Leonard Arrington: Política e Raça Entre Mórmons Latino-Americanos

Escrevendo acerca da Conferência Geral SUD de outubro de 1979, Leonard J. Arrington fez algumas observações sobre os santos dos últimos dias na América Latina, baseado em suas conversas com os representantes regionais da Igreja na região. Percepções sobre raça e inclinações políticas, segundo o historiador, marcavam diferenças entre mórmons nos Estados Unidos e seus pares nas Américas Central e do Sul, e mereciam a atenção da hierarquia em Salt Lake City.

Retrato de Leonard Arrignton | Imagem: Acervo da Utah State University, cortesia do Herald Journal

Arrignton fala em tons elogiosos dos Representantes Regionais que conheceu na Conferência, dentre eles o brasileiro Osiris Grobel Cabral. Para o Historiador da Igreja, tratavam-se de “pessoas jovens, enérgicas”, expressando um contraste sutil com as Autoridades Gerais. Um dos Representantes, Jeff[rey] Allred, é lembrado como alguém que “gosta de ler a história ‘verdadeira'”, uma constante preocupação que Arrington expressa em seus diários. Continuar lendo

Joseph Smith: O Sermão de King Follet

Discursos de Conferências Gerais de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias acontecem semestralmente. Um dia muito importante que membros de vários países se juntam em capelas, casas ou em frente ao computador para assistirem e ouvirem o presidente da Igreja, o qual o chamam de profeta.

Em 07 de abril de 1844 o presidente e fundador do mormonismo, Joseph Smith Jr. (1805-1844) deu um discurso que se tornaria um dos mais importantes para os estudiosos da religião mórmon. Esse discurso antecede seus três últimos e conturbados meses de vida até seu assassinato em Carthage, Illinois. Continuar lendo

W. Paul Reeve: Redescobrindo os Primeiros Conversos Negros do Mormonismo

“É impossível policiar as fronteiras raciais”, afirma o historiador W. Paul Reeve. Professor da Universidade de Utah, Reeve coordena desde 2018 o projeto Century of Black Mormons (Século dos Mórmons Negros), uma base de dados digital que busca documentar a história de mórmons negros durante o primeiro século de existência do movimento religioso fundado por Joseph Smith.

W. Paul Reeve, professor da Universidade de Utah | Imagem: Cortesia de Daily Utah Chronicle.

Nesta entrevista exclusiva ao Vozes Mórmons, Reeve fala sobre sua jornada acadêmica para entender o passado racial dos santos dos últimos dias e os principais desenvolvimentos da historiografia sobre o passado racial mórmon nas últimas quatro décadas. Segundo ele, houve “três fases” de politicas raciais na Igreja SUD, fato que, observa, muitos de seus membros infelizmente desconhecem.

Reeve também pondera sobre a influência dos ensinamentos raciais passados sobre o mormonismo atual: “a Igreja”, ele afirma, “passou mais de 130 anos ensinando doutrinas e políticas raciais, mas não investiu a mesma energia para corrigir esses ensinamentos”. O historiador ainda lista as seis justificativas mais comuns entre membros SUD que reforçam a ideia de “inocência branca” durante o período da segregação racial mórmon, entre 1852 e 1978. Continuar lendo

A “Revolta Racial” em Salt Lake City Que Nunca Aconteceu

Na esteira dos protestos em Salt Lake City, boatos circularam sobre a iminente invasão de casas na região norte de Utah. Manifestantes supostamente planejavam bater em portas e “se as pessoas atenderem quando baterem, eles [iriam atirar] para provar que vidas negras importam”. Departamentos de polícia de toda a região emitiram declarações através de mídia social de que parecia não haver uma ameaça credível. De fato, os boatos podem ter sido desencadeados por postagens de mídias sociais, como uma postada por “Blacklivess Matter”, que prometia “estaremos assassinando famílias brancas até que a justiça seja feita!!!” ou outra da “ANTIFA America”, que declarava “Hoje à noite dizemos ‘F…. A Cidade’ e entraremos nas áreas residenciais. . . nos bairros brancos. . . para tomar o que é nosso”. Isso era assustador. Mas, como os rumores em Utah,  faziam parte de uma mentira. A rede NBC News descobriu, por exemplo, que a conta da “ANTIFA America” estava vinculada a um grupo neonazista conhecido como Identity Evropa. O objetivo de tais boatos era semear discórdia, medo e, assim como a violência entre manifestantes, servia para deslegitimar um movimento e desviar a atenção de sua mensagem.

‘Líderes SUD: usem sua influência em prol da justiça moral”, dizia a faixa carregada por estudantes e professores da Universidade de Utah, em 1965. Marchando ao lado de membros da NAACP, em Salt Lake City, eles pediam que a Igreja Mórmon usasse sua influência em favor do movimento de direitos civis. | Imagem: The Daily Utah Chronicle/KUED

Essa tática de desinformação e propaganda política tem uma longa história entre governos e tem sido empregada nos Estados Unidos em inúmeras ocasiões. Infelizmente, os rumores sobre violência inspirada pelo Black Lives Matter (Vida Negras Importam) no norte de Utah fazem lembrar uma campanha de desinformação semelhante, lançada contra a população de Utah em setembro de 1965. Continuar lendo

Revelação a Newel K. Whitney Através de Joseph, o Vidente (1842)

Um ano antes de ditar a revelação sobre “pluralidade de esposas”, a qual viria a ser canonizada décadas após sua morte como a seção 132 de Doutrina & Convênios, Joseph Smith recebeu uma revelação em que o Senhor instruia seu futuro sogro sobre como realizar o casamento de sua filha ao Profeta.

Sarah Ann Whitney, em Utah. Em 1842, Sarah Ann Whitney foi selada a Joseph Smith em cerimônia oficiada por seu pai, e tendo sua mãe como testemunha. O ritual foi prescrito em uma revelação recebida por Joseph Smith | Imagem: Cortesia de Batsheba W. Bigler Smith Photograph Collection, circa 1865-1900, Biblioteca de Historia da Igreja, Salt Lake City.

Em 25 de julho de 1842, Joseph Smith Jr. ditou a Newel K. Whitney uma revelação sobre a cerimônia na qual Whitney lhe daria sua filha, Sarah Ann Whitney, em casamento.

A revelação foi publicada pela primeira vez este ano pelo Projeto Joseph Smith Papers, reconhecido projeto documental do Departamento Histórico d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e faz parte do seu mais recente volume de documentos, cobrindo o tumultuado período entre maio e agosto de 1842.

De acordo com os editores, a revelação, antes inacessível ao público, traz “as únicas instruções existentes do período de vida de [Joseph Smith] para a realização de uma cerimônia de casamento plural”. Continuar lendo

Estátua de Brigham Young Pichada na BYU

Na manhã de segunda-feira (15/06), seguranças da Universidade Brigham Young (BYU) encontraram pichada a estátua do profeta e colonizador mórmon que dá nome à universidade.

Estátua de Brigham Young, no campus que leva seu nome, em Provo, Utah (15/06/2020). | Imagem: cortesia da Polícia da BYU.

Duas pessoas vistas pelas câmeras de seguranca da instituição haviam jogado tinta látex vermelha sobre a estátua e escrito a palavra “Racista” no seu pedestal. Um spray e uma lata de tinta foram deixados no local pelos pichadores.

A placa do prédio administrativo da universidade foi pichada com um X. O prédio leva o nome de Abraham O. Smoot, líder político e eclesiástico mórmon no território de Utah. Smoot era proprietário de pelo menos proprietário de pelo menos um escravo em Utah.

A estátua de bronze e a placa foram limpas no mesmo dia. Em declaração ao jornal The Salt Lake Tribune, um funcionário da universidade estimou os gastos da restauração em torno de mil dólares.

A depredação ocorreu em meio aos protestos contra o racismo e a violência policial nos Estados Unidos, desencadeados pela morte de George Floyd em 25 de maio, na cidade de Minneapolis, e outras mortes de pessoas negras resultantes da brutalidade policial no país.

Protestos do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) também ocorreram na capital de Utah, Salt Lake City. Alguns dos protestos nos EUA e em outros países têm denunciado ou buscado destruir monumentos públicos em homenagem a personagens históricos associados ao comércio de escravos e à supremacia branca.

Segundo presidente d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Brigham Young (1801-1877) introduziu publicamente no mormonismo a ideia de segregação racial. Em 1852, Young discursou sobre a escravidão diante da Assembleia Legislativa do Território de Utah, afirmando que “um homem que tem o sangue africano nele não pode portar nem um jota nem um til do sacerdócio“, ainda que pudesse ser admitido como membro através do batismo. Por serem descendentes do personagem bíblico Caim, pregava Young, negros eram amaldiçoados, e poderiam ser protegidos pelo restante da posteridade de Adão ao ser tomados como escravos.

Um artigo de opinião publicado pelo The Salt Lake Tribune em 12/06 pedia que a universidade mórmon mudasse seu nome, afirmando que Brigham Young havia sido um dos supremacistas brancos mais bem-sucedidos, dada a prolongada vida do banimento de negros do sacerdócio SUD.

Em ensaio publicado em inglês no seu site oficial em 2013 (e traduzido para o português em 2014), a Igreja SUD reconhece que as ideias raciais de Young foram ao longo do tempo sendo expandidas e acrescidas de outras justificações doutrinárias para o racismo na igreja, dentre elas a ideia de os negros serem espiritos que permaneceram neutros na chamada “Guerra nos Céus”:

A maldição de Caim, frequentemente, era apresentada como justificativa para as restrições do sacerdócio e do templo. Na virada do século [20], outra explicação tomou forma: foi dito que os membros [negros] foram menos valorosos na batalha pré-mortal contra Lúcifer e, como consequência, foram impedidos de bênçãos do sacerdócio e do templo.

Durante a vida do profeta mórmon fundador, Joseph Smith Jr. (1805-1844), homens negros como Walker Lewis e Elijah Able foram ordenados a ofícios do sacerdocio mórmon. Segundo o relato da conversa negra Jane Manning James, em Nauvoo, Joseph Smith ainda teria proposto, através de sua esposa Emma, que Jane fosse a eles adotada como filha. Na década de 1830, Smith chegou a defender a escravidão negra em bases bíblicas. Porém, passou a defender o fim da escravidão nos últimos anos da sua vida.

A segregação racial iniciada no mormonismo em 1852 apenas veio a ser revogada em 1978, sob a direção do então presidente da denominação, Spencer W. Kimball (1895–1985). À época, a Igreja Mórmon via suas políticas raciais engenhadas na América do Norte impedindo seu crescimento em países como Brasil, onde predominava uma população grandemente miscigenada. O próprio Kimball aconselhava seus seguidores a casar com pessoas “da mesma raça”, tema ensinado mesmo após 1978.

Apesar de a Igreja implicitamente refutar hoje tais explicações doutrinárias para seu passado de segregação racial, durante o qual baniu homens negros do sacerdócio e impediu o pleno acesso de homens e mulheres negras aos rituais dos seus templos, a discriminação contra mórmons negros persiste no cotidiano.

Na própria BYU, alguns professores ainda buscam justificar o segregação no passado mórmon evocando paralelos bíblicos, como neste relato de uma estudante:

Meu professor de “Fundações da Restauração” justificou a proibição do sacerdócio aos negros, dizendo: “Não vamos fingir que Deus não havia feito restrições raciais para o sacerdócio e o evangelho antes. Ele não queria que o evangelho fosse ensinado aos gentios em um ponto. Não sei por que Deus faz essas restrições, mas Ele deixou as duas continuarem por um longo tempo.”

Em 2012, outro professor da mesma universidade causou desconforto ao declarar ao jornal The Washington Post que a segregacão racial não se havia iniciado com Brigham Young, mas sim com Caim.

No início de junho, o atual profeta e presidente d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Russel M. Nelson, condenou o racismo  e a violência em nota nas mídias sociais. Nelson não abordou as questões raciais no mormonismo.

A BYU anunciou na semana passada a formação de um comitê para examinar as questões relacionadas a raça e desigualdade na universidade da Igreja.

Crianças no Antigo Oriente Médio: Valorizadas e Vulneráveis

Escolhas feitas por sociedades acerca do tratamento de crianças podem gerar os maiores debates e promover ação política significativa. Nossa pesquisa nos mostra que a questão de como uma criança deve ser tratada — que valor sociedades colocam sobre as crianças — não é apenas uma questão moderna, mas também antiga.

Arqueologia Bíblia Família

Uma mulher é mostrada amamentando seu filho, enquanto outra mulher penteia o cabelo, ca 1981-1500 aC. | Imagem: Museu Metropolitano de Arte

Como historiadores cujo trabalho está relacionado à compreensão dos textos da Bíblia Hebraica e do mundo em que foram escritos, traçamos pistas para entender a vida das crianças há mais de 3 mil anos. Por meio de dados da arqueologia, de cartas, contratos, leis, cultura material, histórias antigas e práticas religiosas, estudamos as crianças nas terras antigas do Oriente Médio, na região que hoje abrange o Egito, Israel e a Cisjordânia, Líbano, Síria, Iraque, Irã e Turquia. Continuar lendo

As Festividades Pagãs Antigas em nossos Rituais Natalinos

No filme A Vida de Brian (1979), Reg, interpretado por John Cleese, pergunta a outros membros da Frente Popular da Judéia:

“… além de saneamento básico, medicina, educação, vinho, ordem pública, irrigação, estradas, sistema de água doce, e saúde pública; o que os romanos fizeram por nós?”

“Trouxeram paz” é a resposta que ele recebe.

Em retrospectiva, o Natal pode ser adicionado à lista.

Quando pensamos nos romanos, dar presentes, cantar músicas, e celebrar o nascimento de Cristo não se apresentam imediatamente. Guerras travadas, opressão geral, e um desejo interminável de governar o mundo têm mais chances de serem citadas.

Mas várias tradições de Natal vêm de antigas festas pagãs, inclusive a celebração romana da Saturnália. Continuar lendo

Como Viemos Celebrar o Natal?

O Natal é literalmente “a missa para Cristo”, o dia em que os cristãos celebram o nascimento de Jesus.¹

Por que celebramos o nascimento de Jesus em 25 de dezembro? (Gerard van Honthorst – Adoração dos Pastores, 1622)

A data ocidental para o nascimento de Jesus é bastante arbitrária. Foi escolhido pelo Papa Leão I, bispo de Roma (440-461), para coincidir com o Festival da Saturnália, quando os romanos adoravam Saturno, o deus do sol. Este era o dia do equinócio solar, o dia mais curto do ano no hemisfério norte, que marcava oficialmente o meio do inverno.

A data do Natal no Ocidente foi escolhida pelo Papa Leo I. (El Papa San León I Magno por Francisco Herrera Filho, 1622-1685)

Leo pensou que isso distrairia sua congregação romana da adoração ao sol, celebrando a festa do nascimento de Cristo no mesmo dia. Ele descreveu Jesus como a “nova luz”; uma imagem de salvação, porém oportuna na medida em que os dias começavam a se prolongar a partir de 25 de dezembro.

A data da festa varia dentro das denominações cristãs. Os cristãos ocidentais celebram a Natividade em uma data fixa, 25 de dezembro. Alguns cristãos ortodoxos orientais o celebram no dia 6 de janeiro, juntamente com Epifania, a revelação do menino Jesus a três sábios. Os ortodoxos gregos e russos comemoram o Natal em 7 de janeiro e a Epifania em 19 de janeiro.

De onde se originaram as tradições natalinas? Continuar lendo

Joseph F Smith: A Igreja Não Deve Cobrar Mais Dízimos

O Presidente da Igreja Joseph F Smith profetizou, em discurso durante a Conferência Geral de abril de 1907, que o dia viria em que a Igreja SUD não precisaria mais cobrar mais dízimos de seus membros.

Joseph Fielding Smith, Presidente d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (1901-1918), Apóstolo (1877-1901)

E ainda disse que era o imperativo moral e meta última da Igreja cessar essa cobrança tão logo tivesse a situação financeira para se sustentar sem dízimos. Continuar lendo

Primeira Presidência Finge Responder Acusações Sobre Finanças

De acordo com reportagem do The Washington Post, a “Igreja Mórmon engana membros [da Igreja] sobre fundo de investimentos isento de impostos de USD 100 bilhões”.

Russell M. Nelson (centro) e seus dois conselheiros na Primeira Presidência, Dallin H. Oaks (esquerda) e Henry B. Eyring (à direita), em janeiro de 2018. | Imagem Cortesia de Intellectual Reserve.

O prestigioso jornal recebeu documentos da denuncia de um funcionário d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias registrada com a Receita Federal dos EUA alegando que a Igreja malversa e desvia USD 100 bilhões de um fundo supostamente destinado à caridade e a ajudas humanitárias.

Naturalmente, considerando o prestígio do jornal e a gravidade das acusações, a reportagem repercutiu nacional e internacionalmente nas mídias e nas redes sociais. Como seria de se esperar, a Igreja respondeu emitindo uma nota oficial diretamente das autoridades máximas da Igreja: A Primeira Presidência.

Não surpreendendo ninguém, a Primeira Presidência apenas fingiu responder as acusações.

Eis a nota oficial: Continuar lendo

Igreja Mórmon Engana Membros Sobre Fundo de 100 Bilhões

De acordo com reportagem do The Washington Post, a “Igreja Mórmon engana membros [da Igreja] sobre fundo de investimentos isento de impostos de USD 100 bilhões”.

Templo de Lago Salgado (FOTO: Manish Prabhune)

O prestigioso jornal recebeu documentos da denuncia de um funcionário d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias registrada com a Receita Federal dos EUA alegando que a Igreja malversa e desvia USD 100 bilhões de um fundo supostamente destinado à caridade e a ajudas humanitárias.

Os documentos confidenciais, entregues em 21 de novembro p.p., demonstrariam que a Igreja não apenas viola normas éticas, mas também leis federais norte-americanas, ao desviar fundos de contribuições religiosas e caridosas isentos de impostos para atividades com fins lucrativos. O autor da denúncia, membro da Igreja SUD David Nielsen, trabalhava até setembro último para a Igreja como gerente sênior de investimentos em uma das organizações sem fins lucrativos da Igreja no ramo de investimentos Ensign Peak Advisors, e alega em sua denúncia que a Igreja mente para seus membros sobre o uso de fundos de doações religiosas. Continuar lendo

Mórmons no México: Uma Breve História de Poligamia, Violência, e Fé

Nove membros de uma importante família mórmon no norte do México, todos mulheres e crianças, foram mortos a tiros em 4 de novembro [p.p.] em território cujo controle é disputado pelo Cartel de Sinaloa e pelas milícias La Linea.

O México, que tem sofrido com altas taxas de crimes por mais de uma década, viu a violência aumentar nas últimas semanas. Em 17 de outubro, um tiroteio na cidade de Culiacan envolvendo o Cartel de Sinaloa levou as autoridades a libertarem da prisão Ovidio Guzman, filho do chefão das drogas preso Joaquin “El Chapo” Guzman.

Veículos cheios de balas em que membros da família LeBaron estavam viajando sentados em uma estrada de terra perto de Bavispe, na fronteira de Sonora-Chihuahua, México, em 6 de novembro de 2019. (AP Photo/Christian Chavez)

No contexto de tanto derramamento de sangue, os assassinatos dos LeBaron são altamente incomuns e tragicamente cotidianos.

Ao contrário da maioria das vítimas de assassinato no México, os LeBarons são cidadãos dos EUA e mórmons – parte de uma Continuar lendo

Racismo na BYU

Meu professor de “Fundações da Restauração” justificou a proibição do sacerdócio aos negros, dizendo: “Não vamos fingir que Deus não havia feito restrições raciais para o sacerdócio e o evangelho antes. Ele não queria que o evangelho fosse ensinado aos gentios em um ponto. Não sei por que Deus faz essas restrições, mas Ele deixou as duas continuarem por um longo tempo.” Embora eu possa não conhecer bem o histórico dessas restrições, fiquei ofendida com a sua declaração e com a sua tentativa de ignorar as perguntas sobre o assunto. Eu era a única afro-americana nessa classe de 200 pessoas, mas todos os que fizeram alguma pergunta tinham problemas com a proibição, e o professor respondeu defensivamente a todos eles. Sua abordagem para encerrar as perguntas dos alunos e insistir que não criticassem os profetas do passado impediu nossa capacidade de fazer perguntas e não aceitar tudo com “fé cega”.

O atual Apóstolo e Profeta Dallin Oaks, então Presidente da BYU, vestido como o mascote da universidade mórmon ‘Cosmo o Puma’, em 1979.

Um amigo meu da BYU¹ (que é branco) e eu estávamos conversando sobre a ressurreição e o que aconteceria fisicamente conosco. Ele me perguntou: “Você não acha que após a ressurreição você ficará branca como o Pai Celestial e Jesus Cristo?” Suas suposições incorretas eram que 1) para sermos perfeitos, todos nós Continuar lendo