Mórmons no México: Uma Breve História de Poligamia, Violência, e Fé

Nove membros de uma importante família mórmon no norte do México, todos mulheres e crianças, foram mortos a tiros em 4 de novembro [p.p.] em território cujo controle é disputado pelo Cartel de Sinaloa e pelas milícias La Linea.

O México, que tem sofrido com altas taxas de crimes por mais de uma década, viu a violência aumentar nas últimas semanas. Em 17 de outubro, um tiroteio na cidade de Culiacan envolvendo o Cartel de Sinaloa levou as autoridades a libertarem da prisão Ovidio Guzman, filho do chefão das drogas preso Joaquin “El Chapo” Guzman.

Veículos cheios de balas em que membros da família LeBaron estavam viajando sentados em uma estrada de terra perto de Bavispe, na fronteira de Sonora-Chihuahua, México, em 6 de novembro de 2019. (AP Photo/Christian Chavez)

No contexto de tanto derramamento de sangue, os assassinatos dos LeBaron são altamente incomuns e tragicamente cotidianos.

Ao contrário da maioria das vítimas de assassinato no México, os LeBarons são cidadãos dos EUA e mórmons – parte de uma comunidade religiosa que se separou da Igreja [de Jesus Cristo] dos Santos dos Últimos Dias de Utah anos atrás. Mas, como muitos jornalistas mexicanos escreveram, o ativismo pela paz do membro da família Julián LeBaron também poderia ter feito de sua comunidade um alvo. E os LeBarons têm uma história de encontros violentos com o crime organizado.

Mórmons na história mexicana

Em meu livro de 2018 sobre enclaves religiosos americanos e canadenses no México, pesquisei a comunidade de santos dos últimos dias e os mórmons LeBaron do estado de Chihuahua, perto da fronteira com os EUA. Normalmente, os membros dessas comunidades são um tanto relutantes em conversar com pessoas de fora, além do proselitismo.

Mas como pessoa de origem menonita com parentes em colônias menonitas no México, pude entrevistar membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – o nome oficial da principal igreja mórmon – no norte do México.

Juntamente com os Romneys – parentes do senador Mitt Romney, cujo pai nasceu no México -, os LeBarons estão entre as famílias mais conhecidas da história mórmon.

Membros da comunidade de santos dos últimos dias de Utah emigraram para o México na década de 1880 para seguir suas crenças religiosas vivendo em famílias polígamas, o que era ilegal nos Estados Unidos. A poligamia também era ilegal no México, mas o governo oferecia uma definição flexível de família e não aplicava suas leis antipoligamia.

Alma “Dayer” LeBaron, o patriarca, nasceu em 1886 e cresceu como santo dos últimos dias em Colonia Dublán, Chihuahua. Em 1904, ele se casou com uma mulher da vizinha Colonia Juárez. Ela o deixou quando ele procurou um casamento polígamo.

LeBaron fugiu da Revolução Mexicana para Utah em 1912, onde se casou com duas mulheres – Maude McDonald e Onie Jones – e teve o que foi descrito como “uma grande família de filhos”.

LeBaron e sua grande família retornaram ao México em 1924 para descobrir que seus vizinhos santos dos últimos dias não aceitavam sua poligamia. Então LeBaron estabeleceu sua própria colônia, chamada LeBaron, em Chihuahua, México. Hoje, ela se estende por aproximadamente 10 quilômetros ao longo de uma rodovia municipal e tem 6 quilômetros de largura, cercada por campos. LeBaron também começou sua própria igreja mórmon.

Pobreza e conflitos

Por 50 anos, os LeBarons migraram de um lado para outro da fronteira México-EUA, com os filhos de Alma servindo como missionários evangelizando em nome da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Mas a comunidade sofria em pobreza e, a partir da década de 1970, entrou em conflito de terras com uma comunidade agrícola vizinha, que havia recebido terras do governo após a Revolução Mexicana.

As terras da colônia de LeBaron podem ter sido compradas ilegalmente nesta concessão de terras vizinha. Os camponeses da região chamaram os LeBarons de “invasores americanos” e destruíram suas cercas. Isso permitiu que o gado chegasse aos campos de LeBaron, danificando suas colheitas.

Os juízes no México, no entanto, ficaram do lado dos LeBarons, que eles viam como membros produtivos da economia local. Os confrontos de terra entre os mórmons e os fazendeiros mexicanos se dissiparam em geral, embora tenha ocorrido um surto no ano passado.

Depois que Alma Dayer LeBaron morreu em 1951, seus filhos – Joel, Ross, Ervil e Verlan – discordaram sobre o futuro da igreja que Alma havia estabelecido, levando à violência na família e à formação de novos grupos fundamentalistas.

Ervil LeBaron foi preso e condenado pelo assassinato em 1972 de seu irmão Joel. Esse veredito foi posteriormente revertido, mas em 1981, um tribunal de Utah condenou Ervil por um outro assassinato. Ele morreu na prisão em 1981.

Membros desta comunidade relatam espancamentos duradouros, casamentos de menores de idade e outros abusos, como a fugitiva Anna LeBaron relata em seu livro de memórias de 2017 “A filha do polígamo”.

A entrada para a Colônia LeBaron, um enclave religioso no estado de Chihuahua, no norte do México, em 6 de novembro de 2019. (AP Photo/Marco Ugarte)

Os LeBarons também foram vítimas de violência. Em 2009, Eric LeBaron, de 16 anos, foi sequestrado por traficantes de drogas. Sua família pressionou o governo por ajuda com sucesso e garantiu sua libertação. Em retaliação, um cartel matou o irmão de Eric LeBaron, Benjamín LeBaron, e o cunhado Luis Widmar, em 2011.

Frustrado pela violência, outro irmão, Julián LeBaron, ingressou naquele ano em um movimento de paz de alto perfil fundado pelo poeta Javier Sicilia.

LeBaron e Sicilia teriam se desentendido em 2012. Mas depois do assassinato de um primo de Julián e outros membros da família em 4 de novembro, Sicilia escreveu uma carta de condolências encorajando Julián a “descobrir a realidade bárbara”.

Integração no México

Como mostra o ativismo pela paz, os LeBarons estão mais integrados na sociedade mexicana do que outros grupos minoritários religiosos que estudei.

Uma parente americana de alguns dos santos dos últimos dias mortos em Chihuahua é consolada por uma vizinha em Queen Creek, Arizona, 5 de novembro de 2019. (AP Photo/Matt York)

Os LeBarons há muito procuram conexões com outros mexicanos para fazer proselitismo sobre suas crenças. E Alex LeBaron, 39 anos, dessa comunidade, trabalha para o governo de Chihuahua. De 2015 a 2018, ele foi até um funcionário eleito. Alex LeBaron também se casou com uma mexicana, Brenda Ríos, em uma cerimônia católica.

Como outros mexicanos do norte, os LeBarons são uma comunidade completamente transfronteiriça. Grande parte do seu poder de compra no México vem de remessas enviadas por parentes do sexo masculino que trabalham nos EUA.

Assim como seus vizinhos, os LeBarons são vulneráveis à violência que os cerca. O número de mortos no México em 2019 está a caminho de exceder os 33.341 assassinatos confirmados em 2018. Apesar de uma nova Guarda Nacional criada para combater o crime, o ano passado foi o ano mais mortal do México desde o início da manutenção de registros modernos.

A violência no estado de Chihuahua, onde os homicídios haviam caído acentuadamente nos últimos anos, está se aumentando novamente.

É bem que os LeBarons possam ter uma história de fundo incomum. Mas desde sequestros a assassinatos horríveis, eles compartilham uma familiaridade com tragédia que muitos mexicanos conhecem muito bem.


Rebecca Janzen é professora assistente de Espanhol e Literatura Comparada na Universidade da Carolina do Sul. Seu segundo livro, Liminal Sovereignty: Mennonites and Mormons in Mexican Culture, publicado pela Universidade Estadual de Nova Iorque em 2018, traça a história de minorias religiosas menonitas e mórmons no México.

Artigo originalmente publicado aqui. Reproduzido com permissão.

The Conversation

Um comentário sobre “Mórmons no México: Uma Breve História de Poligamia, Violência, e Fé

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.