Exemplo de Dissonância Cognitiva

O que é dissonância cognitiva?

Há 3 anos, nós publicamos um artigo explicando em detalhes a teoria científica de dissonância cognitiva. Ele introduz o conceito assim:

“Na psicologia e nas ciências neurológicas, “dissonância cognitiva” é o estresse mental ou desconforto emocional experimentado por um indivíduo que detém duas ou mais crenças, idéias ou valores contraditórios demaiso mesmo tempo, ou executa uma ação que seja contraditória com uma ou mais de suas crenças, ideias, ou valores, ou mesmo é confrontado com novas informações que conflitem com as suas crenças, idéias ou valores pré-existentes.”

Dissonância Cognitiva (Foto: Robert Couse-Baker)

Além de explicações técnicas, o artigo oferece exemplos clássicos na literatura científica, e alguns exemplos clássicos em estudos mórmons. Contudo, às vezes faltam oferecer alguns exemplos do dia-a-dia de vidas normais. Continuar lendo

Entendendo: Falácia Lógica

A falácia é um equívoco na construção de um argumento, ideia, ou raciocínio que inviabiliza a sua válidade lógica.

Filosofia

Além de ser muito frequente no discurso popular pela escassez de amplo treinamento intelectual e literário formal na população leiga, ela é, pelo mesmo motivo, uma ferramenta ubíqua entre propenentes de argumentos ou ideias desprovidos de embasamento factual.

Falácias lógicas podem se manifestar, de modo geral, em duas formas distintas: Continuar lendo

Placas de Latão — 2

Publicamos um guia introdutório para a compreensão da teoria científica da dissonância cognitiva. Recebemos, felizmente, elogios sobre a qualidade e a didática do artigo, porém também recebemos críticas pelo seu tamanho.

Infelizmente, o assunto é complexo e, portanto, muito difícil de explorar de maneira sucinta enquanto compreensiva e explicativa. Por isso resolvemos investir algum tempo citando alguns exemplos ilustrativos para incentivar a ponderação e a investigação deste assunto, que invariavelmente afeta a todo ser humano.

Felizmente, nós recebemos muitas mensagens e comentários de mórmons zelosos que acham que precisam “defender a fé”.

Nossa proposta aqui no Vozes Mórmons é estimular discussões racionais e lógicas, baseadas em fatos e raciocínio crítico. Compreendemos o estresse emocional resultante da dissonância cognitiva que motiva pessoas a expressarem-se de maneira tão emotiva e irracional.

Por isso, publicaremos episodicamente algumas “pérolas” que recebemos para exemplificar e ilustrar expressões de dissonância cognitiva que não deveriam ser aceitos em nenhum contexto racional e lógico, mas que certamente são comuns no discurso coloquial. não são bem-vindos aqui. Fazemo-no na esperança de incentivar uma conscientização ampla desse problema psicológico universal, urgindo todos à reflexão ponderativa dos mecanismos típicos de dissonância, das reduções mais frequentes, e das ferramentas existentes para superá-las. [Leia sobre isso aqui]

Sem mais delongas, eis o exemplo de hoje:
Continuar lendo

Placas de Latão — Primeira Edição

Publicamos um guia introdutório para a compreensão da teoria científica da dissonância cognitiva. Recebemos, felizmente, elogios sobre a qualidade e a didática do artigo, porém também recebemos críticas pelo seu tamanho.

Infelizmente, o assunto é complexo e, portanto, muito difícil de explorar de maneira sucinta enquanto compreensiva e explicativa. Por isso resolvemos investir algum tempo citando alguns exemplos ilustrativos para incentivar a ponderação e a investigação deste assunto, que invariavelmente afeta a todo ser humano.

Felizmente, nós recebemos muitas mensagens e comentários de mórmons zelosos que acham que precisam “defender a fé”.

Nossa proposta aqui no Vozes Mórmons é estimular discussões racionais e lógicas, baseadas em fatos e raciocínio crítico. Compreendemos o estresse emocional resultante da dissonância cognitiva que motiva pessoas a expressarem-se de maneira tão emotiva e irracional.

Por isso, publicaremos episodicamente algumas “pérolas” que recebemos para exemplificar e ilustrar expressões de dissonância cognitiva que não deveriam ser aceitos em nenhum contexto racional e lógico, mas que certamente são comuns no discurso coloquial. não são bem-vindos aqui. Fazemo-no na esperança de incentivar uma conscientização ampla desse problema psicológico universal, urgindo todos à reflexão ponderativa dos mecanismos típicos de dissonância, das reduções mais frequentes, e das ferramentas existentes para superá-las. [Leia sobre isso aqui]

Sem mais delongas, eis o exemplo de hoje:
Continuar lendo

Entendendo: Dissonância Cognitiva

Na psicologia e nas ciências neurológicas, “dissonância cognitiva” é o estresse mental ou desconforto emocional experimentado por um indivíduo que detém duas ou mais crenças, idéias ou valores contraditórios demaiso mesmo tempo, ou executa uma ação que seja contraditória com uma ou mais de suas crenças, ideias, ou valores, ou mesmo é confrontado com novas informações que conflitem com as suas crenças, idéias ou valores pré-existentes.

A teoria científica da dissonância cognitiva se concentra em como os seres humanos se esforçam continuamente por um estado de consistência interna. Uma pessoa que vivencia uma inconsistência, ou dissonância, tende a se tornar psicologicamente e emocionalmente desconfortável, e estará motivado para tentar reduzir esta dissonância, bem como ativamente evitar informações ou situações que, provavelmente, poderiam aumentá-la. Ela foi postulada pela primeira vez em 1956 pelo trabalho inovador de Leon Festinger.

A teoria da dissonância cognitiva se baseia no pressuposto que indivíduos buscam a coerência entre as suas expectativas e a realidade. Devido a isso, as pessoas se envolvem em um processo chamado “redução de dissonância” para trazer suas cognições e suas ações em sintonia umas com as outras. Esta criação de uniformidade permite uma diminuição do estresse psicológico e da angústia. De acordo com Festinger, a redução de dissonância pode ser alcançada de quatro maneiras: Continuar lendo

A Avestruz Mórmon

Mórmons fazem como a avestruz, enterrando a cabeça na areia quando confrontados com uma situação desconfortável ou desconhecida?

Avestruz

Essa é a atitute mórmon quando confrontado com fatos novos ou desconhecidos ou desafiadores?

Todos não, dirá um.

Se não todos, a maioria? Esse tipo de atitude é cultural ou institucionalmente encorajada?

Vejamos. Continuar lendo

Primeiro de Abril

01 de abril de 2014. Esta data entrou para a história do Mormonismo no Brasil, e talvez no mundo.

Orson Wells anuncia para o mundo a descoberta da Zarahemla

Orson Wells anuncia para o mundo a descoberta da Zarahemla

O diretor americano Orson Wells, repetidamente eleito como um dos melhores cineastas na história do cinema, adaptou a novela ‘Guerra dos Mundos’ de H.G. Wells para o rádio em 1938. Em seu primeiro episódio, em 30 de outubro, a primeira metade da encenação consistia em boletins de noticiário cobrindo a fictícia invasão da Terra por alienígenas de Marte. Apesar do aviso no início do programa, muitos ouvintes pegaram o show já em andamento, e uma parcela deles acreditaram no que ouviam como se fôra noticiário normal, resultando em um pequeno pânico público. Centenas de pessoas ligaram ansiosas para as estações da CBS para confirmar as notícias, e nos dias seguintes, para reclamar de haverem sido enganadas.

Da mesma maneira que 30 de outubro de 1938 entrou para história do rádio, este 01 de abril p.p. entrou para a história do Mormonismo. O site Vozes Mórmons publicou uma brincadeira de Primeiro de Abril que se espalhou rapidamente (viralizou, como se diz em internetês) enganando dezenas de milhares de Mórmons no Brasil e mundo afora. Até o presente momento, mais de 27 000 pessoas acessaram o artigo, com quase 10 000 compartilhamentos na rede social Facebook e mais de 30 000 visualizações por lá, tornando-a a “pegadinha” Mórmon mais bem-sucedida no Brasil e talvez no mundo (se alguém souber de uma que tenha conseguido maior divulgação e penetração, comente dela abaixo, por favor).

Piadas bem-sucedidas à parte, o que realmente permanece de importante são as questões levantada por este episódio. Por que a brincadeira foi tão crível? Como os Mórmons brasileiros reagiram? O que suas reações dizem a respeito da cultura Mórmon? Quais conceitos científicos podem iluminar nosso entendimento dele?

Continuar lendo