Professor é desobrigado da Escola Dominical por usar textos oficiais sobre negros

Brian Dawson foi desobrigado após utilizar textos do site e revista oficiais da Igreja

Em 09 de junho de 1978, Spencer Woolley Kimball anunciava o fim da longa exclusão de negros do sacerdócio e das cerimônias do templo mórmon. Após 37 anos dessa importante mudança, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias parece ainda não lidar apropriadamente com esse aspecto de sua história. Pelo menos, é o que ilustra uma recente polêmica local na Igreja em Honolulu, no estado americano do Havaí.

O casal Brian e Ezinne Dawson com seus filhos

O casal Brian e Ezinne Dawson com seus filhos

Questionado por seus alunos de 12 a 14 anos sobre o banimento dos negros antes de 1978, Brian Dawson decidiu apresentar à classe da Escola Dominical o conteúdo de Raça e Sacerdócio, ensaio publicado em inglês no site lds.org em dezembro de 2013 (e traduzido para o português cerca de um ano depois como As Etnias e o Sacerdócio). De acordo com a reportagem do jornal The Salt Lake Tribune, Dawson também utilizou artigos da revista oficial Ensign (publicação americana equivalente à Liahona) para falar dos pioneiros negros Elijah Abel, Green Flake e Jane Manning James, enfatizando que especialmente os futuros missionários deveriam entender essa história.

Um pai reclamou da aula ao bispo, o qual teria declarado a Dawson que “qualquer coisa sobre história negra antes de 1978 é irrelevante e uma questão sem importância”. Em uma entrevista em fevereiro passado, seu bispo pediu que Dawson nunca mais ensinasse sobre a história dos negros no mormonismo, ao que Dawson respondeu não.

Dawson e sua esposa requisitaram uma reunião com o bispo e o presidente de estaca. Os líderes acabaram reconhecendo a legitimidade das informações usadas pelo professor, mas insistiram que não fossem mais usadas nas aulas da Igreja. Posteriormente, Dawson foi dispensado de suas obrigações na Escola Dominical.

34 comentários sobre “Professor é desobrigado da Escola Dominical por usar textos oficiais sobre negros

  1. Ih, mas que gente chata, cruz credo! Decidam-se uai! O rapaz ensina pelo manual é desobrigado, se ensina por pesquisa própria é excomungado… daqui um tempo ninguém vai querer fazer nada… ô gente fuinha!

  2. Se o discorrer dos fatos são verídicos, então a conclusão é insana e descabível. Ao que entendemos o Senhor não faz acepção de pessoas, os homens o fazem. A menção “qualquer coisa sobre história negra antes de 1978 é irrelevante e uma questão sem importância”. É o mesmo que dizer que a história da escravidão é insignificante e sem importância, ou melhor, é o mesmo que dizer, não pensem, vocês não estão aqui para pensar. Será que ninguém precisa de antepassado ou vivemos só de hoje por diante? Isto é o mesmo que acobertar, privilegiar os favoráveis. Se formos punir todos os que conseguem pensar, então não há nada de verdadeiro.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.