Poderemos Encontrar o DNA de Jesus?

Encontrei-me com os cientistas que estão tentando responder a pergunta.

Foi a primeira parada em uma jornada extraordinária. Em uma tarde de janeiro brilhante mas amargamente fria no início deste ano, eu me encontrei em uma pequena ilha no Mar Negro, ao lado de Sozopol, na costa leste da Bulgária. Sveti Ivan tem sido um destino para os viajantes: era um templo de Apolo nos tempos antigos. Mas estava lá para falar com um antigo arqueólogo búlgaro sobre o achado mais importante de sua carreira.

osuário de Tiago relíquia arqueologia

Material do Ossuário de Tiago, que alguns creem conter os restos do irmão de Jesus, está sendo sequenciado por geneticistas. Imagem: Wikipedia.

Em 2010, Kasimir Popkonstantinov descobriu o que acredita serem ossos de um dos mais famosos santos: João Batista. Fiquei interessado em saber o que a análise de DNA poderia nos contar sobre esses e outros ossos. Juntamente com o estudioso bíblico Joe Basile, eu estava viajando ao redor do mundo filmando um documentário sobre as evidências científicas e religiosas que ligam os artefatos arqueológicos ao próprio Jesus Cristo.

Popkonstantinov fez sua descoberta ao escavar uma igreja do século VI na ilha, construída em cima de uma basílica do século anterior. Quando raspou cuidadosamente a lama onde o altar teria sido, encontrou uma laje de pedra e ficou espantado ao encontrar uma pequena caixa de mármore embaixo. Ele imediatamente soube o que era. Para que uma igreja seja consagrada nesta parte da Europa no século V, precisava conter uma relíquia de um santo santo ou religioso. Esta caixa, conhecida como um relicário, teria abrigado tal relíquia.

Ele continuou a cavar ao redor e encontrou outra caixa menor a cerca de um metro de distância. À beira da caixa inferior havia uma inscrição: “Que Deus te salve, servo Thomas. Para São João”. Quando Kasimir abriu mais tarde o relicário, encontrou cinco fragmentos de ossos. O epitáfio na caixa menor, provavelmente usado para transportar os ossos em viagens, foi a evidência principal que o levou a acreditar que os ossos talvez fossem de João Batista. A descoberta é extremamente importante, em parte porque João Batista era um discípulo de Jesus e seu primo — o que significa que eles compartilhariam DNA.

Graças a vários avanços científicos, o campo do DNA antigo — a extração e análise de material genético de ossos e fósseis de organismos desenterrados do solo — está florescendo. Agora temos sequências de DNA de centenas de pessoas que há muito morreram e a análise dessas sequências está aprimorando nossa compreensão da história humana.

DNA como prova de identidade

Eu estava inicialmente cético sobre o que os ossos búlgaros poderiam nos ensinar. Para começar, nenhum teste de DNA pode provar que estes eram pedaços de João Batista, Jesus ou qualquer outra pessoa específica. Não podemos extrair e analisar uma amostra de DNA desconhecida e, magicamente, dizer que pertencia a esse ou a esse personagem histórico. Para fazer isso, precisamos ter uma amostra de DNA que inequivocamente veio de João Batista para que possamos comparar os ossos. Então, o sequenciamento de DNA em si não será muito útil.

Outra consideração importante é o risco de contaminação. Em um cenário ideal, o material antigo que queremos usar para análise genética não deve ser tocado por qualquer pessoa, já que essa pessoa morreu. As melhores amostras antigas são extraídas do chão, colocadas em uma bolsa e depois enviadas diretamente para um laboratório de DNA antigo. Nos 500 anos entre a morte de João e os ossos sendo selados na igreja, qualquer número de pessoas poderia tocá-los e deixar seu DNA.

Mas isso não significa que tudo está perdido. O DNA se degrada ao longo do tempo, de forma que podemos testar qualquer DNA extraído de restos antigos para detectar sinais de degradação. Isso significa que podemos diferenciar a contaminação moderna dos genomas antigos. Também podemos tentar tirar DNA do interior dos ossos e sequenciar o DNA das pessoas que sabemos ter entrado em contato com os artefatos para ajudar a distinguir o DNA antigo e os contaminantes modernos.

O que o DNA pode contar

O DNA deve ser usado como uma ferramenta adicional para a arqueologia. Na minha opinião, existem dois benefícios claros que a análise do DNA pode trazer em particular. Podemos comparar o DNA de uma relíquia com o DNA de outras relíquias. Se acharmos outras relíquias supostamente de João Batista ou um parente próximo como Jesus, então poderíamos usar a genética para comparar as duas e ver se são susceptíveis de ter vindo da mesma pessoa ou pessoas relacionadas. Além disso, temos coleções crescentes de DNA amostrado de pessoas ao redor do mundo, o que podemos usar para supor as origens geográficas das relíquias.

Então o que os ossos búlgaros nos contaram? A datação por rádio-carbono sugeriu que tinham de fato 2.000 anos. Sua sequência de DNA pareceu demonstrar afinidade com as populações modernas do Oriente Médio.

Infelizmente, quando falei com o geneticista que fez a pesquisa, ele me disse ter descoberto que a sequência de DNA na verdade correspondia ao da pessoa que extraíra o material ósseo — o que significa que era, mais do que provavelmente, contaminação. E eles só tinham uma pequena quantidade de material para trabalhar, por isso é improvável que possamos usar o DNA para chegar a quem os ossos pertenciam.

No entanto, também visitei outros cientistas que tinham outras relíquias, onde a análise de DNA seria possível. Por exemplo, pesquisas recentes identificaram o DNA de várias pessoas no Sudário de Turim, um pedaço de tecido que alguns acreditam  ter envolvido Jesus quando ele foi retirado da cruz.

Em Jerusalém, também nos encontramos com um homem que está em processo de sequenciação de material do Ossuário de Tiago, uma caixa de calcário do primeiro século que pode ter guardado ossos do irmão de Jesus. Encontramos também um arqueólogo em Israel com várias cravos de crucificação, uma das quais ainda estava embutida no osso do calcanhar de um crucificado. Infelizmente, é impossível extrair o DNA do ferro enferrujado.

Embora a análise de DNA não possa provar que esses são os artefatos que alguns acreditam que sejam, a esperança é que estes e outros itens poderiam um dia fornecer informações sobre as relações entre eles e seus descendentes modernos. Vamos supor por um momento que a contaminação poderia ser completamente descartada e que a análise de DNA demonstrou que o DNA do Sudário era uma combinação familiar com o DNA do Ossuário de Tiago, e que ambos estão relacionados aos ossos búlgaros. Poderia, então, ter sido o DNA de Jesus e sua família? Para responder a isso, tudo o que você precisa é uma pequena fé.


George Busby é pesquisador post-doc em genômica estatística na Universidade de Oxford.

Artigo original publicado aqui. Reproduzido com permissão.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s