Contendo Evasão de Missionários Retornados

Eis uma inusitada forma para prevenir que missionários recém-retornados se afastem da Igreja: obrigá-los a assinar um contrato formal que não se afastarão da Igreja!

Artigo no jornal da Igreja Deseret News

Membros da Estaca American Fork Utah Hillcrest, recém-retornados de suas missões de tempo integral, todos adultos com pelo menos 19 ou 20 anos de idade, são pressionados a assinar um documento, em duas vias, e co-assinados por seus pais, bispos, e presidente de estaca, obrigando-se com uma série de compromissos especificamente designados para que permaneçam ativos na Igreja.

O documento, vazado anonimamente na internet e circulado pelas mídias sociais, inclui estipulações específicas (e restritivas), entre outras:

  • Manter amizades apenas entre membros ativos;
  • Paquerar e sair em encontros apenas com membros ativos;
  • Frequentar a Igreja semanalmente;
  • Frequentar o Instituto semanalmente;
  • Frequentar um curso para missionários retornados por um mês;
  • Apresentar uma lista de atributos para seu futuro cônjuge;
  • Apresentar metas para pagamentos futuros de dízimos e ofertas;
  • Continuar vestindo-se modestamente como um missionário;
  • Frequentar o templo regularmente e estipular com que frequência o fará.

Veja imagem original escaneada aqui:

No mesmo dia em que esse documento vazou, outro relato anônimo foi publicado pelo pai de um missionário recém-retornado, corroborando o “contrato para missionários retornados” (possivelmente em outra estaca de Utah¹) com o relato adicional das instruções verbais do respectivo presidente de estaca, indicando que são considerados obrigatórias a assinatura adequada do “contrato” e a frequência no Instituto e em serões dominicais, além de entrevistas regulares com o membro do Sumo Conselho responsável por ele. Supostamente, o presidente de estaca teria explicado aos pais e ao missionário retornado que há uma “crise de fé na nossa estaca e na Igreja em geral. As pessoas estão perdendo seus testemunhos… e as Autoridades Gerais estão preocupadas.” Além disso, “missionários retornados estão voltando para casa e caindo em completa inatividade.”

Nessa semana mesmo havíamos publicado alguns dados estatísticos demonstrando as crescentes e altas taxas de inatividade e evasão de membros da Igreja SUD, resultando em uma taxa total de crescimento nulo². A alta liderança da Igreja vem demonstrando, há anos, preocupação com esse fenômeno, mais especificamente com as altas taxas de evasão de jovens.

Certamente, o conteúdo do “contrato” não apresenta nada particularmente inusitado para membros da Igreja acostumados com as exigências culturais e sociais SUD do que se é comumente esperado deles. Contudo, inova-se na imposição de se assinar um documento formal com testemunhas entre figuras de autoridade (pais, líderes eclesiásticos) com a implícita cobrança de adequação e cumprimento subsequente.

Será um contrato formal a melhor maneira de incentivar jovens a não abandonar a Igreja? Se não melhor, será eficaz em reverter essa tendência geracional negativa? Se a taxa de evasão entre missionários retornados, supostamente os agentes mais investidos na religião após haver sacrificado 10% de suas vidas à vida monástica dedicada exclusivamente a ela, é tão alta e preocupante, não deveria servir de indicação para reflexão mais profunda do que investir em “contratos” para retê-los na fé?


NOTAS
[1] “Morridor” é a expressão popularmente utilizada para se referir à região geográfica de maior concentração populacional de mórmons em Utah, mais formalmente denominada de região de Wasatch, por causa das cadeias montanhosas que a delimitam ao leste. “Morridor” é uma conjunção das palavras “mórmon” e “corredor”, aludindo à natureza estreita e alongada dessa região geográfica.
[2] Quando comparado com a taxa de crescimento populacional autóctone. Crescimento nulo significa que a Igreja cresce no mesmo ritmo que a população ao seu redor cresce, não aumentando ou diminuindo sua presença na comunidade local.

16 comentários sobre “Contendo Evasão de Missionários Retornados

  1. O povo dessa igreja deveria ser estudado pela NASA! quando a gente pensa que já viu de tudo vem isso aí, eu nem duvido que seja verdade, se os poucos que ainda estão lá tem bom senso, agora sim saíram mais rápido.

  2. O grande problema da Igreja SUD é que ela não tem propósitos de realmente proporcionar o bem estar dos seus membros de fato. A liderança diz isso, mas na prática não é bem assim. O foco é e sempre será os números pois através dos números que segundo eles demonstra o tal “crescimento”.

    Creio que ao invés de forçar assinar esse documento a qual não sei o que ocorre em caso de não cumprimento dela, a liderança da Igreja SUD deveria encourajar esse missionarios retornados a participar em atividades junto com pessoas deficientes, idosos, crianças nos orfanatos, etc…Assim eles não somente vão sentir mais firme na instituição que eles entraram, como também vão realmente saber o que o próximo sente quando é abandonado ou humilhado.

    Mas lógico, tais atividades não são tão interessante para igreja SUD a menos que a religião em sí seja anunciada pela mídia como é o Mãos que Ajudam.

    Mas voltando ao assunto das razões da diminuição dos membros, creio que a resposta é bem simples: fazer algo ao próximo sem interesses por trás, com seriedade sem falsidade. Muitos caem fora da igreja SUD porque dentro dela não se encontra pessoas que realmente se preocupam com outros membros. Somando a esse fato, muitos se preocupam mais com status ou com sua panelinha. No dia que os membros agirem com amor genuino e realmente se preocupar com outros membros, tal pergunta “Por que a igreja não cresce” não precisará ser feita. Mas isso quem decide são os membros, ser humilde e aceitar isso ou permancer no orgulho achando que quem se afasta é o errado.

  3. A igreja chegou ao desespero, a perda de membros ultrapassou o limite do aceitável.

    Da minha missão ja são 60% inativos dos missionários retornados, muita gente, esse número se reflete nos dízimos e venda de garments e demais itens.

    Quando aperta o bolso, vemos atitudes drásticas para tentar manter o membros. Mesmo sendo totalmente ineficaz.

      • Perdão peço apenas para não divulgarem o local servi entre 2007, 2008, 2009.
        Como ainda tenho parentes e não estou ativa vejo as represálias de antigos membros e por sempre participar do fórum não quero prejudica-los, infelizmente existe um baita preconceito com os afastados e familiares e na minha visão a liberdade religiosa é só balela.

  4. Vozes,
    Acho que não expressei bem dos missionários que conheço 60% estão inativos ou menos ativos.
    Essa não é uma estimativa exata, é uma estimativa referente aos missionários que conheço. que deve
    ser entre 120 missionários , 60% deles estão inativos ou menos ativos, mesmo assim é um numero grande e considerável.
    Vamos aos porquês:
    Em torno de 10 missionários assumiram homossexualidade casando -se com pessoas do mesmo sexo ou namorando, e devido a sua condição se afastaram, não é fácil a esses continuar a seguir a igreja.
    2 ex missionários – se tornaram ateus convictos, ao se depararem com os fatos históricos da igreja que eram desconhecido e até ocultados cairão na incredulidade.
    30 ex missionários – Se afastaram por varias questões, ou discordaram da liderança ou casaram fora da igreja, ou casaram e o casamento não foi o imaginado, ou apenas aos poucos perceberam que a igreja não é o que imaginaram.
    3 Moças hoje trabalham em empregos não condizentes com a igreja e se afastaram.
    E em torno 27 estão menos ativos, até frequentam de vez em quando, porém não acreditam como acreditavam e na minha visão uma questão de tempo para se afastar.
    Mas claro não é uma estimativa com 100% dos missionários que passaram na época que deve ter sido em torno de 300 com as saída e entrada de novos missionários a cada transferência
    Então não posso falar da missão como um todo e sim pelos que conheço.

  5. E um velho método que funcionava bem no século 20, a abordagem eclesiástica de criar um ambiente “linha industrial religiosa” já não é tão eficaz. Tratar os membros como se saíssem de uma “linha de produção” já não funciona nos tempos atuais.

    Hoje, cada um de nós tem conflitos, necessidades e dúvidas individuais. O método do “rápido e eficiente” já não faz efeito para o fortalecimento da fé.

    Temos que entender que para ajudar as pessoas já não bastam alguns minutos. E, sim, acompanhamento personalizado e constante de verdadeiros “amigos” e “irmãos” que apresentem um verdadeiro “refúgio” para os desalentados. Se quisermos manter as pessoas na igreja.

    Então devemos sempre ter uma “proposta melhor”, ou seja um lugar que todos se sintam queridos e amados. Não “peças de um programa” ou “estatísticas de divisão” de ala ou estaca.

  6. Com certeza não é um documento oficial usado pela Igreja, nenhum contrato estipulado pelo homem pode manter alguém firme na fé, e todos os membros sabem disso, o que mantem firme na fé é um Testemunho verdadeiro, embora muitos se afastam da Igreja , não por perderem seu Testemunho, mas por discordarem das lideranças. A critica a uma liderança é o primeiro passo da apostasia individual, precisamos entender que ninguém nesse mundo é perfeito, estamos aqui exatamente para termos a oportunidade de nos aperfeiçoar. Lideres também eram. O apoio as lideranças é também ajudá-los a se corrigirem. O exercício de uma liderança é para o aprendizado, e não porque são perfeitos para exerce-la. Se alguma liderança criou tal documento, deve ser corrigida, porque esta não é uma determinação da Primeira Presidência, se fosse seria em todo o mundo. A preocupação sobre a apostasia individual dos membros pelas Autoridades Gerais da Igreja, pelas lideranças em geral, bem como pelos membros em geral é uma preocupação permanente e deve servir para o melhor aperfeiçoamento dos membros e lideres da Igreja no sentido de amor ao evangelho de Cristo. O crescimento da Igreja, tem que retratar o crescimento de pessoas que amam, seguem e cumprem o evangelho de Cristo, por isso não são apenas números, mas por trás destes números, deve existir esta verdade.

  7. Em março de 2009 saiu uma edição da revista Super Interessante que abordava a temática lavagem cerebral. Bem resumidamente:
    -=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=–=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-
    Lavagem Cerebral em 8 passos

    As principais características do controle da mente

    Controle de pensamento

    Não é permitido ler material ou falar com pessoas que tenham ideias contrárias às do grupo. Em alguns casos, a vítima é geograficamente isolada da família e dos amigos.

    Hierarquia rígida

    São criados modos uniformizados de agir e pensar, desenvolvidos para parecer espontâneos. A vítima é convencida da autoridade absoluta e do caráter especial – às vezes, sobrenatural – do líder.

    Mundo dividido

    O mundo é divido entre “bons” (o grupo) e “maus” (todo o resto). Não existe meio-termo. É preciso se policiar para agir de acordo com o padrão de comportamento “ideal”.

    Delação premiada
    Qualquer atitude errada, ainda que cometida em pensamento, deve ser reportada ao líder. Também se deve delatar os erros alheios. Isso acaba com o senso de privacidade e fortalece o líder.

    Verdade verdadeira

    O grupo explica o mundo com regras próprias, vistas como cientificamente verdadeiras e inquestionáveis. A vítima acredita que sua doutrina é a única que oferece respostas válidas.

    Código secreto

    O grupo cria termos próprios para se referir à realidade, muitas vezes incompreensíveis para as pessoas de fora. Uma linguagem muito específica ajuda a controlar os pensamentos e as ideias.

    Meu mundo e nada mais

    O grupo passa a ser a coisa mais importante – se bobear, a única. Nenhum compromisso, plano ou sonho fora daquele ambiente é justificável.

    Ninguém Sai

    A vítima se sente presa, pois não pode imaginar uma vida completa e feliz fora do grupo. Isso pode ser usado por políticos e militares para justificar execuções.

    fonte

    -=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=–=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-

    Tenho a impressão que a igreja está fechando o cerco em decorrência do grande número de membros que estão abandonando a religião. Obrigando o missionário retornado a assinar um contrato reforça aquela ideia de quê não existe vida fora da igreja.

    A Igreja usa e abusa daquela velha tática de manipulação: Medo & Manipulação.

    Boa parte dos membros que conheço que passam por um questionamento da fé nada o fazem pois sentem aquele medo e angústia causado pela pergunta “E depois?”. Infelizmente, em muitos aspectos a Igreja me faz lembrar o Conto da Caverna de Platão.

    É complicado mas quanto mais coisa você descobre relacionado a igreja, seu passado e conceitos; mais inseguro você tende a ficar. No começo, você sente raiva, angustia, sente que foi manipulado e por um momento pensa em voltar e seguir tudo cegamente como já o fazia PORÉM, as coisas não são mais como antes. Não há mais volta.

    Lembro que quando servi missão em muitas das coisas não concordava com a liderança porém, buscava na justificativa de que o Gospel é verdadeiro, errar é humano e de que líderes poderiam estar errados, mas hora ou outra acertariam. Infelizmente, as coisas estão longe de serem assim…

    Até mesmo aquele ensinamento do profeta Joseph Smith: “Eu lhes ensino princípios corretos e eles governam a si mesmos”, deixa de ter tanto valor ao você considerar tudo de caráter duvidoso que ele fez (e.g. como fazer uso de sua posição para se casar com mulheres já casadas).

    Em todo o caso, gostaria de agradecer o Vozes Mórmons pelo tópico.

    P.S. Outra coisa, não sei se já publicaram algo a respeito mas enquanto vagava pela internet esbarrei num assunto que daria um tópico interessante. Basicamente, durante a década de 80, na BYU gays recebiam tratamentos a base de choque num método experimental para “curar” o homossexualismo.

    • Jesus disse que a verdade nos torna livres, devemos buscar a verdade independente de onde ela se encontre e do que ela nos faz sentir. Nas escrituras vemos exemplos de a verdade nao e agradavel, muitos discipulos abandonaram Jesus quando aprenderam algumas verdades mais profundas. A igreja tenta ocultar parte da verdade, esconder sua historia, ela fez isso por muito tempo, tudo para fazer a instituicao parecer boa sem nenhuma consideracao com a saude espiritual dos membros. Quantos membros que dedicaram a vida a igreja acreditando na narrativa feita pela igreja so para descobrir mais tarde que tal narrativa nao e verdadeira? Agora a igreja passa por uma crise sem precedentes, e o pior ainda esta por vir. As profecias no LM nao sao nada animadoras para os gentios da igreja de Cristo, a menos que a igreja se arrependa e volte a Cristo abandonando a Babilonia por completo o destino da igreja sera um colapso total e o evangelho sera levado aos da casa de Israel. Agora imagine como a igreja ira se desligar da Babilonia quando todos seus interesses financeiros e investimentos estao completamente ligados a Babilonia? As profecias de Isaias vem a mente (2 Nefi:23, Isaias 13).

  8. Sou um líder da Igreja e desconheço esse documento, tanta coisa que vozes anti- mórmon inventa kkkkkk
    E a outra tal de Priscila vez missão nada ela já nem sabe em que época serviu ela mesmo falou 2007,2008,2009 um missionário quando serve ele fala servi de 2009 a 2011kkkkkk e uma piada esse site

    • Você deve ser um “líder da Igreja” muito poderoso mesmo, Luiz Fernando. Para achar que você conhece tudo o que ocorre em todas as estacas do mundo, só sendo um “líder da Igreja” muito poderoso e influente.

      Contudo, é uma pena que você não tenha percebido que a “tal de Priscila” deixou claro que não queria que se soubesse qual missão e quando ela serviu sua missão. Como ela mesmo explicou, ela “ainda [tem] parentes e não [quer] prejudica-los” por causa de “represálias de antigos membros” e pelo “baita preconceito”. Se você tivesse percebido que ela explicou isso, como “líder da Igreja” poderoso que você deve ser, certamente entenderia que ela só deu uma estimativa aproximada de quando ela serviu sua missão, com uma margem de 36 meses ao invés dos seus 18.

    • Fernando,
      Um líder cristão julgando um membro desconhecido. Como alguem que se diz líder pode julgar, ou acusar sem saber ou conhecer?
      Se tivesse se dado ao trabalho teria lido no texto o local que aconteceu, e também deveria ter visto que não é um padrão da igreja e sim de uma localidade em específico.
      E meu caro você nao me conhece para falar se fiz ou não missão.
      E sim fui missionário da igreja por 18meses.

      Vozes, é esse tipo de membro que encontramos, julgam se acham superior, e mal conhecem o que ocorre mundo a fora só olham para seu umbigo.

  9. Os tempos mudaram, e muito !!! Estamos na era da informação !! Ficou difícil demais manter os membros, jovens ou não , dentro da igreja. E não adianta proibi-los de ler material anti mormon. Se forem para a missão , certamente conhecerão pessoas que têm grande conhecimento sobre as escrituras, e sobre o que está errado na igreja.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s