Por Que As Pessoas Se Afastam Da Igreja?

Por Que Se Afastam?

Por que as pessoas se afastam da Igreja SUD?

Essa é uma pergunta importante. Tão importante, que um post explorando o assunto de quase um ano atrás continua gerando comentários, discussão, e debate até hoje. Ontem, o site Why Mormons Questionpublicou os resultados de uma pesquisa realizada com mais de 3 mil pessoas sobre a questão “por que as pessoas perdem a fé”.

Surpreendentemente, a pesquisa demonstrou claramente que “perder a fé” não é a mesma coisa que “se afastar”!
A pesquisa, intitulada ‘Compreendendo Descrença Mórmon: Por que alguns Mórmons perdem seus testemunhos, e o que lhes ocorre quando isso acontece’ tabula questões postas a mais de 3.000 voluntários que, de uma maneira ou de outra, deixaram de acreditar no que normalmente criam antes.

Alguns dos resultados são bastante interessantes.

1) O que mais me chamou a atenção foi o fato de 20% dos participantes, apesar de não manter nenhuma fé na Igreja ou na Fé Mórmon, ainda frequentavam a Igreja normalmente, isto é, seguiam como SUD ativos! Isto significa que nem todas as pessoas que deixam de acreditar se afastam! Aliás, um quinto dos descrentes seguem ativos como qualquer crente. Outro dado interessante sobre esse grupo é o fato deles não manifestarem sua descrença ou suas dúvidas a seus pares. 92% deles escondem suas dúvidas dos outros membros de suas alas, 72% escondem de seus Bispos, 85% escondem de seus familiares (com 73% escondendo de seus filhos, 66% de seus pais, e 58% de seus irmão), e até 14% escondendo dúvidas e descrenças de seus próprios cônjuges.

2) Entre os fatores mais importantes para deixarem de crer ou duvidar da Igreja e da Fé Mórmon estão doutrina ou teologia (74%), história (70%), Joseph Smith (70%) e o Livro de Mórmon (70%). Entre os fatores menos importantes estão falta de amizades (6%), ser abusado por alguém na Igreja (7%), vontade de participar em atividades vistas com pecaminosas (4%), e ser ofendido por alguém na Igreja (4%).

3) Entre os fatores para deixarem de crer ou duvidar da Igreja e da Fé Mórmon, apenas 12% dos participantes disseram que 4 ou menos fatores determinaram essa mudança religiosa. Comparado com 41% que laudaram 5-15 fatores fundamentais, e 46% que nomearam mais de 15 fatores.

4) Entre os fatores históricos mais relevantes, os participantes mencionaram: poligamia/poliandria (59%), o Livro de Abraão (59%), a Proibição ao Sacerdócio (55%), DNA e o Livro de Mórmon (45%), e Maçonaria (43%).

5) Entre os fatores mais significativos para as mulheres, os participantes mencionaram: Posição da Igreja sobre mulheres; Mulheres e o Sacerdócio; Posição da Igreja sobre Homosexuais; Poligamia; Abuso dentro da Igreja.

6) Entre os fatores mais significativos para os homens, os participantes mencionaram: Fé em Deus/Cristo; Ciência; Anacronismos no Livro de Mórmon; Livro de Abraão.

7) Entre os fatores mais significativos para os jovens, os participantes mencionaram: Fé em Deus/Cristo; Posição da Igreja sobre Homosexuais; Falta de Experiência Espiritual; Problemas com a Cultura Mórmon; Vontade de “pecar”.

8) Entre os fatores mais significativos para os “mais velhos”, os participantes mencionaram: Restauração do Sacerdócio; Escândalo do Mark Hofmann; Massacre de Mountain Meadows; Livro de Abraão; Placas de Kinderhook.

9) Entre os fatores mais significativos para os descrentes continuarem a frequentar as reuniões, os autores calcularam: tempo de Igreja — quanto mais tempo de Igreja, mais ativo (61%); juventude — quanto mais jovem, mais ativo (40%); educação formal — quanto maior escolaridade, mais ativo (40%); chamados — quanto mais chamados, mais ativo (20%).

10) Entre os fatores que não tiveram impactos em graus de atividade: serem ofendidos; falta de fé em Joseph Smith ou no Livro de Mórmon ou no Livro de Abraão; falta de confiança em líderes ou nas Autoridades Gerais; questões de história ou doutrina.

Esse é basicamente um resumo do estudo. Eu recomendo a qualquer pessoa interessada no assunto a le-lo na íntegra. Há muitos dados interessantes e que levam à muitas outras ponderações relevantes.

Certamente, o estudo apresenta falhas e pontos fracos, que os autores prontamente admitem e prometem corrigir na próxima expansão do estudo. Não obstante, este já é um excelente ponto de começo para se discutir realmente quais os fatores importantes nesse processo de desconversão, e se há passos que se podem tomar para evita-lo.

Os autores perguntaram aos participantes o que, se mudado, poderia lhes trazer de volta à atividade na Igreja. 24% dos participantes estipularam que voltariam sob determinadas circunstâncias, enquanto os demais não voltariam. Dentre as sugestões/condições mencionadas pelos 24% estão:

1) Maior abertura e aceitação para pessoas com dúvidas ou com crenças não-literais.

2) Maior transparência e honestidade com relação a questões históricas e controversas.

3) Maior aceitação e tratamento igual para homosexuais.

4) Maior respeito, sensibilidade, e igualdade para mulheres.

Existe muita especulação sobre por que as pessoas se afastam da Igreja. Nos comentários do outro post vemos uma tendência a culpa-las por serem pecadoras, fracas, preguiçosas, descompromissadas, ou mesmo más. Esse estudo sugere que nenhuma dessas caracterizações é válida, e bom-senso rege que nenhuma é construtiva.

Num país onde 70-75% de todos os Mórmons sequer se consideram Mórmons, independente dos registros e estatísticas oficiais, talvez seja hora para se ponderar a questão com mais racionalismo, com mais caridade, e um pouco de introspecção.

Vamos olhar ao redor para os nossos amigos pessoais, ex-colegas de alas ou missão, e parentes, e pensar justamente o que lhes levou a sair. O que acham que diriam? Você já perguntou-lhes diretamente alguma vez? O que disseram? Como você acha que a Igreja pode mudar para melhor acomodar os que têm dúvidas ou incertezas, ou os que sequer acreditam? Ou você acha que é melhor que saiam, mesmo?

Leia também: Quem são os nossos samaritanos?

23 comentários sobre “Por Que As Pessoas Se Afastam Da Igreja?

  1. Pingback: O que faz as pessoas se afastarem da Igreja? | Vozes Mórmons

  2. Marcello,

    existe um lado muito positivo em iniciativas como essa pesquisa, uma vez que se busca desfazer certos mitos sobre a inatividade na Igreja. Mas, como explicado acima, a pesquisa é sobre a perda de fé e não afastamento das reuniões da Igreja. Mais especificamente, sobre não acreditar mais que a Igreja sud é “a igreja verdadeira”. O problema é que as coisas já são vagas desde o princípio. Para uma pessoa que acredita que a Igreja sud é “a igreja verdadeira”, tal afirmação pode significar muitas coisas; o mesmo vale para alguém que diz não acreditar mais nisso.

    Os autores da pesquisa fazem diversas pressuposições e dão ao participante opções que não são claramente explicadas, mas são inclusive inclusivas umas das outras. Por ex., (1) “eu perdi fé em Joseph Smith”, (2) “eu estudei história da igreja e perdi minha crença” e (3) “eu parei de acreditar na doutrina/teologia da igreja”. Alguém consegue estabelecer diferenças claras entre as três opções?

    A pesquisa gera no participante uma fácil identificação com os elementos listados e não abre espaço para uma expressão espontânea, como se os autores já soubessem de antemão todos os motivos possíveis para tal perda de fé.

    • Antônio,

      Como vc quantificaria os resultados da pesquisa com perguntas abertas?

      Na minha opinião, a única maneira de um testemunho ser sólido depende de duas coisas: 1) Fé em Jesus Cristo é fortemente relacionado a eventos relacionados a eventos que internamente vc sabe que são sobrenaturais, ou seja, que vc tinha quase certeza que não seria possível, mas continuou a orar fervorosamente, e o resultado foi positivo — a probabilidade de multiplas coincidencias é pequena.

      2) Sua fé em Jesus Cristo tem que ir além de sua fé no profeta ou outro líder da Igreja, e te causa a ser uma pessoa melhor (na realidade é 3, mas como eu disse 2, vou juntar as últimas duas 🙂

      Doutrina, história e medidas de “retidão” são ad-hocs pra dar estrutura a crença. Se vc tem mais fé nos ad-hocs do que nos primeiros dois, é questão de tempo pra vc sair fora.

      Essa é minha opinião.

    • ” O problema é que as coisas já são vagas desde o princípio”.
      -Esta sua frase foi perfeita, eu me batizei pelo “fogo do momento”,depois é que a gente pensa,que agiu por impulso,que aquela emoção foi de momento,amizade,pareceu algo algo diferente para mim,mas hoje vejo que foi só desejo de sentir!

  3. Penso que, neste caso, uma alternativa seria a “pesquisa qualitativa” – que se propõe a ser uma abordagem fenomenológica, principalmente quando se tratam de fenômenos dotados de um certo grau de ambiguidade.

  4. penso que a maioria das pessoas que afastamse da igreja e por motivo proprio nao por falta de fe quem realmente recebeu o testemunho do cristo que ele vive e nos ama nunca perde o sentimento bom que ele nos da mas sim as intemperies do nosso fracasso…………….

  5. eu sou inativa,e amo a igreja,saí da igreja pq tenho uma filha com autismo e na minha ala ele não é bem aceita,não tenho com quem deixa-la para ir na igreja.
    um dos motivos de afastamento também é a falta de piedade e caridade dos membros.

    • Dayse, muito interessante o seu comentário. Realmente inclusão social é um problema na Igreja, ainda mais em questões de Saúde Mental, quanto muitos membros acreditam que podem “orar” ou “pedir benção” e fazer tais desafios desaparecerem.

      Você se importaria de repetir esse seu comentário muito pertinente em outro post onde estou tentando juntar opiniões justamente sobre tais dificuldades na Igreja?

      Obrigado.

    • Presada Dayse
      Você falou tudo. È justamente um dos motivos de afastamento de muitas pessoas da igreja SUD: a falta de piedade e caridade dos membros. E no seu caso específico, houve total discriminação.
      Eu fui frequentador a mais de sete anos seguidos. Hoje sou inativo. Lá dentro, eu me sentia como uma persona non grata para diversos membros da igreja. A pregação é muito bonita, mas na realidade a prática é bem diferente. É cada um por si…
      Existe na igreja, a sociedade Socorro. Durante o tempo que estive lá, nunca vi essa entidade fazer alguma coisa em benefício de alguém, ou de alguma comunidade. É lamentável.
      Um grande abraço
      Araújo

  6. Ao contrário do que muitos membros pensam, um testemunho forte também se perde. Foi membro da igreja por 23 anos, porém os últimos 5 foram anos de luta comigo mesma na tentativa desesperada por ficar, por negar o que via e sabia a medida que comecei a estudar e pesquisar muito além dos manuais básicos da igreja. Tive diversos cargos, normalmente mais que um ao mesmo tempo. Trabalhei muito com os jovens, organização das moças e aulas na escola dominical. Foi no preparo das aulas que tudo começou. Por já estar dando aulas há alguns anos, queria tornar as aulas mais ricas, diferentes, mais interessantes pra alunos na faixa dos 14 a 17 anos. Comecei a buscar histórias interessantes pra ilustrar a aulas em livros mais antigos da igreja, histórias essas que eu acreditava que aqueles jovens, mesmo tendo nascido na igreja ainda não conheciam. Também comecei a ler com muita atenção os capítulos, sessões ou versículos pulados. Fiquei muito surpresa com tudo que comecei a encontrar. Comecei a ver que as críticas não eram tão sem fundamento como eu pensava. Algumas escrituras combinavam mais com o que os “inimigos” falavam do que com o que os líderes falavam. Foi um período muito difícil. Era duro saber mas impossível parar de pesquisar. Quando já não acreditava mais em nada ainda tentei ficar, pensando que seria o melhor para meus filhos. Não teve como. O domingo era o pior dia da semana. Ficava o tempo todo balançando as pernas enquanto ouvia. Voltava pra casa muito irritada. Hoje já faz 3 anos que não frequento e tudo na minha vida ficou melhor do que já era, inclusive harmonia familiar. Também tivemos um bom progresso material. Não relaciono diretamente a saida. Poderia ter dado tudo errado e mesmo assim eu tenho certeza que não tinha como ficar na igreja. Não é possível negar o que se sabe.

    • Nilde achei interessante o seu comentário que ” um testemunho forte também se perde”.
      E aí eu precisava saber exatamente o que é um testemunho, digo isto pelo seguinte, se voce considerar que um testemunho é uma resposta de Deus através do Espírito Santo , então, neste caso, a princípio, um testemunho nunca se perderia, pois foi uma resposta de Deus. Se voce considerar que Deus é um ser perfeito, que tudo sabe e que nunca mente, então se voce recebe uma resposta de Deus sobre qualquer coisa, voce nunca mais deveria duvidar sobre a resposta que recebeu. No seu caso parece que voce perdeu seu testemunho porque ao estudar voce descobriu determinadas coisas sobre a doutrina e história da Igreja que voce não sabia antes, e que julgou incorretas. Ou seja, antes você acreditava que a Igreja era verdadeira apenas porque ignorava estes determinados aspectos históricos e doutrinários.
      Assim muitos santos dos últimos dias prestam seu testemunho, mas eu indago, se estes sentimentos , que seriam a manifestação do Espírito Santo, são realmente uma resposta de Deus, posto que muitos afirmam saber que a Igreja é verdadeira, mas tempos depois se afastam e alegam o contrário.

    • Parabéns Nilde,foi difícil para mim tbm ficar,mas só prosperei depois que saí de lá,estes chamados são só para fazer a gente perder tempo e não estudar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  7. Jerald e Sandra Tanner são ex-membros famosos, que se tornaram protestantes e escreveram contra a Igreja. O que os teriam levado a perder a fé na Igreja ou se afastado? Será que eles se enquadrariam na pesquisa?

  8. Eu conheci os missionários em 1984, batizei-me em 1986. Servi missão de tempo integral; casei-me no templo; servi muitos chamados na igreja, como Presidente dos Rapazes, Presidente do Quórum de Élderes, Líder de Grupo dos Sumo Sacerdotes; Membro do Sumo Conselho, Presidente da Escola Dominical; Professor de Genealogia e História da Família; Bispo, Professor do Seminário. Também fui Oficiante Regular no Templo de São Paulo e também no Templo de Curitiba.

    Em minha missão fui Secretário Historiador e por mais de vinte anos dediquei-me ao estudo da minha história familiar, investindo bastante tempo e recursos, alcançando assim aproximadamente dez mil nomes, chegando até o ano de 1620.

    Por meio da história familiar acreditamos que além de saber o nome de nossos antepassados e suas datas de nascimento e falecimento, é bastante importante saber quem eles foram, o que fizeram, suas histórias de vida, etc, e foi com exatamente este sentimento que eu e minha família passamos a estudar a gênese do mormonismo, buscando uma contextualização bilateral dos fatos, ou seja, não apenas a história tal como ela nos é apresentada, previamente formatada pela igreja.

    Assim nos deparamos com fatos novos, os quais nos foram omitidos, tais como a poliandria; as placas de Kinderhook; o comando de Joseph Smith para destruição do Jornal Nauvoo Expositor; o uso de um chapéu por Joseph Smith para traduzir o Livro de Mórmon; Livros que foram publicados antes de 1830 que já teorizavam que o índio americano descendia da “casa de Israel” tais como View of Hebrews de Ethan Smith e os Manuscritos de Solomon Spaulding; as muitas versões da Primeira Visão, versões contraditórias narradas pelo próprio Joseph Smith; o Massacre de Mountain Meadows; as inúmeras alterações do Livro de Mórmon desde sua publicação até o presente momento; mudanças doutrinárias; relação entre os rituais do templo com a maçonaria; a Milícia Mormon (Danitas); etc etc etc.

    Eu e toda minha família fizemos uma renúncia formal; deixamos de frequentar a igreja e temos um relacionamento familiar muito melhor e mais feliz; Estamos plenamente satisfeitos com nossa decisão em deixar esta bolha chamada mormonismo cuja doutrina é uma falácia.

  9. Claramente podemos ver que a história nos mostra certos erros que levaram a mais erros e que, hoje em dia, chegamos a criar uma “bola de neve” de erros que afastam muitos da igreja, ou mesmo fazem perder a fé.
    Por muitas vezes me pus a pensar sobre como pode algo errado ser certo, porém acredito que, sempre que a dúvida entra na minha mente, orar e perguntar a Deus, por mais primitivo e obsoleto que pareça, sempre foi o meio de permanecer na fé que muitas vezes desacreditei.
    Nunca gostei de ser enganado, por isso me tornei mórmon, porque foi a primeira igreja que me disse, pergunte a Deus e saiba se é verdade, ou seja, busque a verdade.
    Eu sei que a igreja não é perfeita, em sua organização e em sua história, porém algo sempre me faz sentir, quando oro a Deus, que esse é o caminho, por mais erros que cada um teve, todos somos humanos, as vezes fazemos algo errado e queremos cobrir, no caso de líderes religiosos, isso aparece e ficamos limitados a acreditar que toda uma história linda é tirada por algo de erros que todos cometemos.
    Quando penso nisso, relembro que o próprio Cristo disse que o único bom é Deus, ou seja, que por mais romântico e lindo possa parecer ter um líder que nos guie, ele não é perfeito e comete erros. Sei disso, não sou guiado por líderes, chegando ao ponto em não ser guiado por nenhum deles, aprendi que cada um ensina princípios corretos e eu me guio por o que aprendo e pelo que sei que é verdadeiro.
    Em suma, sou mórmon pela capacidade de revelação continua que recebo a cada vez que comparo o que sei com o que Deus sabe que é verdade. Argumentos podem fazer qualquer verdade ser mentira e qualquer mentira ser verdade, porém a questão é, se creio em Deus, Ele tem que ser o meio de toda a resposta, o conhecimento nos liberta da ignorância, porém Cristo nos ensina toda a verdade. Nisso creio e nisso focalizo minha fé, não no homem falho e débil que sou e todos somos, porém no ser perfeito que sabe onde cada um deve estar.

  10. Pingback: Por que você é firme na Igreja? | Vozes Mórmons

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s