Joseph Smith e Violência Doméstica

Durante as discussões sobre a seção 101 de Doutrina & Convênios e o seu contexto histórico, recebemos solicitações para explicitar melhor sobre o tema de violência doméstica na família do Profeta Joseph Smith.

Retrato de Emma Smith (Cortesia dos Arquivos SUD)

Retrato de Emma Smith, esposa de Joseph Smith (Cortesia dos Arquivos SUD)

atendendo a pedidos, eis uma breve exposição: Continuar lendo

Moça Mórmon Muda História

Uma jovem moça de apenas 16 anos de idade, ganhando sua vida como empregada doméstica que dorme na casa em que trabalha foi o pivô de um evento fundamental na história do mormonismo, e até influenciou nas escrituras mórmons.

Jovem empregada ilustrada por Gerrit Dou em sua 'Moça Pica Cebola' (1646)

Jovem empregada ilustrada por Gerrit Dou em sua ‘Moça Pica Cebola’ (1646)

Ontem publicamos o texto de uma seção de Doutrina e Convênios que figurou como escritura sagrada no cânone mórmon entre 1835 e 1876, quando foi subitamente removida das obras padrão. Hoje discutiremos como uma adolescente influenciou esta e outras mudanças. Continuar lendo

Podcast Mórmon #3 – POLIGAMIA

A Associação Brasileira de Estudos Mórmons e o Vozes Mórmons dão seguimento ao projeto coletivo de podcasts para discussão de temas relacionados ao Mormonismo: o Podcast Mórmon.

Neste episódio Antônio Trevisan, Emanuel Santana e Marcello Jun discutem o passado e o futuro da pesquisa acadêmico-histórica de um dos aspectos históricos, sociais, e culturais mais marcante no Mormonismo: POLIGAMIA.

Podcast 03 versão 02

Em 1831, Joseph Smith teria recebido uma revelação ordenando homens casados a desposarem mulheres ameríndias poligamamente para gerar Lamanitas brancos. Entre 1833 e 1839, Smith relacionou-se com uma adolescente e uma mulher casada em segredo, mas a partir de 1841 começou a casar-se secretamente com múltiplas mulheres, iniciando oficialmente uma cultura polígama. Havendo iniciado os seus acólitos mais fiéis na prática, e elaborado toda uma teologia templária ao seu entorno, Smith construíra um legado que viria a definir o Mormonismo pelos próximos dois séculos.

Assista aqui o podcast na íntegra:

Continuar lendo

A Espada do Anjo do Senhor

O anjo com a espada flamejante. Edwin Howland Blashfield, 1893.

O anjo com a espada flamejante. Edwin Howland Blashfield, 1893.

Em uma das primeiras vezes que saí com meus irmãos mais novos após retornar da missão, fomos a um evento de anime e mangá, o SANA. Lá, além de matar a saudade de meus heróis da infância, como Jiraya e Jaspion, fui apresentado a vários desenhos animados de produção nipônica.

Lembro-me de ter gostado bastante de uma dessas animações chamada Death Note. Tratava-se da estória de Yagami Raito, um jovem estudante que possuía um caderno mágico, com o qual se podia matar uma pessoa tão somente escrevendo o nome desta nele, desde que se visualizasse mentalmente o rosto da vítima. O poder sobrenatural do caderno decorria de ele pertencer a um shinigami – espírito da morte.

Alheio à cultura do extremo oriente, confesso que desconhecia os shinigamis. Porém, com algum conhecimento da Bíblia, tradição cristã e mórmon, a ideia da existência de entidades relacionadas à morte não me era tão estranha assim.

Uma das cenas mais famosas do Velho Testamento é a morte dos primogênitos egípcios no contexto do êxodo israelita. Segundo o texto bíblico, uma sombria entidade chamada Destruidor foi a responsável pela matança. De acordo com o mesmo relato, Deus impede a entidade de entrar nas casas onde se havia aspergido sangue nas portas[1].

Em outras passagens Veterotestamentárias, a ira do Todo Poderoso se volta contra os próprios israelitas, e o carrasco é apresentado como Anjo do Senhor, portador de uma poderosa arma cortante, capaz de ferir mortalmente milhares de pessoas. Após desagradar Iahweh, Davi “olhou para cima e viu o ANJO DO SENHOR entre o céu e a terra, com uma ESPADA na mão, erguida sobre Jerusalém”.[2]

Nas primeiras páginas de Gênesis, lemos que após Adão e Eva serem expulsos do paraíso, o caminho que conduzia à árvore da vida passou a ser protegido por uma entidade angelical e a chama de uma espada fulgurante.[3] Continuar lendo