A Biologia Pode Explicar a Evolução da Religião?

Para um biólogo como eu, as perguntas interessantes sobre religião sempre foram de onde ela veio e por que evoluiu. Lecionei biologia evolutiva em uma Universidade Católica no país mais católico do mundo— o Brasil. Alguns dos meus colegas aqui no Reino Unido pensaram que deve ter sido muito desafiador, mas não.  A população brasileira é atípica no sentido em que 60% da população é religiosa e também acredita na evolução por seleção natural.

Mormonismo. Espiritualidade.

Detalhe de A criação de Adão, de Michelangelo (aprox. 1512).

O desenvolvimento de novas religiões se parece com a forma como novas espécies são formadas e se adaptam.  Continuar lendo

Joseph Smith: Deus é Como Um de Nós

Joseph_Smith_Jr_portrait_owned_by_Joseph_Smith_III_zpsec9818e5Em 07 de abril de 1844, Joseph Smith proferiu um de seus discursos públicos mais emblemáticos, conhecido como o “sermão King Follet“. Nele, o profeta pregou, entre outros temas, a natureza humana de Deus e a pluralidade de deuses. O trecho abaixo é de uma das várias anotações disponíveis feitas pela audiência: Continuar lendo

Ordenanças do templo – parte 7

Investidura: instruções junto ao véu

Quase três meses antes da sua morte, o então presidente da Igreja Brigham Young decidiu que deveria haver uma maior padronização das ordenanças da investidura. Parte desse esforço foi a redação de uma palestra a ser recebida pelos iniciados antes de sua passagem pelo véu e ingresso na sala celestial do templo.

Templo de St. George. Mórmons.

Templo de St. George, o primeiro templo em Utah, dedicado em 06 de abril de 1877. | Foto do autor.

 

Continuar lendo

Edward Tullidge: o Pai e a Mãe São Um Deus

A-Mothers-Love-Lynde-Mott

O Amor de Uma Mãe, pintura de Lynde Mott, detalhe (Exponent II)

O trecho a seguir é do livro Women of Mormondom, publicado em 1877.

*

A mulher é a herdeira dos Deuses. Ela é co-herdeira com seu irmão mais velho – Jesus, o Cristo; mas ela herda de seu Deus-Pai e sua Deusa-Mãe. Jesus é o “amado” desse Pai e Mãe – seu Filho tão provado, escolhido para operar a salvação e exaltação de toda a família humana. Continuar lendo

O Conselho de Deuses e o Conselho dos 50

William Clayton (1814-1879), secretário do Conselho dos 50

William Clayton (1814-1879), secretário do Conselho dos 50

William Clayton foi secretário do Conselho dos 50 e suas anotações pessoais constituem uma das importantes fontes sobre aquela organização. Durante nosso primeiro Podcast Mórmon, que tratou do Conselho dos 50, percebi a dificuldade de explicar – e mesmo de entender – a relação intrínseca que mórmons no séc. XIX viam entre a sua religião e outros aspectos da vida humana como economia e política.

A anotação feita por William Clayton em seu diário¹ é valiosa por mostrar a sua percepção do Conselho dos 50 como uma entidade que representava o núcleo de um futuro governo teodemocrático, mas era à semelhança de um governo divino anterior à formação da Terra. Em 10 de março de 1845, enquanto revisava as atas do Conselho, Clayton anotou em seu diário:

Enquanto escrevendo e copiando os registros do Reino, estava escrevendo estas palavras dadas pelo Élder H. C. Kimball no conselho no dia 04, “se um homem pisar fora dos seus limites, ele perderá seu reino como foi com Lúcifer e será dado a outros mais dignos”. Essa ideia me veio à mente. É doutrina ensinada por esta igreja que nós estávamos no Grande Conselho entre os Deuses quando a organização deste mundo foi contemplada e que as leis de governo foram todas feitas e sancionadas pelos presentes e todas as ordenanças e cerimônias decretadas. Agora não é o caso que o Conselho do Reino de Deus agora organizado sobre esta terra está fazendo leis e sancionando princípios que em parte governarão os santos após a ressurreição, e depois da morte não serão essas leis dadas a conhecer por mensageiros e agentes como o evangelho nos foi dado a conhecer[?]. E não há uma similaridade entre esse grande conselho e o conselho estabelecido antes da organização deste mundo[?].

 

1. An intimate chronicle: the journals of William Clayton. George D. Smith (ed.) Signature. Salt Lake, 1995.

Recebe o Espírito Santo

Como alguém pode receber o Espírito Santo? Algumas ideias aleatórias sobre o dom do Espírito Santo

Um quórum de deuses

Um quórum de três deuses preside sobre esta terra. Nesse quórum do sacerdócio, cada membro está em um diferente estágio de deidade e atua em uma missão ou dispensação para conosco, deuses mortais:

Convênio eterno foi feito entre três personagens antes da organização desta terra, e se relaciona com sua dispensação de coisas aos homens na terra; esses personagens, de acordo com o registro de Abraão, são chamados Deus, o primeiro, o Criador; Deus o segundo, o Redentor; e Deus o terceiro, a testemunha ou Testador. (Teachings of the Prophet Joseph Smith, p. 190) Continuar lendo

El, Jeová e Elohim

Uma informação e uma provocação

Na Bíblia hebraica, o nome Elohim ocorre 2570 vezes, enquanto YHWH (“Jeová”) aparece em 6823 vezes. Já o termo El aparece apenas 238 vezes. No entanto, o uso desses termos é muita vezes combinado, sugerindo a identidade única de Jeová e Elohim. Isso evidentemente passa despercebido a leitores de traduções para o português ou outras línguas ocidentais, uma vez que essas traduções acabam por uniformizar os nomes e esconder o uso dos nomes originais.

Tetragrammaton (YHWH) escrito em alfabeto paleo-hebraico no pergaminho 8HevXII, datado do primeiro século EC

Observemos esta passagem de Deuteronômio, de acordo com a tradução de Ferreira de Almeida: Continuar lendo

Adoção e Salvação dos Mortos

Para Joseph Smith, a exaltação no reino celestial dependia da obediência a todos os mandamentos e o recebimento de todas as ordenanças do evangelho. Conforme tentei esboçar na primeira parte deste estudo, entre tais mandamentos e ordenanças estava a inclusão do indivíduo numa família, formada pelo matrimônio (homem e mulher) e pela adoção (homem a homem). Esses dois tipos de selamento, em suma, deveriam ligar os santos em uma única família, a família de Deus, estabelecendo na mortalidade a única estrutura que existiria na eternidade. Continuar lendo

Um Diagrama do Reino de Deus

Um Diagrama do Reino de Deus

Orson Hyde

O diagrama acima mostra a ordem e a unidade do reino de Deus. O Pai eterno senta-se à cabeça, coroado Rei dos reis e Senhor dos senhores. Onde quer que as outras linhas se encontrem, senta-se um rei e sacerdote para Deus, possuindo governo, autoridade e domínio abaixo do Pai. Ele é um com o Pai, pois seu reino é somado ao de seu Pai e torna-se parte dele. Continuar lendo

Jeová, o Pai

No meu post anterior, mostrei como, de acordo com algumas escrituras bíblicas, Cristo não pode ser considerado o Deus que interagiu com os antigos israelitas. O “Deus de Abraão, Isaque e Jacó” para os autores do Novo Testamento é o próprio Pai e não seu Filho. Nesta continuação do tema, busco novamente na relação do Novo Testamento com a bíblia hebraica a identidade de Jeová como o Pai; também utilizo uma importante escritura de Doutrina e Convênios para mostrar como Joseph Smith também usava o termo Jeová para se referir ao Pai. Continuar lendo

Jeová e Jesus Cristo são o mesmo ser?

A diversidade de nomes e títulos atribuídos à deidade pelas escrituras e as diferentes interpretações que estas recebem podem tornar difícil a identificação exata de quem é quem e gerar um longo debate teológico, como tem acontecido na tradição cristã. Os santos dos últimos dias, os quais acreditam na existência de seres distintos e na consequente distinção entre o Pai e o Filho, também são apanhados nesse debate, especialmente no que se refere à identidade do Deus adorado pelos antigos patriarcas e as gerações de israelitas descritos na Bíblia hebraica ou Velho Testamento.  Continuar lendo

Origem e destino da mulher

A posição da mulher na doutrina mórmon ganhou uma reflexão especial pela pena de John Taylor. Morando em Nova York para editar o jornal The Mormon, na década de 1850, John Taylor conheceu a jovem e bela Margaret Young (sem  parentesco com Brigham), então com vinte anos. Transformando em artigo do seu jornal parte do que havia escrito em cartas de amor a Margaret, Taylor publicou, em 1857, Origem e destino da mulher, traduzido abaixo. Em setembro de 1856, Margaret havia se tornado esposa plural de John Taylor, com quem ainda teria nove filhos. Continuar lendo

O Estranho Sonho de Natalicio – final

Parte Dois

-Pode me chamar de Eliel, Natalício. E agora eu vou explicar melhor essa questão de passado, presente e futuro para você. Para isso, pense num criador e numa criatura. O criador construiu uma estrada muito extensa, cheia de curvas, cheia de subidas e descidas, que começava numa cidade e terminava em outra. Continuar lendo