O Dia do Julgamento Não Deve Ser Todo Domingo

O tema do discurso do domingo domingo na minha ala SUD era sobre comportamento apropriado na reunião sacramental. Pelo menos eu acho que era isso. Eu estava tendo dificuldade para prestar atenção.

sacrament-meeting-297011-gallery1

Eu estava lendo um livro no meu Kindle. Eu também não estava usando uma gravata ou uma camisa branca. Que mais? Mascando chiclete, sonecando … ah, e, periodicamente, distraindo-me com um pensamento impuro ou indelicado vagando pela minha cabeça.

Não é que eu tenha orgulho de ser excêntrico ou um rebelde; sou apenas eu mesmo. Tentei ser o que outras pessoas queriam que eu fosse antes – na escola, na missão, no exército, no departamento de polícia – e foi um #% @ *! desastre.

Levei muito tempo para tornar-me confortável sendo eu mesmo na igreja. Claro, tenho que aceitar as consequências que vêm com isso, mas é surpreendente como muitos delas acabam sendo, por assim dizer, inconsequentes.

Não usar um terno e gravata na igreja me livra de um monte de trabalho. As pessoas que se vestem e agem como eu não recebem chamados para o Sumo Conselho ou algum outro trabalho de burro-de-carga. Eu não tenho idéia por que meus sentimentos não ficam feridos.

É preciso trabalhar duro para cavar um lugar para si mesmo onde as pessoas estão mais do que felizes em dizer-lhe o que pensa o Senhor. A maioria das pessoas que não se encaixam apenas desistem. É triste isso, uma vez que eles não precisariam.

Pra mim, eu trabalho duro para manter as coisas em sua devida perspectiva – para mim. Isto significa encontrar a minha própria forma de adoração e espiritualidade, que torna mais fácil para eu frequentar à igreja. Na verdade, gosto de igreja muito mais do que eu gostava quando era um lugar onde eu me media comparando-me aos outros.

Um bom exemplo disso foi o conselho no último domingo sobre a forma de como um fiel Santo dos Últimos Dias deve se vestir e se comportar na preparação para a Reunião Sacramental.

Para ser justo, o orador deixou claro que ele não estava tentando destacar qualquer um que não estava então vestido apropriadamente (como eu). Nós devemos nos vestir para a igreja da maneira que gostaríamos de estar se estivéssemos de pé ao lado do Senhor.

Analogias como esta deixam de impactar Mórmons como eu. Se eu estivesse subitamente em pé ao lado do Senhor, eu esperaria totalmente estar em chamas. Não consigo ver como um terno barato iria mudar isso.

Houve mais. Na igreja, devemos prestar atenção aos conselhos que estão sendo dados, colocando de lado os nossos livros, revistas e dispositivos eletrônicos. Parece bastante justo, mas esta lógica deveria cortar para ambos os lados.

Se você acha que eu deveria guardar o meu dispositivo eletrônico e ouvir você discursar, então acho que é de sua responsabilidade ser mais intelectualmente estimulante do que um jogo de paciência. Se você não pode fazer isso, então talvez você deva pôr de lado esse dispositivo eletrônico chamado microfone.

Sendo espiritualmente fraco, provavelmente não sou a melhor pessoa para ouvir sobre esse tipo de coisa. Mas tenho que saber quantas pessoas ainda fariam parte de uma congregação se houvesse menos ênfase em conformidade e mais ênfase em auto-aperfeiçoamento.

Isso não é sobre ser desafiador. OK, talvez seja um pouco. Francamente, eu prefiro gostar de ser um estorvo para o tipo de pessoa que já afastou outras pessoas simplesmente porque costume é mais importante do que amor.

Para mim, a igreja é sobre como se tornar uma pessoa melhor do que o seu eu atual. E você não consegue isso comparando-se com as pessoas que já puseram em suas cabeças que elas já são.


robert-kirbyTexto Original por Robert Kirby publicado pelo The Salt Lake Tribune. Reproduzido com permissão. Seu livro mais recente ‘Sopa de Kirby para a Alma (Coleção de Humor Mórmon)’ encontra-se disponível em formato eletrônico.

 

 

 

2 comentários sobre “O Dia do Julgamento Não Deve Ser Todo Domingo

  1. Sinto-me exatamente assim. Depois de mais de três décadas, meu espírito crítico só me permitiu permanecer na Igreja por conta de um incessante exercício de autorreflexão, que me conduziu a uma particular forma de adoração. Se faço algo não ortodoxo, isso está completamente resolvido dentro de mim, a despeito do que acontece fora. E assim eu sigo, incomodando os que estão acostumados a afastar aqueles que não se encaixam. Lá se vão 34 anos….Que venham mais 34.

  2. Sou de acordo também com o texto .Acho que nossa plenitude espiritual vem quando nos conhecemos a nós mesmos e nos relacionamos com o Senhor de modo franco, sem máscaras e fantasias, a vaidade humana atrapalha demais, o inimigo sempre vai nos passar a idéia horrível “Que os outros vão pensar” .A espiritualidade franca e sincera é falar com o Senhor e dizer “Pai Celestial vou fazer/dizer/pensar isso…” Separar dentro de nós o social do espiritual/individual.Isso é um salto na conversão: parar de comparações, medições, réguas espirituais,rótulos /etiquetas.Buscar ser auténtico e franco.Uma pessoa com caridade ilumina o ambiente com sua sinceridade amorosa e educada.E maravilhoso estar com alguém que se relaciona primeiramente bem com Deus, antes de se relacionar com as pessoas.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s