A Avestruz Mórmon

Mórmons fazem como a avestruz, enterrando a cabeça na areia quando confrontados com uma situação desconfortável ou desconhecida?

Avestruz

Essa é a atitute mórmon quando confrontado com fatos novos ou desconhecidos ou desafiadores?

Todos não, dirá um.

Se não todos, a maioria? Esse tipo de atitude é cultural ou institucionalmente encorajada?

Vejamos.Nós recebemos uma mensagem não solicitada de uma jovem mórmon que simplesmente dizia:

“Falsas verdades pra que isso? (sic)
Isso não interfere no meu Testemunho. (sic)”

Intrigados, perguntamos de quais “falsas verdades” ela estaria falando. Não intrigados pela estranha escolha de “falsas verdades” em vez de “mentiras”, e não intrigados pela possibilidade de havermos publicado “falsas verdades” (não publicamos!), mas pelo o que ela teria imaginado que seriam “falsas verdades”.

Sua resposta foi tão mal educada quão inespecífica e inútil:

“Em tudo ue (sic)

Não conhece o mormonismo!
Fiquei quieto então. (sic)”

Muita gente nos xinga de muita coisa, mas ninguém nos chama de ignorantes sobre o mormonismo! Então, nossa curiosidade só aumentou. Determinados a descobrir o que ela havia confundido com “falsas verdades”, e ela enviou o print desse artigo nosso, seguido de sua acusação confiante e desafiadora:

“Isso por exemplo(sic)

Dentre tudo oq vcs postam .” (sic)

Ironia das ironias, esse artigo em particular é nada mais que uma reportagem de um artigo publicado pelo jornal da Igreja Deseret News. Apontamos esse fato (e sua ironia), perguntando-lhe se ela estaria dizendo que o jornal da Igreja publica “falsas verdades”.

A sua resposta demonstra a arrogância que só vem de ignorância:

“Vc não tirou isso da liahona (sic)

Fassame o favor (sic)

Isso é tudo mentira. .. (sic)

Pq vc não procura conhecer o evangelho melhor, aproveita e se arrepende do que vc ta fzd (sic)

O que vc ganha postado essas coisas nessa página?” (sic)

Continuamos a lhe insistir que a notícia fora tirada de uma fonte oficial da Igreja SUD, inclusive instigando-a a clicar no link do artigo do Deseret News para checar por si mesma e comparar com o nosso artigo. Ela simplesmente se recusava a crer nessa possibilidade:

“Qual seria sua fonte ? (sic)

Outro mentiroso ?” (sic)

“Não é o jornal oficial da igreja (sic)

Eu sei meu bem. (sic)

Hahahaha (sic)”

Quando lhe perguntamos se ela sabe quem seria o dono do Deseret News, ela afirma que sabe muito bem:

“Alguém como você que não gosta da igreja (sic)

Nossa igreja So tem um site” (sic)

Se ela tivesse olhado no site do Deseret News, não demoraria mais que 10 segundos para achar a página “sobre nós” deles, que diz:

“O Deseret News (www.deseretnews.com) é a primeira organização de notícias e o maior negócio de funcionamento contínuo no estado de Utah. De propriedade de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o Deseret News oferece notícias, informações, comentários e análises a partir de uma premiada e experiente equipe de repórteres, editores, colunistas e blogueiros. Sua missão é ser uma marca líder de notícias para o público focado em fé e família em Utah e em todo o mundo.”

Se ela não quisesse ler ou confiar no que o próprio site diz de si mesmo, uma busca de menos de 5 segundos na ferramenta de buscas de sua escolha (e.g., Google, Yahoo, Bing, etc.) teria-lhe  levantado essa informação:

“O Deseret News Publishing Company é uma editora com sede em Salt Lake City, Utah, Estados Unidos. É uma subsidiária da Deseret Management Corporation, uma holding detida pela Corporação do Presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias Saints. A empresa publica o jornal local em Salt Lake City, o Deseret News, e suas inserções semanais, o Church News e o Mormon Times.”

Em resumo, essa jovem mórmon nos enviou mensagem para, arrogantemente e sem educação, xingar-nos de mentirosos por haver publicado notícia divulgada por jornal cujo dono é a Igreja SUD. Quando confrontada com o fato que o jornal da Igreja publicou a notícia que nós apenas divulgamos, como ela reage?

Primeiro, ela evita confrontar o fato que nós não havíamos “criado” a notícia.

Segundo, ela evita confrontar o fato que a fonte da notícia é confiável.

Terceiro, ela evita confrontar o fato que a fonte é a própria Igreja SUD.

E, finalmente, ela inventa que a fonte é mentirosa e decide ignorar quaisquer fatos e provas que a demonstrem que ela estava equivocada desde o início!

Nós vemos esse tipo de postura o tempo todo. Recebemos milhares de mensagens com essa (baixa) qualidade de rigor intelectual e honestidade intelectual. Essa jovem é inexperiente e provavelmente não goza de uma educação formal adequada, mas nós vemos essa postura em muitos membros da Igreja com níveis educacionais que sugeririam uma complexidade intelectual maior do que isso. Sabemos, também, que dissonância cognitiva é uma reação psicológica instintiva e universal, e responsável por boa parte dessas reações.

É certo que nem todos (embora muitos) os membros reagem assim, de maneira tão aberta e flagrantemente ignorante com a jovem do exemplo acima. Não obstante, há formas muito mais comuns e sutis desse tipo de anti-intelectualismo à la avestruz que nós vemos com mais frequência ainda.

∼¤∼

O cientista de computação britânico Paul Graham criou um diagrama, chamando-o de “hierarquia da discordância“, para ilustrar os diferentes níveis de qualidade de argumentação possível, com as melhores formas de argumentação no topo, as segunda-melhores formas logo abaixo, e assim por diante, até a forma menos útil e relevante de todas.

"Hierarquia da Discordância" de Paul Graham

“Hierarquia da Discordância” de Paul Graham

Separemos, para fins didáticos, a pirâmide diagramática de Graham em 7 categorias de formas de argumentação ou contra-argumentação:

  • Categoria A: Refutação ao Ponto Central;
  • Categoria B: Refutação;
  • Categoria C: Contra-argumento;
  • Categoria D: Contradição;
  • Categoria E: Resposta ao Tom;
  • Categoria F: Ad Hominem;
  • Categoria G: Ataque Puro.

Graham explica que os argumentos mais eficientes e relevantes focam no ponto central do tema em discussão, sem se distrair com assuntos ancilares ou irrelevantes. Portanto, a categoria A expressa os melhores tipos de argumentos. É importante notar que a forma de um argumento não determina sua validade. Pode-se argumentar muito eloquentemente com formas na categoria A e ainda estar equivocado nos fatos, ou em lógica, ou em conclusão, etc. Contudo, estando certo ou estando errado, não se pode dizer que sua argumentação seja irrelevante, ou inconsequente, ou incongruente.

Argumentos da categoria B abordam detalhes específicos do ponto central, que podem ou não ser relevantes, porém sem discutir o ponto principal em discussão. Argumentos da categoria C propõe um argumento diferente e/ou divergente da proposição inicial, sem abordá-la diretamente, porém baseando-se em algum fato ou dado específico que o contradiga. Argumentos da categoria D fazem o mesmo, porém sem quaisquer apelos a dados ou fatos.

Argumentos nas categorias E, F, e G são puros exercícios em futilidade intelectual, apelando apenas aos sentimentos mais irracionais e basais. Em E, discute-se o tom da proposição inicial sem quaisquer considerações dos seus méritos factuais ou intelectuais. Em F, utiliza-se a falácia lógica de atacar a fonte da proposição inicial na esperança de desmerecê-la enquanto fonte e, assim, desmerecer a proposição. E em G, simplesmente xinga-se e insulta-se como crianças no jardim de infância.

No exemplo que vimos acima, a jovem mórmon nunca sequer tentou sair das categorias E, F, e G. Essas categorias são inteiramente inaceitáveis em qualquer contexto social com o mínimo de preocupação intelectual e ético. Argumentos da categoria D são aceitáveis, porém pouco relevantes por contribuírem pouco ou nada às discussões. Argumentos das categorias B e C são interessantes e válidos para consideração, e podem contribuir aos debates, mas certamente em nada comparáveis com os argumentos da categoria A, que deveriam ser o nosso alvo em todas as nossas discussões e debates.

Mais exemplos?

screenshot-www facebook com 2016-06-26 21-25-19

Essa jovem nos acusa de mentir por citar uma “carta” sem mostrá-la ou documentá-la. A carta em questão é uma carta do Bispado Presidente para o legislativo de Utah. É verdade que não documentamos a carta, mas documentamos um artigo do jornal Deseret News citando a carta. Em um artigo sobre o gasto de fundos da Igreja para construir um estádio para eventos privados, e com esse tipo de documentação, essa é a abordagem dessa jovem SUD:

“Já que vocês são TÃO transparentes com os seus seguidores, CADÊ A CARTA? (sic) Kkkkkkkkkkk. Pfv né queridos.. (sic) vão arrumar o que fazer bando de desocupados, kkkkk (sic)”

Quais os tipos de argumentos que ela está utilizando aqui? De que nível de qualidade?

screenshot-www facebook com 2016-06-26 21-17-58

Essa jovem SUD reage assim à notícia de uma comparação apostólica entre a pedra de vidente e celulares modernos:

“Vão arrumar o que fazer, kkkk. (sic) Larguem de ser desocupados e vão trabalhar invés (sic) de ficar aí tentando se promover procurando falhas na fé dos outros.. (sic) não acredita? OK! Mas tb não tente fazer as pessoas que acreditam ou que ainda não conhecem a religião acharem (sic) que é uma seita. Isso não vai levar vocês a lugar nenhum, na verdade vai, pra o inferno, (sic) kkkk. E o apóstolo citado usou de comparação, então pfv  né? (sic) Só precisa ter metade do cérebro pra entender isso. Não desvirtue o que ele está falando. E olha.. . “A SEITA” que dói menos!! (sic)”

Quais os tipos de argumentos que ela está utilizando aqui? De que nível de qualidade?

screenshot-www facebook com 2016-06-26 21-47-19

Essa jovem SUD responde assim ao se confrontar com a possibilidade de haver “exist[ido] casamento gay na Igreja primitiva”:

“…suas palavras mim causa nojo! (sic)”

Qual o tipo de argumento que ela está utilizando aqui? De que nível de qualidade?

screenshot-www facebook com 2016-06-26 22-07-06screenshot-www facebook com 2016-06-26 22-07-31

Essa jovem SUD reagiu assim ao se confrontar com notícias sobre o aumento nas taxas de suicídio entre jovens membros da Igreja:

“Pessoas se suicidam por satanás não pela liderança, homens mulheres gays lésbicas se suicidam pela inveja de satanás! (sic) A igreja não descrimina o gay, simplesmente ele não pode ser portador do sacerdócio, e fazer as funções da igreja, mas jamais iremos expulsar alguém!! (sic) Cuidado com o que postam, as redes sociais tem influência positiva/negativa entendam isso! (sic)

Vocês merecem que essa página saia do ar!! (sic) E muita blasfêmia! (sic)”

Quais os tipos de argumentos que ela está utilizando aqui? De que nível de qualidade?

screenshot-www facebook com 2016-06-27 09-48-19

Esse jovem SUD responde assim a um artigo sobre simbologia arquitetônica nos templos SUD e suas origens históricas:

screenshot-www facebook com 2016-06-27 09-48-19

“Pagina apostata ,mentirosa e Marxista. (sic) Não acreditem em nada do q ela posta (sic)”

Quais os tipos de argumentos que ela está utilizando aqui? De que nível de qualidade?

∼¤∼

Exposto o problema, perguntamos aos nossos leitores: Esse é uma atitude que é incentivada pela Igreja? Ou pelas doutrinas mórmons? O que se pode fazer para incentivar os membros da Igreja a uma posição mais intelectualmente honesta e coerente?


Avestruzes enterram suas cabeças na areia quando ameaçados? Não. Trata-se apenas de uma lenda urbana. Avestruzes conseguem correr até 50 km/h por 10 minutos, com tiros chegando aos 70 km/h. Além de seus quase 3 metros de altura e 160 kg de puro músculo, seus chutes são potentes o suficiente para matar um leão, suas patas são armadas com garras afiadas e resistentes, e usualmente vivem em rebanhos de entre 10 e 100 aves para proteção. De onde vem, então, essa lenda urbana? Avestruzes cavam buracos na terra para seus ovos, e pais avestruzes enfiam a cabeça na terra dentro do ninho algumas vezes ao dia para virá-los e checar se estão bem. Elas até podem se agachar rente ao chão para evitar confrontos, mas seu instinto primário de defesa é correr ou chutar. Lendas urbanas são desmistificadas assim: lendo, estudando, pesquisando, e aprendendo os fatos.

25 comentários sobre “A Avestruz Mórmon

  1. Como diz a sabedoria popular: “O pior cego é aquele que não quer ver”.
    Aproveitando a acusação que fizeram sobre a página ser Marxista, Marx foi um dos primeiros filósofos a denunciar claramente o uso da religião como meio de controle , alienação e expoliação das massas por uma casta de privilegiados que usa a religião de acordo com seus interesses para obter lucros e todo tipo de vantagens pessoais. Qualquer semelhança entre o que Marx postulou e o que ocorre no sistema religioso em geral inclusive na Igreja SUD não é mera coincidência.

  2. Minha opinião, creio que a igreja ensina e se opõem a qualquer texto, crítica ou fatos obscuros da religião, e de tanto ouvir seus “pupilos” seguem os mesmo passos, negam, criticam, não acreditam, pois ao meu ver estão dentro da caixa e não enxergam nada além do que é ensinado, seja verdadeiro ou falso.
    Ela estimula através dos lideres o orgulho e arrogância.
    Se o membro se opõem logo ouvira: você caiu em apostasia, todos vão te rejeitar e vc será criticado duramente, será chamado servo de satanás.
    A igreja ensina: Somos a única igreja verdadeira o resto é do demônio, só nos temos a palavra de Deus o resto são mentiras.
    Veja exemplo de alguns missionários que se orgulham em humilhar lideres de outras religiões, pois crêem ser os detentores da verdade.
    Não existe questionamento de certo ou errado aceitam a opinião de lideres e pronto, se for critica ou fatos obscuros, mesmo sendo verdadeiros, a reação de um membro será a negação e a crítica, após será a acusação , (apóstata, seguidor do capeta etc).
    Não aceita-se na igreja a contradição, o erro, tudo tem explicação e se não aceitar, novamente sera duramente criticado.

  3. Não consigo entender como essas pessoas que se dizem cristãos podem ofender vocês e aqueles que comentam nesse blog, não consigo entender porque tanta raiva em seus corações, se o cristianismo prega o amor ao próximo, o que fazem é o contrário; o ódio, o deboche, a raiva, a tentativa de desqualificar seu blog. Isso não condiz com cristianismo. O debate honesto, as verdades ditas, mesmo essas pessoas que não concordam com o blog deveriam pelo menos nos respeitar.
    Joseph Smith estabeleceu uma padrão fraudulento. Torna-se impossível crer em qualquer coisa que venha dele. É tudo uma fraude, uma fraude muito bem arquitetada mas me impressiona como todos os membros dessa seita defendem sem saber de nada, só por causa de um calor no peito!
    E mais irônico ainda é que vc pode citar 10 fontes eles NUNCA vão se dar ao trabalho de ir atrás mas, se você pede ao menos UMA do livro de mórmon eles dizem que só saberemos se rezamos, isso é pura insanidade!

    • Partindo de seu ponto de vista, Magnólia, é difícil compreender que alguém que se diz cristão utilize tanto do seu tempo para criticar a igreja e seus membros…afinal o mesmo mandamento serve para ambos os lados do debate, não acha? Uma analise mais ampla de seus posts demonstra uma certa incongruência de pensamento pois, num momento vc alega que as religiões são perda de tempo caberia aqui entender o seu conceito de religião) e em outras partes cobra uma postura religiosa dos demais baseada no seu próprio entendimento…dessa maneira, sua postura é tão ou mais sectária do que aquela que procura atribuir aos demais.

      • Desculpe a confusão Magnólia, achei que fosse…quanto ao seu VOCÊS…essa é uma generalização perigosa, como qualquer outra. Para chegar a essa sua conclusão de que ninguém na igreja age como Cristão, seria necessário que vc conhecesse profundamente os atos e ações de todos os membros da igreja. Além disso é preciso estabelecer qual sua perspectiva do que venha a ser um cristão e do que seja agir como tal. \Existem cristãos em todas as denominações que alegam seguir Cristo, assim como existem aqueles que pouco praticam de cristandade,,,assim como existem Cristãos “desigrejados” e mesmo aqueles que não se consideram exatamente Cristão mas vivem os princípios ensinados por ele, total ou parcialmente. Vai ai a opção de cada um ou o grau de entendimento que adquiram ao longo da vida.

  4. Não consigo entender como Magnólia como muitas pessoas que se dizem cristãos e que tem descrença no mormonismo podem ofender membros que comentam nesse blog também ,e também não consigo entender porque tanta raiva em seus corações contra o mormonismo, se o cristianismo verdadeiro que defendem ensina o amor ao próximo, o que fazem é de fato o contrário; o ódio, o deboche, a raiva, a tentativa de acabar com a igreja. Isso é o que não condiz com cristianismo.Quer ver um padrão fraudulento?é você ser entrevistado para o batismo dizer que acredita e vive tudo aquilo passar pelo templo e até mesmo servir uma missão quando no fundo nunca acreditou em nada.Isto também é um padrão de fraude.

    • Uma fraude muito bem feita pela seita SUD para manipular as pessoas quando só querem o dinheiro dos mesmos e isso é muito bem aprimorado pelos bobos missionários da igreja que andam por aí espalhando mentiras, pena que eles tbm nem sonham que é mentira!

      • OK. Nós vamos encerrar essa discussão aqui. Ela está saindo do assunto, e fugindo da nossa política de comentários.

        Vamos suspender essa troca de acusações de “fraude” para cá, “fraude” para lá. Discordem dos argumentos, discordem das interpretações, citem fatos específicos, mas respeitem as crenças pessoais dos outros. Vamos reservar a qualificação “fraude” para aqueles fatos que são materialmente comprovadas como fraude, como por exemplo, o famoso caso do fraudador mórmon Mark Hofmann.

  5. Não sou como muitos membros que não enxergam essas coisas como falhas ou citações sobre declaração polemicas.Não sou nenhum inexperiente na igreja apesar de não saber tudo como ninguém também sabe,mas reconheço as fontes,mas também parafraseando Dieter F.Uchtdorf na conferencia de Outubro de 2013 penso o mesmo quando ele disse:”Suponho que a Igreja seria perfeita somente se nela só houvesse pessoas perfeitas. Deus é perfeito, e Sua doutrina é pura. Mas ele trabalha por nosso intermédio — Seus filhos imperfeitos — e as pessoas imperfeitas cometem erros.Quando toda a verdade for finalmente conhecida, as coisas que antes não faziam sentido para nós serão satisfatoriamente resolvidas.”

  6. Bastante proveitoso o post em relação ao conhecimento do estude de Grahan.
    No entanto permitam-me apontar um fato que me parece preocupante:

    Todos os exemplos pinçados dos comentários ( ao menos é o que dá a entender o autor) referem-se a jovens e,obviamente é um fato conhecido por todos os mais maduros, que os jovens, sejam mórmons ou não, tem a tendência de agir mais por impulso e impetuosidade do que pela razão.

    Buscar estabelecer um parâmetro comportamental da “maioria dos mórmons” baseado no tipo de exemplo citado, equivale á velha história de ” o gato do meu vizinho é preto…o gato de minha vó é preto…o gato do mané do boteco é preto, portanto todos os gatos são pretos….

    Quero crer que não tenha sido essa a intenção do autor,no entanto, a julgar pelos tipos de comentários que se encontram em grande parte dos posts, exatamente esse o caminho encontrado pelos respostadores.

    Creio que seria bastante producente e elucidativo que se agregassem ao post comentários de pessoas contrárias à igreja e que apresentam o mesmo perfil raso de argumentação.

    Afinal,não é difícil perceber que alguns usuários constantes em seus comentários não tem nenhum interesse outro do que demonstrar sua mágoa contra a igreja, sendo incapazes de articular uma linha de pensamento coerente. Isso não é exclusividade desses usuários…no entanto, a mesma falta de argumentos que criticam nos “atabalhoados defensores” da igreja, ocorre com eles embora no sentido inverso.

    A dissonância cognitiva é algo que acomete a todos, felizmente, cabe a cada um avaliar as suas próprias motivações e e reações aos estímulos que recebem.

    Às vezes estamos tão preocupados em demonstrar nosso ponto de vista ou provar aquilo que consideramos verdades que nos furtamos a avaliar de forma isenta as opiniões contrárias.

    O mesmo comportamento demonstrado por membros da igreja quando alegam que este site é apóstata ou coisa parecida , é o que leva outros usuários a dizer que os mórmons não passam de um bando de tolos,manipulados….

    • Pitacosdolinhaca
      Gostei da sua opinião, e concordo com o fato que muitos tentam provar suas crenças e não sabem a maneira correta de faze-lo.
      Mas em sua opinião você acha que o meio em que vivemos, frequentamos, ou convivemos não pode influenciar o modo de agir? O exemplo dos lideres, sugestões ou postura não influencia a postura dos demais?
      Qual é a sua opinião?

      • Priscila: Eu sou do tempo em que os líderes tinham outra atitude, ou quem sabe,tive a sorte de conviver com esse tipo de líder., sei lá…rsrs Concordo que muitos fatores podem influenciar as nossas atitudes ou percepção, por outro lado, cabe a cada um de nós buscar conhecimento sobre as coisas.

        Como me batizei em 1978 e obviamente já exerci muitos cargos de liderança, posso dizer que já vi todo tipo de líder, alguns mais cultos,outros menos cultos , por outro lado também é verdade que cultura ou erudição podem ou não ajudar quando se trata de liderar na igreja. Um dos melhores bispos que eu já tive era um senhor já idoso, de pouca leitura , cobrador de ônibus, e ainda assim, no que diz respeito a liderar pelo amor, era praticamente imbatível.Já tive líderes com uma educação formal mais avançada e que tinham bem mais dificuldades em entender o básico.
        Cada pessoa tem sua personalidade e isso se reflete no estilo de liderança…eu mesmo já tive grandes “arranca-rabos” com alguns líderes,

        Enfim,assim como a sociedade mudou bastante durante este tempo,as relações humanas também o fizeram e, durante um certo período de tempo que não consigo definir para além de meados da década de 80 até o final da década de noventa, infelizmente, proliferaram líderes locais na igreja que preconizavam que a primeira lei dos céus é a obediência e incutiam nos membros que deviam seguir cegamente suas determinações. Isso criou uma bando de membros indolentes,incapazes de fazer algo sem ser mandados, além de devidamente acomodados pela ilusão de um discurso local de que se um líder estiver errado e vc consentir em fazer o que ele determina, você está isento de responsabilidade. ( muito semelhante á quela teoria dos soldados que apenas cumprem ordens).
        Fora da Igreja o mesmo ocorre a nível corporativo.

        No Ramo que frequento no momento, o perfil da liderança é mais semelhante aos da minha “escola antiga”. Sinto-me otimamente bem aqui.

        Enfim, em tudo que tange a relacionamentos humanos existe uma forte influência da personalidade de cada um dos envolvidos. A glória de Deus é a inteligência,ou em outras palavras, Luz e Verdade. cabe a cada um de nós desenvolver e desfrutar se sua própria parcela de Luz e fazer o melhor uso possível da mesma.

        Podemos optar em ensinar (ou acreditar ensinar) pela força da espada ou podemos procurar ensinar pelo amor, posso lhe dizer que,na minha experiência pessoal, a segunda opção é sempre a melhor.

        Existe uma escritura que diz que devemos, quando necessário repreender com firmeza, no entanto devemos depois demonstrar nosso amor para que não nos julguem seus inimigos…

        Quanto aos mais jovens, é necessário observar que cada um tem um tempo específico para adquirir maturidade e, infelizmente na sociedade atual isso se dá cada vez mais tarde.

        Enfim, como deve ter percebido, respostas curtas não são minha especialidade,mas como sei que é cansativo ler textos longos vou encerra por aqui, por hora. Espero ter respondido á suas perguntas e, caso não o tenha feito, estou à disposição para esclarecer algum ponto que tenha ficado obscuro.

  7. A cultura de ter um “testemunho” resolve tudo, induz talvez involuntariamente no principio( e totalmente voluntariamente agora !) a um certo comodismo intelectual e isso em nossa cultura (brasileira) é totalmente confortável uma vez que ler e pensar por si mesmo dá trabalho. Estamos cheios de avestruzes nas capelas brasileiras. Mas o problema maior é que o bicho bota ovos!!!

    • Richard:

      Ter ou não um testemunho é uma experiência pessoal e intransferível…pode-se ensinar o caminho para, mas cabe a cada um obtê-lo. Creio que uma grande dificuldade pela qual passam muitos membros da igreja, reside no fato de que poucos entendem que a obtenção de um testemunho não é uma experiência momentânea e ponto final,mas sim uma coisa continuada, é preciso orar continuamente e exercitar boas obras para que tal testemunho cresça e se fortaleça. Senão será apenas uma experiência do tipo feijão plantado no algodão.

      O testemunho, por outro lado não pode ou deve se encarado como uma arma ou escudo pronto prestes a ser utilizado para destruir qualquer oposição. É necessário maturidade para entender isso e isso só advém com o tempo e a experiência.

      Concordo com você que as pessoas precisam buscar conhecimento,isso infelizmente é coisa rara em todos os aspectos da vida das pessoas. Religião é apenas um deles.

  8. Esse é uma atitude que é incentivada pela Igreja?

    É incentivada no sentido de que: (1) a Igreja não encoraja um estudo honesto e saudável de sua história e origem de suas doutrinas, com base na fé e na boa assimilação destas; e (2) porque o primeiro conselho que nos é dado quando confrontados (sem saber o que dizer) é “preste testemunho e corra”. Não que o testemunho seja inválido (afinal, é sua crença, algo que não tem nem porque tentar refutar), mas a pessoa quer sua versão dos fatos da história (coisa que você não sabe e nem é incentivado a buscar).

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s