apenas, ou para o tempo e a eternidade, não fomos informados. Na medida em que Deus era o primeiro marido dela, pode ser que Ele só a tenha dado para ser a esposa de José, enquanto no estado mortal, e que Ele planejara, após a ressurreição, tomá-la como uma de suas esposas novamente para lhe conceber espíritos imortais na eternidade.” (The Seer, p. 158)

Primeira Presidência (Joseph F. Smith, Anton H. Lund, Charles W. Penrose)

“Jesus Cristo é o Filho de Elohim tanto como descendência espiritual quanto corporal; isto é, Elohim é literalmente o Pai do espírito de Jesus Cristo e também do corpo em que Jesus Cristo realizou Sua missão na carne, em cujo corpo morreu na cruz e foi depois retomado pelo processo de ressurreição, e é agora o tabernáculo imortalizado do espírito eterno de nosso Senhor e Salvador. Nenhuma explicação estendida do título “Filho de Deus”, como aplicado a Jesus Cristo parece necessário.” (O Pai e O Filho: Uma Exposição Doutrinária pela Primeira Presidência e Os Doze)

Joseph F. Smith

“Agora, aos poucos você vai ser capaz de entender isso muito melhor do que você pode hoje. Alguns de nós, avós, acham difícil conceber a verdade queremos pensar em algo maravilhoso. Nós queremos tentar fazer parecer que Deus não faz as coisas da maneira certa, ou que Ele tem uma outra maneira de fazer as coisas do que o que nós sabemos, temos de aceitar o simples fato de que Deus Todo-Poderoso era o Pai de Seu Filho Jesus Cristo. Maria, a menina virgem, que jamais havia conhecido homem mortal, era sua mãe. Deus por ela gerou Seu Filho Jesus Cristo, e Ele nasceu para o mundo com poder e inteligência como a de Seu Pai … Agora, meus amiguinhos, vou repetir novamente em palavras as mais simples possíveis, e você converse com seus pais sobre o assunto, que Deus, o Pai Eterno é literalmente o pai de Jesus Cristo. Maria fora casada com José para o tempo. Nenhum homem poderia levá-la para a eternidade, porque ela pertencia ao Pai de seu divino Filho. Na revelação que veio através de Joseph Smith, aprendemos que é o propósito eterno de Deus que o homem e a mulher devam ser unidas entre si pelo poder de Deus aqui na terra para o tempo e a eternidade.” (Family Home Evening Manual (1972), “A Modern Prophet’s Answer”, p. 126)

Joseph F. Smith

“Todos vocês sabem que seus pais são de fato seus pais e que suas mães são de fato suas mães, todos vocês sabem, não? Você não pode negá-lo. Agora, nos é dito nas escrituras que Jesus Cristo é o Filho unigênito de Deus na carne. Bem, agora para o benefício dos mais velhos, como são filhos gerados? Eu respondo da mesma maneira que Jesus Cristo foi gerado de seu Pai. As denominações cristãs acreditam que Cristo foi gerado não de Deus, mas do Espírito que sobrepujou a sua mãe. Isso é um absurdo. Por que o mundo não receberá a verdade? Por que eles não acreditam no Pai quando diz que Jesus Cristo é o Seu Filho Unigênito? Por que eles vão tentar ignorar essa verdade e fazer mistério dela?… Agora, meninos e meninas, quando você é confrontado por infiéis do mundo que não sabem nada de como Cristo foi gerado, você pode dizer que Ele nasceu, assim como o infiel foi gerado e nascido, então Cristo foi gerado por seu Pai, que também é nosso Pai — o Pai de nosso espírito — e Ele nasceu de Maria, sua mãe … A diferença entre Jesus Cristo e os outros homens é esta: Nossos pais na carne são homens mortais, que estão sujeitos à morte; mas o Pai de Jesus Cristo na carne é o Deus do Céu. Portanto, Jesus, como Ele declarou, recebeu o poder da vida de seu Pai e nunca foi sujeito à morte, mas tinha vida em Si mesmo como seu Pai tinha vida em Si mesmo. Devido a este poder que Ele venceu a morte e a sepultura e tornou-se mestre da ressurreição e os meios de salvação para todos nós. Devemos nós, como Santos dos Últimos Dias negar a verdade e, em seguida, afirmar que Deus fez o homem à sua semelhança no começo? Vamos viver sob a impressão de que Deus possui o poder de criação, e ainda assim não literalmente criar? Ele não é nada sem sua companheira assim como eu sou não sou nada sem a minha companheira, a mãe dos meus filhos… “ (Hoyt Brewster, Doctrine and Covenants Encyclopedia, p. 398)

James E. Talmage

“Nós reconhecemos Jesus Cristo, o Filho do Pai Eterno, tanto no espírito e no corpo. Não há nenhum outro significado para anexar a essa expressão, como usado pelo próprio Pai Eterno — ‘Meu Filho Unigênito.” Cristo teve combinado dentro de Sua própria pessoa e natureza os atributos de Sua mãe mortal, e tão verdadeiramente, os atributos de Seu Genitor imortal. Por aquela lei fixa e inexorável da natureza, que todos os organismos vivos se seguem por suas espécies, Jesus o Cristo tinha o poder de morrer, pois Ele era filho de uma mulher mortal; e Ele tinha o poder de resistir à morte indefinidamente, pois Ele era o filho de um Pai imortal. A simplicidade da doutrina chocou muitos, mas a verdade é frequentemente chocante justamente por causa de sua simplicidade e consequente grandeza. “ (Conference Report, Abril 1915, p. 121)

Melvin J. Ballard

“Uma das grandes questões a que me referi de que o mundo está preocupado, e sobre o qual está em confusão, é se o Seu nascimento fora virginal ou não, um nascimento em que o poder divino tenha intercedido. Joseph Smith deixou perfeitamente claro que Jesus Cristo disse a verdade absoluta, assim como aqueles que testemunharam a respeito dele, os Apóstolos do Senhor Jesus Cristo, no qual Ele é declarado ser o próprio Filho de Deus. E se Deus, o Pai Eterno, não é o verdadeiro pai de Jesus Cristo, então estamos em confusão, então Ele não é, na realidade, o Filho de Deus. Mas nós declaramos que Ele é o Unigênito do Pai na carne … Nenhum homem ou mulher pode viver na mortalidade e sobreviver a presença do Altíssimo, exceto pelo poder de sustentação do Espírito Santo. Então, ele veio sobre ela para prepará-la para o ingresso na presença divina, e o poder do Altíssimo, que é o Pai, estava presente e a possuiu, e a criança santa que nasceu dela foi chamada de o Filho de Deus. Os homens que negam isso, ou que pensam que isso degrada nosso Pai, não têm verdadeira concepção da sacralidade do poder mais maravilhoso com que Deus dotou os homens mortais — o poder de criação . Mesmo que esse poder possa ser abusado e possa tornar-se uma mera arpa de prazer para os ímpios, no entanto, é a função mais sagrada e santa e divina com que Deus dotou o homem. Santificado, é retido pelo Pai de todos nós, e em Seu exercício desse grande e maravilhoso poder e função criativa, Ele não rebaixa-se, degrada-se, e nem corromper Sua filha. Assim, Cristo tornou-se o Filho literal de um Pai divino, e não havia mais ninguém digno de ser seu pai.” (Deseret News, 23 Dez 1923; Sermons and Missionary Services of Melvin J. Ballard, p. 166)

Joseph Fielding Smith

“Cristo não fora gerado pelo Espírito Santo … Cristo foi gerado por Deus. Ele não nasceu sem o auxílio de um Homem, e esse Homem era Deus!” (Doutrinas de Salvação 1:18).

Bruce R. McConkie

“O que significa crer em Cristo? Significa aceitá-lo como o Filho de Deus, no sentido literal e completo da palavra. Significa crer que Deus é seu Pai no mesmo sentido em que todos os homens mortais têm pais.” (The Promised Messiah: The First Coming of Christ, p. 294)

Bruce R. McConkie

“Estes nomes-títulos todos significam que nosso Senhor é o Filho Unigênito do Pai na carne. Cada uma das palavras deve ser entendida literalmente. Único significa único; Gerado significa gerado; e Filho significa filho. Cristo foi gerado por um Pai Imortal da mesma forma que os homens mortais são gerados por pais mortais.” (Mormon Doctrine, 2a ed., p. 546)

Bruce R. McConkie

“Maria era virgem … até depois do nascimento de nosso Senhor. Então, pela primeira vez, ela era conhecida por José, seu marido; E outras crianças, filhos e filhas, foram então nascidas para ela… Ela concebeu e deu à luz seu Filho Primogênito, enquanto ainda uma virgem, porque o Pai da criança que fora um personagem imortal.” (Doctrinal New Testament Commentary, vol. 1, p. 82)

Bruce R. McConkie

“Deus o Pai é um santo homem aperfeiçoado, glorificado, e um personagem imortal. E Cristo nasceu para o mundo como o Filho literal deste Ser Santo; Ele nasceu no mesmo sentido pessoal, real e literal que qualquer filho mortal nasce para um pai mortal. Não há nada figurativo sobre sua paternidade; Ele foi gerado, concebido e nascido no curso normal e natural dos acontecimentos, pois ele é o Filho de Deus, e essa designação significa exatamente o que diz.” (Mormon Doctrine, 1a ed., p. 742)

Bruce R. McConkie

“No que diz respeito esta vida, [Jesus] nasceu de Maria e de Elohim; Ele veio aqui como uma prole daquele Santo Homem que é, literalmente, nosso Pai no céu. Ele nasceu na mortalidade no sentido literal e completo como o Filho de Deus. Ele é o Filho do Pai, no mesmo sentido que todos os mortais são os filhos e filhas de seus pais.” (The Mortal Messiah: From Bethlehem to Calvary, p. 330)

Bruce R. McConkie

“Filho Unigênito. Filho Unigênito na carne, o que significa na mortalidade. Esta designação de nosso Senhor significa que Ele foi gerado pelo Homem de Santidade tão literalmente como qualquer pai mortal gera um filho. Os processos naturais de procriação estavam envolvidos; Jesus foi gerado por seu pai tão literalmente como ele foi concebido por sua mãe.” (Doctrinal New Testament Commentary 1:144)

Bruce R. McConkie

“A imagem expressa de sua pessoa. O que mais precisa ser dito? Deus, o Pai Eterno é o Pai; O Filho de Deus é o Filho. Um pai é um pai e um filho é um filho. O Pai gera; O Filho é gerado; Eles são pai e criança; Genitor e Filho são parecidos, tanto que eles estão a expressa imagem um do outro. A substância que compõe o corpo de um é idêntica no aspecto a que compõe o corpo do outro. O que poderia ser mais claro que isso? Gerado. Gerado significa gerado; Significa que o corpo mortal de Cristo foi procriado por uma Genitor Eterno; isso significa que Deus é o Pai de Cristo, ‘à maneira da carne’.” (Doctrinal New Testament Commentary 3:138)

Bruce R. McConkie

“E assim, em última análise, são os santos fiéis, aqueles que têm testemunhos da verdade e divindade desta grande obra dos últimos dias, que declaram a geração de nosso Senhor ao mundo. Seu testemunho é que o filho de Maria é o Filho de Deus; que Ele foi concebido e gerado de maneira normal; que Ele tomou sobre si a mortalidade pelos processos de nascimento naturais; que herdou o poder de mortalidade da mãe e do poder da imortalidade de seu Pai…” (The Promised Messiah: The First Coming of Christ, p. 473)

Bruce R. McConkie

“Sem ultrapassar os limites do decoro, dizendo mais do que é necessário, deixe-nos dizer isto: Deus Todo-Poderoso, que uma vez habitou uma terra própria e já subiu ao trono de poder eterno a reinar na glória eterna; que tem um corpo glorificado e exaltado, um corpo de carne e ossos tão tangível como o do homem; que reina em equidade e justiça sobre os bilhões intermináveis de Seus filhos espirituais que habitam os mundos sem números que surgem em existência apenas com Sua palavra — Deus Todo-Poderoso, que é infinito e eterno, decide, na sua sabedoria insondável, gerar um filho, um filho único, o Unigênito na carne. Deus, que é infinito e imortal, condescende a descer do Seu trono, para se juntar com alguém que é finita e mortal para conceber “segundo o modo da carne”, o Messias Mortal.” (The Mortal Messiah: From Bethlehem to Calvary, pp. 314)

Bruce R. McConkie

“Essa prole era para ser Ele mesmo Todo-Poderoso — Filho do Deus Todo-Poderoso. Como e por que meios e por intermédio da qual instrumentalidade tal concepção veio? Gabriel explica: ‘O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo lhe ofuscará; portanto, também o Ser Santo [ou melhor, a criança santa], que deve nascer de ti e será chamado Filho de Deus.’ Novamente a resposta é perfeita. Há um poder além do homem. Quando Deus está envolvido, Ele usa o seu ministro, o Espírito Santo, para ofuscar a futura mãe e para levá-la longe no Espírito. Ela conceberá pelo poder do Espírito Santo, e Deus mesmo será o genitor. Este é o Seu Filho de quem Gabriel está falando. Um filho é gerado por um pai: seja na terra ou no céu, é o mesmo modo.” (The Mortal Messiah: From Bethlehem to Calvary, pp. 318)

Bruce R. McConkie

“Isso, então, é a condescendência de Deus — que um Deus fosse gerar um homem, que um Pai Imortal fosse gerar um filho mortal, que o Criador de todas as coisas desde o início fosse descer do seu elevado estado de exaltação e ser, por um momento, como uma das criaturas da sua criação … Temos falado claramente da concepção do nosso Senhor no ventre de Maria; Na verdade, as afirmações simples são encontradas na palavra revelada, e nós temos nos certificado que as palavras significam o que eles dizem e não pode ser espiritualizadas e ignoradas. E assim como é com referência à mãe de nosso Senhor, assim é como se refere a seu Pai. As escrituras dizem que Jesus Cristo é o Filho Unigênito. O problema é que o ministério intelectualizado e os leigos presumem, como Satanás os conduz, que um nome-título deste tipo é simplesmente figurativo e não tem o mesmo significado literal como quando as palavras são faladas em uma conversa normal. Talvez novamente o melhor serviço que podemos prestar, na questão aqui em pauta, é de alguma forma fazer passar a mensagem que as palavras significam o que elas dizem, e que, se Cristo é o Unigênito do Pai, isso significa exatamente isso. Algumas palavras quase não precisam de definição. Eles estão em toda língua e são faladas por toda voz. A própria existência de seres inteligentes pressupõe e exige o seu uso constante. Duas dessas palavras são pai e filho. Seu significado é conhecido de todos, e para defini-los é preciso apenas repeti-los. Assim: Um filho é um filho é um filho e um pai é um pai é um pai. Eu sou o filho de meu pai e o pai dos meus filhos. Eles são meus filhos, porque eles foram gerados por mim, foram concebidos por sua mãe, e saíram de seu ventre para respirar o sopro da vida mortal, para habitar por um tempo e uma temporada entre os outros homens mortais. E assim é com o Pai Eterno e o nascimento mortal do Filho Eterno. O Pai é um Pai é Pai; ele não é uma essência de espírito ou nada para o qual o nome de Pai seja aplicado figurativamente. E o Filho é um filho é um filho; Ele não é uma emanação transitória de uma essência divina, mas um descendente vivo e literal de um Pai real. Deus é o Pai; Cristo é o Filho. Um gerou o outro. Maria providenciou o útero do qual o Espírito Jeová saiu, tabernáculos em argila, como todos os homens são, para habitar entre os Seus companheiros espíritos cujos partos ocorreram da mesma maneira. Não há necessidade de espiritualizar o significado claro das escrituras. Não há nada figurativo ou oculto ou além da nossa compreensão na vinda do Senhor à mortalidade. Ele é o Filho de Deus no mesmo sentido e forma que somos os filhos de pais mortais. É simples assim. Cristo nasceu de Maria. Ele é o Filho de Deus, o Unigênito do Pai.” (The Promised Messiah: The First Coming of Christ, p. 467)

Harold B. Lee

“Os professores não devem especular sobre a forma do nascimento de Cristo. Estamos muito preocupados que alguns dos nossos professores da Igreja parecem estar obcecados com a idéia de ensinar doutrina que não pode ser fundamentada e fazer comentários além do que o Senhor tem realmente dito … Você perguntou sobre o nascimento do Salvador. Nunca falei sobre relações sexuais entre Divindade e a mãe do Salvador. Se os professores fossem sábios ao falar deste assunto sobre o qual o Senhor disse apenas muito pouco, eles iriam abandonar a discussão sobre este assunto com apenas as palavras que estão gravadas sobre este assunto em Lucas 1:34-35… Lembre-se que o ser que foi gerado pela concepção [de Maria] foi um personagem divino. Nós não precisamos questionar Seu método para alcançar Seus propósitos. Talvez nós faríamos bem em lembrar as palavras de Isaías 55:8-9… Deixe que o Senhor repouse Seu caso com esta declaração e espere até que Ele ache por bem dizer-nos mais.” (The Teachings of Harold B. Lee,Bookcraft, 1996), p. 13)

Eldred G. Smith

“Se o nosso Pai do céu é um ser exaltado — Eu só quero derrubar um pequeno princípio que é ensinado em todo o mundo no qual eu não posso acreditar — Então, Ele tem a capacidade e a habilidade de realizar e fazer qualquer coisa que qualquer mortal pode fazer. Eu não posso acreditar nesta doutrina que é ensinada universalmente de uma concepção imaculada de Cristo, que Cristo nasceu de uma concepção imaculada. Simplesmente, não é possível tal coisa. Jesus Cristo era o Filho literal de Deus Pai por seu corpo espiritual e também por seu corpo físico. A diferença entre Cristo e nós é que Ele tinha o mesmo Pai para o seu corpo espiritual que Ele tinha para seu corpo físico. Mas Ele tinha uma mãe mortal na terra. As escrituras dizem que ela foi sobrepujada pelo Espírito Santo … Claro que tinha que haver alguns meios para tornar isso possível, enquanto ela ainda estava na mortalidade. Mais detalhes não são necessários, mas o próprio Cristo declarou toda a Sua vida que Ele era o Filho de Deus, e Ele quis dizer exatamente isso.” (Patriarca Geral da Igreja Eldred G. Smith,BYU Speeches of the Year, 1964, p.8).

Ezra Taft Benson

“Eu sou ousado a dizer para vocês … A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias proclama que Jesus Cristo é o Filho de Deus no sentido mais literal. O corpo em que Ele realizou sua missão na carne foi gerado pelo mesmo Ser Santo que nós adoramos como Deus, nosso Pai Eterno. Jesus não era o filho de José, nem foi gerado pelo Espírito Santo.” (The Teachings of Ezra Taft Benson, p. 7).

Manual da Igreja SUD

“[Jesus Cristo] estava disposto a fazer o pagamento por causa de Seu grande amor para a humanidade, e Ele foi capaz de fazer o pagamento porque Ele viveu uma vida sem pecado e porque ele era realmente, literalmente, biologicamente o Filho de Deus na carne.” (Messages for Exaltation: Eternal Insights from the Book of Mormon, 1967, p. 378).

Manual da Igreja SUD

“Deus o Pai se tornou o pai literal de Jesus Cristo. Jesus é a única pessoa na terra a nascer de uma mãe mortal e de um pai imortal.” (Princípios do Evangelho, 1997, p. 57)

Críticos do Mormonismo lerão essas citações e presumirão que todos os Mórmons necessariamente pensem e/ou creiam que Deus teve relações sexuais com Maria para gerar Jesus. Como se pode ler, muitos Profetas e Apóstolos Mórmons, sim, pensavam ou criam assim, e muitos ao menos não descartavam a possibilidade. Alguns até acreditavam que Maria seria uma das muitas esposas plurais de Deus. Mas seria intelectualmente desonesto presumir que todos Mórmons, especialmente hoje em dia, tenham essas crenças.

Mórmons, especialmente apologistas ou os menos familiarizados com sua própria história, lerão essas citações e presumirão que estão sendo distorcidas em sua representação ou tradução, ou que elas são declamações figurativas que estão sendo mal representadas como literalistas. Essas, também, são posturas intelectualmente desonestas, deturpando as crenças e os ensinamentos de (líderes) Mórmons no passado para que pareçam mais palatáveis às suas próprias crenças atuais.

Aceitamos que os Mórmons do passado, e até passado recente, acreditavam no literalismo biológico da concepção de Jesus. Aceitamos que a maioria dos Mórmons hoje em dia preferem uma interpretação figurativa e mística e rejeitam esse ensinamento profético da tradição Mórmon.

Mórmons brasileiros na atualidade, onde vocês se encaixam entre essas duas posições?

46 comentários sobre “Mórmons e A Virgem

  1. É isso aí Vozes! É isso aí!
    Excelente trabalho… Generosamente referenciado e coerente.
    Este material prova o grande erro da igreja em disseminar a ideia de um D’us demasiadamente humano. Um D’us com necessidades humanas.
    D’us não pensa como homens. D’us não é homem para necessitar de uma mulher tampouco de uma pluralidade de esposas… Erro hediondo… Avodá Zara!

    • Amigo se Jesus Cristo fosse procriado pelo Espírito Santo ele seria filho de quem ???são questões tão simples que causam estranheza em vcs se as escrituras dizem que Jesus Cristo é Filho de Deus quem é seu pai? Quem é seu progenitor??
      Eu lhes respondo Deus

  2. Não me surpreendem as declarações mencionadas no texto. Acho completamente natural que assim seja, bem como várias outras passagens da história, não somente do mormonismo, que por motivos quase óbvios é distorcida, enfeitada para melhor aceitação. Entendo que deva ser difícil mesmo para a maioria dos fiéis relacionarem a concepção de Jesus à forma mais natural.

    • Ainda em ‘Os Ensinamentos do Profeta Joseph Smith’, p. 346, lê-se que é ortodoxo assegurar que o nascimento de Cristo é de natureza milagrosa. Oliver Lodge sugere ser uma heresia acreditar nessas excepcionalidades que estão longe da verdade. Jesus deve ser reconhecido por sua natureza real, comum, simples e completa, ao nascer, em sua vida adulta, em sua morte e pós morte.

    • Agora é minha vez de ser dogmática. Não acredito em nenhuma dessas citaçoes. Pra mim, isso tudo é viagem de Brigham Young, assim como ele viajou em muitos outros temas. E os outros simplesmente foram atrás. Na minha opinião dogmática Jesus foi gerado pelo Espírito Santo sem nenhum contato físico. Maria era virgem no estrito sentido da palavra, até nascer Jesus. Podem vir os profetas dizendo que não, até o fim dos tempos.Essa demasiada humanização de Deus não combina com minha fé particular. Por quê eu creio assim, apesar de todas as citações? Porque é mais confortável para mim crer assim e pronto. E só desacredito disso no dia que eu ver o contrário.

  3. O que me ensinaram na época que eu era sud: eu no começo perguntava quem era Maria e me diziam que ninguém sabe ao certo quem é nossa “mãe celestial” afinal ele teve muitas esposas e fazia muito sexo com todas elas e me ensinaram que eles gostam dela mas não a “adoram”, só deus mesmo.

  4. Eu concordo com os ensinamentos desses líderes e creio que nosso Senhor foi gerado em carne pelo próprio Deus Pai, faço parte do grupo que crê no ”literalismo biológico da concepção de Jesus” e oxalá que todos tivessem conhecimento disso e aceitassem com fé, infelizmente conheço muitos membros que ignoram ou a modificam essa doutrina ”para que pareçam mais palatáveis às suas próprias crenças atuais”; Gostei muito do artigo, obrigado pela seleção de escrituras e/ou citações!

      • Não se ela fosse apenas selada a Deus no espírito e casada com José na carne. Da mesma forma que um pesso pode ser selado a um marido e se casar para o tempo com outro homem.

  5. E complexo ouvir isso de lideres que acreditam na poligamia. Creio que cada citaçao é feita com o argumento que o mandamento de ter diversas mulheres é divino.
    Bom não acredito nenhuma dessas citações de homens.
    Creio que Cristo foi gerado pelo espirito. Hoje em dia temos inseminação artificial onde uma mulher pode gerar filhos sem contato com homem. Um conhecimento do mundo moderno que na época desses profetas essa técnica era desconhecida.

  6. Pelo que podemos entender o coitado do José era corno. melhor ficar com a versão que a virtude do altíssimo cobriu a Maria. para quer ficar falando de coisas que não entendemos?

  7. Não tenho uma certeza de como ocorreu, mas não me abala em nada sendo de uma ou outra forma. O que acontece com os Cristão em geral é que acham que a forma com que Deus trabalha é mágica, quando alguém expressa uma opinião de algo referente ao evangelho de uma forma comum acham que tal doutrina é do diabo. Se houve literalmente relação sexual eu não sei, mas não me espantaria se fosse assim.

  8. Agora é minha vez de ser dogmática. Não acredito em nenhuma dessas citaçoes. Pra mim, isso tudo é viagem de Brigham Young, assim como ele viajou em muitos outros temas. E os outros simplesmente foram atrás. Na minha opinião dogmática Jesus foi gerado pelo Espírito Santo sem nenhum contato físico. Maria era virgem no estrito sentido da palavra, até nascer Jesus. Podem vir os profetas dizendo que não, até o fim dos tempos.Essa demasiada humanização de Deus não combina com minha fé particular. Por quê eu creio assim, apesar de todas as citações? Porque é mais confortável para mim crer assim e pronto. E só desacredito disso no dia que eu ver o contrário.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s