Cadê os Livros? Parte 4: Perspectivas

Uma breve história e perspectivas para a publicação de livros mórmons

Grandes comunidades SUD se desenvolvem fora dos EUA

Em 1967, o México tornou-se o primeiro país em que não se fala inglês a ter mais de 50 mil membros da Igreja SUD. O crescimento continuou em ritmo acelerado depois disso. Devido a esse crescimento, a Igreja formou um departamento de tradução após a Segunda Guerra Mundial para traduzir correspondência e comunicação administrativa com as missões e os membros em espanhol, dinamarquês, holandês, francês, alemão, norueguês, samoano e sueco.

literatura mórmon livros mórmons SUD

Até 1974, o departamento estava traduzindo 17 mil páginas por idioma a cada ano, em cerca de 16 idiomas. Durante a década seguinte, uma série de novas traduções foram feitas nesses 16 idiomas, incluindo obras clássicas em que a Igreja tinha confiança, como Jesus o Cristo e As Regras de Fé, de Talmage, Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, Doutrinas do Evangelho, Uma Obra Maravilhosa e um Assombro, de LeGrand Richards e obras relativamente novas, tais como O Milagre do Perdão e A Fé Precede o Milagre, de Spencer W. Kimball. Continuar lendo

Cadê os Livros? Parte 3: Editoração Mórmon Comercial

Uma breve história da publicação de livros mórmons

literatura mórmon história publicações

Editoração mórmon, mas não pela Igreja SUD

Enquanto a Igreja limitou as publicações em inglês até depois da morte de Brigham Young em 1877, tipografias comerciais surgiram em Utah para satisfazer parte das necessidades de materiais mórmons. A mais importante delas foi George Q. Cannon and Sons, de propriedade de um membro da Primeira Presidência. Muito do que Cannon publicou estava relacionado às suas funções na Igreja. Talvez por não precisar de aprovação para o que publicava, Cannon passou da publicação de obras missionárias e doutrinárias para obras de edificação e entretenimento dos membros da Igreja. Continuar lendo

Cadê os Livros? Parte 1: O Período Formativo

A publicação de livros mórmons e o desenvolvimento da cultura mórmon fora dos EUA

Em janeiro de 1845, o Élder Parley P. Pratt publicou normas para as publicações oficiais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Preocupado com o grande número de livros e folhetos que estavam sendo publicados por membros da Igreja, ele escreveu:

Vocês não estão todos conscientes de que muitos, se não todos, dos nossos homens, mulheres e crianças estão virando autores, e publicando obras que pretendem representar a doutrina dos santos. Algumas delas são mal escritas, e algumas incluem muitos erros, e muitas das que são verdadeiras e úteis são empréstimos, em parte ou na totalidade, das nossas obras-padrão (…). Enormes somas são gastas por homens que têm pouca experiência no mercado editorial e, talvez, pagam o dobro pelo papel e a impressão, e tudo isso pago nas mãos de quem não sente nenhum interesse na nossa causa.

Desta forma milhares de dólares são desviados dos santos e dos élderes, ao passo que a causa do templo é negligenciada.

literatura mórmon história publicações

Como editor de livros, vejo essas mesmas preocupações hoje nas políticas de publicação da Igreja, e ouço os ecos dessas mesmas preocupações nas políticas das empresas que publicam materiais para os membros da Igreja SUD. Como qualquer organização, a Igreja SUD quer controlar quem está publicando o que em seu nome e como esse material será publicado, quanto custará e como irá atingir seu público. Controle e custos, tecnologia, direitos autorais e problemas de distribuição ainda são questões importantes para a Igreja hoje.

No entanto, vejo também uma necessidade cultural concorrente. Na última década, México e Brasil ultrapassaram a marca de 1 milhão de membros. A Europa tem cerca de meio milhão de membros. E em todos esses casos, assim como em outras áreas em todo o mundo, a cultura dos membros da Igreja SUD se desenvolveu ao ponto de livros, músicas e outros materiais poderem ser — e, às vezes, de fato ser — produzidos e distribuídos. No entanto, no caso de publicações em espanhol ou português, relativamente poucas têm sido produzidas até agora, fora os materiais fornecidos pela própria Igreja. E materiais de natureza puramente cultural não existem em nenhuma língua além do inglês.  Continuar lendo

Igreja Publica Documentos Secretos de Joseph Smith

Finalmente, após 172 anos de sigilo absoluto, a Primeira Presidência d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias permitirá escrutínio público dos documentos da organização secreta fundada por Joseph Smith.

"Último Discurso Público do General de 3 Estrelas Joseph Smith" por John Hafen, 1888.

“Último Discurso Público do General de 3 Estrelas Joseph Smith” por John Hafen, 1888.

Apelidado de “Conselho dos 50”, Joseph Smith fundou em 11 de março de 1844 uma organização ultra-secreta entitulada Continuar lendo

Desformatação

A aparência de um texto, seu formato e estrutura influenciam a maneira como o lemos?

Em que a diagramação do Livro de Mórmon facilita ou dificulta sua leitura?

Irmãs lendo um livro, de Carl Hansen

Os 5 mil exemplares do Livro de Mórmon impressos em 1830, na cidade de Palmyra, não tinham capítulos e versículos como suas edições atuais da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e outras igrejas que o publicam. Capítulos e versículos também estavam ausentes das outras três edições feitas durante a vida de Joseph Smith (1837 em Kirtland, 1840 em Nauvoo, 1841 em Liverpool).  Continuar lendo

A Cruz no Mormonismo

Monumento no cemitério de Winter Quarters, Nebraska.

Monumento no cemitério de Winter Quarters, Nebraska.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não usa a cruz em seus prédios ou liturgia. O mesmo é verdade para a grande maioria de outras denominações mórmons. Isso não só gera questionamentos e incompreensões por parte de outros cristão, como é também pouco compreendido pelos próprios mórmons em geral. Continuar lendo

Livros Para Mórmons

Hoje é o Dia Mundial do Livro.

Como não poderia deixar de ser, isso significa que é o dia mundial de listas de livros.

Eis, portanto, a minha lista pessoal de sugestões para 11 livros que todo Mórmon deveria ler.

Ao menos todo Mórmon que deseja ser minimamente informado e educado sobre o Mormonismo. E que, infelizmente, saiba ao menos ler em inglês, posto que nenhum deles se encontra disponível em português.

Continuar lendo

Simplesmente Poliana – uma história de fé, amor e esperança

polianaReflexões de um pai mórmon sobre a vida e a morte de sua filha
Muitos são os sentimentos de quem perde um ente querido. Alguns sentem remorso por não terem feito o que estava ao seu alcance. No meu caso, o maior desafio é saber que teremos que esperar mais do que gostaríamos para revê-la novamente. Se por um lado o sentimento de perda nos faz sentir vontade de trocar absolutamente TUDO pela vida de quem tanto amamos, por outro a esperança bem fundamentada e o apoio dos amigos nos dão força para atravessar nosso deserto pessoal.
Olá, amigos. Há algum tempo, vi uma publicação aqui no site dizendo que o Vozes Mórmons gostaria de contar com mais vozes, de diferentes pontos de vista,  incentivando pessoas de todos os lugares a publicarem suas reflexões sobre temas ligados ao mormonismo. Simplesmente Poliana – uma história de fé, amor e esperança é um livro escrito por um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sobre suas experiências e de sua família, por ocasião da morte de sua filha, então com nove anos de idade. Continuar lendo

Atas do Conselho dos 50 serão publicadas em 2016

Joseph_Smith_Jr_portrait_owned_by_Joseph_Smith_III_zpsec9818e5Editores do projeto Joseph Smith Papers anunciaram para o final de 2016 a publicação de um volume dedicado às atas do Conselho dos 50 durante o período de Nauvoo. O anúncio foi feito durante a conferência anual da Mormon History Association, realizada no início deste mês em San Antonio, no Texas. Os editores, Ron Esplin, Matthew Grow e Richard Turley, afirmaram não haver nada “sensacional” nas atas que serão publicadas. Continuar lendo

Com o autógrafo do biografado

Com o autógrafo do biografado

A loja Deseret Book, situada no shopping City Creek, ganha mais clientes nestes dias que antecedem a Conferência Geral. Entre as ofertas de livros, está a biografia do presidente Thomas S. Monson, escrita por Heidi Swinton, com cópias autografadas pelo biografado.

A Profetisa Eliza R. Snow

ElizaEliza R. Snow (1804-1887), chamada por Joseph Smith de “a poetisa de Sião”, é uma das mulheres mais reverenciadas da história mórmon. Eliza foi autora de diversos poemas e hinos, além de escrever também textos sobre questões doutrinárias e o papel da mulher na sociedade.

Um dos hinos mais conhecidos de sua autoria, Ó Meu Pai, constitui a única referência explícita à doutrina da Mãe Celestial amplamente difundida pela Igreja

Com a organização da Sociedade Feminina de Socorro em março de 1842,  Eliza foi convidada a redigir os estatutos da nova Sociedade e assumiu a função de secretária.  Em junho daquele ano, ela foi selada a Joseph Smith como sua esposa plural, vivendo durante seis meses na casa dos Smith. Continuar lendo

Para Setenta, Terra Tem 6 Mil Anos

João R. Grahl é um dos novos setenta autoridades de área chamados na última Conferência Geral. Professor universitário de administração, Élder Grahl afirma que o planeta terra tem 6.000 anos de idade. Não, isso não é uma piada.

terraVejamos um trecho de seu livro A Origem da Vida. Após refutar a teoria do Big Bang, Grahl escreve sobre a idade da terra:

Outras declarações de estudiosos e cientistas que passam desapercebidas para leigos e são ouvidas por muitos sem questionamentos é sobre a idade da terra. Frequentemente ouvimos que a terra tem milhões ou bilhões de anos. A terra só tem seis mil anos. Todos os cálculos que têm sido apresentados estão errados. (p.08) Continuar lendo

Edições históricas do Livro de Mórmon

s-BOOK-OF-MORMON-largeO site Book of Mormon Online traz diversos recursos para os leitores do Livro de Mórmon em inglês, incluindo mapas, áudio e uma apresentação cronológica da narrativa. O maior mérito do site, porém, parece ser o de reunir em um só local diversas edições históricas do Livro de Mórmon em inglês, desde o manuscrito de 1828, com a caligrafia de Oliver Cowdery, até a edição sud de 1981.

Podem ser vistas também as três edições do Livro de Mórmon que passaram pelas mãos de Joseh Smith (em Palmyra, Kirtland e Nauvoo), as primeiras edições com divisão de capítulos (feita na cidade inglesa de Liverpool) e  de versículos (em Salt Lake) , bem como a primeira edição da Igreja Reorganizada (em Lamoni).

A edição mais recente incluída no site é de 2005, uma edição independente chamada Mormon’s Book que utiliza o texto sud de 1981 mas no formato original de parágrafos, tal como nas primeiras edições. Eu desconhecia tal edição e acho digno de nota que ela se insere numa recente tendência (ver, por exemplo, as edições de Grant Hardy e Daymon Smith¹) sentida por leitores do Livro de Mórmon de retomar a fluidez da narrativa original ao revisitar sua formatação original.

Nota

1 O antropólogo Daymon Smith participará da IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons, falando sobre a história cultural do Livro de Mórmon. Veja o programa da Conferência aqui.

Anjos “fora dos padrões”?

A pintura original de Bloch e sua versão com photoshop na revista da Igreja

Na Igreja sud nota-se uma grande preocupação com o vestuário e aparência pessoal, incluindo desde a cor de camisa que homens deveriam usar no domingo até o número de brincos para as mulheres. Tal preocupação algumas vezes parece beirar o exagero, como no exemplo da edição de uma obra de arte ilustrando as revistas da Igreja. Continuar lendo

Livros Mencionados na Conferência Geral

Durante os últimos cinco anos tenho compilado listas em inglês dos livros citados na conferência geral. Devem já ter notado os livros mencionados nas notas de rodapé dos discursos como publicados na Liahona ou no LDS.org. De fato, fora as escrituras e artigos das revistas da Igreja (Liahona, Ensign, New Era e Friend), se citam mais de 50 livros, artigos, manuais e outras itens em cada conferência. Muitos desses nem são escritos por membros da Igreja. Acho interessantíssima!

Continuar lendo