Wilford Woodruff: Revelação de 1880

woodruffTrechos da revelação recebida por Wilford Woodruff, em 26 de janeiro de 1880, perto das Montanhas Sunset, no Arizona, conforme registrada em seu diário.

Wooduff era à época membro do Quórum do Doze. Sete anos mais tarde, com a morte de John Taylor, ele viria a assumir a liderança da hierarquia mórmon, sendo escolhido como Presidente da Igreja em 1889.

 Assim diz o Senhor a meu servo, Wilford Woodruff, escutei tua oração e responderei à tua petição. Farei conhecida a ti minha vontade sobre as nações que sobrecarregam a terra de promissão e também sobre Sião e seus habitantes.

Eu já revelei minha vontade sobre esta nação pela boca de meu servo Joseph, que selou seu testemunho com seu próprio sangue, testemunho que está em vigor sobre todo o mundo desde a hora da sua morte.

O que eu o Senhor revelei nesse testamento e decretei sobre esta nação e sobre todas as nações da terra será cumprido, diz o Senhor das hostes. Eu o Senhor falei e serei obedecido. Meus propósitos serão cumpridos sobre esta nação e nenhum poder deterá minha mão. A hora está à porta quando minha ira e indignação serão derramadas sobre os iníquos das nações.

Seus assassinatos, blasfêmias, mentiras, prostituições, e abominações, subiram diante de minha face e diante dos céus, e a ira de minha indignação está plena. Decretei pragas para ir e desolar meus inimigos, e daqui não muitos anos não serão deixados para poluir minha herança.

O diabo está governando seu reino e meu espírito não tem lugar nos corações dos governantes desta nação, e o diabo os motiva a desafiar meu poder e fazer guerra aos meus Santos. Portanto que meus Apóstolos e meus élderes que são fiéis obedeçam meus mandamentos que já estão escritos para seu proveito e orientação. (…)

Portanto, como disse em um mandamento anterior, assim eu o Senhor digo novamente aos meus Apóstolos: Vão sozinhos, seja no calor ou no frio, e limpem seus pés com água, água pura, não importa se em córregos, ou em seus aposentos; mas deixem esses testemunhos diante do Senhor e as hostes celestes; e ao terem feito isso, reúnam-se em seus locais sagrados e vistam-se com os robes do Santo Sacerdócio e ofereçam suas orações de acordo com minha santa Lei.

Que aquele que preside fale e ajoelhe-se perante o Santo altar e que lá meus Apóstolos tragam todos esses testemunhos diante da minha face e diante das hostes celestes e diante dos espíritos justificados tornados perfeitos. E assim diz o Senhor a vocês, meus apóstolos, quando trouxerem esses testemunhos diante de mim, que sejam apresentados por nome na medida em que o Espírito apresentá-los a vocês: os Presidentes dos Estados Unidos, a Suprema Corte, o Gabinete, o Senado Casas do Congresso dos Estados Unidos, os Governadores dos Estados e Territórios, os juízes e outros enviados a vocês, e todos os homens e pessoas que tomaram qualquer em prossegui-los ou trazer sofrimento a vocês ou suas famílias, ou que buscaram suas vidas, ou tentaram impedi-los de guardar meus mandamentos ou desfrutar dos direitos que as leis constitucionais do país garantem a vocês.

E o que eu o Senhor digo a vocês, meus Apóstolos, também digo a meus servos – os Setentas, os Sumo-Sacerdotes, os Élderes, os Sacerdotes e todos os meus servos que são puros de coração e que podem prestar testemunho às nações. Que vão e limpem seus pés em água pura e prestem testemunho disso ao seu Pai que está no céu.

E então, diz o Senhor aos meus Apóstolos e meus élderes, quando fizerdes essas coisas com pureza de coração, eu o Senhor escutarei suas orações e estou obrigado por juramento e convênio de defendê-los e lutar suas batalhas.

Como disse em um mandamento anterior, não é minha vontade que meus Élderes devam lutar as batalhas de Sião, por eu lutarei suas batalhas.

Porém, que nenhum homem tenha medo de dar a vida por minha causa, pois aquele que der a vida por minha causa a encontrará novamente e terá vida eterna.

A nação está madura em iniquidade e a taça da ira de minha indignação está cheia e não deterei minha mão em julgamentos sobre esta nação ou as nações da terra.

Decretei guerras e julgamentos sobre os iníquos e minha ira e indignação estão perto de ser derramadas sobre eles e os iníquos e rebeldes saberão que eu sou Deus. (…)

E digo novamente, ai da nação ou casa ou povo que busca impedir meu povo de obedecer a lei Patriarcal de Abraão, a qual leva à Glória Celestial, que foi revelada aos meus Santos pela boca de meu servo Joseph, pois aquele que faz essas coisas será condenado, diz o Senhor das Hostes, e será quebrado e varrido de debaixo do céu pelos julgamentos que eu envio, e que não me retornarão vazios.

E assim, com a espada e pelo derramamento de sangue, e com fome e pragas e terremotos e o trovão do céu e os relâmpagos vívidos farão esta nação e as nações da terra sentir a mão corretora de um Deus Todo-Poderoso até que estejam quebrados e destruídos e varridos de debaixo do céu, e nenhum poder pode deter minha mão. Portanto, que os iníquos tremam; que os que blasfemam meu nome segurem seus lábios, pois destruição rapidamente os derrubará. (…)

Julgamentos começarão pela minha casa, e de lá irão ao mundo e os iníquos não escaparão.

Abençoados são os puros de coração pois minhas bênçãos os aguardam nesta vida e vida eternal no mundo vindouro. (…)

Não temam, pois eis que estou com vocês até que eu venha e venho rapidamente. Assim seja, Amém.”


Diário de Wilford Woodruff 7:546

 

11 comentários sobre “Wilford Woodruff: Revelação de 1880

  1. Depois de a Igreja Mórmon ter seus bens confiscados e seus líderes presos Deus revogou rapidinho o mandamento de obedecer “a lei Patriarcal de Abraão”. Esses profetas mórmons…

    • Quintino,

      há que se tomar cuidado para não imputar a interpretação contemporânea da Igreja sud a Wilford Woodruff e outros. O Manifesto não foi originalmente apresentado como uma revelação e apenas foi incorporado ao cânone de escrituras como uma “Declaração Oficial”, à parte das seções de Doutrina e Convênios. Seria útil nesta discussão entender o contexto político do Manifesto e como o mesmo foi visto à época.

      • Tal como Acima o Antônio instruiu, e também, o grande historiador medievalista Marc Bloch disse “Nunca um fenômeno histórico se explica plenamente fora do estudo do seu momento”. Isto posto, entender o contexto político que influenciou a Declaração Oficial 1, ou comumente conhecida como “O Manifesto”, e o que isso diretamente influenciou na posição doutrinaria da igreja é uma tarefa prazerosa para aqueles que tem o espírito investigativo tão presente no ofício de historiador. No entanto, não é um trabalho fácil, pois ao lidarmos com os documentos históricos e posteriormente questioná-los, devemos tomar o devido cuidado, pois como Bloch diz “O que mais interessa é aquilo que o texto dá a entender sem a intenção de assim fazê-lo”.

        O texto abaixo foi retirado do Curso de Religião 324-325, Doutrina e Convênios Manual do Aluno, p. 361-363, preparado pelo Sistema Educacional da Igreja.

        O contexto político do Manifesto:

        A primeira legislação contra a prática do casamento plural foi aprovada dez anos depois que a doutrina havia sido oficialmente anunciada, em 29 de agosto de 1852, pelo Elder Orson Pratt (ver o Panorama Histórico de D&C 132). Stephen Harding, governador do Território de Utah, conseguiu fazer com que Justin R. Morril, do Estado de Vermont, apresentasse um projeto no Congresso. Ele foi transformado em lei em 8 de julho de 1862, pelo Presidente Abraham Lincoln. O Ato Antipoligamia de 1862 “definiu o casamento plural como sendo bigamia e tomou a contratação de tais enlaces punível com uma multa de quinhentos dólares e cinco anos de prisão” (Smith, Essentials in Church History, p. 432). Este projeto foi o primeiro de uma série de legislações antimórmons apresentadas durante os próximos vinte anos, a maioria das quais jamais foram aprovadas (Roberts, Comprehensive Historyofthe Church, vol. 5, pp. 433-441,610-611).

        Em 1874, a Igreja decidiu apresentar um caso para julgamento, a fim de testar a validade da lei de 1862. George C. Bates, procurador dos Estados Unidos para Utah, e George Q. Cannon foram os maiores responsáveis por esta idéia. Os líderes da Igreja tinham a firme convicção de que a Suprema Corte consideraria a lei inconstitucional, desde que ela infringia a liberdade de religião prevista pela Constituição. A Primeira Presidência pediu a George Reynolds que se propusesse a ser o caso-teste, e ele forneceu as provas necessárias para condenar a si próprio. No dia 5 de maio de 1879, a Corte Suprema dos Estados Unidos julgou a questão de Reynolds. Eles chegaram à conclusão de que, embora a liberdade de religião fosse protegida pela Primeira Emenda, ela não concedia a qualquer pessoa o direito de cometer atos imorais ou criminosos sancionados por doutrinas religiosas.

        Tão logo a constitucionalidade do ato de 1862 foi comprovada pela maior corte jurídica do país, tomaram-se mais severas as perseguições contra os que praticavam o casamento plural. Em março de 1882, o Congresso passou a Lei Edmunds. Ela privava dos direitos de cidadania todos aqueles que adotassem o casamento plural, tomando ilegal possuírem qualquer posição ou cargo público de confiança (Smith, Essentials in Church History, pp. 482-483). Cinco anos depois, em março de 1887, o Congresso aprovou a Lei Edmunds-Tucker. Ela destituía a Igreja de seus direitos de propriedade, dissolvia o Fundo Perpétuo de Imigração, transferia os bens da Igreja ao governo, em benefício das escolas públicas de Utah, e impedia o sufrágio feminino.

        Em 24 de setembro de 1890, o Presidente Wilford Woodruff reuniu-se com o Quorum dos Doze Apóstolos e seus dois conselheiros “para tratar de um importante assunto.” No dia vinte e cinco, o Presidente Woodruff registrou: “Cheguei a um ponto da história de minha vida, como presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em que se toma necessário agir para a salvação temporal da Igreja. O governo dos Estados Unidos tomou uma posição e aprovou leis visando destruir os santos, baseando-se na poligamia, ou ordem patriarcal do casamento; e após orar ao Senhor e sentir-me inspirado, emiti a seguinte proclamação, que é apoiada por meus conselheiros e os doze apóstolos. (Segue-se o Manifesto.)” (Em Clark, Messages of the First Presidency, voI. 3, p. 192.)

        Uma conferência geral reuniu-se no dia 4 de outubro de 1890, e no terceiro dia, 6 de outubro, Lorenzo Snow, Presidente do Quorum dos Doze, apresentou o Manifesto à congregação da Igreja, o qual foi unanimemente aceito.

        Houve alguns, entretanto, que afirmaram que o Presidente Woodruff cedeu às pressões e que o Senhor não tinha realmente revelado que o casamento plural deveria cessar. O fato de esta declaração não mencionar, especificamente, a revelação do Senhor como sendo a razão para pôr fim à prática da poligamia, pareceu levantar maiores críticas. Um ano depois, numa conferência trimestral realizada em Brigham City, Utah, o Presidente Woodruff deixou bem claro o motivo pelo qual decidira terminar o costume do casamento plural:

        “Tive algumas revelações ultimamente muito importantes para mim e lhes direi o que o Senhor me falou. Permitam-me voltar sua mente para o que denominamos Manifesto. O Senhor me disse, por revelação, que há muitos membros da Igreja em Sião que estão profundamente magoados devido ao Manifesto, e também em virtude do testemunho da Presidência da Igreja e dos Apóstolos diante do juiz da Corte Suprema. Desde que recebi aquela revelação, ouvi muitos que se afligem pelo que ela contém, embora não tenha escutado nada de ninguém antes. Bem, o Senhor me mandou fazer uma coisa e eu obedeci ao seu mandamento na conferência em Brigham City, no último domingo, e farei o mesmo aqui hoje. O Senhor me disse que fizesse uma pergunta aos santos dos últimos dias, e também que se eles escutassem o que eu tinha a dizer, e respondessem à pergunta que lhes apresentasse pelo Espírito e poder de Deus, todos responderiam a ela unanimemente e teriam a mesma opinião no tocante ao assunto.

        “A pergunta é: Qual é o caminho mais sábio a ser seguido pelos membros da Igreja -continuar tentando praticar o casamento plural, contra as leis da nação e com a oposição de sessenta milhões de pessoas, e com o custo do confisco e perda de todos os templos e a paralisação da realização de ordenanças tanto para os vivos como pelos mortos; o aprisionamento da Primeira Presidência e dos Doze, bem como os chefes de família da Igreja, e o confisco das propriedades particulares das pessoas (o que por si só poria fim à prática); ou, depois de atravessar todos os sofrimentos que passamos devido à aceitação deste princípio, deixar de lado a prática da poligamia, e nos submetermos às leis, e por fazê-lo, deixar os profetas, apóstolos e pais em casa, para que possam instruir o povo e cuidar dos deveres da Igreja, e deixar os templos nas mãos dos santos, para que possam realizar as ordenanças tanto para os vivos como para os mortos?

        “O Senhor me mostrou em visão e por revelação exatamente o que sucederia, se não parássemos com essa prática. Se não tivéssemos posto fim a ela, não haveria lugar para o” Irmão Merril, o Irmão Edlefsen, o Irmão Roskelley, ou para o Irmão Leishman ou para qualquer dos homens neste Templo de Logan; pois todas as ordenanças cessariam na terra de Sião. Reinaria a confusão em Israel, e muitos homens cairiam prisioneiros. Essas dificuldades sobreviriam a toda a Igreja, e seríamos forçados a abandonar a prática. Agora, a pergunta é, se a prática da poligamia deve cessar desta maneira ou da forma que o Senhor nos manifestou, deixando os nossos profetas, apóstolos e pais livres, e os templos nas mãos do povo, para que os mortos possam ser redimidos?.

        “Vi exatamente o que aconteceria, se uma providência não fosse tomada. Tive essa inspiração comigo por muito tempo, mas quero-lhes dizer isto: eu permitiria que perdêssemos todos os templos, eu teria ido para a prisão e deixaria que qualquer outro homem para lá fosse, se o Deus dos céus não me tivessse mandado fazer o que fiz; e quando chegou a hora de realizar o que ele me ordenou, eu não tinha a menor dúvida a respeito do assunto. Coloquei-me diante do Senhor e escrevi o que ele tinha a transmitir. Depois disso, apresentei sua vontade a meus irmãos – homens fortes como o Irmão George Q. Cannon, o Irmão Joseph F. Smith e os Doze Apóstolos. Seria bem mais fácil desviar um exército armado de sua direção do que desviá-los de fazer o que é certo. Esses homens concordaram comigo. Por que? Porque eles foram movidos pelo Espírito de Deus e pelas revelações de Jesus Cristo a assim proceder.” (Discourses of Wilford Woodruff, pp. 214-216.)

        Observações:

        Na declaração de Wilford Woodruff “Cheguei a um ponto da história de minha vida, como presidente de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, em que se toma necessário agir para a salvação temporal da Igreja.” Fica evidente nos registros e principalmente nessa declaração qual era a preocupação primitiva de Woodruff: salvação temporal da Igreja. O que quer dizer temporal nesse contexto? A resposta é aquilo que é relativo ao mundo ou às coisas materiais (por oposição a espiritual): os bens temporais. E como podemos ver mais a frente no texto acima, se medidas não fossem tomadas, no que diz respeito a extinção da poligamia, as concequências seriam “Ela [Lei Edmunds-Tucker] destituía a Igreja de seus direitos de propriedade, dissolvia o Fundo Perpétuo de Imigração, transferia os bens da Igreja ao governo, em benefício das escolas públicas de Utah, e impedia o sufrágio feminino.” Essa preocupação de Woodruff ainda é mais potencializada na conferência trimestral realizada em Brigham City, Utah em sua extensa explicação das consequências advindas na não obediência da lei Federal.

        Através dessas passagens fica claro no texto que a pressão do governo sobre a Igreja tinha proporções enormes. Uma vez que a Igreja seria destituída de seus bens materiais e seus líderes encarcerados por desacato e descumprimento da lei dos Estados Unidos. Diante disso, nada mais natural do que haver pessoas que questionassem os motivos pelos quais o Manifesto foi apresentado, pois o mesmo não mencionava em suas linhas o caráter divino do advento do mesmo por revelação como pode ser constatado no texto acima exposto. Ao que tudo indica, esses questionamentos incomodaram a liderança da Igreja, que por sua vez precisaram oferecer aos membros uma explicação mais plausível das causas da apresentação do Manifesto.

        Um ano depois, na já referida conferência trimestral realizada em Brigham City, Utah, Woodruff apresenta um novo discurso sobre as origens do Manifesto. Dessa vez a ênfase não está mais direcionada à saúde ou salvação temporal da Igreja (apesar de as mencionar em um sentido de dar um peso maior à necessidade do Manifesto), agora Woodruff se preocupa em fornecer subsídios aos membros da Igreja que corroboram com uma declaração que teve providência divina, e não somente divina inspiração como foi dito no princípio; em outras palavras, agora Woodruff a apresenta por “Visão e revelação”.

        O que fica evidente é a clara mudança na natureza da concepção do manifesto. Em princípio, o Manifesto é envolto por causas seculares e por fim lhes é imputado um caráter muito mais espiritual, onde visões e revelações compõe todo o panorama de seu recebimento, o que o fez ser legitimado como revelação e não apenas como um mero comunicado.

        No que diz respeito a conferência geral do dia 04 de outubro de 1890, na qual é nos dito pelos registros históricos que o Manifesto apresentado foi aceito de forma unânime pela Igreja, tal informação não procede e mais detalhes sobre esse fato é encontrado no artigo escrito pelo Antônio: Feliz aniversário Manifesto.

    • Adriano,

      como você pode ver pelas informações que o Josimar generosamente colocou abaixo, o texto da revelação foi apresentado aos Doze e a John Taylor, presidente da Igreja. Se formos pensar se as autoridades gerais hoje conhecem essa revelação ou o que diriam a respeito dela, entramos no terreno especulativo.

  2. Revelação de Wilford Woodruff em 1880 como copiado do diário de Wilford Woodruff, cerca de 1908, por Joseph W. Musser, a pedido de seu pai, Milton A. Musser, então Historiador Assistente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias . Elder Musser, por sugestão de seu pai, copiou em duplicado a revelação, mantendo uma cópia para si mesmo.

    O panorama histórico dessa revelação foi o seguinte:

    “Durante o mês de janeiro de 1880, eu estava em Sunset, Arizona, com o irmão Lot Smith e os irmãos com os quais estavam tentando estabelecer uma sucursal da Ordem Unida naquele lugar. Neste momento, o Governo, através de seus funcionários estavam usando todos os meios ao seu alcance para cumprir a Edmunds-Tucker e lei anti-poligamia com a intenção evidente por parte dos policiais de quebrar-nos como uma comunidade organizada. Estando longe do Presidente Taylor e do meu Quorum, me senti profundamente angustiado em mente a respeito de nossas condições, como povo. Enquanto assim exercido eu entrei em “o Deserto”, uma região do país chamado por esse nome, situada a cerca de 40 milhas a oeste de Sunset, e enquanto lá parei com dois jovens que estavam pastoreando ovelhas pertencentes ao povo de Sunset. Fiquei com eles dez dias, lendo as revelações de Deus contida em Doutrina e Convênios e orando fervorosamente ao Senhor para revelar-me Sua mente e vontade no que diz respeito a Sião. Ao me retirar para a cama na noite de 25 de janeiro de 1880, eu me vi envolto em visão, e na manhã seguinte a seguinte revelação foi dada para mim do Senhor, que eu escrevi na época.”

    Franklin D. Richards, membro do Quórum dos Doze e historiador da Igreja fez observações nos escritos da Vida de Wilford Woodruff. Segundo o Apóstolo Richards, a revelação em tela foi submetida à Igreja e ao Concelho dos Doze Apóstolos e foi aceita por eles como “proveitosa para ensinar, para o conforto, para a luz como para o futuro e para o incentivo no trabalho do ministério”. Veja também Improvement Era 1:874.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s