Introdução ao Mormonismo

Como você explicaria o Mormonismo em 5 respostas sucintas?

 

Faltou a pergunta “o que Mórmons pensam sobre tatuagem”!

Recebemos um email de um leitor que se denomina “seminarista cristão” solicitando ajuda para completar “um trabalho” sobre a “religião” Mórmon. Então, ele submeteu uma lista com 5 perguntas surpreendemente básicas e simples sobre o Mormonismo, e aí vimos uma excelente oportunidade para um pouco de crowdsourcing, ou esforço colaborativo. Estamos, assim, copiando abaixo a lista de perguntas e pedimos para que vocês anotem, na seção de comentários, uma resposta sucinta para cada uma delas, como se estivessem respondendo a alguém que lhes fizera estas perguntas pessoalmente.

 

Além de ajudarmos o colega “seminarista cristão” com o seu “trabalho”, será interessante observar como as respostas diferirão uma das outras.  Religião, como a maioria das expressões culturais, é assunto muito pessoal e sujeito a interpretações e a viés idiosincráticos. Mormonismo, portanto, não sendo peculiarmente diferente nesse aspecto, comporta uma multiplicidade e diversidade de opiniões, percepções, e experiências que é ao mesmo tempo rica e curiosa.

 

Eis as perguntas. Expliquem o seu Mormonismo para alguém que não sabe absolutamente nada sobre o assunto. Lembrem-se de manter suas respostas sintéticas.

 

 

1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, sua conversão e consequências?

2) Poderia me contar um pouco sobre a História do Mormonismo, quem foram os fundadores, onde se deu e como?

3) Quais são as Principais Doutrinas que vocês seguem?

4) Qual a visão do mormonismo a respeito da Bíblia?

5) Qual a visão do mormonismo a respeito de Jesus?

 

 

 

 

8 comentários sobre “Introdução ao Mormonismo

  1. 1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, sua conversão e consequências?

    Quando eu era criança passava em frente da capela, pois ficava numa rua onde cortávamos caminho para ir a um hospital. Ela sempre me chamou atenção, mas nada além disso – eu nem se quer sabia de qual religião era, apenas que era bonita e tinha um nome interessante “santos dos últimos dias”; eu como católico tinha uma outra concepção de “santo”. Certa vez encontrei um livro de mórmon no armário do meu irmão (sim, eu pré-adolescente mexia nas coisas dele) e li o início até um dia que meu irmão me flagrou lendo e disse para parar de ler pois era “coisa do diabo”. Pois bem, não me aproximei mais de nada referente ao mormonismo.

    Já adulto, no final da graduação, conheci um rapaz pela internet dos EUA no qual tínhamos a mesma paixão por cinema e teoria social. Conversa vai, conversa vem e cerca de um ano depois ele me pergunta qual era minha religião e eu disse “não tenho, sou ateu” (como todo “bom” sociólogo). Na época ele me encheu o saco. Disse que não namoraria alguém que fosse ateu (de outra religião ok, mas ateu não) e ficou me perturbando para ir à capela conhecer a igreja. Enquanto conversas iam e vinham me ensinou toda a base doutrinária com sua experiência missionária na Espanha.

    Não fora o suficiente para me converter, mas foi o suficiente para me levar ir sozinho aquela capela que eu tanto admirava quando criança para conhecer de perto as coisas magníficas que me dizia. E foi como um “amor a primeira vista”. Nunca tinha me sentido tão bem em toda a minha vida (até aquele momento), acolhido, amado, respeitado. Aceitei os missionários irem a minha casa me dar lições (que o americano já tinha me dado), e que, igualmente, não me convencera a deixar de ser ateu.

    Mas nem por isso parei de ir, de frequentar. Fui me sentindo bem, confortável, alegre, não sei explicar as sensações boas que me ocorrera e, conversando com o americano, percebi que era a manifestação do espírito em mim confirmando que a igreja é verdadeira. Então comecei a observar-me como alguém religioso – algo que não me via de tal forma a anos. Comecei a pedir mais encontros com os missionários para aprender mais e, num desses encontros lá na capela, me convidaram para ser batizado (pela enéssima vez) e eu aceitei. Ainda não descia (e desce) a história de gente da palestina ter vindo para o continente americano – minha bagagem historiográfica não permite aceitar certas coisas, mas me batizei para fazer parte daquilo que estava me fazendo bem, que estava sendo bom para mim.

    E, assim, pouco a pouco minha fé foi crescendo e amadurecendo. Hoje não sou mais ateu – embora seja bastante sociólogo para muitas coisas; o que me proporciona um olhar mais crítico a certas relações sociais que um membro sem este olhar não tem. Hoje sinto orgulho de me identificar como mórmon, de ler todos os dias de manhã o livro de mórmon (mesmo que seja só um pouquinho), de estar sempre orando, usando o garment, de buscar seguir o exemplo de Cristo de amor e respeito ao próximo.

    Em casa sou o único membro. Venho de uma família basicamente católica que teve seus filhos mais novos separados em diferentes denominações cristãs. Não posso levar missionários ou ter visitas de mestres familiar em minha casa. Não por serem da igreja, mas porque não me é permitido levar ninguém para me ver na casa de meus pais mesmo (sim, tenho 30 anos e ainda moro com os pais então, tal como aprendi na igreja, por mais que eu não concorde, devo respeitar o lar que não é propriamente meu). Nunca tive nenhuma experiência desagradável de quem não era membro. Há muitos que perguntam o que é “mórmon”, que religião é essa. E a única vez que me falaram que era uma “religião do diabo” eu respondi “é mesmo? não sabia. obrigado por me avisar” – virei as costas e não entrei em discussão (outra coisa boa que eu aprendi…. embora seja calado sou estourado e venho aprendendo cada vez mais a ser mais calmo em minhas ações e pensamentos buscando evitar ao máximo as contentas).

    2) Poderia me contar um pouco sobre a História do Mormonismo, quem foram os fundadores, onde se deu e como?

    Há duas formas básicas de se observar a “história” do mormonismo. Interna e externamente. Externamente podemos dizer que no século XIX (sempre esqueço a data exata) um jovem de 14 anos estava em dúvidas sobre qual religião seguir e, inspirado numa passagem da bíblia, foi a um bosque e orou fervorosamente a Deus buscando orientação. E, a partir desse momento, foi sendo preparado para restaurar a igreja cristã original.
    Neste sentido, internamente, a “história do mormonismo” tem suas origens na criação bíblica da Terra visto que no século XIX o jovem Joseph Smith sobre “restaurou” uma igreja que estava “perdida em apostasia” por milênios após a morte de Cristo.

    Historiograficamente não faz muito sentido isso de “restaurar” a “igreja primitiva” visto que nunca houve uma só denominação cristã desde suas origens.Uma edição da bíblia que é a melhor tradução acadêmica (embora não seja a utilizada pela igreja) é a Bíblia de Jerusalém na qual trás comentários e explicações mais embasadas sobre essa não unicidade da “igreja primitiva”.

    Enquanto membros, somos instruídos a crer na primeira parte da história da restauração da igreja por Joseph Smith no século XIX. Mas após a morte de Joseph Smith e a crise na linha sucessória houve uma diversificações de denominações mórmons (mais comum nos EUA do que no Brasil – aqui no site fala bastante sobre isso).

    3) Quais são as Principais Doutrinas que vocês seguem?

    Seguir o exemplo de amor, tolerância e respeito de Jesus Cristo; ou melhor, buscar seguir… dizer que sigo integralmente seria hipocrisia da minha parte.
    Leio todos os dias um pouco do livro de mórmon. Nada sistematizado, apenas pego, abro e leio onde a página estiver aberta e isso me é muito inspirador.
    Comecei a ler mais sistematicamente a bíblia. Já estava em números até ter uma crise depressiva forte e aí é outra história longa que não vem ao caso.
    Uso o garment para me lembrar dos convênios que fiz no templo. O garment é uma espécie de roupa de baixo na qual membros dignos a entrar no templo passam a vestir ao passar pela cerimônia de investidura. Me sinto seguro e acolhido vestindo ele. Me lembra de Cristo, do Espírito, de Deus e de que devo buscar ser uma pessoa melhor do que eu sou.
    Dedico os meus domingos ao Senhor mesmo quando não vou a capela. Oro, presto testemunho, etc.
    Tento me manter digno para poder frequentar o templo (embora seja caro para mim visto que o templo do Rio ainda está longe de ficar pronto e viajar me é custoso).
    Aprendo a amar e respeitar meus pais e meus irmãos por maiores que sejam nossas divergências. Tendo ser bons a eles. Tento ser tolerante e respeitoso no meu trabalho e com meus amigos. Busco aceitar o livre arbítrio das pessoas aceitando as diferenças, respeitando-as e mostrando minha amizade a quem quiser tê-la.

    Não, não sou perfeito. Não faço jejum (e nem posso senão o meu medicamento pra depressão vai abrir um buraco no meu estômago), minha formação acadêmica não me permite engolir a seco certas atitudes de membros e (nas últimas conferências) de autoridades gerais – ir pra capela para ouvir que lugar de mulher é em casa parindo e tomando conta do marido e dos filhos não é algo legal de se ouvir para mim (só um exemplo). Para os membros mais “linha-dura” isso me torna uma espécie de anti-mórmon, um apóstata por questionar e não aceitar plenamente o que as lideranças falam e fazem. Mas meu foco não são os homens, mas sim os exemplos de Cristo.

    Então, na pergunta para ir ao templo se eu obedeço e sigo as autoridades gerais da igreja eu respondo que sim por identificar Cristo como o exemplo principal, único no qual devo me espelhar. Novamente… os membros “linha-dura” vão dizer que isso não me torna digno para ir ao templo, mas é como eu experimento o evangelho.

    4) Qual a visão do mormonismo a respeito da Bíblia?

    A bíblia é uma de nossas escrituras sagradas juntamente com o “livro de mórmon”, “doutrinas e convênios” e “pérolas de grande valor”. Devemos ler e estudar essas escrituras para aprendemos melhor sobre a obra de Cristo e os planos de nosso Pai Celestial e, assim, nos prepararmos para a exaltação. Para nós, não é viável ler só o livro de mórmon (LDM). O LDM e a bíblia se complementam, um ajuda a compreender questões em aberto que estão em cada escritura e a perceber que o ainda não somos dignos de ter conhecimento pleno dos planos de nosso Pai Celestial, então, ainda há muita coisa para conhecer, para se ser revelada pelo profeta e por reinterpretações das escrituras pela primeira presidência.

    5) Qual a visão do mormonismo a respeito de Jesus?

    Jesus é nosso guia-mestre. É nosso maior exemplo no qual devemos no espelhar. É quem devemos seguir os passos buscando ser pessoas melhores a cada dia, fortalecendo nossa fé a cada dia, pouco a pouco, cada um no seu tempo, no seu momento, mas tento o exemplo de Cristo como o alvo principal a ser alcançado. Só através desse exemplo é que poderemos alcançar a exaltação.

    De nada adianta se casar pela eternidade no templo, dar dízimos, fazer jejuns, etc. Isso sozinho não é suficiente. O principal é seguir o exemplo de amor, compaixão, tolerância, respeito, aceitação do próximo e das diferenças que Cristo nos deu. Só assim viveremos numa sociedade mais justa e harmoniosa. Não é fácil. Ninguém está nem perto dessa perfeição. Mas é o que devemos seguir. É o que eu sei e creio que devo seguir “amar a Deus em primeiro lugar”, “amar ao próximo como a si mesmo”. Para mim isso me basta e aprendi muito com o americano que me trouxe à igreja e com meus estudos das escrituras. Ainda tenho muito para evoluir, para crescer, mas sei que se seguir os exemplos de Cristo terei chances de ser exaltado e viver ao lado de nosso Pai Celestial.

    Como bom mórmon vou deixar um brevíssimo testemunho.

    Sei da vericidade deste evangelho, da importância desta igreja para ensinar a seguirmos os exemplos de Cristo. Sei que ele nos ama, nos protege e nos orienta. Minha vida mudou significativamente desde quando me batizei. Não foi um passe de mágica. Fui percebendo aos poucos as mudanças. Aos poucos fui notando que estava mais tolerante e respeitoso. De que eu estava ajudando velhinhas a pegar as mercadorias do alto no supermercado ou ajudando alguém a atravessar a rua. Ainda tenho muito para aprender. Preciso aprender não só aceitar e tolerar minha mãe, mas a amá-la. Isso é um processo que leva um tempo, mas que vem caminhando a passos largos. Talvez eu já a ame, só não demonstre para mim e muito menos para ela. Mas sei que eu parar para pensar e tentar mudar meu comportamento para com ela é uma forma de estar seguindo os passos de Cristo. Não sou perfeito. Não vou amar a todos de uma hora para outra – principalmente os que já me magoaram muito. Mas é algo que devo trabalhar e ler as escrituras, orar e dar testemunhos me ajudam a melhorar neste processo.
    Sei que amo ser membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Sei que estou no lugar certo, crendo nas coisas certas para ser uma pessoa melhor não só para mim, mas para o mundo. Sei que só o respeito e a tolerância ensinado por Cristo pode trazer a paz tão necessária em nosso mundo. E sou muito grato por saber disso. Sou grato pela oportunidade do Espírito ter se aproximado de mim e tornado um ateu num cristão. Sou grato por isso não ter me feito me afastar das ciências sociais, da história e da filosofia que me ajudam a compreender o evangelho, me possibilitam a fazer leituras das escrituras que eu não conseguiria ter antes de minha formação acadêmica.
    Sei que que as coisas que eu vivi, vivo e viverei fazem parte dos planos de eternidade de nosso Pai Celestial. Sei que minha dificuldade em amar certo membros de minha família fazem parte do plano para eu crescer pessoalmente e vir a me exaltar caso obtenha sucesso. Sou grato por ter ido ao templo, por namorar um ex-missionário e por ter certeza através de oração e testemunho que meu relacionamento é aceito e amado por Cristo e pelo Pai Celestial. Sou grato por poder agradecer a Ele por ter posto aquele americano em minha vida e transformado ela completamente para melhor.
    Sou grato por ser mórmon, por fazer testemunhos e pela possibilidade de algum dia me ser permitido casar para a eternidade no templo com quem eu amo. Afinal, sei que muitas coisas hão de ser reveladas e que a primeira presidência, principalmente o profeta, está preparando o terreno para o pouco que já lhes foi revelado.
    Sou grato pelo anúncio do templo no Rio no final de semana do meu aniversário. Sou grato por tantas coisas que este que deveria ser uma “breve testemunho” já está longo.
    Então, para finalizar, quero dizer que sei da veracidade do Livro de Mórmon. Não da veracidade arqueológica ou historiográfica, mas teológica, filosófica na qual me transmite paz e me faz ser uma pessoa melhor. Sei que obras maravilhosas hão de ser reveladas em breve. Sei que devo me tornar cada vez mais digno de estar na presença de nosso Pai Celestial buscando seguir os exemplos de Cristo. Sei do amor, carinho e orientação que sinto com a presença do Espírito Santo em minha vida.
    Sou muito grato por tudo!
    E deixo este testemunho em nome de Jesus Cristo, amém!

  2. 1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, sua conversão e consequências?

    Meus pais conheceram a Igreja por meio de minha tia, os missionários então em 95 foram até minha casa onde de cara aceitamos todos os compromissos (o que os missionários chamam de família eleita) me batizei com 8 anos e fiquei firme até os 11 anos de idade, voltei aos 14 anos quando fui desafiado a participar do Seminário (Um programa de estudo das escrituras para os jovens que dura 4 anos) onde então recebi um testemunho (uma certeza espiritual das verdades ensinadas adquirida através de sentimentos e pensamentos atribuída ao Espírito Santo). Hoje, aos 25 anos continuo me convertendo ao Evangelho (para os SUDs a Conversão é um processo que dura a vida inteira), posso dizer que minha vida é melhor do que jamais poderia ter sido.

    2) Poderia me contar um pouco sobre a História do Mormonismo, quem foram os fundadores, onde se deu e como?

    No ano de 1820 um rapaz chamado Joseph Smith (criado em uma família cristã) tinha uma profunda dúvida a qual igreja deveria filiar-se pois havia uma grande disputa entre as mesmas na época (em especial a Igreja Batista, Presbiteriana e Metodista) certo dia leu em Tiago 3:5, que se alguém possuísse alguma espécie de dúvida deveria dirigir-se à Deus em busca de reposta, ele fez isso em um bosque próximo de sua casa, segundo o próprio rapaz Deus, O Pai e Seu Filho Jesus Cristo apareceram à ele e lhes disseram que nenhuma das igrejas na terra era verdadeira, mas que sua verdadeira igreja seria trazida à terra por meio dele como profeta.
    Foi-lhe então revelado por anjo, que havia próximo de sua casa, um lugar onde um registro em placas de ouro havia sido enterrado, nele estava escrita a história de antigos habitantes das Américas que conheceram e viveram o Cristianismo. O mesmo Joseph o traduziu de uma língua desconhecida para o inglês, segundo o mesmo pelo dom e poder de Deus, o livro foi chamado de o Livro de Mórmon, Mórmon foi um profeta-historiador que resumiu os séculos de história dos povos presentes nas placas, daí então o apelido “Mórmons” para os membros da religião.
    Em 6 de abril de 1830, a Igreja foi organizada oficialmente por Joseph com alguns poucos seguidores, o nome oficial da Igreja é desde então: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

    3) Quais são as Principais Doutrinas que vocês seguem?

    Os membros são convidados a viver as seguintes leis ensinadas na escrituras:
    – Lei da Castidade: que significa, não ter relações sexuais antes do casamento, e após este ser totalmente fiel ao cônjuge, o que inclui: abster-se de material pornográfico, imoralidade, masturbação, linguagem chula e roupas pouco recatadas.
    – Lei de Saúde: não devemos consumir: álcool, tabaco, drogas ilícitas, café e chá preto.
    – Lei do Dízimo: devemos pagar 1 décimo de nossa renda anual.
    Ademais, somo instruídos a viver de toda doutrina relacionada a cristandade, como: ser caridoso, benevolente, honestos, estudar as escrituras, fazer orações e etc.

    4) Qual a visão do mormonismo a respeito da Bíblia?

    Cremos ser a palavra de Deus DESDE QUE traduzida corretamente, a versão utilizada na Igreja no momento é a versão do Rei Tiago traduzida por João Ferreira de Almeida.

    5) Qual a visão do mormonismo a respeito de Jesus?

    Toda a visão da doutrina mórmon a respeito de Jesus, foi escrita por detalhes por um Acadêmico da Igreja chamado James E. Talmage em um livro chamado “Jesus, O Cristo”, pelos membros da Igreja em geral Jesus Cristo é o Redentor da humanidade, seu sacrifício iniciado no Getsemâni até a cruz permitiu que o homem se torna-se herdeiro da vida eterna sob a condição de arrependimento e vivência dos convênios realizados por meio do Batismo, Dom do Espírito Santo, Sacramento, Investidura e Casamento para a Eternidade.
    Cremos que Ele ressuscitou no 3º dia, pregou aos espíritos em prisão conforme ensina na 1ª epístola de Pedro, que visitou o povo da América antiga, cremos que está à direita do Pai, Ele é o Jeová do Velho Testamento, nasceu de Maria sujeito à dor, enfermidade e morte, que voltará conforme prometeu para julgar a humanidade.

  3. 1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, sua conversão e consequências?

    É importante essa palavra, conversão, batizei-me na idade de 9 anos na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, motivado pelo exemplo de um primo distante meu. No entanto, com toda a contradição do mundo, sem o apoio paternal necessário, sendo mais um empecilho do que uma ajuda, acabei me afastando, chegando ao nível de ateu.
    Com o passar do tempo, minhas certezas sobre a falha do homem estavam cada vez mais concretas, o materialismo filosófico invadia minha biblioteca pessoal, mas mesmo com tantas certezas e com tanta crítica um vazio apareceu no meu coração.
    Cheguei nessa luta interna, que se tornou constante, algo parecido com o que Lewis descobre, soube que Deus era Deus quer eu queira ou não. Descobri que esse vazio não vinha porque eu não vinha do acaso, mas porque eu negando o sagrado, lutava contra a verdade interna que meu espírito sabia. Mas agora entrou-se outro problema na minha vida, eu sabia que havia Deus, só não sabia qual. Assim, depois de começar a ler e estudar teologia comparada, neguei a possibilidade racional de qualquer religião que não defenda um Deus onipotente, ou seja, Cristo era de fato o Deus verdadeiro.
    Comecei então a ir em várias igrejas, até que lembrei das aulas dos missionários, falando para mim que, homem nenhum poderia dar-me um conhecimento divino, mas sim o próprio Senhor. Então resolvi orar e pedir algo que me indicasse o que era certo, pois queria seguir a igreja dele e não a tradição familiar que tinha. Bem, com o passar do tempo recebi minha resposta, não tive duvida sobre esse desejo divino e agora considero-me um mórmon com um testemunho solidificado.

    2) Poderia me contar um pouco sobre a História do Mormonismo, quem foram os fundadores, onde se deu e como?

    A história do Mormonismo é longa, ainda mais se consideramos a visão da igreja sobre ela mesma, sendo que, essa será a minha base para a explicação, defender a fé dentro da igreja e não a crítica fora ou dos judaizantes modernos.
    A igreja defende a crença de que o Senhor sempre chama um profeta, esse profeta recebe revelação divina e guia o povo do convênio. No entanto, pessoas iníquas, acabam por não querer ouvir as verdades sobre seus pecados e matam os profetas, logo esse poder de revelação acaba e a igreja por um período se perde.
    No entanto, na misericórdia divina, o Senhor chama de novo profetas, restaurando a igreja destruída pelo povo iníquo, mas essa rotina de restauração, orgulho e destruição torna-se um ciclo, tendo como último período de perdição a posterior morte dos apóstolos originais. Ou seja, a igreja sempre existiu enquanto profetas existiram, foi restaurada, contando com a restauração de José Smith, 7 vezes, sendo essa a última.
    O nome em sequência dessas 7 dispensações, ou seja, período da existência da igreja até a sua destruição e restauração foram: Adão, Enoque, Noé, Abraão, Moisés, Jesus Cristo e José Smith. Tais acontecimentos são muitos e, na teologia judaico-cristã se conhece as histórias deles, mas a título de comparação vale ler Apocalipse 6, onde se fala, por exemplo no versículo 2, sobre Enoque, um grande conquistador, ou o versículo 4, sobre as guerras e contendas no tempo de Noé.
    Ou seja, houveram várias restauradores, mostrando ao mundo a benevolência de Deus para com o homem, a última veio com José Smith, não vou explicá-la a fundo porque eu decidi contar o contexto macro, já que, falar sobre a última restauração é algo que todo o mórmon fala.
    Mas enfim, José Smith tinha 14 anos e queria entrar em uma igreja, ficou olhando para as igrejas existentes e viu que, só por ir ver, nenhuma resposta viria, já que ambas apoiavam-se como verdadeiras e criticavam as demais. Nesse momento ele foi procurar na Bíblia, nesse busca, encontrou Tiago 1:5 que incentivou-lhe a orar e a perguntar ao próprio Deus, assim ele o fez, afastou-se para um bosque e orou, conta ele que um certo sentimento mau apareceu e ele sentiu que não conseguia vencê-lo, até que, sem desistir de seu propósito e orando muito, apareceu algo que ele, em uma das versões existentes sobre o relato que diz: Vi um pilar de luz acima de minha cabeça, mais brilhante que o sol, que descia gradualmente sobre mim. Quando a luz pousou sobre mim, vi dois Personagens cujo esplendor e glória desafiam qualquer descrição, pairando no ar, acima de mim. Um deles falou-me, chamando-me pelo nome, e disse, apontando para o outro: Este é Meu Filho Amado. Ouve-O!”
    Conta-se que ele pôde saber que nenhuma das igrejas existentes era a verdadeira, nada é muito além disso, já que, não há um relato completo sobre as falas de Cristo para o profeta, mas percebe-se que, com o tempo e a aparição de anjos, ele foi descobrindo que tinha que traduzir um registro em ouro, conhecido como o Livro de Mórmon e por fim restaurar a igreja. Tal fato ocorreu no dia 6 de Abril de 1830.

    3)Quais são as Principais Doutrinas que vocês seguem?

    O SUD só segue uma doutrina, a Doutrina de Cristo, explicada belamente pelo próprio Jesus, enquanto esteve aqui nas Américas.
    “31 Eis que em verdade, em verdade vos digo que eu vos declararei minha doutrina.
    32 E esta é minha doutrina e é a doutrina que o Pai me deu; e dou testemunho do Pai e o Pai dá testemunho de mim e o Espírito Santo dá testemunho do Pai e de mim; e eu dou testemunho de que o Pai ordena a todos os homens, em todos os lugares, que se arrependam e creiam em mim.
    33 E os que crerem em mim e forem batizados, esses serão salvos; e eles são os que herdarão o reino de Deus.
    34 E os que não crerem em mim e não forem batizados, serão condenados.
    35 Em verdade, em verdade vos digo que esta é minha doutrina e dela vos dou testemunho, vindo do Pai; e todo aquele que crê em mim, crê também no Pai; e a ele o Pai dará testemunho de mim, pois visitá-lo-á com fogo e com o Espírito Santo.
    36 E assim o Pai dará testemunho de mim e o Espírito Santo dará testemunho do Pai e de mim; pois o Pai e eu e o Espírito Santo somos um.
    37 E novamente vos digo que vos deveis arrepender e tornar-vos como uma criancinha e serdes batizados em meu nome, ou não podereis, de modo algum, receber estas coisas.
    38 E novamente vos digo que vos deveis arrepender e ser batizados em meu nome e tornar-vos como uma criancinha, ou não podereis, de modo algum, herdar o reino de Deus.
    39 Em verdade, em verdade vos digo que esta é minha doutrina e os que edificam sobre isto edificam sobre minha rocha; e as portas do inferno não prevalecerão contra eles.
    40 E aqueles que declararem mais ou menos do que isto e estabelecerem-no como minha doutrina, esses vêm do mal e não edificam sobre a minha rocha, mas edificam sobre um alicerce de areia; e as portas do inferno estarão abertas para recebê-los quando vierem as inundações e os ventos açoitarem-nos.
    41 Portanto, dirigi-vos a este povo e declarai as palavras que eu disse, até os confins da Terra.”( 3 Néfi 11: 32:41)
    É claro que a igreja acredita na revelação contínua e progressiva, ou seja, que Deus ainda não parou de revelar coisas para os homens, por isso a igreja tem seus convênios e mandamentos, mas a Doutrina é única, essa não muda, porque foi dada ao homem por meio do Senhor Jesus Cristo.

    4) Qual a visão do mormonismo a respeito da Bíblia?

    “Cremos ser a Bíblia a palavra de Deus, desde que esteja traduzida corretamente; também cremos ser o Livro de Mórmon a palavra de Deus.”( Regra de Fé Número 8)
    Assim sendo, o mórmon acredita fielmente na Bíblia, não como algo perfeito, já que foi traduzida por homens, mas como a Palavra de Deus. Mais precisamente o mormonismo acredita que, ela e o Livro de Mórmon só chegam a verdade quando são estudados juntos, tal pensamento vem do profeta Néfi, um judeu que na época do Rei Zedequias fugiu do oriente e veio para a América.
    “Portanto o fruto de teus lombos escreverá; e o fruto dos lombos de Judá escreverá; e aquilo que for escrito pelo fruto de teus lombos e também o que for escrito pelo fruto dos lombos de Judá serão unidos, confundindo falsas doutrinas e apaziguando contendas e estabelecendo paz entre o fruto de teus lombos; e elevando-os nos últimos dias a conhecerem seus pais e também meus convênios, diz o Senhor.” ( 2 Néfi 3:12)
    Ou seja, nenhum mórmon vai negar a Bíblia, mas muito pelo contrário, usa-a em conjunto com o Livro de Mórmon, tudo para que esses dois testemunhos possam levar a uma interpretação mais coerente sobre o que Cristo quer que o homem faça. Acontecendo isso, acredita-se que as divergentes visões pessoais de uma escritura sagrada cessariam, já que, seriam dois pontos iguais, mas por experiências distintas.

    5) Qual a visão do mormonismo a respeito de Jesus?

    O próprio nome da igreja diz tudo. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Essa é a igreja Dele, tudo o que o mórmon crê, segue e defende é baseado no exemplo que Ele deu. O Livro de Mórmon é outro Testamento de Jesus Cristo, entendendo assim que, tudo o que é pregado nesse Livro vem no pensamento messiânico.
    “E falamos de Cristo, regozijamo-nos em Cristo, pregamos a Cristo, profetizamos de Cristo e escrevemos de acordo com nossas profecias, para que nossos filhos saibam em que fonte procurar a remissão de seus pecados.” ( 2 Néfi 25:26)
    Sim, o homem sem Cristo estaria perdido( 1 Néfi 10:6), mas o Criador de toda a carne ( Jeremias 32:27), veio ao mundo para livrá-lo de seu estado perdido, dar ao homem a oportunidade de receber a Vida Eterna, por meio de sua expiação ( Alma 11:39-40).
    Esse é Cristo, assim que a igreja pensa, apesar de muitos dizerem que o mórmon não é cristão, a verdade é que, tudo o que o mórmon faz é porque acredita que tem a revelação atual de Jesus no meio, o mórmon não venera nenhum profeta( 1 Néfi 17:55), considera o profeta nada mais do que um servo de Cristo. Toda a glória e tudo que um mórmon faz é para o Seu Criador e Salvador, esse é um pedaço pequeno da imensa fé e devoção que um verdadeiro mórmon tem, já que, depois de ter orado e ter tido a resposta, esse se torna um servo inútil do Ser mais perfeito que pisou nesse planeta.

    Meu nome é Marlon Aristides Paes de Farias e sei que tudo o que eu escrevi é verdadeiro.

  4. 1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, na conversão e consequência?

    Conheci o mormonismo em Agosto/2013, através de um profissional da área de saúde que era mórmon. Na ocasião, eu era seminarista numa renomada faculdade de teologia em São Paulo.
    Por curiosidade, resolvi pesquisar o tema “mormonismo” nos livros disponíveis na biblioteca da faculdade e a ler publicações e assistir a vídeos postados na internet sobre mormonismo.
    Na faculdade, ao conversar com meus amigos seminaristas sobre as minhas pesquisas, o que me chamou a atenção foi que a maioria conhecia o mormonismo como uma seita pervertida, onde a prática da poligamia era permitida.
    Não demorou muito para perceber que os meus colegas seminaristas possuíam ideias pré-concebidas confusas e preconceituosas a respeito do mormonismo.
    Infelizmente, boa parte da comunidade evangélica desconhece o fato de que o próprio cristianismo foi rotulado como seita judaica, até que o imperador Constantino resolveu promulgar o cristianismo como religião oficial do império romano no século IV D.C.
    Não demorou muito, para que eu perdesse o interesse em estudar teologia nessa faculdade e ingressasse numa outra universidade voltada para o estudo teológico acadêmico e científico.
    Passado algum tempo, estabeleci como meta pessoal estudar profundamente o mormonismo para futuramente desenvolver teses no meio acadêmico protestante.
    Cansada de ler livros e estudar artigos, decidi inovar e estudar os mórmons “in loco”. Ingressei na SUD, e resolvi aceitar o batismo mórmon.
    Desde então, passei a estudar o comportamento dos mórmons e a participar dos grupos de estudo nos institutos. Estou caminhando com o objetivo de aprofundar meus conhecimentos na doutrina, na cultura e na comunidade mórmon e a partir de então desenvolver a minha própria cosmovisão mórmon.
    Nesse momento, prefiro dizer que “não sou mórmon” e sim que “estou mórmon”, pois permaneço ligada às minhas convicções religiosas influenciadas por Orígenes e Atanásio de Alexandria e Agostinho de Hipona. Na essência, a minha fé é protestante reformada arminiana.
    Há várias implicações na minha decisão em aderir à SUD, mas a mais triste foi que ao compartilhar os meus projetos com alguns amigos da comunidade cristã e familiares evangélicos, passei a ser vilipendiada e tratada como uma “desviada”, ou “cheia de demônios”.
    Realmente há “muitos demônios a vencer… O principal é o da intolerância religiosa por parte da comunidade cristã.

    2) Poderia me contar um pouco sobre a História do mormonismo, quem foram os fundadores, onde se deu e como?

    A história do mormonismo se inicia em 1829, no momento em que Joseph Smith (profeta fundador do mormonismo) alegou ter recebido uma revelação divina, de que ele restauraria a igreja, que estava em apostasia, nos padrões deixados por Jesus Cristo no início do século.
    Brigham Young, o segundo presidente da SUD, afirmou: “O mundo cristão, assim chamado, é pagão quanto ao conhecimento da salvação de Deus”.
    Orson Pratt, um dos principais apóstolos mórmons, afirmou:
    “Todas as outras igrejas são inteiramente destituídas de toda a autoridade de Deus, e qualquer pessoa que receba o batismo ou a Ceia do Senhor de suas mãos irá ofender muito a Deus, pois Ele as considera como as mais corruptas de todas as pessoas”.
    Nas questões comportamentais, os mórmons são bem articulados, inteligentes, educados, estudiosos, amorosos e em sua maioria buscam viver de forma honrada. Não consomem bebidas fortes ou alcoólicas, buscam uma alimentação saudável e amam trabalhar. Para os mórmons, as famílias são eternas e estão em lugar de destaque na lista de prioridades pessoais. Eles sentem prazer em ajudar uns aos outros dentro da comunidade.
    Nesses aspectos, eles são mais cristãos do que muitos católicos e protestantes que conheço.
    Existem muitas contradições em relação à história do mormonismo. Recomendo ao amigo seminarista que se houver interesse em aprofundar nos estudos, que comece a estudá-lo através desse site.

    3) Quais são as principais doutrinas que vocês seguem?
    O trabalho de evangelização dos mórmons é realizado por jovens missionários (na maioria filhos dos membros da Igreja) conhecidos como “Élderes” e “Sisters” das mais diversas nacionalidades. Eles solicitam permissão para apresentar-lhe o evangelho de Jesus Cristo. Ao aceitar, eles marcam algumas reuniões em sua residência e apresentam o evangelho, em livretos que abordam: O plano de Salvação, O Evangelho de Jesus Cristo, A restauração do Evangelho de Jesus Cristo, A Castidade, Dízimo e Ofertas de Jejum, e Palavra de Sabedoria (que se refere a uma alimentação e hábitos saudáveis de vida). A pessoa que está sendo evangelizada recebe o Livro de Mórmon e é convidada a se batizar. Somente após o batismo e ser aceito como membro da SUD, o recém-converso recebe uma versão da Bíblia e começa a aprender nos estudos dominicais em “doses homeopáticas”, o que realmente é o mormonismo.
    Em minha opinião, é impossível sintetizar o mormonismo respondendo à apenas cinco questões. O mormonismo possui uma vasta história rica, excitante e controversa, que só pode ser entendida quando se participa das reuniões e dos institutos de ensino da SUD. Considero difícil estudar e entender a teologia mórmon sozinho.

    4) Qual a visão do mormonismo a respeito da Bíblia?

    A Bíblia, juntamente com o Livro de Mórmon, Doutrinas e Convênios e Pérola de Grande Valor, fazem parte das escrituras consideradas sagradas pelos mórmons.
    Na pratica, a maioria dos mórmons não estudam a Bíblia Sagrada com profundidade. Os membros são orientados a receber a revelação dos apóstolos da SUD e a realizar estudos com base nos materiais publicados na sede da Igreja em Utah (Salt Lake City) – EUA.
    Orson Pratt, um dos doze apóstolos mórmons, afirmou:
    “Os manuscritos hebraicos e gregos da Bíblia, dos quais as traduções foram feitas, estão evidentemente muito alterados… Os instruídos estão sob a circunstância de traduzir a partir dessas cópias tiradas, imperfeitas, e, em muitos casos, contraditórias – na forma que existem. Esta incerteza, combinada com as imperfeições de traduções de tradutores não inspirados, forma a Bíblia em todos os idiomas, na atualidade, enfaticamente as palavras de homens, em vez da pura Palavra de Deus”.
    Afirmações como essa, levam os mórmons a buscar a revelação moderna e o Livro de Mórmon em particular.
    Robert J. Matthews, educador religioso e erudito mórmon, declarou: “Muitos conceitos importantes que já estiveram na Bíblia, mas que estão faltando nela agora foram restaurados através do Livro de Mórmon e outras revelações dos Últimos Dias”.
    Na prática, o Livro de Mórmon sofreu alterações ao longo dos anos… Há muitos plágios retirados da Bíblia King James e capítulos inteiros extraídos do livro de Isaías. Já foram catalogadas mais de 27 mil palavras do Livro de Mórmon que foram retiradas da versão da Bíblia King James.
    A questão é que o Livro de Mórmon foi escrito entre 600 A.C e 421 D.C. Como então ele poderia conter citações extensas da versão King James de 1611, que só foi escrita depois de 1.200 a 2.000 anos?
    De acordo com estudiosos bíblicos (Eberhard Nestle, Jack Moorman Bruce Manning Metzger), das aproximadamente 200 mil variações textuais que existem nos milhares de manuscritos bíblicos do Novo Testamento, cerca de apenas 50 (0,03%) tem importância real, e se referem a erros (propositais ou não) dos copistas, estando relacionados à ortografia e disposição das palavras. Estas variações textuais dos manuscritos antigos não afetam nenhuma doutrina cristã.

    5) Qual a visão do mormonismo a respeito de Jesus?

    Os mórmons, em linhas gerais, acreditam que Cristo foi Deus encarnado, que Ele é Salvador e Redentor, que morreu na cruz pelos pecados da humanidade e ressuscitou no terceiro dia.
    Gilbert W. Scharffs, apologista mórmon, escreveu que os Santos dos Últimos dias são cristãos porque enfaticamente creem em Jesus Cristo.
    Mas não se iluda, porque os bastidores sobre a divindade de Cristo pregada no mormonismo é bem divergente do Jesus da doutrina bíblica.
    Na doutrina mórmon Jesus Cristo foi gerado como o primeiro espírito-criança do Pai (Elohim) e uma de suas esposas sem nome (mencionada como “Mãe Celeste”). Jesus, como filho-espirito, progrediu então no mundo espiritual até que se tornou um Deus. Cristo, “pela obediência e devoção à verdade… Atingiu um auge de inteligência que o classificou como um Deus”.
    Em linhas gerais:
    O Jesus dos mórmons é um ser gerado, irmão de Lúcifer e de todos os mortais e anjos. O Jesus Bíblico não é um Deus gerado.
    O Jesus dos mórmons ganhou a própria salvação. O Jesus Bíblico não precisa de salvação.
    O Jesus dos mórmons é um dos muito deuses salvadores existentes por todo o universo. O Jesus Bíblico é Único (segunda pessoa da divindade) e de suprema importância ao longo da eternidade e de toda a criação.
    O Jesus dos mórmons foi concebido pelo ato sexual entre o Pai (Elohim) e Maria. O Jesus Bíblico foi concebido pelo Espírito Santo, que encobriu Maria, uma virgem.
    O Jesus dos mórmons foi um polígamo casado. O Jesus Bíblico foi um monógamo não casado.
    Em minha opinião, o Jesus pregado no mormonismo não é o mesmo Jesus pregado no cristianismo convencional. Compará-los seria o mesmo que dizer que acessar a Rua Antônio Camardo no bairro do Tatuapé em São Paulo me garantirá chegar à Rua Senador Vergueiro no bairro do Flamengo no Rio de Janeiro.

  5. 1) Cheguei ao mormonismo por nascimento; me mantive por relacionamento espiritual com o Senhor.
    2) Acredito que o mormonismo é a mesma igreja que existia na época de Adão e na época de Cristo.
    3) Amar ao Senhor de todo o coração e amar ao próximo como a si mesmo.
    4) Um livro sagrado que, entre outras coisas, conta a história e doutrina de Jesus Cristo.
    5) É o exemplo e o meio de nós chegarmos a Deus.

  6. 1) Poderia me contar um pouco sobre suas experiências pessoais, como chegou até o mormonismo, sua conversão e consequências?

    Nascí em uma família de evangélicos, mais especificamente membros da assembléia de deus,quando eu tinha 17 anos era um assíduo frequentador da igreja que meus pais são membros, mas eu sempre gostei de estudar a bíblia e o dirigente daquela congregação nos dizia que precisávamos ser batizados com o Espírito Santo e que quando isso ocorresse falariámos em línguas estranhas, eu me esforçava e procurava viver de acordo com o que me ensinavam, mas nada de línguas estranhas, no entanto alguns colegas que a meu ver não obedeciam ao que a liderança dizia já falavam em todos os idiomas estranhos, mas eu não desistia e perseverava, um belo dia um amigo me presenteou com um tal de Livro de Mórmon, eu como sou sedento por conhecimento devorei o livro em 15 dias, após o que meu amigo me apresentou aos missionários da igreja SUD. Marquei uma palestra e me preparei para segundo meus intentos dar neles uma surra de escrituras, pois cria eu que eles estavam errados e eu conhecia toda a verdade, li muito sobre trechos da Bíblia que poderiam envergonhar os missionários e então recebi-os para a palestra, mas qual não foi minha surpresa durante a palestra sentí algo que me dizia o tempo inteiro que aqueles rapazes eram representantes de Jesus Cristo e ao final da palestra quando eles me perguntaram o que eu achei, a minha resposta foi: QUANDO EU POSSO SER UM MISSIONÁRIO COMO VOCÊS? Eles me disseram então que eu deveria ler o Livro de Mórmon(que eu já tinha lido), depois orar a DEUS e perguntar se Joseph Smith foi um profeta verdadeiro e se o Livro de Mórmon é a palavra de DEUS (mas eu já SABIA de tudo isso) e então deveria me batizar por imersão por alguém com autoridade do Sacerdócio e então se eu ficasse ativo por um ano poderia enviar a papelada e ser um missionário.
    Me batizei contra a vontade de minha mãe e de uma multidão de outros, mas antes escolhi um dia para perguntar a DEUS como orientado(talvez para confirmar o que já sabia), não disse a ninguém quando seria isso, então ajoelhei-me sozinho em casa e no meu pensamento e sem emitir voz audível orei ao DEUS do Céu e tão certo como vivo hoje recebí uma resposta do próprio DEUS. Não me peça para explicar, pois não sei colocar em palavras mortais o que aconteceu naquele dia, sei no entanto que Jesus Cristo é o filho unigênito de DEUS, que Joseph Smith viu de fato o Pai Celeste e Jesus Cristo, sei que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o Reino de DEUS na terra. ( FIz uma missão de 1986 a 1984, serví como secretário do ramo, presidente de quórum de Elderes, secretário de distrito, presidente de ramo, bispo, presidente da escola dominical…) Já lí muita literatura anti-mormon e principalmente aquelas que foram publicadas por dissidentes. JESUS CRISTO está às portas.

  7. Assisti um curso de abordagem acadêmica, em Porto Alegre, sobre a história do mormonismo. Estávamos em 4 pessoas, dois senhores, uma moça, e eu. Eu era a única não-mórmon. No segundo encontro, fui presenteada com um Livro de Mórmon, por um dos senhores que, muito gentilmente, também se dirigiu a mim como “irmã,” mesmo sabendo que eu não era uma deles. Achei muito sensível, gostei de receber o livro e achei muito bonitinho ser tratada como uma igual. Acredito que somos todos iguais, mórmons ou não-mórmons, mas nem todos pensam assim. Nesse mesmo dia fui convidada pela moça a assistir uma “reunião familiar”. Eu não queria, inicialmente, mas ela acabou me persuadindo e não me arrependo. Foi um encontro muito bonito. Várias pessoas se emocionaram, inclusive eu. Fui tocada pelo Espírito e tive a certeza de que eu queria ser parte daquilo que eu havia presenciado. Minha conversão aconteceu pouco mais de um mês depois. Eu já vinha buscando e refletindo mais sobre um desenvolvimento espiritual, a conversão ajudou bastante. As leituras e reuniões dominicais cheias de ensinamentos proporcionam essa reflexão e crescimento gradual.
    Os membros são frequentemente muito incentivados a fazer o seu melhor, a dar o seu melhor, a ter a melhor conduta e desenvolverem-se ao máximo em todas as áreas possíveis. Acho esse estímulo e motivação bem importantes, pois é o que muitos de nós só precisamos para iniciar e dar sequência às coisas boas, para nós e para os outros ao redor.

  8. 1. Quando era adolescente minha mãe ficou muito doente e precisava de uma pessoa para cuidar dela, foi quando uma bondosa senhora foi cuidar dela, admito que não era uma boa filha, e isto preocupava a senhora que me levou a igreja que mudaria minha vida.

    2.como muitas pessoas nos dias de hoje nossa primeiro presidente tinha muitas duvidas de qual religião ser a certa, mesmo muito jovem com apenas 14 anos procurou saber qual seria a certa, buscando nas escrituras ele leu que se pedir a Deus com Fé o pai responde nossas orações, foi quando o Pai sim o próprio Deus e seu filho Cristo apareceu para ele e assim o mundo começou a sair da grande apostasia e a Igreja de Cristo começou a ser restaurada.

    3. Primeiro que acreditamos em Deus o Pai e em seu filho Jesus e que só por muito do Exemplo de Cristo podemos voltar ao pai, acreditamos em um profeta vivo que nos dã revelações para os dias de hoje,respeitamos e amamos nosso próximo (nem sempre isto é fácil para mim) e somos coretos para com as leis de onde vivemos entre outras coisas e veem do exemplo de Cristo e das revelaçoes dadas pelos profetas antigos e atuais.

    4.a Blibia é para nós uma escritura sagrada quando traduzida corretamente assim como para tudo a verdadeiro Cristão.

    5.Ele é nosso Salvador, nosso exemplo e sabemos que por ele todo o plano de Deus pode ser cumprido.

    6. e sobre as tattoos nossos lideres são contra tatos pois nosso corpo é o templo de Deus, eu tenho muitas tatos quando as fiz já era membro da igreja mas como eu mesma já falei nunca fui muito das melhores filhas e achava que isto era o que queria para mim, hoje me arependo pois é uma lembrança constante de minha teimosia, tenho muitos amigos na igreja e nunca me senti menos amada por meus lideres por ter feito tatos pois respeitamos o arbitrio uns dos outros e pesquisadores com tatos são todos bem vindos e amados da mesma maneira,

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s