Rússia Busca Banir Testemunhas de Jeová

Governo de Vladimir Putin aprofunda ataques contra direitos civis. A Igreja Mórmon defenderá a liberdade religiosa quando ela é de fato atacada?

Na última semana, o Ministério da Justiça da Rússia incluiu as Testemunhas de Jeová em uma lista de organizações extremistas. O Ministério ainda solicitou o banimento das Testemunhas de Jeová do país. A lista do governo russo coloca as Testemunhas ao lado de grupos terroristas como Al Qaeda e Estado Islâmico.

Testemunhas de Jeová em reunião na Rússia, novembro de  2015. Imagem: Alexander Aksakov/ WP

Denominação cristã fundada no séc. 19 nos EUA, as Testemunhas de Jeová são conhecidas por seu pacifismo, por absterem-se de votar e de celebrar símbolos nacionais, além de seu vigoroso proselitismo. Tais atitudes são vistas como “extremistas” pelo governo russo.

Banidas durante o governo de Josef Stalin, mais de 8 mil Testemunhas de Jeová foram deportadas para a Sibéria em 1951.  A organização recebeu novamente permissão legal para atuar na Rússia em 1991 e afirma ter hoje mais de 170 mil membros no país. De acordo com a reportagem do New York Times,

(…) em um retrocesso aos dias da União Soviética, quando as Testemunhas de Jeová foram perseguidas como espiões e descontentes pela KGB, a denominação está no centro de uma crescente campanha pelas autoridades para restringir grupos religiosos que competem com a Igreja Ortodoxa Russa e desafiam os esforços do presidente Vladimir V. Putin para animar o país sob valores patrióticos tradicionais e, muitas vezes, militaristas.

A ação do governo russo contra as Testemunhas de Jeová representa um acirramento dos ataques contra liberdade civis e religiosas pelo governo Putin, impulsionado pela lei antiterrorismo que severamente restringe direitos civis e liberdades religiosas de seus cidadãos. Continuar lendo

Estudos Demonstram Sexualidade em Fluxo

O Instituto Nacional de Estatística divulgou os dados mais recentes sobre identidades sexuais no Reino Unido, e alguns padrões marcantes saltam aos olhos  especialmente quando se trata de bissexualidade.

Bandeira do Orgulho Bissexual (Foto: Peter Salanki via Wikimedia Commons)

Bandeira do Orgulho Bissexual (Foto: Peter Salanki via Wikimedia Commons)

O número de jovens que se identificam como bissexuais aparentemente aumentou 45% nos últimos três anos. As mulheres são mais propensas a se identificar como bissexuais (0,8%) do que lésbicas (0,7%), enquanto os homens são mais propensos a se relatar como gays (1,6%) do que bissexuais (0,5%). Essa última constatação se correlaciona bem com outros estudos no Reino Unido e nos EUA – mas por que isso deveria ser assim? Continuar lendo

Sentinela & Liahona

Você entra no prédio, simples, mas bem cuidado, vê algumas salas e entra num auditório maior e se senta. À sua volta, algumas pessoas conversam em tom simpático se chamando de “irmão”. Pessoas de roupa social e bem arrumadas vêm em sua direção e o cumprimentam, dando boas vindas. Enquanto isso, você vê um púlpito de madeira, bem cuidado, geralmente em tom neutro, e talvez tenha notado a diferença de outras igrejas para aquela.

A reunião tem início: um homem de terno no palco sobe ao púlpito, oferece boas vindas e anuncia o número do hino a ser cantado e também quem fará a primeira oração, bem como os discursos e estudos daquela reunião. A música é ao som de piano, você não o vê, mas o som está ali, todos cantam juntos. Alguém vê que você é novo e se senta ao seu lado com o hinário pra você poder acompanhar. A música termina e começa a oração: “Pai Celestial, que habita nos mais altos céus…”

TJ2

Não, você não está numa capela mórmon, você está num Salão do Reino das Testemunhas de Jeová. Continuar lendo

As Religiões de Prince

“Nosso irmão, Prince Rogers Nelson, adormeceu na morte na última quinta”. Foi dessa forma breve que o falecimento do cantor Prince foi anunciado no Salão do Reino das Testemunhas de Jeová, na cidade de Minnetonka, Minnesota, no domingo passado. Despedida condizente para a memória de alguém tão reservado em sua vida pessoal e descrito como “excepcionalmente tímido” por um de seus correligionários.

Prince Testemunha de Jeová

Prince em ação (Imagem: Ethan Miller, Getty)

Continuar lendo

Liberdade Religiosa e a Constituição

A Igreja SUD adotou há alguns anos uma bandeira ativista defendendo “liberdade religiosa”.

Bruce “o chefe” Springsteen (Foto: Mario Anzuoni/Reuters)

O que isso tem a ver com Bruce Springsteen, violação da Constituição Norte-americana, campanhas políticas por parte da Igreja, e a defesa de práticas discriminatórias é o que a Professora Assistente de Direito Constitucional e Pena Capital na Universidade Estadual da Geórgia, Lauren Sudeall Lucas, explica em excelente, porém sucinto, artigo:

Continuar lendo

Desafio de história mórmon: Joseph e a Bíblia

Você, leitor(a), está convidado(a) a testar seus conhecimentos de história mórmon.

Um dos pressupostos doutrinários da restauração é a antiga corrupção das escrituras bíblicas, certo? Joseph Smith afirmou que elas não haviam chegado aos leitores modernos em sua forma original. Ele também criticava as traduções modernas e afirmou que, dentre as traduções que havia conhecido, uma seria a melhor. Nossa pergunta é: que tradução Joseph Smith considerava a mais correta?

Pergunta bônus: o que ele queria dizer com “mais correta”?

Veja aqui o desafio anterior.

Aprenda mais sobre a história mórmon no Brasil.

Nós e os outros

Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde ou o que desejarem.

A Regra de Fé acima é uma forte posição a respeito da liberdade religiosa de todo ser humano. Mas nem sempre, no cotidiano da igreja, as referências a outras religiões fazem jus a essa doutrina. Quando se fala em religiões em geral, tudo bem; os problemas surgem quando se citam denominações específicas. Compartilho quatro episódios da minha própria experiência.  Continuar lendo