Vivemos nos Últimos Dias?

Reza a doutrina mórmon que nós vivemos nos últimos dias. Literalmente os “últimos dias” antes do apocalíptico “fim do mundo” consequente à “destruição de todas as coisas” que acompanharão a “segunda vinda de Cristo”.

Jesus Mórmon

Por isso os “sinais dos tempos” são tão relevantes na cultura mórmon. Tais sinais indicariam a proximidade do fim, ao mesmo tempo que confirmam a fé do mórmon. Esse costume mórmon de procurar, e achar, “sinais dos tempos” em tudo o que vê mundo afora é muito popular entre membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (notemos que o foco apocalíptico está logo aí no nome oficial da igreja, segundo apenas ao foco em Jesus Cristo).

Todavia, isso não é uma tendência recente no mormonismo. Avistar “sinais dos tempos” é uma prática tão velha quanto o mormonismo em si. O historiador do mormonismo do século 19, Klaus Hansen, resumiu a prática assim¹:

“Contudo, os Santos não haviam sido deixados num mar de inteira incerteza. Os sinais dos tempos, como faróis, os guiariam através da escuridão e das águas turbulentas até que a luz de Cristo reaparecera. Aos gentios, tais faróis seriam luzes de aviso, se não o fogo do julgamento. Pois entre os sinais incluir-se-iam calamidades da natureza, acidentes ferroviários, fogos, explosões de barcos à vapor, guerras, revoluções, e sinais nos céus. Como não havia nunca grande dificuldade em achar tais catástrofes em abundância, o [jornal da Igreja SUD] Estrela Milenar fielmente os documentava  em cada edição sob uma seção especial entitulada “Sinais dos Tempos”. [Joseph] Smith fazia o mesmo em seu diário pessoal. Toda calamidade no mundo era vista como um sinal do, e uma contribuição para, o fim do mundo. “Todas são”, observou T. B. H. Stenhouse, “para o Santo, confirmações alegres de sua fé, e sugestões do triunfante reconhecimento do… ‘Reino’.”

Portanto, não é de se espantar que se ouve nas capelas, ou se lê nas mídias sociais, frequentes alusões a fatos e tendências contemporâneas como “sinais do tempo” e indicações que “o fim se aproxima”.

Não obstante, a realidade, ou fatos observáveis e mensuráveis, não parecem confirmar os “sinais dos tempos”. Tomemos, por exemplo, pobreza ou miséria. Max Roser baseou um estudo objetivo em dados estatísticos do Banco Mundial e Bourguignon & Morrisson (2002) para mensurar a proporção de seres humanos vivendo em “pobreza extrema” (definido como poder de compra ajustados, tanto para inflação como para paridade regional, de USD 1,90 por dia), coincidentemente desde a fundação do mormonismo até o presente.

Seus dados, tabulados para fácil visualização, ilustram clara e óbvia queda global na quantidade de pessoas vivendo em miséria.

poverty-1

População mundial total vivendo em extrema pobreza (1820-2015): Em vermelho, total de pessoas em pobreza ou miséria; Em verde, total de pessoas acima da pobreza e miséria

Se a queda em pobreza extrema não ficou óbvia na tabela acima, a tabela abaixa expressa os meus dados, porém agora em termos percentuais.

poverty-2

População mundial em porcentagem da população total global vivendo em extrema pobreza (1820-2015): Em vermelho, porcentagem de pessoas em pobreza ou miséria da população total; Em verde, porcentagem de pessoas acima da pobreza e miséria

É possível imaginar que miséria e pobreza são problemas modernos e que vem piorando com o passar do tempo. Contudo, estudos analíticos demonstram que, em realidade, vivemos no presente um período de abundância sem precedentes na história da humanidade para o maior número, e percentual, de pessoas.

Tomemos outro exemplo. Fome? Acidentes, desastres, mortes acidentais? Um marcador de saúde, acesso a alimentação, segurança, e qualidade de vida, é expectativa de vida. Vejamos, então, um estudo comparando a expectativa de vida aos 10 anos de idade (excluindo-se, assim, o viés de mortalidade infantil):

Expectativa de vida de uma criança de 10 anos de idade, ao longo do tempo, e em vários países (da esquerda para a direita): Brasil, China, Itália, Suécia, Reino Unido, e Estados Unidos.

Expectativa de vida de uma criança de 10 anos de idade, ao longo do tempo, e em vários países (da esquerda para a direita): Brasil, China, Itália, Suécia, Reino Unido, e Estados Unidos.

Nota-se, portanto, que expectativas de vida vem crescendo progressivamente desde a fundação do mormonismo, o que significa que essas populações vem vivendo cada vez melhor, comendo melhor, trabalhando e habitando em condições mais saudáveis e pacíficas.

Guerras e rumores de guerras? Chequemos os dados:

Mortes em conflitos armados, por ano: Os tamanhos relativos dos círculos representam fatalidades totais, entre civis e militares, e no eixo vertical a taxa de mortes a cada 100.000 habitantes

Mortes em conflitos armados, por ano: Os tamanhos relativos dos círculos representam fatalidades totais, entre civis e militares, e no eixo vertical a taxa de mortes a cada 100.000 habitantes

A primeira informação que salta aos olhos no gráfico acima é que o passado não era pacífico, nem em termos absolutos e nem comparado com os dias de hoje. A segunda informação, quando se olha mais de perto, é notar que a segunda metade do século 19 e a primeira metade do século 20 foram realmente períodos militarmente conturbados, com um aumento impressionante no investimento – e na capacidade destrutiva – militar moderna. Não obstante toda essa modernidade amamentaria, ainda assim tratam-se de períodos semelhantes em carnificina a outros nos séculos 17, 18, e 19. E, finalmente, é notável como os últimos 60 anos apresentam taxas progressivamente menos e menos belicosas, especialmente os últimos 15 anos, que demonstram as menores taxas de óbitos militares em toda série de 615 anos.

É importante notar que os dados estatísticos levantados também sugerem que a proteção a direitos civis e individuais vem aumentando nos últimos séculos progressivamente, assim como vem reduzindo taxas de expressões legais e culturais de racismo, reduzindo taxas de mortes violentas, e reduzindo taxas de homicídios.

Para praticamente todo parâmetro que se possa medir objetivamente, nota-se que vivemos hoje num mundo melhor, mais pacífico, mais rico, e mais equânime do que o mundo onde vivia Joseph Smith, e possivelmente do que qualquer outro período na história da humanidade.

Como podem os Santos dos Últimos Dias incorporar às suas visões religiosas o fato de que o mundo é, hoje, mais seguro, mais pacífico, e mais próspero?


NOTA

[1] Hansen, Klaus J, Quest for Empire: The Political Kingdom of God & the Council of Fifty in Mormon History, Michigan State University Press, 1967, p 17.

18 comentários sobre “Vivemos nos Últimos Dias?

  1. Sinceramente, eu não consigo, se é que um dia consegui, acreditar nesse negócio apocalíptico tão comum às religiões. Ainda mais quando se publicam fatos deste tipo.

    Pode até haver uma transcendência da alma, uma esfera metafísica para o eu no depois, mas esse negócio de fim do mundo, não consigo engolir. Chego até a desconfiar da própria segunda vinda. Tanto que sempre brincava e brinco com o povo: “não sei quando será a segunda vinda ou se realmente desejaria estar vivo para ver, só sei que eu irei até Ele; se ele vai vir a nós, pouco me importa”.

  2. Acredito na visão espírita da segunda vinda, pra eles será uma transformação de ideias, a bondade aumentará na terra…a humanidade (naturalmente) passará para um estado mais elevado.

    O problema maior é que achamos ridículos os evangélicos pentecostais, mas não somos tão diferentes em alguns pontos…somos apocalípticos, não há um ensino de teologia sistemática cristã entre nós…. e condenamos os pecadores ao fogo do inferno, tal qual nossos irmão das pentecostais.

    Acredito que nosso encontro com Deus será no pós vida…. e tudo bem assim.

  3. Não consigo ver um mundo mais seguro hoje onde milhares de pessoas saem de suas casas por causa da guerra e terrorridmos,onde não podemos sair de casa e ser assaltados ou levar um tiro ou onde mulheres correm o risco de serem estupradas e não vejo um mundo mais pacífico assim e nem um mundo mais próspero onde principalmente em nosso país o índice de desemprego é absurdo e os índices de pobreza ainda são alarmantes onde os ricos tudo tem e dos pobres é tirado tudo o que tem com essa grande carga de imposto sem contar os desvios milionários da corrupção.minha opinião é que vejo este mundo inseguro.

    • Essa é a sua percepção pessoal, Adriano. Ela é colorida por um viés de seleção por ser limitada à, única e exclusivamente, sua experiência pessoal e a sua percepção subjetiva.

      Portanto, ela nada mais serve que evidência anedotal. Evidências anedotais são importantes para o indivíduo, ou o caso individual, mas não estabelecem por si só padrões suficientemente para determinar evidências da realidade. Para isso, coletamos uma multidão de evidências e filtramo-las através de ferramentas estatísticas para determinar padrões claros e relevantes.

      Como demonstramos acima, os dados estatísticos contradizem claramente a sua percepção pessoal. Clara e objetivamente. Não duvidamos que você tenha essa opinião e essa percepção, mas os dados demonstram que elas estão equivocadas. Especialmente no que diz respeito ao Brasil e ao mundo em geral, e não ao minúsculo subconjunto do Brasil e do mundo que é a sua vida e os seus arredores.

    • Estude sobre a idade média, e vc verá um mundo muito mais violento que o nosso! A expectativa da maioria da população era de apenas 32 anos, tinha a peste negra, inquisição, guerras e invasões sem fim, e se vc tivesse sorte passaria sua vida toda em um feudo, trabalhando 20 horas por dia, produzindo comida pro clero e nobreza, enquanto vc passaria fome!!!

  4. Dois livros são fundamentais para a compreensão da vida e obra de Jesus de Nazaré: “A vida de Jesus”, de Ernest Renan, e “A busca do Jesus Histórico”, de Albert Schweitzer. Só quem não os leu é que fica procurando “os sinais dos tempos”.

  5. Se as profecias foram cumpridas no passado, elas certamente serao cumpridas no futuro. Concordo que apesar de tantas coisas negativas acontecendo no mundo hoje, temos que agradecer por muitas bencaos que temos e certamente o mundo hoje e muito melhor que no passado.

      • O nascimento, morte e ressureicao de Cristo foi profetizado dezenas de vezes no velho testamento e no Livro de Mormon. Se voce nao acredita em Cristo, nao acredita na Biblia nem no Livro de Mormon devo te informar que sites que discutem justamente essas coisas talvez nao seja ideal para voce.

  6. “Se voce nao acredita em Cristo, nao acredita na Biblia nem no Livro de Mormon devo te informar que sites que discutem justamente essas coisas talvez nao seja ideal para voce.”

    Devo entender isso como um convite para não participar das discussões do site?

    Até agora tenho me sentido bem vindo, pois penso que há um abertismo dos administradores do site à discussão de temas que tocam o mormonismo, ainda que indiretamente ou derivadamente.

    Claro, se o sr. fosse administrador eu já estaria banido há muito pelo meu antidogmatismo.

    Infelizmente o sr. nem imagina o quanto perde quando rejeita o contato com ideias contrárias às suas (desde que o debate seja de bom nível, claro).

    Por exemplo, o sr. bem que poderia se interessar em saber se o nascimento virginal de Cristo realmente foi profetizado no antigo testamento, ou se essa crença é resultado de uma adaptação dos primeiros cristãos à cultura helênica. Talvez isso ampliasse seu entendimento, ou no mínimo o fizesse saber que há uma discussão nesse sentido e qual o estado atual da questão.

    Porém, o sr. prefere me convidar a sair…

    • De forma alguma eu disse que voce nao e bem vindo ao site, mesmo porque nao cabe a mim dizer isso. Meu ponto foi que se voce nao tem nenhuma afiniade com o Mormonismo e nem mesmo acredita nas escrituras, nao vejo o proposito de participar de conversas relacionadas a esses assuntos, mas o tempo e seu e voce faz o que bem quiser com ele. Eu me considero bem aberto a ideias diferentes da minha, afinal e dessa forma que podemos aprender, nao sou necessariamente contra seus comentarios mas simplismente eles nao se encaixam com os temas discutidos aqui, seria o mesmo que eu visitar um blog sobre politica e postar comentarios sobre moda, seria no minimo estranho. Digo outra vez que de nenhuma forma eu disse que vc nao e bem vindo aqui e se voce entendeu dessa forma, peco aqui desculpas.

  7. “nao sou necessariamente contra seus comentarios mas simplismente eles nao se encaixam com os temas discutidos aqui, seria o mesmo que eu visitar um blog sobre politica e postar comentarios sobre moda, seria no minimo estranho.”

    Ok, desculpas aceitas.
    Quanto à suposta inexistência de relação entre moda e política, sugiro que dê uma olhada nos links abaixo:

    http://www.coloquiomoda.com.br/anais/anais/11-Coloquio-de-Moda_2015/POSTER/PO-EIXO3-CULTURA/PO-3-MODA-E-POLITICA-NA-REVOLUCAO-FRANCESA.pdf

    http://www.politicaymoda.com/

    https://www.agambiarra.com/a-moda-e-a-sua-expressao-politica/

    http://modahistorica.blogspot.com.br/2015/08/as-sufragistas-e-moda-como-ferramenta.html

    http://semanahistoriauerj.net/course/moda-imagem-e-poder/

    http://missowl.com/pt-br/moda-e-politica/

  8. Jesus fala para seus discípulos que ele voltará antes que eles pudessem “percorrer as cidades de Israel.” [Mt 10:23a]

    Jesus afirma aos seus seguidores que ele voltará e estabelecerá o seu reino enquanto eles estiverem vivos. [Mt 16:28]

    Jesus prediz o fim do mundo durante a vida dos seus ouvintes. [Mt 23:36]

    Jesus diz que o evangelho será pregado a todas as nações “e então virá o fim.” De acordo com Paulo, o evangelho foi pregado a todo o mundo [Rm 10:18] contudo o fim não veio. [Mt 24:14]

    Jesus prediz que o fim do mundo virá durante a geração de seus discípulos. [Mt 24:34]

    Jesus profetiza que o sacerdote veria a sua segunda vinda. [Mt 26:64]

    Jesus profetiza que o fim do mundo virá durante a vida de seus ouvintes. [Mc 9:1]

    Jesus prediz seu retorno e o fim do mundo durante a geração de seus ouvintes. [Mc 13:30]

    Jesus profetiza que o sacerdote veria a sua segunda vinda. [Mc 14:62]

    Jesus afirma aos seus ouvintes que ele voltará e estabelecerá o seu reino enquanto eles estiverem vivos. [Lc 9:27]

    Jesus diz que tudo o que ele descreve (o seu retorno, sinais do sol, da lua, e estrelas, etc.) acontecerá durante a geração dos seus ouvintes. [Lc 21:32]

    Jesus insinua que ele voltará a terra durante a vida de João. [Jo 21:22]

    Claro, que à medida que o tempo passava e as profecias não se cumpriam começaram a surgir muitas “explicações”: que eram em sentido figurado, que se cumpriram apenas para os que creem, que 1 dia pra Deus tem 1000 anos, etc.

    A verdade é que se desconhecermos que o cristianismo primitivo nasceu como um movimento apocalíptico dentro do judaísmo essas e várias outras passagens do Novo Testamento tornam-se incompreensíveis.

    Daí a importância da leitura dos livros do Renan e do Schweitzer.

    • Vê-se em seu comentário um sinal claro de completa ignorância de estudos bíblicos.

      Caso contrário, você não teria citado uma das epístolas sobre as quais há quase unanimidade acadêmica tratar-se de uma falsificação em nome de Paulo.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s