‘Adão, Que Era Filho de Deus’: Fragmentos Persistentes da Teoria Adão-Deus no Sistema Educacional da Igreja

Samuel R. Weber

Como estudante de graduação na Universidade Estadual de Utah entre 2004 e 2007, assisti a uma aula no Instituto de Religião SUD, em Logan, Utah, na qual o professor afirmou inequivocamente que Adão e Eva eram filhos gerados fisicamente por Deus.

Sistema Educacional da Igreja, Brigham Young

Era a primeira vez que muitos de nós ouvíamos tal ideia, apesar de sermos membros da Igreja durante a vida inteira. O instrutor garantiu à classe que essa era a doutrina oficial da Igreja, embora menos discutida. Reforçando a importância desse conceito, o exame final do curso incluiu a seguinte questão para preencher as lacunas: “O Pai Celestial foi o pai do corpo _____ de Adão, bem como de seu corpo _____.” As respostas corretas foram “espiritual” e “físico”.2

Como descobri mais tarde, este ensinamento em particular tem uma linhagem complexa, originada em antigos ensinamentos mórmons eventualmente rejeitados, mas vivendo em fragmentos quando se fazia necessário para responder a questões teológicas colocadas pela evolução biológica. Hoje, parece sobreviver principalmente no Sistema Educacional da Igreja.

Origens com Brigham Young e Adão-Deus

O conceito de Adão e Eva como filhos físicos de Deus tem suas raízes nos ensinamentos de “Adão-Deus” de Brigham Young. Joseph Smith e seus associados estabeleceram algumas das bases para Adão-Deus ao atribuir um papel celestial expandido a Adão e enfatizar o vínculo familiar da humanidade com a divindade.3 Young deu os passos seguintes na inovação doutrinária. Começando em 1852, ensinou a ideia inovadora, mas controversa, de que Adão e Eva haviam experimentado a mortalidade anteriormente, atingido um status exaltado de deuses, gerado filhos espirituais e se tornado os deuses do planeta Terra. No primeiro sermão publicado por Young defendendo essa doutrina, Adão foi, numa frase célebre, identificado como “nosso pai e nosso Deus, e o único Deus com quem temos a ver”.4

Continuar lendo

Seminário Ensinará Origem Divina do Banimento de Negros

A mais recente publicação oficial para o ensino de adolescentes mórmons classifica a exclusão de negros do sacerdócio e das ordenanças do templo como uma lei temporária inspirada divinamente.

negros mórmons racismo seminário

Amanda e Samuel Chambers, conversos mórmons ainda no Mississippi pré-guerra, chegaram a Salt Lake City em 1870.

O novo manual para professores do Seminário sugere que os alunos situem o banimento racial mórmon (1852-1978) na mesma categoria de outras práticas e eventos, como a redução da idade para jovens saírem em missão, anunciada em 2012, e a realização de reuniões de jejum e testemunho às quintas-feiras, antes de 1896.

O novo manual do Seminário,  Continuar lendo

O Que Mórmons Devem Aprender com Lord Acton

Um Curioso Episódio nos Bastidores do Sistema Educacional da Igreja Revela Um Problema Maior

Em seu Sistema Educacional, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias possui funcionários pagos. Apesar disso, dependende grandemente do trabalho voluntário de membros para ministrar aulas. Em 2004, trabalhei como instrutor voluntário no Instituto de Religião, ministrando dois cursos no sábado à tarde – O Livro de Mórmon e Preparação Missionária.

Minha intenção de ajudar outros membros da Igreja através do ensino encontrou um obstáculo que eu já antecipara: devido à cultura do Instituto local, o público mais numeroso estava concentrada no turno da manhã, quando aconteciam as aulas-show do então coordenador do Sistema Educacional da Igreja¹. Pouquíssimos estavam dispostos a frequentar as aulas na tarde, sem a agitação social do turno anterior. Continuar lendo

A pedra e a vidraça

stoneAs fotos de uma das pedras de vidente usadas por Joseph Smith divulgadas pela Igreja ontem estão gerando reações variadas. Há aqueles que expressam o prazer da descoberta ou o alívio de verem a informação divulgada mais amplamente. As reações mais visíveis, porém, são de deboche (por parte de críticos rasos) e medo (por parte de crentes rasos). Reações infelizmente bastante previsíveis.

Por que muitos santos dos últimos dias sentem medo? Fazendo de Joseph Smith uma Autoridade Geral engravatada e/ou fazendo de Deus um mórmon ortodoxo, muitos parecem sentir uma ameaça na pedra marrom. Talvez ela não pareça especial o suficiente. Talvez seja trabalhoso demais reimaginar uma narrativa. Talvez pensem que ela será jogada contra sua vidraça. Continuar lendo

Como o camelo passou pela agulha?

charge

Arte: Florêncio Batista.

Quanto Ganha um Apóstolo Mórmon? é um dos mais populares artigos deste site. Escrito por  Marcello Jun há mais de dois anos, o texto continua sendo um dos mais lidos, mais comentados e que geram mais xingamentos por parte dos leitores.

As reações ao post são as mais diversas. Uns encaram-no como uma difamação; outros parecem comprar a ideia do autor, mostrando-se entristecidos com a suposta abastada ajuda de custo que as Autoridades Gerais recebem.

Porém, não poucos leitores têm demonstrado uma percepção interessantíssima, argumentando, ao seu modo, o que pode ser condensado na seguinte ideia:

Por mais alto que seja o padrão de vida que a Igreja proporciona às suas Autoridades Gerais e Presidentes de Missão, ainda é inferior ao padrão que essas pessoas possuíam antes de ocupar esses cargos.

Hoje, cristãos espalhados por todo o globo parecem fazer uma forte ligação entre progresso espiritual e condição financeira privilegiada, seja nas noções de nossos leitores (mórmons em sua maioria), ou em formas mais exacerbadas, como a Teologia da Prosperidade dos neopentecostais. Continuar lendo

Espionagem na BYU?

Sign_0409-30_0616Dois professores da Universidade Brigham Young (BYU) encontraram em uma sala de aula, no início deste mês, um gravador eletrônico ativado por voz. O dispositivo estava escondido, afixado com velcro ao assento de uma cadeira. A descoberta aconteceu no prédio Joseph Smith, onde são ministradas a maioria das aulas de religião. Eles posteriormente encontraram outras cadeiras também com velcro na parte posterior do assento.¹

Uma investigação interna foi iniciada para apurar os responsáveis e sua motivação, bem como a legalidade das gravações. Pela legislação de Utah, para que uma gravação seja legal bastaria que uma pessoa na sala de aula estivesse ciente. Carri Jenkins, porta-voz da universidade, afirma que as gravações não foram feitas pela administração da BYU. Continuar lendo

Novo currículo para Seminário e Instituto causa inquietação

Mudança é “terrível”, afirma professor da BYU

William J. Hamblin

William J. Hamblin

O Departamento de Educação Religiosa da Universidade Brigham Young (BYU) está preparando um novo currículo para o Sistema Educacional da Igreja (SEI), incluindo Seminários (para membros entre 14 e 18 anos) e Institutos de Religião (para membros de 18 a 30). O novo currículo substituirá os cursos anuais sobre as escrituras do mormonismo por quatro cursos temáticos:

– Jesus Cristo e o Evangelho Eterno;

– Ensinamentos e Doutrina do Livro de Mórmon;

– Fundamentos da Restauração;

– A Família Eterna.

Conforme a proposta, os cursos existentes hoje no SEI serão oferecidos como eletivos e não como parte do currículo principal. A mudança tem gerado críticas entre intelectuais mórmons. William Hamblin, professor de história na BYU, disse que considera o novo currículo “terrível”. Hamblin, 60 anos, leciona na universidade mórmon desde 1989 e é considerado conservador, conhecido também pelo seu trabalho apologético sobre o Livro de Mórmon.

Hamblin afirma que o novo currículo trará consequências sérias para os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias: “resultará em uma decadência ainda maior no letramento escriturístico – um problema já significativo entre os santos”. Continuar lendo

O Profeta Índio. Ou Joseph Smith?

A evolução da doutrina mórmon ao longo da história deixou muitas marcas nas obras publicadas pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, incluindo o próprio Livro de Mórmon. O exemplo a seguir mostra como uma profecia específica em 2 Néfi 3:24 teve sua interpretação reformulada em décadas recentes.

pexels-photo-227578.jpeg

Esquecendo os lamanitas? Imagem: John Rocha.

Numa porção do Livro de Mórmon que santos dos últimos dias acreditam se referir à restauração do evangelho original, há a menção a um personagem futuro:

E levantar-se-á entre eles um poderoso que praticará o bem, tanto em palavras como em obras, sendo um instrumento nas mãos de Deus, com fé extraordinária para operar grandes maravilhas e fazer o que é grandioso aos olhos de Deus, a fim de levar muita restauração à casa de Israel e à semente de teus irmãos.

Alguns mórmons dos séc. XIX e XX identificavam esse personagem como um futuro “profeta índio” ou “profeta lamanita”. Na edição em espanhol do Livro de Mórmon lançada pela missão mexicana em 1920, por exemplo, as notas de rodapé elaboradas por Rey Lucero Pratt, então presidente da missão, faziam questão de esclarecer aos modernos descendentes dos lamanitas que o hombre poderoso referido no versículo acima era un profeta Lamanita.

Livro de Mórmon da missão mexicana, 1920.

Continuar lendo

A Errônea Associação do Catolicismo à Corrupção das Escrituras

Um dos fundamentos doutrinários dos santos dos últimos dias é a afirmação de que as escrituras bíblicas não permaneceram intactas desde a pena de profetas e apóstolos até nossos dias, mas sofreram adulterações de forma que passagens foram retiradas, editadas ou acrescentadas.

francis_bacon_1_study_after_velazquezs_portrait_of_innocent_x

Estudo do Retrato do Papa Inocêncio X por Velázquez, de Francis Bacon (1953)

Em 1 Néfi 13, lemos sobre a visão recebida por Néfi da instituição responsável pela corrupção do Novo Testamento, chamada de “grande e abominável igreja”. Muitos santos dos últimos dias interpretam essa instituição como sendo a Igreja Católica Apostólica Romana, embora a ação da “grande e abominável igreja” sobre as escrituras, descrita no Livro de Mórmon, não possa ter nenhuma relação histórica com o catolicismo romano. Continuar lendo