Quantos Mórmons Há Em Cada Estado?

Quantos mórmons há no Brasil não é uma questão fácil de responder (veja por que aqui e aqui). Os seguintes gráficos, no entanto, baseados nas amostras do último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) fornecem dados concretos sobre a distribuição de membros brasileiros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Últimos Dias.

Os dados mais recentes da Igreja afirmam a existência de 1.326.738 membros no Brasil. Realizado em 2010 e publicado em 2012, o último censo do IBGE registrou apenas 22% dos membros reportados pela Igreja.

Jovens missionários d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. | Foto: Acessórios Sud

população mórmon brasileira está distribuída de forma bastante irregular pelas 27 unidades da federação. Igualmente irregular é a distribuição nos estados em cada respectiva região, como mostram os gráficos abaixo. Continuar lendo

Por Que é Hora da Igreja Mórmon Revisitar Seu Passado Diverso

Numa época em que a frequência tradicional a igrejas diminuiu e a filiação religiosa de mais rápido crescimento na América são os “não” — aqueles que não reivindicam afiliação com uma fé organizada —, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias continuou a se expandir.

Missionários FIJI

Missionários SUD em Fiji (Foto cortesia d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Esse crescimento na Igreja SUD, comumente chamada de Mórmon, é em grande parte resultado do número crescente de congregações predominantemente brancas, bem como de um grande número de novos conversos latinos. Em outros lugares, as taxas de conversão mórmon diminuíram visivelmente.

Da minha perspectiva como estudioso da história religiosa e política americana, essas duas correntes para o crescimento significam uma tensão crucial no coração da experiência mórmon: a comunidade mórmon está lutando para manter sua identidade cultural, ao mesmo tempo que abraça múltiplas origens raciais, étnicas e nacionais. Continuar lendo

Uma República Mórmon

… o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e esse reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos e será estabelecido para sempre.

– Daniel 2

Quando Joseph Smith nasceu, em 1805, os Estados Unidos eram um jovem país em formação, havendo conquistado sua independência há apenas 22 anos. Durante as três primeiras décadas do século 19, os movimentos por independência se espalharam por todo continente americano. Haiti (1804), Paraguai (1811), Argentina (1816), Chile (1818), Colômbia (1819), México (1821), Equador (1822), Brasil (1822), Peru (1824), Bolívia (1825), Uruguai (1828), entre outros, libertaram-se de metrópoles europeias naqueles anos. Para os membros da jovem Igreja de Cristo, Continuar lendo

Mormonismo e Migrações

A Religião Como Rede de Segurança dos Processos Migratórios Transatlânticos

Texto de Eliott Mourier¹

Passaporte_MercosulNo contexto atual que muitos qualificam como sendo um “retorno do religioso” ou “dessecularização”, os pesquisadores em ciências sociais já não podem ignorar a dimensão religiosa chave em nossas sociedades modernas. Longe de desaparecer, o religioso voltou a ter um lugar chave na hierarquia dos fatores explicativos do fato social observável em nossas sociedades.

Essa constatação se verifica particularmente nos últimos trabalhos sobre migrações  transnacionais. Antigamente, a maioria desses focava quase que exclusivamente nos fatores econômicos e sociais do fenômeno migratório. Porém, constatamos que nos últimos anos, o fator religioso, mesmo submetido a distintos processos de globalização e pluralização, tem uma importância crescente no estudo dos processos migratórios transnacionais (Hagan & Ebaugh 2003, Peggy Levitt 2003).

De forma recíproca, um número crescente de organizações religiosas transnacionais têm se interessado pelos fenômenos migratórios, incluindo-os em seus respectivos discursos e programas (Odgers & Ruiz 2009).

Assim, por exemplo, o Papa Bento XVI declarava em 25 de dezembro de 2010 que “frente ao êxodo dos que migram de suas terras e que são empurrados pela fome, pela intolerância ou pela degradação do meio ambiente, a Igreja é uma presença que promove a acolhida”.

Além desse tipo de manifestação profética, muitas denominações participam de modo bastante concreto nas diferentes etapas da migração de seus fieis. Tais etapas são identificadas como: (1) a preparação da viagem; (2) viagem; (3) chegada; (4) instalação; (5) desenvolvimento de redes transnacionais. Às vezes também se inclui o retorno ao país de origem. Continuar lendo

Um missionário brasileiro na Colômbia

MARLON 2Texto de Marlon Paes de Farias

Talvez você tenha visto, em sua ala ou ramo, missionários de língua hispânica. Ou jovens brasileiros que receberam seu chamado missionário para servir em outros países da América Latina. Para os membros que tem um pouco mais de tempo na igreja, a grosso modo parece algo novo, ás vezes causando até certa tipo surpresa. Eu, há quase dois anos, servi numa missão de língua hispânica. Nesse período, tive o prazer de aprender algumas das razões políticas-sociais para essa nova trajetória missionária.

Servi na missão Colômbia Bogotá-Sul, uma missão que pedia, até o crescimento da obra missionária feita pelo profeta Monson, uma média de 4 missionários brasileiros por vez, já que tinha fronteira com Tabatinga, uma cidade brasileira  da Missão Manaus, que não queria ensinar por lá, por ser longe e sem segurança. Logo cabia a nós, brasileiros-colombianos, ficar um ano pregando em um local onde se falavam 3 línguas – o espanhol, o português e o portunhol.
Continuar lendo

Cuba ganha segundo ramo

 

Élder Holland fala a membros em Havana, Cuba. (Foto: lds.org)

Élder Holland fala a membros em Havana, Cuba. (Foto: lds.org)

No último dia 15, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias criou seu segundo ramo em Cuba. Com quase cem pessoas presentes, a conferência do ramo Havana foi presidida pelo Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze. Na ocasião, o ramo Havana foi dividido para criar o ramo El Cotorro. Continuar lendo

Missionários estrangeiros tirados da Venezuela

Policiais e manifestante em Caracas. Foto de Jorge Silva/Reuters

Policiais e manifestante em Caracas. Foto de Jorge Silva/Reuters

Devido à tensão no país, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está transferindo 152 missionários estrangeiros da Venezuela para outros países sul-americanos, segundo comunicado da Igreja na última segunda-feira.

Já os missionários de nacionalidade venezuelana, segundo o comunicado, “estão em frequente comunicação com seus presidentes de missão e todo esforço está sendo feito para mantê-los seguros”.

O papa é pop (e latino-americano)

Não sei se a escolha de um argentino como novo papa chamou a atenção dos sud brasileiros mais do que entre a população não-católica em geral. Mas a pergunta que me ocorreu é se tal escolha não faz os sud brasileiros – e argentinos e latino-americanos em geral – pensar sobre a composição exclusivamente norte-americana e europeia da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze. O que você acha?

Programa da IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons
Conferência Anual da ABEM
(Associação Brasileira de Estudos Mórmons)
Tema: “A Relação entre Sede e Periferia na Igreja SUD”
19 de janeiro de 2013
São Paulo, SP

Programa

08:00 – 08:30 – Cadastramento e Café de manhã
08:30 – 08:35 – Abertura & Oração
08:35 – 08:50 – Mensagem de boas-vindas

09:00 – 10:20 Sessão A – “A entrevista oral nos estudos mórmons no Brasil: um guia prático” – Kent Larsen

10:20 – 10:40 – Intervalo 1 & Exposição

10:40 – 12:00 – Sessão B – Mesa-redonda: Por que a retenção nos EUA é maior que no Brasil?

————————————————–
12:00 – 13:00 Almoço
————————————————–

13:00 – 14:20 Sessão C – “A jornada de Andrew Jenson pela América Latina em 1923
Reid Neilson (Departamento de História da Igreja, EUA)

14:20 – 14:40 – Intervalo 2

14:40 – 16:00 – Sessão D – “Colonialismo Político-Religioso: O Impacto Sobre Mórmons Brasileiros da Cruzada Política Contra Gays nos Estados Unidos” – Marcello Jun de Oliveira

16:00 – 16:30 Coffee Break

17:50 – 18:50 – Sessão Sessão E – “Uma história cultural do Livro de Mórmon” – Daymon Smith

18:50 – 19:00 – Encerramento & Oração

Local: A IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons acontecerá na Av. Eng. Armando de Arruda Pereira, 345 (sobreloja), em São Paulo, SP.

América Latina e a “perfeita liberdade religiosa”

Conferência Brasileira de Estudos Mórmons contará com a apresentação do Diretor Administrativo do Departamento de História da Igreja
Reid Neilson. (Mormon Channel)

Reid Neilson. (Mormon Channel)

Está confirmada a apresentação de Reid Neilson, Diretor Administrativo do Departamento de História da Igreja, sediado em Salt Lake. Por teleconferência, Reid Neilson falará sobre a viagem de Andrew Jenson à América Central e do Sul, em 1923, e sua influência sobre a Igreja sud à época. Imigrante dinamarquês, Andrew Jenson serviu como Historiador Assistente da Igreja.

Como missionário ou historiador, Jenson havia visitado partes da Ásia, Europa, Oriente Médio, Escandinávia e Sul do Pacífico. Sua viagem à América Latina aos 72 anos de idade, no entanto, teria implicações para o futuro início da obra missionária no continente. Além de estar interessado em possíveis localizações geográficas de eventos do Livro de Mórmon, Jenson coletou dados demográficos e linguísticos de 19 países, que foram depois apresentados à Primeira Presidência –  Heber J. Grant, Charles W. Penrose e Anthony W. Ivins. A eles, Jenson relatou com entusiasmo a “perfeita liberdade religiosa” de que desfrutavam os países centro e sul-americanos.
A apresentação do Dr. Neilson terá tradução simultânea ao português.
A IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons acontece no dia 19 de janeiro de 2013 (sábado) e tem entrada franca. Veja aqui a programação completa da Conferência.

Um vira-lata maravilhoso e um assombro

Blogueiro convidado: Robert Kirby

Como um cachorro ensinou a um missionário um novo truque.

Obrigado, Élder Solavanco, por ser um vira-lata maravilhoso e um assombro

O melhor companheiro de missão que tive foi esse sujeito. Não o da esquerda, nosso líder de distrito, Brent Merrell, de Vernal.

Quero dizer o outro sujeito. Calça vermelha. Língua comprida. Aqui ele está dando a Merrel as boas-vindas ao distrito San José de Carrasco, da Missão Uruguai-Paraguai, em 1975.

Pois é, eu sei, é um cahorro. Mas ele também foi chamado para ser um servo do Senhor.

Por mim. Continuar lendo

Prepare-se para a IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

Você já se agendou para a IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons? Ela acontece no dia 19 de janeiro de 2013, em São Paulo.

O tema da Conferência de 2013 será “A Relação entre Sede e Periferia na Igreja SUD”.

A Conferência é gratuita e aberta a todos os interessados. Continuar lendo

O Profeta Índio. Ou Joseph Smith?

A evolução da doutrina mórmon ao longo da história deixou muitas marcas nas obras publicadas pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, incluindo o próprio Livro de Mórmon. O exemplo a seguir mostra como uma profecia específica em 2 Néfi 3:24 teve sua interpretação reformulada em décadas recentes.

pexels-photo-227578.jpeg

Esquecendo os lamanitas? Imagem: John Rocha.

Numa porção do Livro de Mórmon que santos dos últimos dias acreditam se referir à restauração do evangelho original, há a menção a um personagem futuro:

E levantar-se-á entre eles um poderoso que praticará o bem, tanto em palavras como em obras, sendo um instrumento nas mãos de Deus, com fé extraordinária para operar grandes maravilhas e fazer o que é grandioso aos olhos de Deus, a fim de levar muita restauração à casa de Israel e à semente de teus irmãos.

Alguns mórmons dos séc. XIX e XX identificavam esse personagem como um futuro “profeta índio” ou “profeta lamanita”. Na edição em espanhol do Livro de Mórmon lançada pela missão mexicana em 1920, por exemplo, as notas de rodapé elaboradas por Rey Lucero Pratt, então presidente da missão, faziam questão de esclarecer aos modernos descendentes dos lamanitas que o hombre poderoso referido no versículo acima era un profeta Lamanita.

Livro de Mórmon da missão mexicana, 1920.

Continuar lendo

Como vai o Fundo Perpétuo de Educação?

Gordon B. Hinckley

Quando lançado pelo presidente Hinckley, o Fundo Perpétuo de Educação (FPE) foi
recebido por membros no Brasil com grande euforia. Seu próprio nome procurava fazer uma ligação com o antigo Fundo Perpétuo de Imigração e portanto com seu potencial de ajudar novo pioneiros na construção de Sião. O programa destinado a fomentar o estudo vocacional de suds em países em desenvolvimento não demorou muito para ser chamado localmente de revelação (mesmo sem ter sido chamado de tal pelos líderes mundiais da Igreja) e ser incluído em declarações nos domingos de jejum e testemunho.

Hoje, dez anos depois do lançamemto do FPE, já escutei relatos positivos e negativos de jovens adultos que utilizaram esse financiamento educacional a juros baixos, mas não tenho acesso a dados concretos que mostrem em que situação está hoje. No entanto, noto que é cada vez mais rara a sua menção como uma revelação; aliás, é cada vez mais rara a sua simples menção nas reuniões da Igreja. Continuar lendo