Missionários Mórmons Presos no México

Quatro jovens missionários da Igreja Mórmon foram presos por policiais da pequena cidade de Anahuac, no estado mexicano de Chihuahua.

Misioneros Detenidos1

Os missionários foram detidos após participar de uma briga com um pai de família que se enfureceu ao descobrir que eles queriam batizar seus três filhos menores, sem o seu consentimento, e obrigando-os a tirar suas roupas para vestir uma bata branca, enganando-os até a capela mórmon com ofertas de doces, batatas fritas e refrigerantes.

O comandante da corporação preventiva, César Estrada Ruiz, disse que, embora os missionários de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias tivessem sido presos e levados para a delegacia pela briga, eles também foram detidos para maiores investigações.

Explicou ainda que fora na noite da quinta-feira passada quando Felix Gabriel de la Peña relatou que na capela mórmon, localizada a apenas uma quadra do comando policial, houve uma altercação dele com os jovens missionários que, de acordo com o testemunho de seus três filhos com idades entre 9 e 11 anos de idade, haviam denunciado que eles foram convidados a tirar as roupas para vestirem um traje branco e se batizarem, “pois esse era o procedimento para tal ato religioso”.

Misioneros Detenidos2

Os três filhos, assustados, fugiram e relataram o fato imediatamente ao seu pai, a quem também explicaram que haviam sido convencidos a ir porque lhe foram oferecidos doces, batatas fritas e refrigerantes, mas que depois teriam que se deixar serem batizados. A exigência de despir-se para vestir roupas brancas lhes assustou, motivando a fuga e a denúncia.

De acordo com o presidente da seccional de Anahuac, os missionários foram presos e fichados para impedir sua reentrada no Estado.

“Os jovens deixaram os protocolos que têm”, explicou o subprefeito Ruben Aguilera, que participou pessoalmente da queixa dos pais e arrastou os jovens mórmons perante o Ministério Público para dar início à investigação.

Eles também dialogaram com os líderes mórmons, que estão preocupados porque a situação em que eles estavam envolvidos não deveria ter acontecido, afirmando que fora feito sem autorização dos pais ou da liderança.

Membros mexicanos da Igreja se prontificaram a sair em defesa dos missionários na página de Facebook do jornal que divulgou a história, apesar de não possuir nenhum conhecimento pessoal do caso.

Misioneros Detenidos6

“Que notícia tão sensacionalista! Antes de falar de uma igreja ou de qualquer lugar investiguem ao menos que seja [para saber] os termos que usam.”

Os fatos para esse membro é nada mais que “sensacionalismo”. Ignoremos que o jornal nada mais citou os fatos da ocorrência policial, e ainda citou líderes da Igreja surpresos com uma ação “não autorizada”. Se a notícia é negativa, ela só pode ser “sensacionalista”!

Misioneros Detenidos9

É mentira pura dos meios [de comunicação] como sempre. Não há tanta informação. Sabemos que são testes.. (sic) primeiro que investiguem… (sic) as autoridades. (sic) Eu tenho 30 anos de membro e nunca vi essas farsas,,, (sic) dos meios.. (sic)

Novamente, nada mais que fatos simples são mencionados, testemunhos citados. Mas se a notícia é negativa, ela só pode ser “mentira”. Se eu nunca vi nada disso em 30 anos, não pode acontecer. (Exceto que já aconteceu, e instigado pela Primeira Presidência! Ver abaixo.)

Misioneros Detenidos11

“Pois, eu sou mórmon e sou feliz, e em nenhum momento os missionários obrigam ninguém a se batizar, muito menos se são menores de idade. Deixem de nos perseguir, e às pessoas que leem isso, deixem de acreditar nessas mentiras.”

“Sou mórmon e sou feliz…. E repito que investiguem os atos…. (sic) Primeiro e peçam desculpas [por] seu artigo tão sensacionalista e feio…. (sic)”

Ou seja: Se eu nunca vi, não acontece. Se eu sou feliz, eu tenho razão. Se a notícia é ruim, é mentira ou sensacionalista.

Misioneros Detenidos4

“Olá eu sou de fato mórmon e são puras mentiras como sempre mas se alguém tem dúvidas podem ir às reuniões dominicais quando quiserem é muito fácil falar e criticar porém se deixam sua casa. família. estudo. etc. Vale a Pena (sic)”

“Não necessito estar presente [i.e., ser testemunha] para falar como são as coisas e quando quiser pode ir a qualquer capela que verá como são as coisas realmente (sic)”

Ou seja: Eu não preciso ser testemunha de um evento para dizer se ocorreu ou não. Eu posso ignorar as testemunhas do evento, porque eu sei o que ocorreu e o que não ocorreu. Se você for à capela, também saberá se o evento ocorreu ou não ocorreu.

Misioneros Detenidos7

“Um dia terão que prestar contas por sua publicação mentirosa, já que não há coisa oculta nesta vida que não virá à luz! Os missionários são embaixadores de de (sic) um trabalho nobre e desinteressado! Eles serão testemunhas diante de deus (sic) contra todos aqueles que lhes estão culpando e julgando sem provas.”

Fechamos os exemplos com o clássico mórmon: A ameaça apocalíptica! (Novamente, é importante lembrar que os artigos jornalísticos nunca “condenarem” os missionários, apenas relatando as acusações e o fato de terem sido presos.)

E assim por diante seguem os muitos e muitos comentários de membros da Igreja. Curiosamente, nenhum deles chocado ou surpreso ou desapontado com a má conduta dos missionários.

Essa história mexicana, se confirmada, é muito similar ao famoso “programa de batismos através de baseball” da década de 1950.  Entre 1953 e 1960, o Apóstolo Henry Moyle convenceu o Presidente David McKay a construir capelas onde não haviam membros suficientes para justificá-las na fé de que elas atrairiam o crescimento de proselitismo. Quando as taxas de conversão não alcançaram as expectivas, Moyle convenceu a Primeira Presidência a instituir um programa de esportes para os jovens das comunidades ao redor dessas capelas (tipicamente, baseball, mas às vezes viagens à praia e outras atividades lúdicas) inteiramente financiado pela Igreja e com apenas um pré-requisito: Os jovens precisavam se batizar para poder participar das atividades.

Obviamente, o programa foi um desastre. Inicialmente, porém, com o súbito surto nas taxas de batismo, Moyle passou a gozar de enorme prestigio com McKay, e assim implementou mudanças nas práticas de proselitismo, modernizando a força missionária com palestras memorizadas e metas mensais e anuais para números de batismos mínimos. Moyle foi promovido a Segundo Conselheiro na Primeira Presidência em 1959, e depois Primeiro Conselheiro em 1961. Quando se deram conta em 1962 que a taxa de retenção desses jovens era abismalmente baixa, que as capelas recém-construídas permaneciam vazias, e que a Igreja encontrava-se afundada em dívidas multimilionárias por causa desse projeto de construção civil, McKay removeu todas as responsabilidades de Moyle, mantendo-o apenas nominalmente em seu cargo até seu falecimento. [2] Apóstolos, como Mark E. Petersen na Europa, foram designados para averiguar o estado espiritual desses jovens conversos do programa de baseball, e logo excomunhões em massa foram organizadas para acertar os registros.

Estaria algum líder rescussitando o falecido programa de Moyle no México?


NOTAS
[1] A reportagem original, e as fotos, foram publicadas no jornal regional El Heraldo del Noroeste, pertencente à maior empresa de mídia impressa da América Latina Organización Editorial Mexicana.
[2]  Prince, Gregory e Wright, William, David O. McKay and the Rise of Modern Mormonism, University of Utah Press, 2005

55 comentários sobre “Missionários Mórmons Presos no México

  1. Muitos missionários na missão que eu servi faziam isso, tinha domingos que eles batizavam 30 crianças e só apareciam uns 3 ou 4 para serem confirmados, achava isso um crime mas, isso é a pressão por números da igreja!

  2. Não penso que essa ideia seja de algum líder porque quando estive na missão escutei histórias de missionários que faziam isso. De fato não foi um batismo “ético”, porém não ficou muito claro isso da roupa batismal: os missionários exigiram que as crianças se trocassem na frente deles? Ou apenas que deveriam se trocar no banheiro e por isso as crianças se assustaram?

    • Realmente não ficou muito claro nos noticiários, Matheus. Supomos (esperamos) que não houve conotação pedofílica, mas apenas a insistência em se trocarem para roupas batismais.

      O que, em si, é irônico, considerando que essa é a linha de demarcação ética para eles. Batizar crianças enganando-os com doces é OK, mas batizá-los em roupas não-brancas é errado?

  3. Entenda-se que muitos desse missionarios são induzidos muitas vezes a fazer tal coisa pois são cobrados os números. São garotos que não tem personalidade e só sabem obedecer normas dos seus lideres.

    • Acho que, na verdade, hoje em dia não existe pressão nenhuma por números,ao menos no contato que tenho tido com missionários nos últimos anos acho que essa é uma das menores preocupações dos mesmos,…muitos se contentam se terminarem a missão com 3 ou 4 batismos…

      A prática dos missionários, se foi realmente essa, está completamente fora dos padrões, principalmente por conta da não anuência dos pais.

      Quanto ao tal programa de batismos através do baseball, uma coisa é usar esportes como atrativos para levar jovens a conhecer a igreja…outra é impor o batismo como condição si ne quae non para sua participação…além disso a taxa de inatividade desses jovens não pode ser analisada de forma tão fria…é preciso contextualizar se ela era tão maior do que a taxa de inatividade de outros membros batizados na mesma época… Uma das maiores dificuldades que existem é a retenção de novos membros, mormente porque existem grandes falhas no processo de integração destes com os membros mais antigos.

      É bastante improvável que os novos membros se mantenham ativos se dependerem apenas das reuniões dominicais para isso. Ninguém permanece em um lugar de onde não se sinta participe e bem vindo.

  4. Olha “vozes mórmon” ainda que a história seja verdadeira (pois está muito estranha)isso só prova uma coisa: o SER HUMANO é falho e erra constantemente. É assim em todos os lugares.
    Esses jovens são muito novos e podem ter atraído essas crianças para se batizarem por outros motivos que não sejam a fé e amor por Jesus Cristo, querendo somente alcançar metas.
    Quanto à necessidade de roupas brancas, você já viu alguém ser batizado, em qualquer igreja, com roupas comuns de qualquer cor???? Pois é, na Igreja de Jesus Cristo a roupa braca é necessária para o batismo, sem ela não há batismo! E sempre é pedido que cada um coloque a roupa para ser batizado. Procedimento normal em toda a Igreja, no mundo inteiro.
    Um jovem menor de idade não pode ser batizado sem a permissão dos pais, essa é uma regra geral, não muda de acordo com a área.
    Agora, prender os rapazes por esse motivo? ??? Provavelmente esse pai não gosta da igreja e aproveitou a oportunidade, pq motivos não teve. (Baseio-me nos fatos narrados)
    Batismo é algo muito importante para nós. É o renascimento, a limpeza, a nova vida. Conheci muitos missionários e pude ver em cada um deles o amor de Cristo pelas almas que ensinam. Sei que são servos de Deus. Onde mais vemos jovens de 18 anos que largam sua vida, família, amigos, estudos, trabalho, namoro, e tudo o mais, por dois anos a fim de servir em uma missão de tempo integral?? Onde mais vemos jovens tão dispostos a trabalhar?? Se não gosta da igreja “vozes mórmon”, tudo bem. Mas não fica tentando espalhar o ódio pela igreja. Não obrigamos ninguém a gostar de nós, somente pedimos que nos respeite. Obrigada!

    • Josiane,

      Em primeiro lugar é “vozes mórmons”, e não “vozes mórmon”. Copiar um nome não é difícil, ainda mais quando se trata de concordância de número. Poderia ser “voz mórmon”, mas não é. “Vozes mórmon” simplesmente não faz sentido.

      Em segundo lugar, não há nenhum motivo racional para duvidar da história. Há fotos, há testemunhas, e há a publicação num jornal sério de renome. Mais importantemente, é um evento que já ocorreu na história da Igreja recente, em larga escala e vindo da mais alta autoridade possível (i.e., da Primeira Presidência).

      Em terceiro lugar, o fato desses “jovens novos” cometerem um erro que a própria liderança máxima da Igreja cometeu, e o fato desse erro ocorrer episodicamente na Igreja (veja comentários de outros missionários retornados aqui) indica que o contexto sistêmico é o problema, e não “pessoas imperfeitas”.

      Em quarto lugar, você acha que Jesus invalidava batismos realizados sem roupas brancas? Você acha que Joseph Smith foi batizado em roupas brancas?

      Em quinto lugar, você não consegue perceber a ironia de exigir roupas brancas mas não exigir honestidade? Você acha que Jesus estava mais preocupado com as roupas ou com as condutas éticas de Seus seguidores?

      Em sexto lugar, você leu em algum lugar que nós dissemos que há áreas da Igreja onde menores de idade podem ser batizados sem consentimento parental? Onde?

      Em sétimo lugar, você acha que o pai não teve motivos para prender homens adultos que enganaram seus filhos de 9, 10, e 11 anos de idade para ir à uma capela vazia para batizá-los sem autorização ou supervisão parental, e ainda pedir que tirem suas roupas para trocá-las? Posso fazer isso com suas crianças?

      Em oitavo lugar, se você acha que estamos querendo “espalhar ódio” pela Igreja SUD, você poderia então nos mostrar nesse artigo onde condenamos a Igreja pelos erros éticos de seus missionários ou líderes? Ou onde escrevemos algo que não fosse verídico?

      • Concordo plenamente! Está em fase de investigação ainda, mas sendo confirmado os atos ilegais, por meio de um processo legal, devem ser punidos de acordo com as leis mexicanas, não importando se são jovens e sim se possuem a idade penal de acordo com as leis do pais. Os lideres e membros locais deveriam estar apoiando a policia e o ministério publico pois estariam assim cumprindo com o ensinamento da igreja direcionado a isto que é sermos cidadãos cumpridores da lei. Se após o processo for provado abuso por parte das autoridades locais ou uma denunciação caluniosa por parte do pai, que a igreja ou os membros interessados entrem com ações devidas para estes responderem por seus crimes. Ser um missionário, um bispo ou um presidente de estaca. por exemplo, não pode ser motivo para não se cumprir a lei, em qualquer pais que estejam.

  5. Infelizmente já presenciei isso, eu era LMA e os missionários pediram para eu ajuda los a buscar uma pesquisadora, chegando no local vi que era uma senhora de 80 anos e eles tentaram arrasta la para a igreja com o proposito de participar de uma festa de aniversário do neto dela. Quando me recusei a participar de tal farsa os missionário me acusaram de ir contra ao crescimento do reino de Deus na terra e que tem pessoas q não tem autonomia para tomar suas própria decisões e que cabia a eles faze-la.
    Detalhe, essa senhora se apresentava problemas da idade, falta de memoria , distorção da realidade entre outros problemas.
    Gostaria muito de compartilhar mais historias q presenciei nos 20 anos de igreja, hj , não estou afastado da igreja, mas sim de pessoas repugnantes que se escondem atras da fé. Entre as historias estão assedio sexual, pedofilia, até uma jovem q foi obrigada a amarrar a barriga durante a gestação para esconder a gravidez e no final a criança foi jogada em um orfanato. Tentei relatar às autoridade maiores mas não consegui, existe um paredão que impede de se chegar a eles. Hj, na tentativa de me calarem tiraram meu nome da unidade q pertenço, ou seja, meu registro esta perdido nos escritórios da igreja, pedi para passar por um conselho disciplinar mas eles não permitiram, já que tenho fatos e testemunhas para apresentar, mas ainda vou conseguir tirar a mascara desses hipócritas.

  6. Pura mentira, nenhum missionário batiza sem autorização dos pais e outras ele nem tem dinheiro para atrair crianças com doce ou outras coisas . conhecer primeiro para depois criticar blasfemea

    • É isso aí, Ana Paula. A maior agência de notícias da América Latina e o jornal The Salt Lake Tribune inventaram a história, incluindo fotos falsificadas.

      Centenas de testemunhas documentadas em vários países, inclusive diários pessoais de Apóstolos, inventaram a história do programa do Presidente Henry D. Moyle.

      Todos esses jornalistas, editores, testemunhas em países diferentes, e Apóstolos fazem parte de um enorme complô, uma conspiração, para “criticar blasfemea” (sic)!

  7. Eu me lembro ter ouvido que nos anos 80 uma missao no Estado de Sao Paulo havia registrado nomes de falecidos como batismos nao vicarios para inflar os numeros da missao, nao sei se isso de fato aconteceu mas uma tambem ouvi de um lider nos EUA em uma entrevista que algo semelhante havia sucedido no Chile.

  8. Na igreja eu não sou a favor de mandar Missionários ki tenha menos de 1 ano de membro à campo..
    coisa ki acontece muito..
    na cidade de Caicó-RN, a alguns anos atras, uma jovem engravidou de um dos missionários, deu um muido danado…

    • Eu fui quando tinha exatamente 1 ano, sempre tem aquela desculpinha de que “você aprende só quando chega na missão”, me obrigaram e eu fui com a mão na frente e outra atrás sem saber de nada, enfim coisas da igreja sud!

      • “…me obrigaram…”, “…sem saber de nada…”, já era maior na época de sua missão? No momento de aceitar o chamado, não estava na plenitude de suas faculdades mentais?

      • Magnólia,não sei quanto a você e sua realidade no campo missionário, eu no entanto fui para a missão com dois anos de batismo ( precisava chegar aos 18 anos e ser liberado do exército) e sim,como a grande maioria dos recém conversos cheguei á missão munido apenas de meu testemunho e a vontade de partilhar o evangelho…mas a “desculpinha” de que vc aprende na missão revelou-se uma verdade…durante os dois anos em que servi cresci espiritualmente de forma exponencial em relação aos que não foram para o campo missionário…claro que nem tudo foram rosas mas, a missão preparou-me para o crescimento que obtive logo depois. Tive a oportunidade de servir como missionário mais uma vez e realmente a minha experiência anterior, agregada ao conhecimento que adquiri pós missão,com bons professores e líderes fez toda a diferença.
        se algum jovem me perguntar se deve fazer missão apesar de ter apenas um ano como membro a minha resposta será ” se tendes o desejo sois chamados ao trabalho”…A diferença está em se servir porque se quer , se tem o desejo,ou porque se sente obrigado para dar uma satisfação aos membros da unidade.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s