Mesmo Pondo de Lado a Evolução, Geologia Básica Refuta o Criacionismo

No conflito em curso entre ciência e criacionismo, a evolução geralmente é um ponto principal de contenção. A ideia de que toda a vida na Terra evoluiu de um antepassado comum é um grande problema para os criacionistas. Como geólogo, porém, penso que as rochas sob nossos pés oferecem argumentos ainda melhores contra o criacionismo. Pois o modelo criacionista não se ajusta com o que você pode ver por si mesmo. E isso já era conhecido antes de Darwin escrever uma palavra sobre evolução.

Arca Noé Geologia Criacionismo Bíblia

Gravura usada em diversas publicações da Igreja SUD. Construindo a Arca, de Harry Anderson. © 2015 Intellectual Reserve, Inc.

O que dizem as rochas

Não preciso viajar muito longe para argumentar este caso. Há uma laje de rocha polida na parede do meu gabinete que refuta a chamada Geologia Diluviana: a visão de que uma inundação global e destruidora explica a história geológica após a criação inicial da Terra por Deus. Essa laje de quase dois metros e meio de comprimento é um conglomerado, uma rocha feita de fragmentos de rochas mais antigas trabalhadas com água.

Isso é o que você obteria se enterrasse um leito de rio composto de muitos tipos diferentes de rocha profundamente o suficiente abaixo do solo para temperatura e pressão forjarem-no em uma nova rocha. Preservadas nela, estarão as partículas originais de areia, cascalho e pedregulhos feitos de vários tipos de rocha. E se você olhar de perto, poderá ver que alguns dos pavimentos são eles próprios conglomerados — rochas dentro das rochas.

rochas conglomeradas criacionismo ciência religião

Conglomerados não são feitos do dia para noite. Imagem: James St John.

Por que isso refuta a visão criacionista da geologia? Porque um conglomerado feito de fragmentos de um conglomerado mais antigo não requer apenas uma primeira rodada de erosão, deposição e enterro profundo o suficiente para transformar os sedimentos originais em rocha. Requer outra passagem em todo o ciclo para transformar a segunda pilha de fragmentos de rocha sedimentar em outro conglomerado.

Em outras palavras, essa única pedra mostra que há mais no registro geológico do que os criacionistas descrevem em sua versão interpretada escrituralmente da história da terra. Uma única grande inundação não pode explicar tudo. Abraçar o criacionismo da Terra jovem significa abandonar a fé na história contada pelas próprias rochas. Isso, é claro, não é nenhuma surpresa para os geólogos que estabeleceram que o mundo tem bilhões de anos, muito além dos milhares de anos que os criacionistas inferem somando as gerações enumeradas na Bíblia.

natureza pitagóricos religião ciência

Os primeiros cristãos viam a Bíblia e a natureza como obras de Deus. Imagem: Fyodor Bronnikov – Pitagóricos celebram o nascer do sol (1869)

Primeiros cristãos liam a natureza, e a Bíblia

Durante a pesquisa para meu livro The Rocks Don’t Lie: A Geologist Investigates Noah’s Flood (“As Rochas Não Mentem: Um Geólogo Investiga o Dilúvio de Noé”, em tradução livre), examinei a história do pensamento sobre o dilúvio bíblico. O que encontrei me surpreendeu em dois níveis. Primeiro, a maioria dos primeiros pioneiros no que chamamos de geologia foram clérigos dedicados a ler o outro livro de Deus— a natureza. Em segundo lugar, ao colocar a ciência contra o cristianismo, criacionistas da Terra jovem hoje ignoram essencialmente séculos de teologia cristã.

Durante os primeiros mil anos de cristianismo, a igreja considerou interpretações literais das estórias em Gênesis como interpretações demasiadamente simplistas que ignoravam um significado mais profundo. Pensadores influentes como São Agostinho e São Tomás de Aquino sustentaram que o que poderíamos aprender do estudo do livro da natureza não poderia entrar em conflito com a Bíblia, pois ambos compartilhavam o mesmo autor. Sim, parece que uma das tradições mais antigas do pensamento cristão sustenta que quando a razão contradiz as interpretações favoritas das escrituras sobre o mundo natural, essas interpretações devem ser reconsideradas.

De acordo com essa visão, as correntes dominantes do cristianismo reinterpretaram as estórias bíblicas da criação e dilúvio após descobertas geológicas que revelaram que a Terra tinha uma história mais longa e complicada do que inferida a partir de uma leitura literal de Gênesis. Talvez, concluíram, os dias na semana de criação correspondessem a idades geológicas. Talvez o dilúvio de Noé não fosse global, mas uma inundação devastadora na Mesopotâmia.

Criacionistas da Terra jovem rompem com a história

Durante mais de um século, tais visões dominaram a teologia cristã principal até o surgimento do criacionismo da Terra jovem no século XX. Esta é a versão do criacionismo a que Ken Ham subscreve (talvez você se lembre de seu debate com Bill Nye em 2014). Os criacionistas da Terra jovem imaginam que as pessoas conviveram com dinossauros e que o dilúvio de Noé moldou a topografia do mundo. Na verdade, essa variedade de criacionismo, encarnada no Museu da Criação, de Ham, no Kentucky, é um dos ramos mais jovens da árvore genealógica do cristianismo.

noé arca diluvio arte

Sacrifício de Noé, de Daniel Maclise (1847)

Curiosamente, pode-se desafiar a Geologia Diluviana em bases bíblicas. O que Noé fez na estória bíblica? Salvou um par de cada ser vivo. Portanto, considere o caso dos fósseis, que os criacionistas atribuem ao dilúvio. O que você encontra nas rochas é que mais de 99% de todas as espécies sepultadas como fósseis estão extintas. Esse fato simples oferece um contraste absoluto com o que você esperaria encontrar com base em uma leitura literal da estória bíblica.

Depois de examinar a longa história de engajamento e polinização cruzada entre geologia e cristianismo, acho curioso que a conversa gravite constantemente em argumentos a favor e contra a evolução. Negligencia-se como a interpretação literal das estórias bíblicas por criacionistas da Terra jovem entra em conflito com observações geológicas básicas — como essa laje de pedra na parede perto do meu gabinete.

Um ponto chave que se perde nos debates sobre a percepção moderna do conflito entre ciência e religião é o grau em que este é realmente um conflito dentro da religião sobre como ver a ciência.


David R. MontgomeryDavid R. Montgomery é professor de Ciências da terra e Espaciais, na Universidade de Washington.

Artigo original publicado aqui. Reproduzido com permissão.


Leia também

Para Setenta, Terra Tem 6 Mil Anos

Brigham Young: Crença na Ciência

Hugh B. Brown: Ciência e Filosofia

A Terra é Plana

A Arca de Noé

 

 

Um comentário sobre “Mesmo Pondo de Lado a Evolução, Geologia Básica Refuta o Criacionismo

  1. A bíblia pode ser a palavra de Deus,mas está cheia de impressão digital humana,penso que seus livros contam passagens verídicas sobre Deus e a humanidade,quando o assunto é astronomia,geológia, antropologia etc,tem somente opinião dos antigos patriarcas que opinavam observando e não estudando os fatos desse planeta.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s