Igreja Mórmon Perde Membros

Colunista do site de notícias The Huffington Post delinea em excelente artigo como A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias vêm perdendo membros na última década.

Tempos difíceis para a Igreja Mórmon?

Tempos difíceis para a Igreja Mórmon?

Nós já publicamos vários artigos delineando os problemas de crescimento da Igreja no Brasil e no mundo, inclusive de uma distorção oficial das estatísticas de membros.

Inclusive, publicamos um artigo demonstrando preocupação da liderança SUD com essa deserção de membros por causa da sua cruzada contra homossexuais.

Esse artigo, levanta dados muito relevantes e pertinentes sobre essa questão:

  • A Igreja Mórmon causou enorme fissão entre membros por causa de seu apoio à campanha da Proposição 8 na Califórnia para suspender a legalização do casamento homossexual no estado. (Ver “Mormon Power Grab: It’s Tearing Families Apart”).
  • O consultor de marketing da Igreja Gary Lawrence confessou ao Washington Post que os danos na imagem pública por causa da Proposição 8 foram muito maiores que teriam antecipado.
  • Informantes dentro da Igreja indicam que ela perdeu até 1 milhão de membros ativos e fiéis nos últimos 7 anos por causa da cruzada anti-gay. Esses membros, ativos e voluntários dentro da Igreja (em chamados) optaram sair da Igreja em demonstração de apoio a seus familiares e amigos dentro da comunidade LGBT.

Proclamação da Família

A Igreja Mórmon recentemente “celebrou” o  20° aniversário de seu odioso “A Família: Uma Proclamação Ao Mundo.” A proclamação foi lida pelo então Presidente da Igreja Gordon B. Hinckey na Conferência Geral da Sociedade de Socorro em 23 de setembro de 1995, na Cidade de Lago Salgado, Utah. A ocasião marcou o dia em que a Igreja Mórmon declarou guerra contra o casamento gay. A Igreja ordenou que seus membros enquadrassem suas cópias da Proclamação para pendurá-las em seus lares. A maioria das famílias Mórmons fizeram isso.

Não coincidentemente, também em 1995, a Igreja Mórmon iniciou sua luta [política] contra o casamento gay no Havaí. [Os líderes da Igreja] traçaram planos elaborados para bloqueá-lo no primeiro estado onde estava sendo considerado. Quando a liberdade para [bloquear] casamento [gay pelo estado] finalmente chegou a voto no Havaí após três anos, ela foi aprovada. Após essa vitória em 1998, a Igreja Mórmon deu seguimento à sua campanha furtiva para proibir casamento gay por todos os Estados Unidos.

Campanhas Políticas

  • A Igreja Mórmon contribuiu diretamente com USD 400 mil no Havaí, e ainda angariou muito mais de membros e amigos.
  • A Igreja Mórmon contratou um exército de advogados, consultores políticos, e lobistas em 30 estados.
  • A Igreja Mórmon criou grupos fantoches para esconder seu envolvimento nessas campanhas.
  • A Igreja Mórmon gastou diretamente milhões de dólares e mobilizou milhares de membros pelos próximos 13 anos até a campanha da Proposição 8 em 2008.
  • A Igreja Mórmon foi pega de surpresa ao ter sua participação central em todas aquelas campanhas estaduais por quase duas décadas denunciada em público em 2008.

Proposição 8

  • Em 20 de junho de 2008, apenas três dias após o casamento gay haver sido legalizado pela Suprema Corte da Califórnia, o novo Presidente da Igreja Thomas Monson anunciou através de carta lida em todas as unidades no estado que todos os membros deveriam “doar seu tempo e seus meios” para a campanha para passar a Proposição 8 [que ilegalizaria o casamento gay]. Na carta, o Presidente Monson ameaça os membros que “suas almas estariam em perigo” se não doassem dinheiro [para a campanha]”.
  • A Igreja Mórmon coagiu membros a doarem mais de USD 30 milhões durante os 4 meses de campanha, 77% de todo o dinheiro arrecadado para essa votação.
  • A Igreja Mórmon foi a principal força responsável pela vitória da Proposição 8, que passou com a pequeníssima margem de 52-48.
  • A Igreja Mórmon não apenas financiou, mas também controlou, a administração da campanha política ‘Yes on 8’.
  • A Igreja Mórmon montou uma verdadeira campanha de guerra em Utah e Idaho para telemarketing de eleitores na Califórnia.
  • A Igreja Mórmon transportou milhares de membros da Igreja para fazer campanha política.
  • A Igreja Mórmon enviou material impresso para milhões de eleitores.
  • A Igreja Mórmon organizou 25 000 voluntários membros da Igreja para bater portas durante 9 fins-de-semana por todo estado.
  • A Igreja Mórmon financiou e administrou treinamentos para seus representantes.
  • A Igreja Mórmon distribuiu centenas de milhares da placas de publicidade, além de panfletos.
  • A Igreja Mórmon mobilizou 100 000 membros como voluntários para trabalhar no dia da eleição.
  • A Igreja Mórmon constriuiu e manteve vários sites na internet para o ‘Yes on 8’.
  • A Igreja Mórmon criou 4 eventos televisivos e 9 comerciais.
  • A Igreja Mórmon conduziu 2 transmissões ao vivo para 5 estados em preparação à mobilização de voluntários.

A Igreja Mórmon Mente Sobre A Proposição 8

  • A Igreja Mórmon registrou gastos de apenas USD 2 078 por toda sua operação de guerra como contribuições para o ‘Yes on 8’.
  • A Comissão de Práticas Políticas Honestas da Califórnia (California Fair Political Practices Commission ou FPPC) investigou a Igreja SUD por 18 meses, condenando-a em 13 casos de fraude eleitoral.
  • A Igreja Mórmon confessou-se culpada e pagou uma multa não publicada.

Documentos Mórmons Secretos

  • Em fevereiro de 2009 um informante vazou documentos secretos da Igreja Mórmon, delineando toda campanha política contra casamento gay pelos últimos 13 anos, que o repórter publicou no site Mormongate.com.
  • A Igreja Mórmon recusou-se a confirmar ou a negar a autenticidade desses documentos.
  • Outros documentos adicionais foram publicados no Mother Jones e no Frontiers Magazine.
  • Os documentos provam que a declaração de guerra da Igreja Mórmon contra o casamento gay e a comunidade LGBT em 1995 foi deliberada e planejada por mais de uma década.
  • Os documentos provam que a Igreja Mórmon entrou em coluio com a Igreja Católica para a cruzada anti-gay.
  • Os documentos provam que a Igreja Mórmon foi a extremos para ocultar sua participação nessa cruzada política, inclusive criando o último grupo fantoche Organização Nacional pelo Casamento (National Organization for Marriage ou NOM) em 2007 para conseguir qualificar-se para elaborar e passar a Proposição 8.

Leia mais sobre a Proposição 8.

Leia mais sobre discriminação oficial pela Igreja SUD.

Leia mais sobre associação de Igreja com essas organizações.

Leia mais sobre reações da Igreja com controversias legais.

46 comentários sobre “Igreja Mórmon Perde Membros

  1. É bom deixar claro que o “excelente artigo” publicado no Huffpost Gay Voices foi escrito por um ativista LGBT que se mantém no encalço da Igreja SUD desde que foi vencido no plebiscito da proposição 8, sabendo disso é prudente que se espere um texto que defenda a opinião do autor, diferente de um artigo científico que tem como característica a imparcialidade, o que serve de alerta ao leitor para que tenha um senso crítico bem apurado ao ler tal artigo.
    O artigo merece ser criticado quanto a falta de apego à técnica jornalística pois o título não reflete o assunto central do texto. O título fala que a Igreja Mórmon sofre um sangramento de membros em função do casamento gay. Espera-se logicamente que o artigo se debruce sobre como ocorreu essa perda de membros em razão da igreja não apoiar o casamento gay, porém não é o que acontece. Em suma, o autor dedica apenas o terceiro parágrafo para defender a frase que deu o título ao artigo, e ainda assim utiliza argumentos totalmente precários, vejamos o que foi dito:
    “Informantes dentro da igreja indicaram que nos últimos sete anos, a Igreja Mórmon pode ter perdido até 1 milhão de membros por causa de tudo o que fez para acabar com o casamento gay. Esses membros fiéis da Igreja decidiram ficar do lado de sua família lésbica, gay, (LGBT) em vez de sua Igreja. Devido à forma como a Igreja Mórmon funciona, ou você está com eles 100 por cento em tudo ou você está fora. Se você é LGB ou T e agir sobre ela, então você vai ser excomungado, o seu nome será retirado dos registros da Igreja e você não é mais um membro.”
    O autor afirma que “informantes” de dentro da igreja disseram que nos últimos sete anos a Igreja Mórmon perdeu até 1 milhão de membros. Ora amigos, confesso que esperava algo mais concreto do que “informantes disseram”, podemos confiar nessa informação baseada somente em “informantes disseram”? Principalmente deste blog que preza tanto pelo suporte documental em suas afirmações? Além disso é de se colocar em dúvida a informação dada por tais “informantes” pois os motivos de abandono dos membros da igreja são tão variados e muitas vezes tais motivos nunca chegam ao conhecimento da liderança local, que dirá da direção central da Igreja. Diante disso, merece ser colocada em dúvida tal afirmação como verdadeira, enquadrando-se melhor como mera especulação sem fundamento válido para a quantidade afirmada.
    Em todo o restante do artigo, o autor esquece do título e passa a fazer um levantamento da atuação da Igreja na Proposição 8.
    O artigo neste blog segue o mesmo erro do autor e não entra no mérito do título, mas sim centraliza no assunto da proposição 8.
    Enfim, seria mais justo com o leitor se o autor reformasse seu título para algo do tipo “A atuação da Igreja Mórmon na Proposição 8”, pois esse é o assunto central do texto, ou que realmente fizesse jus ao título e buscasse mostrar factualmente como se deu essa perda.

  2. Parecem carecer de precisão as análises referentes ao progressivo esvaziamento da Igreja e, mais ainda, a atribuição desse esvaziamento à sua suposta cruzada contra o homossexualismo. Todos aqueles que trabalham ou já trabalharam com secretarias de alas ou ramos sabem que a proporção de membros ativos, ou seja, aqueles que estão presentes a pelo menos dois de cada quatro serviços religiosos dominicais (aí se incluindo as reuniões sacramentais), situa-se tipicamente no máximo entre 20% e 25% do total de membros registrados. E aqueles que trabalham ou já trabalharam com a obra missionária também não desconhecem que fica mais ou menos na mesma razão o número de membros que seguem ativos seis meses após o batismo. Isto quer dizer que dos alegados 15 milhões de membros que supostamente possui, a Igreja somente deve contar realmente com até cerca de 3 milhões a 4 milhões de ativos. Não conheço tentativas de explicação desse fenômeno com base em argumentos científicos, e isso às vezes faz com que hipóteses resultantes de avaliações impróprias, fundadas no senso comum, prevaleçam em debates como esses que estamos tendo neste sítio eletrônico. Mas ninguém desconhece o fato de que a Igreja é uma igreja de raízes muito conservadoras e que sua doutrina, embora venha mudando progressivamente, ainda reflete globalmente, e de maneira forte, o pensamento e o estilo de vida da sociedade estadunidense do meio-oeste dos Estados Unidos. Minha percepção é a de que, enquanto os Estados Unidos foram governados mais tipicamente por governos republicanos e exerceram papel de liderança no mundo ocidental capitalista, aproximadamente desde o final da Segunda Guerra Mundial até a Guerra do Vietnã, o crescimento da Igreja foi muito acentuado. Sinto que em países onde esse crescimento foi mais marcante, como no Brasil e no México, a grande sedução exercida pelo mormonismo não foi exatamente derivada de sua doutrina e sim do fato da Igreja identificar-se como uma igreja estadunidense, de um país Anglo-Saxônico e que deu certo, em meio a tanta corrupção, incompetência e confusão reinantes na América Latina. Não é difícil verificar que a prosperidade econômica e a segurança institucional nos Estados Unidos foram motivos principais que ao longo de várias décadas fizeram com que centenas de milhares de pessoas atendessem ao convite de duplas missionárias e mergulhassem em pias batismais, levando moças ao sonho de se casar com um estadunidense e rapazes de arranjarem um bom emprego em uma corporação multinacional com remuneração em dólar. No entanto, isso acabou: na maioria dos aspectos, os Estados Unidos não constituem mais a referência que constituíam no passado para o mundo, e a própria sociedade estadunidense como um todo adotou valores morais muito mais liberais quanto aos do passado. Creio que está aí a falta de apelo para novos batismos, absurdamente flagrante, por exemplo, na Europa Ocidental,onde missionários podem passar todo o tempo de missão sem um único batismo. No que se refere à suposta cruzada contra o homossexualismo, vejo que na verdade a Igreja arrefeceu suas posições, tornando possível ver essa opção de gênero ainda como um pecado, mas um pecado sobre o qual se pode exercer um juízo de certa tolerância. Francamente, creio que essa forma de proceder, isto sim, é que está levando muitos membros, especialmente aqueles mais radicalmente conservadores, a se sentirem pouco à vontade, refazendo seus testemunhos e se afastando. A propósito, nunca é demais lembrar que o mormonismo foi fundado sobre o casamento plural como privilégio para os homens, a negativa de sacerdócio aos descendentes de Caim e o projeto comunista da consagração de bens. Mexer nesses pressupostos, como foi e está sendo feito, é alterar o futuro da Igreja. Aqueles que o fazem, que assumam o risco e a responsabilidade.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.