Mangas nos Padrões

Jovens d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias são ensinados desde muito jovem que aparência física é um atributo fundamental para uma pessoa Mórmon.

Aparência É Tudo!

A Igreja Mórmon estabalece regras de vestuários bastante específicas. Além de machistas e extremistas, essas regras não parecem ser aplicadas consistentemente.

Recebemos recentemente uma carta de uma leitora pedindo ajuda ou orientações justamente sobre essa rigidez e essa inconsistência e gostaríamos de compartilhar sua estória e sua dúvida para que mais pessoas pudessem oferecer sugestões.

Por que não podemos usar roupas sem mangas? Pode parecer ridícula essa pergunta mas eu ando um pouco intrigada com esse padrão. Desde que fui batizada na Igreja, sempre ouvi que não podemos usar blusas ou vestidos sem mangas por que é uma preparação para o uso dos garments e que os mesmos não devem ficar à mostra. Eu concordo que eles não devem ficar à mostra, mesmo porque as pessoas achariam estranho se vissem essas “roupinhas” por baixo de nossas roupas. Essa dúvida me ocorreu quando vi que uma ex missionária gringa, que veio morar aqui depois da missão. Ela usa blusas e vestidos sem mangas e vai até mesmo às reuniões de domingo assim. Eu achei o máximo, visto que aqui onde moro, é muito quente e úmido (no meio da amazônia). Eu já ouvi diversas mensagens de líderes locais e não líderes também, que diziam que não se pode usar roupas sem mangas por que o braço não pode ficar todo a mostra, e isso vale para os homens também. Aliás, eu ouvi cada coisa sobre vestimentas desde minhas primeiras semanas como membro, certa vez uma irmã chegou pra mim e outra moça recém batizada: “está na hora de vocês duas começarem a vir de saia pra Igreja”, ou até mesmo missionárias medindo o tamanho de nossas saias pra ver se estavam abaixo dos joelhos, e tem também as famosas palavras do Profeta Joseph Smith (pelo menos dizem que é de autoria dele) dizendo que pra ver se uma mulher está vestida nos padrões é quando se ajoelha e a saia toca o chão. Sei que a mulher tem muito mais tendência de se vestir fora dos padrões pelos variados modelos de roupas, mas é mesmo necessário usar roupas somente com mangas? Vejo que existem modelos de vestidos e blusas sem mangas que são nos “padrões” diga-se de passagem, não são escandalosos que mostram partes que realmente não devem aparecer, cobrem muito bem, são apenas sem mangas! Eu não uso roupas assim, por respeito ao que já aprendi na Igreja, mas vejo umas poucas irmãs, que ainda não foram ao templo, que usam e não parecem estar fora dos padrões da Igreja. Bom, pelo que já vi, aqui no Brasil é muito rigoroso quanto a esse tipo de vestimenta, mas parece que lá fora não é tão rigoroso assim. Eu não quero sair por aí vestida fora dos padrões da Igreja, mas tenho essa dúvida, por que não pode, nesse calor horrível amazônico de ano inteiro, usar roupa sem mangas. Me desculpem se a pergunta é tola, mas é minha dúvida.

Como vocês responderiam à essa pergunta? Uma blusinha sem manga é um pecado? Deveríamos estar focando em peças de vestuários para avaliar dedicação espiritual? Os ensinamentos de Jesus têm alguma relevância nesta questão?

“Sim, ai de vocês, mestres da lei e fariseus, fingidos! Pois dão o dízimo da última folha de hortelã do vosso quintal, mas esquecem as coisas importantes, como a justiça, a compaixão, a fé. Sim, devem dar o dízimo, mas não devem esquecer as coisas de maior monta. Guias cegos! Tiram um mosquito que cai na comida, mas seriam capazes de engolir um camelo! Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, fingidos! Tão cuidadosos em polir o copo por fora, enquanto que por dentro está todo sujo de roubos e de cobiça! Fariseus cegos! Limpem primeiro o interior do copo e então todo ele ficará limpo. Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! São como jazigos — belos, mas cheios de ossadas e de podridão. Procuram parecer santos, mas por baixo dos vossos mantos de piedade escondem­se corações manchados por toda a espécie de fingimento e pecado.”

24 comentários sobre “Mangas nos Padrões

  1. Primeiramente essas são regras do FSY, com os jovens precisam ser beem especificos, porque se lerem no Para Vigor da Juventude, algumas coisas não estão escritas e implicitas, mas como há muitas dúvidas, é o que é falado no FSY.
    Segundo, um conselho para essa menina é siga sua fé e não fique deslumbrada com os americanos, porque muitas vezes, como todos erram eles não fazem tudo certo, acredito que nem eu e nem você. Todos nós temos algo para melhorar.
    E com os padrões não tem nada contra, pelo contrário amo! No mundo profissional e muitos escritórios só podemos entra formalmente, porque não implica com eles e deixa a igreja em paz? Quem segue, segue, quem não seguir ela que se entenda com Deus ou com quem ela acredita depois!

    • Mas então vc quer dizer q p o restante do tempo, sejam jovens ou adultos, são outros padrões. Esse padrões só servem p o FSY?

      • FSY é um padrão missionário, ajuda os jovens a terem experiencias espirituais e missionárias antes da missão. O padrão de roupa missionária é diferente, o visual missionário é mais profissional, convenha que não exista ninguém que não vai andar desleixado por ai, resumindo na missão seu estilo de roupa não deve chamar mais atenção que sua mensagem.

  2. E outra, os americanos quase sempre são bem humorados, riem das nossas piadas sem julgar, falam de Rock nos intervalos…. enfim, pessoas normais.
    Agora olhemos os irmãos brasileiros: chorões no púlpito, fazem cara feia por tudo, ditam regra, só olham defeitos. Não é uma maioria, mas fazem um bom estrago sendo pudicos. Brasileiro não tem caminho do meio, são crentôes ( ou querem mostrar que são) depois por serem ‘justos demais’ viram os apóstatas mais ferrenhos e revoltados.

    • Pois é, Thiago, e ainda falam mal dos americanos, lembro que meu bispo inventava muita coisa que não tinha nada a ver. Até são joão houve uma época que por ele não seria feito por ser festa de santo católico, segundo ele.

      Mas na minha missão minhas companheiras gringas falavam que lá nos EUA não é assim, ela disse que muitos até saem para comer fora em dia de domingo e não são logo rotulados como fubecas, os brasileiros, a maioria, não sabem de nada, os poucos que sabem são os missionários retornados e mesmo assim é muito pouco, mas adoram inventar folclores e lendas urbanas.

      Vocês do vozes mórmons não acham que esses folclores não daria um post na mesma linha dos clichês e do vocabulário mórmon?

      • Mês passado teve um patriarca chorão (aqueles que simulam pequenos soluçares) que além de falar que é muito amigo de pollítico tal da região, veio com um papo na reunião de sacerdócio que achava “feio ficar conversando no lugar sagrado que é a capela..” aí a igreja acaba de vez…. se eu não poder nem conversar com os meus amigos….

  3. Eu diria para ela se vestir como acha que deve. Lembraria de que Satanás, na Existência Pré-mortal, tentou retirar a liberdade das pessoas e colocá-las em “roupas apertadas”.

    Se algum dia ela mudar a noção de padrão de vestimenta dela e quiser usar roupas que cubram mais o corpo, ok. Mas até lá, sua liberdade de usar blusas sem manga deve ser sempre respeitada.

    • Liberdade ela tem , ninguém vai chegar na igreja e levar ela pro banheiro e forçar a usar uma camisa de manga. Nunca jamais, mas o jovem quando vai para o FSY ele concorda em seguir os padrões pelo menos aqueles 5 dias, são as condições do acampamento, se quiser não vai, economiza!

    • Eu observo que assim como lúcifer os líderes sud também amam tirar a “liberdade” dos outros, coincidência não acha?

  4. Respondendo mais ou menos a mesma coisa que respondi na ABEM:
    Cresci aprendendo sobre recato no vestir e no falar e isso só me fez bem. Minha autovalorizaçao desde a primária foi afetada por estes princípios que minha mãe me ensinou. Vejo isso como algo de muito valor, um ensinamento valioso para todos os membros da Igreja, sobretudo para a juventude, num mundo em que a exposição do corpo e a hiperssexualizaçao são tão banalizadas. No entanto, se mal aplicado, pode causar outro resultado, muito comum: a supervalorizaçao dos aspectos exteriores da religião em detrimento do interior; o apego demasiado a padrões duramente estabelecidos como sinal de santidade, o que foge aos ensinamentos de Cristo. Já vi pessoas serem estupradas psicologicamente para mudarem seu padrão de vestimenta, ao se batizarem, ao ponto de rapidamente decidirem nunca mais voltar lá. Já vi também pessoas serem insultadas ou simplesmente mal faladas por alguns centímetros a menos. Também já vi pessoas perfeitamente vestidas como mandam os “padrões”, mas com condutas impensáveis, fora dos limites da capela. “Sepulcros caiados” diria o Cristo.
    Com este apego exacerbado a estes aspectos físicos, com caráter persecutório e acusador, não concordo. Para mim, o recato ao vestir é algo natural, mas claro, passei a vida toda assim, então para mim é fácil falar. Faz parte de mim. Para as pessoas que se filiam à Igreja, é um processo, às vezes longo, ao qual elas precisam de acostumar aos poucos e ter liberdade de erro e acerto, de mudança de opinião e de escolha. Atropelar este processo geralmente causa o afastamento.
    Usar roupas com manga é um dos padrões impostos pela Igreja sim, pelo menos aqui no Brasil. A justificativa que sempre ouvi é uma variação daquela que a irmã expôs na carta: se os garments tem determinado comprimento, significa que o ideal de recato é aquele e que todos devemos segui-lo, independente de já usarmos ou não os garments. Para mim faz sentido. Entretanto, minha mãe não me impôs padrões, ela me ensinou princípios. Isso me fez livre para realizar minhas próprias escolhas, e, nas poucas vezes que usei algo diferente deste modelo, o fiz com consciencia do momento e da ocasião, sem culpa, sem me sentir errada, escolhendo ao invés de ser forçada ou constrangida. Eu não concordo com este tipo de imposição, estas regras que nos transformam em peças institucionais. Sou livre para escolher, e ainda assim escolho o recato, pois aprendi por princípios, ao invés de ser forçada a padrões. Fazendo uma retrospectiva de minha vida a este respeito, fui muito feliz ao segui-los. Senti calor algumas vezes, mas senti muito mais gratidão, por minha mãe, meus líderes e pelo Senhor. Mas se tivessem tentado me encaixar à forceps, obviamente, eu teria feito tudo ao contrário.

    • Forçam muito a barra de conversos. A mudança vem aos poucos, só pararmos com o sexo e o café já é elogiável, mas querem impor mais ainda. Alguns exigem demais principalmente líderes (mais que bispo) acho que eles serão padrastos celestiais no futuro.

  5. Também sempre me irritou muito isso, até minha mãe há um tempo atrás me perguntava porque eu era obrigada a usar saias “lá na canela” quando vários crentes de outras igrejas estão sempre tão elegantes.

    Sim, hoje existem roupas curtas demais porém como minha mãe sempre me disse que o importante é o coração da pessoa, não vejo mal nenhum em um pedaço de braço do lado de fora. deveríamos parar para ver o que é útil e inútil na vida de cada um, mas tudo lá, como sempre, é obrigatório.

    Sim, hoje me sinto muito mais feminina e bonita usando roupas normais e não aquele monte de “trapo” por baixo da roupa, sou nordestina, o calor aqui está de matar e aqui todas sofrem muito com esses padrões, desnecessários, ao meu ver!

    EXCELENTE escritura usada no final.

  6. Hoje eu tenho 53 anos e nasci em uma família Mórmon. Minha mãe sempre nos ensinou (6 filhas e 4 filhos) por seu exemplo e também por palavras que deveríamos nos vestir e nos comportar nos padrões do evangelho. Minha mãe apesar de pouco estudo tinha muita sabedoria e nunca vi minha mãe impondo ou obrigando as minhas irmãs e eu a trocar de roupa, (se bem que hoje é outra época e os padrões de vestimenta mudaram muito). Porém segui o exemplo de minha mãe e ensinei minhas 4 filhas se vestirem nos padrões e algumas vezes até disse para uma delas (14 anos) que não precisava exagerar nos padrões e que não tinha nada de errado ela usar aquela blusa sem manga ou aquele vestido ou saia mais curta uma vez que não fosse exagerado. As vezes íamos comprar roupas ou elas ganhavam roupas e diziam que não iam usar por não ter manga ou porque estava no joelho ou acima do joelho. Eu sempre estava ali mostrando que padrão é mais que a altura da barra ou uma manga.
    Não vejo nada demais em moças (antes dos convênios do templo) usar uma blusa sem manga e uma saia ou vestido mais curto se usar de modéstia e evitar o exagero.
    O que acho rídico são as moças e mulheres que já passaram pelo templo ficar tentando mutilar os garments e encolhendo-os para poder usar roupas inadequadas. Um dia minha filha tinha um casamento e disse: Mãe o que você acha de eu usar este vestido? O vestido era decotado e de alça. Eu disse pra ela que não deveria pois se usasse teria de tirar o garment. Ela escolheu outro vestido tão bonito quanto aquele e melhor ainda, nos padrões e se sentiu muito feliz.
    Agora com relação as americanas, eu morei nos EUA e percebi que a cultura norte americana é muito diferente da nossa. Lá nos estados Unidos até as moças e mulheres que não são membros da igreja se vestem com mais modéstia devido a própria cultura conservadora deles. E como a igreja no mundo todo recebe os reflexos do norte americano esses ensinamentos muitas vezes pra nossa cultura (Brasil), recebe um ar de exagero e imposição.
    Usar de sabedoria sempre foi a melhor opção!

  7. Alguns comentários não interligados:

    I – Quando me casei, minha esposa ganhou alguns garmets americanos (novos) que eram sem aquelas manguinhas, mas apenas alças largas.

    II – O Profeta Joseph Smith ensinou que “uma religião que não exige o sacrifício de todas as coisas jamais terá poder suficiente para produzir a fé necessária à vida e à salvação” [Lectures on Faith (Sermões sobre a Fé), 1985, p. 69].

    • Interessante. Posso por exemplo buscar estes modelos de garments em algum lugar e ainda assim estar recatada, já que ouvimos tantas vezes que o limite é o garment. Rsrs tudo é relativo, tudo é influenciado pela nossa visão de mundo e pelo nosso contexto, no final das contas. Porque não termos modelos assim, aqui nos trópicos?

  8. Sim, a igreja estipula um padrão e se estiver fora, vc e julgado, olham torto e ainda falam mal pelas suas costas.
    E como citado em outro post levam ate roupa caso se incomodem com seu jeito um pouco fora dos padrões e preceitos. A camisa para um rapaz para aos domingos tem que ser branca e as moças saia no joelho.
    Me lembro de ter trabalhado nas moças e quantas vezes fui a reuniões e único objetivo era falar da roupa. Ja chegaram a comprar roupas para moças para elas irem a igreja por que a blusa nao tinha manga.

    • Aqui onde moro quase toda noite elas passam levando roupa para as irmãs da igreja, elas percebem as indiretas que as irmãs lançam para elas, e eu tbm já fui vítima de algumas humilhações na época que entrei, falaram mal da minha roupa na frente de todos e quem fez isso foram as sisteres.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s