No Caminho de Damasco: Relatos Contemporâneos

A conversão de Saulo de Tarso, popularmente conhecido com o Apóstolo Paulo, é uma narrativa popular entre cristãos há quase dois milênios e uma das estórias mais recontadas entre mórmons e por missionários SUD.

Narrando a estória de como um judeu fanaticamente religioso e opositor da nascente fé cristã, Saulo teria visto o ressuscitado Jesus Cristo e dele recebido uma comissão para apoiar e disseminar a Igreja de Cristo na Terra, e esta narrativa serve como fundamentação epistemológica central das fés cristã em geral, e mórmon em específica.

A caminho de Damasco, famosa pintura barroca por Michelangelo da Caravaggio (1571-1610)

Não obstante, existem no registro histórico apenas 4 relatos da conversão de Saulo documentados, dos quais apenas dois contemporâneos a ele.

Ei-los em ordem cronológica aproximada:

Continuar lendo

A Primeira Visão: Relatos Contemporâneos

A Primeira Visão é uma narrativa popular entre mórmons na atualidade, e uma das primeiras coisas que missionários SUD são instruídos a recontar para potenciais conversos.

Narrando a estória de como Joseph Smith, ainda adolescente, teria visto Deus e Jesus Cristo, e d’Eles recebido uma comissão para reorganizar a Igreja de Cristo na Terra, a Primeira Visão serve como fundamentação ontológica central da fé mórmon.

A Primeira Visão, print de filme para proselitismo da Igreja SUD

A Primeira Visão, print de filme para proselitismo da Igreja SUD

Não obstante, existem no registro histórico apenas 13 relatos documentados da Primeira Visão que sejam contemporâneos com Smith.

Ei-los todos em ordem cronológica, pela primeira vez em português:
Continuar lendo

Orson Pratt e o Uso Missionário da Primeira Visão

Orson Pratt

Orson Pratt em foto de 1852

Em 1840, Orson Pratt publicou o primeiro relato impresso da Primeira Visão, em seu panfleto intitulado Um Interessante Relato de Diversas Visões Extraordinárias e da Recente Descoberta de Registros Americanos. A publicação de 31 páginas também constitui o primeiro uso documentado da Primeira Visão de Joseph Smith para fins de proselitismo. A ideia original de Pratt de combinar os relatos sobre o Livro de Mórmon e a Primeira Visão ganharia espaço no mormonismo, mas apenas viria a tornar-se norma por volta de 1925.

Embora as datas de três dos quatro relatos pelo próprio Joseph Smith antecedam o panfleto de Pratt, nenhum havia sido publicado até então. Continuar lendo

Relatos da Primeira Visão disponíveis em 10 idiomas

joseph-smith-papers-300x279O projeto Joseph Smith Papers acaba de publicar em dez idiomas relatos da Primeira Visão pelo próprio Joseph Smith. É a primeira que o projeto publica traduções.

As traduções ao português podem ser encontradas aqui. Além do texto incluído em Joseph Smith – História 1:05-20, de 1838, o qual faz parte de obras-padrão SUD, o site traz os relatos escritos em 1832, 1835 e 1842, que não fazem parte do cânon oficial mórmon e pouco conhecidos entre os membros SUD. Há links para fotos dos manuscritos ao lado das transcrições em inglês.

Desde o último dia 25/03,  o mesmo conteúdo também está disponível online em chinês, francês, alemão, italiano, japonês, coreano, russo e espanhol.

Reproduzimos abaixo um trecho do relato de Joseph Smith em 1832, o único que inclui sua própria caligrafia. [Leia todos os relatos contemporâneos aqui] Continuar lendo

Historiografia Como Abordagem Científica: Exemplos da História Mórmon

Durante a VI Conferência Anual da Associação Brasileira de Estudos Mórmons, ocorrida no último sábado, Marcello Jun explorou alguns conceitos básicos utilizando exemplos da história mórmon de como analisar criticamente o trabalho de uma historiadora ou como avaliar a qualidade de uma reconstrução historiográfica. Assista o vídeo dessa palestra aqui:

Continuar lendo

O Sacerdócio, por Hugh Nibley

hughnibleyHugh Nibley (1910-2005)

O sacerdócio deixa de ser eficaz quando exercido “em qualquer grau de iniqüidade” (D&C 131:37), mas ele opera pelo espírito e o espírito não é enganado, mas é extremamente sensível ao menor sinal de fraude, fingimento, auto-justificação, ambição, crueldade, etc.. “Quando nos propomos… a exercer controle ou domínio ou coação sobre a alma dos filhos dos homens, em qualquer grau de iniqüidade, eis que os céus se afastam; o Espírito do Senhor se magoa e quando se magoa, amém para o sacerdócio ou autoridade desse homem” (D&C 121:37). Mas e o domínio justo do sacerdócio? Este pode ser facilmente reconhecido, pois opera apenas por “persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não fingido; com bondade e conhecimento puro, que grandemente expandirão a alma, sem hipocrisia e sem dolo… com as entranhas cheias de caridade a todos os homens” (D&C 121:41-45). Mesmo nas eternidades o poder do sacerdócio flui “sem ser compelido… eternamente” (D&C 121:46).

Quem pode negar tal poder a outro? Nenhum homem. Quem pode conferi-lo a outro? Nenhum homem. Gostamos de pensar que a Igreja se divide entre aqueles que o tem e aqueles que não o tem; mas é a mais pura tolice achar que podemos dizer quem o tem e quem não o tem. Apenas Deus sabe quem é justo e até que ponto justo; no entanto, “os direitos do sacerdócio são inseparavelmente ligados com os poderes do céu” e estes “não podem ser controlados ou exercidos a não ser de acordo com os princípios de retidão” (D&C 121:35). O resultado é que se há alguém que realmente porta o sacerdócio, ninguém está em posição de dizer quem é – apenas pelo poder de comandar os espíritos e elementos tal dom é aparente. Mas no que se refere a comandar ou dirigir outras pessoas, cada homem deve decidir por si mesmo. Continuar lendo

Misticismo e ortodoxia

O mormonismo tem sido uma tradição religiosa marcada por duas grandes tendências: o misticismo e a ortodoxia. Das revelações e outras experiências sobrenaturais de Joseph Smith até a formação de uma complexa estrutura que governa a Igreja em escala mundial, houve um extenso caminho a ser percorrido, ao longo do qual a ênfase original na revelação direta e a responsabilidade individual de cada membro por sua orientação espiritual foi sendo relativizada em certos pontos. Ainda que não sejam palavras ou conceitos comumente usados entre os santos dos últimos dias, misticismo e ortodoxia estão presentes na história mórmon mais do que se poderia imaginar. Neste breve artigo, tentarei esboçar como essas duas tendências se manifestaram e manifestam na Igreja sud. Continuar lendo