Igreja Universal Copia Igreja Mórmon?

A Igreja Universal do Reino de Deus mantém um projeto conhecido como ‘Gladiadores do Altar’ desde o começo do ano, que hoje conta com mais de 4.300 voluntários, e que rapidamente viralizou nas mídias sociais por seus maneirismos militaristas.

'Gladiadores do Altar' da Igreja Universal do Reino de Deus (Foto: Reprodução Facebook)

‘Gladiadores do Altar’ da Igreja Universal do Reino de Deus (Foto: Reprodução Facebook)

Líderes da Igreja Universal explicam que o grupo dedica-se a estudos bíblicos e não a criar um grupo paramilitar evangélico, porém desconfianças nas comunidades autóctones abundam.

Estaria a Igreja Universal repetindo a história da Igreja Mórmon?

Em 1839, Joseph Smith e seus seguidores assentaram-se no estado de Illinois com enorme boa vontade e ajuda do governo estadual e de líderes comunitários. No ano seguinte, a Assembléia Legislativa Estadual ofereceu ao Profeta Mórmon e sua comunidade a incorporação legal de uma cidade, que viria a se chamar Nauvoo, com amplos poderes jurídicos muito além dos municípios comuns tanto no estado como no país. Entre esses amplos poderes estavam a autorização da emissão de habeas corpus pelo poder executivo municipal e a criação e manutenção de um exército municipal.

Em 2016, a Igreja liderada pelo Bispo Edir Macedo mantém suas intenções pacíficas e religiosas abertamente:

“A Universal informou que o projeto conta hoje com 4.300 participantes em todo país. De acordo com uma nota, “os eventos estimulam o debate e a reflexão sobre aspectos do texto bíblico.” Além disso, segundo a assessoria da Universal, em sua maioria, os jovens são pessoas que tentam retribuir a ajuda que receberam em momentos de dificuldades. No entanto, não foi informado o motivo da exclusão de alguns vídeos ou a necessidade da vestimenta alusiva ao militarismo. Em montagens compartilhadas e comentadas por ‘gladiadores’, mensagens religiosas são entremeadas por imagens de guerra e disparos de armas de fogo.

(…)

Os integrantes da igreja, ainda segundo seus representantes, foram apresentados diante de milhares de pessoas. Muitas delas eram parentes e amigos dos jovens. Fundado em janeiro, o projeto Gladiadores do Altar estaria ligado à Força Jovem Nacional. No entanto, a Universal nega estar formando um exército fundamentalista. Apesar do gestual feito pelos jovens em vídeos divulgados na internet, que lembram saudações nazistas, a direção da igreja também desmentiu qualquer alusão à práticas armadas e extremistas.”

Não obstante, comentaristas nas redes sociais questionam se não há motivos para preocupação de um exército paramilitar fundamentalista inserido no meio da sociedade brasileira. A Igreja, naturalmente, culpam a mídia por essas preocupações infundadas:

“A origem da polêmica, ainda de acordo com a Igreja Universal, estaria na “má fé de jornalistas e praticantes de outras religiões”, que teriam aumentado a polêmica e replicado as imagens na internet com diversos comentários sobre as cenas.”

Aproveitando-se dos poderes legais conferidos a ele pelo Estado, Joseph Smith imediatamente fundou, organizou, e armou um exército municipal composto exclusivamente por mórmons ao qual ele designou ‘Legião de Nauvoo’. Contando com um corpo voluntário de 2.500 homens, a Legião de Nauvoo subitamente estabeleceu-se como a maior força militar num país cujas forças armadas contavam com apenas 6.000 soldados.

Ademais, Smith fez-se ser condecorado como general de 3 estrelas (i.e., “Tenente-General”), tornando-se o oficial militar mais graduado dos Estados Unidos. Apenas para contextualização, o exército norte-americano só havia condecorado George Washington com esse posto em 1798, após ter liderado a revolução americana como seu maior líder militar e servido 8 anos como seu primeiro presidente. O outro grande nome na história militar dos Estados Unidos antes da Guerra Civil (1861-1865), Winfield Scott, também seria promovido a esse posto apenas em 1855, após campanhas militares tidas como heroicas  na Guerra de 1812, na Guerra Black Hawk, na Guerra México-Americana, e na Segunda Guerra Seminole. Ciente de sua posição inusitada, Smith orgulhava-se tanto de seu posto militar que assinava documentos, cartas pessoais, e até documentos eclesiásticos como “Tenente-General Smith”.

Legião de Nauvoo inspecionada pelo Tenente-General Joseph Smith, por C.C.A. Christensen

Legião de Nauvoo inspecionada pelo Tenente-General Joseph Smith, por C.C.A. Christensen

Enquanto a Legião de Nauvoo se armava até os dentes com pistolas, rifles, e peças de artilharia pesada, os vizinhos não-mórmons nas cidades ao redor de Nauvoo lenta e progressivamente mudaram sua postura aberta e amistosa para com os colonos mórmons para desconfiança, apreensão, medo, e eventualmente, ódio. Rumores (que se provariam verdadeiros) de que Smith estaria praticando poligamia em segredo, e pior ainda, organizando um governo paralelo destinado a substituir o governo democrático e republicano dos Estados Unidos, apenas alimentaram lenha ao fogo. Todo medo e ressentimento subitamente ebuliu em junho de 1844, quando Smith mobilizou a Legião de Nauvoo para estabelecer lei marcial na cidade e destruir o jornal que seu ex-Conselheiro na Primeira Presidência, William Law, havia fundado para denunciar a prática de poligamia secreta e o governo mórmon paralelo conhecido como Conselho dos 50.

Quando Law e familiares fugiram de Nauvoo temendo por suas vidas, Smith foi indiciado e, após frustrada tentativa de fuga, submeteu-se a cárcere temporário. Quando percebeu, enquanto aguardando julgamento na cadeia de Carthage, que seria julgado pela ofensa capital de traição, e que possivelmente não aguardariam o julgamento para executa-lo, Smith convocou a Legião de Nauvoo para invadir a cidade vizinha para liberta-lo e facilitar uma nova fuga, porém essa ordem foi prontamente ignorada pelo oficial de plantão por motivos de segurança. Smith, junto com seu irmão, foi executado no mesmo dia por uma multidão extralegal, que imediatamente após dispersou em pânico ao ouvir berros de que a Legião de Nauvoo se aproximava de Carthage.

[Leia mais sobre a Legião de Nauvoo e o assassinato de Joseph Smith aqui]

A Legião de Nauvoo tampouco havia sido a primeira aventura militar de Smith. Em julho e agosto de 1838, Smith liderou uma turba mórmon armada pelos condados de Caldwell e Daviess para expulsar seus desafetos pessoais entre os mórmons e não-mórmons indiscriminadamente, e saquear seus lares. Smith e sua turba, apelidados de Danitas e jurados com juramentos secretos a obedecer o Profeta até a morte, respondiam a críticas lavradas por membros da Igreja que se sentiram financeiramente lesados pelo Profeta, e a uma briga de rua (comum na época) com não-mórmons durante as eleições em Gallatin, capital de Daviess. Assim como a exuberância militar de Smith 6 anos depois o levaria à sua morte, os ataques mórmons no verão de 1838 geraram histeria e ódio em massa que se alastraram rapidamente por todo o oeste do estado, piorados por rumores exagerados sobre a força e a brutalidade militar dos mórmons, que eventualmente culminaram na mobilização das milícias estaduais e guerra civil aberta, e terminaram com a expulsão dos mórmons do estado e a prisão de Smith por traição.

[Leia mais sobre outra campanha que IURD pode ter copiado da ISUD aqui]

Em 2016, é inteiramente possível e razoável crer que exibições paramilitares pelos seguidores de Macedo sejam apenas o que dizem ser: Uma metáfora visual e teatral de um ativismo religioso e espiritual. Não obstante, considerando o desconforto que essas simples, ainda que não ortodoxas, manifestações de fé causam nos observadores externos, pausemos para considerar quão mais desconfortáveis estariam tais observadores se os “gladiadores” de Macedo realmente estivessem armados? Se equiparassem ao exército brasileiro em números de voluntários? Se estivessem ameaçando membros dissidentes ou mesmo vizinhos que os criticam? Se descobríssemos que Macedo tem planos secretos para substituir o governo federal e  assumir controle do aparato do estado? Se Macedo subitamente se declarasse candidato a presidente do Brasil?


REFERÊNCIAS

Bushman, Richard L, Joseph Smith: Rough Stone Rolling, Alfred A. Knopf, 2005.

Hansen, Klaus J, Quest for Empire: The Political Kingdom of God & the Council of Fifty in Mormon History, Michigan State University Press, 1967.

LeSueur, Stephen C, The 1838 Mormon War in Missouri, University of Missouri Press, 1990.

McCaffrey, James M. (1994) Army of Manifest Destiny: The American Soldier in the Mexican War, 1846–1848. NYU Press.

Oaks, Dallin H e Hill, Marvin S, Carthage Conspiracy: The Trial of the Accused Assassins of Joseph Smith, University of Illinois Press, 1979.

Quinn, D Michael, The Mormon Hierarchy: Origins of Power, Signature Books, 1999.

The Joseph Smith Papers Project, Jonathan Dunham, The Church Historian’s Press, 2016.

Whiting, Linda S, David W. Patten: Apostle and Martyr, Cedar Fort, 2003.

13 comentários sobre “Igreja Universal Copia Igreja Mórmon?

  1. Não acredito que essa tenha sido a ideia de Edir Macedo ao formar este grupo, mas ele copia a igreja mórmon em outras coisas: a campanha da igreja universal que mostra vídeos de pessoas falando como é seu dia-a-dia, entitulado “eu sou a universal” foi lançada pouco tempo depois da campanha de marketing mórmon “I am a mormon”, o templo de salomão, e as caravanas pro templo, etc.

    O Élder Costa, que era autoridade de área no Brasil, disse em um serão na minha estaca, que o próprio Edir Macedo ligou pra ele, querendo contrata-lo pra fazer melhorias na igreja universal, baseado na experiência que Élder Costa tem na igreja mórmon… ele disse que Macedo ofereceu um salário milionário!

    Como já diz o velho ditado “nada se cria, tudo se copia”

    • Missionário

      Certa vez um membro me falou que haviam ligado para Élder Godoy quando ele fazia parte da Presidência da Área juntamente com Élder Costa e que era alguém da Universal que estava convidando para ele ser um líder lá ao que ele disse:”minha fé não está a venda”.Não sei se este relato procede mas é no minimo inusitado

      • Parece que elder Costa já comentou sobre esse incidente mais de uma vez, não me lembro da data (nem do horário) mas foi na estaca rio claro, alguns anos atrás, am I in trouble?? 🙂

  2. Para quem não sabe o projeto “Mãos que Ajudam” da igreja SUD é algo semelhante a “Mão Amiga” da igreja Universal que foi criado no início dos anos 90. Ambos “projetos sociais” onde tinha como um dos apelos melhorar a imagem da religião e fazer uma propaganda da mesma.

  3. “a Assembléia Legislativa Estadual ofereceu ao Profeta Mórmon e sua comunidade a incorporação legal de uma cidade, que viria a se chamar Nauvoo, com amplos poderes jurídicos muito além dos municípios comuns tanto no estado como no país. Entre esses amplos poderes estavam a autorização da emissão de habeas corpus pelo poder executivo municipal e a criação e manutenção de um exército municipal.”

    Foi um erro que na prática tornou Nauvoo uma cidade-Estado. Com o governo e a religião unidos na mesma pessoa (o general Joseph Smith), vimos a união entre Religião e Estado, duas instituições intrinsecamente violentas. O Estado, porque detém o jus puniendi, e a Religião, por ter em sua base estrutural “a defesa da verdade absoluta”.

  4. Bom, tem as campanhas publicitárias que a Igreja Universal também copia. A exemplo da campanha eu sou a universal, inclusive com o mesmo modo de marketing em ônibus e pela televisão. A respeito dos projetos sociais, eles criaram o Uniforça, que usa coletes verdes, lembrando muito o Mãos que Ajudam. Eu fui professor voluntário na Igreja Universal a 3 anos atras em outro projeto social, e vi alguns treinamentos com relação ao Uniforça. É a mesma idéia do Mãos que Ajudam, mas um pouquinho desorganizado. As vezes tenho vontade de ir la e dar idéias para que eles possam melhorar o trabalho. Mesmo não sendo da mesma fé e costumes, admiro o fato de “copiar” ou se inspirar na parte boa de outras religiões para ajudar o próximo. E voltando ao foco do Gladiadores do Altar, foi ligeiramente descontinuado, depois que um bombardeio de videos na internet, disse que a Universal estava preparando uma milicia evangélica. Ele continua, mas é um pouco mais timido, sei porque o video era do sul.

  5. Acredito que a ambição de macedo é política, de certa forma acho que ele se inspira em Joseph Smith na sua megalomania. Ele já tem grande influência no legislativo e agora se aventura no executivo tudo indico que seu sobrinho ganhe pra prefeito no rio, esses gladiares do altar podem servir pra conter possíveis manifestações que seus templos venham a sofrer nos próximos anos.

  6. Pode ser que os adventistas copiem sim, mas não dá pra saber, tenho um amigo que era adventista, e os desbravadores existem há muito mais tempo que os vanguardas ( sempre achei este nome ridiculo)

  7. Olá amigos! Como está, Antônio Trevisan Teixeira?

    Desejo apenas compartilhar três links que, a meu ver, representam claramente uma resposta a uma das indagações do final do interessante artigo: “Se descobríssemos que Macedo tem planos secretos para substituir o governo federal e assumir controle do aparato do estado?”

    Vejam os links:

    Livro escrito por Edir Macedo, Plano de Poder que, entre outras coisas, diz o seguinte:

    “O ‘agente apropriado’
    [A Bíblia] não se restringe apenas à orientação da fé religiosa, mas também é um livro que sugere resistência, tomada e estabelecimento do poder político ou de governo […]. Quando todos ou a maioria dos que a seguem estiverem convictos de que ela é a Palavra de Deus, então ocorrerá a realização do grande sonho Divino.”

    Artigo Algo a Dizer (); e,

    O artigo do jornal O Globo que, entre outras coisas, menciona:

    “O senador Crivella é missionário numa nova experiência eleitoral, construída a partir de engajamento, consenso e mobilização de agrupamentos evangélicos, sob patrocínio da Universal, uma das maiores e mais ricas organizações neopentecostais do país. Possui seis mil templos, 23 concessões de televisões, 20 retransmissoras e 76 rádios cobrindo 80% do território nacional. Também tem um braço partidário, o PRB, com 22 deputados federais, 80 prefeitos e 1,3 mil vereadores.”

    Não precisaria dizer, mas digo, que Marcelo Crivella foi eleito prefeito da segunda cidade mais importante do país.

  8. Eles podem até tentar dominar o poder, mas assim que tomarem atitudes mais declaradas a esse respeito, vão levar um ”pau” da população…

    O brasil ainda é um país de maioria católica e realmente não acredito que eles teriam muito êxito!

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s