Igreja SUD Remove Hino Racista

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias removeu um hino de seu programa curricular da Organização das Moças para o ano de 2017 devido a queixas sobre conotações racistas.

Autora mórmon Janan Graham-Russell

Autora mórmon Janan Graham-Russell

O hino em questão é intitulado “Brancos”, em clara alusão à passagem da Bíblia que diz:

“Embora os seus pecados sejam vermelhos como escarlate, eles se tornarão brancos como a neve…”

O hino em questão seria destinado às classes e reuniões de moças entre 12 e 17 anos. Contudo, imediatamente à publicação do hino em conjunto com o currículo do ano seguinte, a Igreja foi bombardeada por críticas públicas vindo de seus próprios membros. Entre elas, a autora negra SUD Janan Graham-Russell:

“Devido ao fato de conceitos de ‘branco’ e ‘brancura’ estarem tão enraizados com o conceito e a experiência racial, esse hino é muito inapropriado. Entendo a ideia [doutrinária], porém maior cuidado deveria ser tomado com qualquer coisa que envolva a palavra ‘branco’ e a Igreja SUD, especialmente por causa de sua história e as atuais experiências de membros negros. [… Isso é] sintomático da ausência de diálogos honestos sobre raça e o que já foi dito sobre ser branco e ser negro em nossa história. [Isso também reflete] uma severa ausência de vozes de inclusão em posições de autoridade.”

Dentro da doutrina mórmon, tanto expressa nas escrituras, como nos pronunciamentos de profetas do passado, a associação entre pele clara e o conceito de pureza é evidente, assim como a associação entre pele negra e o pecado e rebeldia. Por isso, o membro da Igreja Rigel Hawthorne comentou:

“Membros que não são músicos geralmente não prestam tanta atenção às letras para compreender seus significados contextuais  — especialmente ao ouvi-las pela primeira vez. Mas o único trecho que salta aos ouvidos é o ‘eles (pessoas) se tornarão brancos.'”

Após a enxurrada de críticas e queixas vindo dos próprios membros, a Igreja anunciou a remoção do hino do currículo, de acordo com o porta-voz oficial da Igreja SUD, Eric Hawkins:

“O hino está sendo removido, pendente maiores análises. É importante para os líderes da igreja que não haja sentimentos de ofensa ou mal-entendidos associados com o hino.”

A autora Graham-Russell expressou alegria ao receber a notícia de que a Igreja teria voltado atrás e removido o hino, porém preocupa-se com o fato dele ter sido aprovado desde o início:

“Isso é um processo cíclico: algo como isso é dito ou publicado, as pessoas reagem, e a obra em questão é removida, apenas para que aconteça novamente, e novamente. O esforço para construir alianças com as comunidades de cor deveria ser algo além de apaziguar aparências. [Até que mórmons consigam discutir aberta e francamente] o impacto da teologia racista e das expressões linguísticas utilizadas para sustentá-la, essa não será a última vez que teremos tais controvérsias.”

Essa não é a primeira vez que o legado cultural e teológico racista expressa-se nas manifestações musicais da Igreja. O hinário SUD em português, antes da edição de 1991, exibia uma estrofe do hino Vem, ó dia prometido, no número #171, com óbvias alusões racistas a ameríndios. O hino brasileiro introduziu, portanto, gerações de membros da Igreja à crença que a pele escura é feia e desagradável, além de um sinal de maldição divina e baixa espiritualidade e moral. Ademais ainda há um hino no hinário em inglês com resquício histórico de supremacia racial.

Também destinado a seus membros adolescentes, o novo manual para professores do Seminário afirma o banimento de negros do sacerdócio mórmon (1852-1978) foi uma lei temporária e divinamente inspirada.

Como habilmente analisou Graham-Russell, enquanto for tabu discutir, avaliar, e criticar “o impacto da teologia racista e das expressões linguísticas utilizadas para sustentá-la”, é provável que não se superará esse obstáculo ideológico e cultural dentro do mormonismo.


Encontre aqui artigos sobre exemplos históricos de racismo na teologia e na cultura mórmon.

9 comentários sobre “Igreja SUD Remove Hino Racista

  1. Joseph Smith pode-se dizer um “libertário”, pois além de ter-se pronunciado a favor da libertação dos escravos, aprovava a poliandria (uma mulher ter mais de um marido ao mesmo tempo).
    Sem olvidar que falava em “sacerdócio feminino”.
    Será que os ultraconservadores mormons da atualidade seguiriam o profeta naquela época? Vale a reflexão.

      • Acho que você mesmo pode encontrar a resposta. Dicas para descobrir qual igreja é verdadeira:

        . Deus não precisa de adoração, rituais e sacrifícios. Deus não precisa de igrejas, templos, altares ou cultos.

        . Deus não precisa de simbologias, segredos ou livros “sagrados” para ser conhecido.

        . Deus não precisa se impor através do medo e de chantagens.

        . Deus não tem povo escolhido.

        . Deus não é antropomórfico.

        . Deus não pede dinheiro.

        “Não creiais em coisa alguma pelo fato de vos mostrarem o testemunho escrito de algum sábio antigo. Não creiais em coisa alguma com base na autoridade de mestres e sacerdotes. Aquilo, porém, que se enquadrar na vossa razão e, depois de minucioso estudo, for confirmado pela vossa experiência, conduzindo ao vosso próprio bem e ao de todas as outras coisas vivas : A isso aceitai como Verdade. Por isso, pautai a vossa conduta” ( Sidarta Gautama)

    • Seguiria sim de todo o coração, pois sua voz é a voz de Deus, pois Ele me mostrou isso! Joseph era a favor da libertação dos escravos, não era a favor da poliandria e sim cuidava das viúvas deixadas pelas perseguições de pessoas ignorantes de conhecimento como você, nunca falou em sacerdocio feminino pois ele sabia dos deveres de cada homem e mulher na igreja do Senhor! Agora a ignorância permanece em pessoas que acham que devem dar conselhos ao Senhor ao dizer qual hino deve ou não ser tocado em sua igreja, pois se vocês entendessem a letra do hino iam ver que é falado sobre limpeza dos pecados citando apenas a escritura como referencia e não falando que você deve ser branco pra ser melhor que alguém! Além disso os cargos na igreja não são comissionados ou por cotas, são chamados divinos vindo de um Deus que sabe muito melhor quem deve estar em qual lugar!
      “4 E quando receberdes estas coisas, eu vos exorto a perguntardes a Deus, o Pai Eterno, em nome de Cristo, se estas coisas não são verdadeiras; e se perguntardes com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele vos manifestará a verdade delas pelo poder do Espírito Santo.
      5 E pelo poder do Espírito Santo podeis saber a verdade de todas as coisas.” – Moroni 10:4-5

      • Sim, JS sugeriu poliandria quando percebeu que estava prestes a se envolver num enorme escândalo com a família de uma das jovens com quem secretamente se casara e sua esposa.

        Sim, JS citou e ensinou sobre o sacerdócio às mulheres enquanto fundava a siciedade de socorro, e resquícios disso e vêem nos templos sud até hoje. E alguma coisa é citada em discursos de décadas passadas, mas de um modo mais sutil e já destemperado.

        JS também falou mal sobre a raça negra, mar misteriosamente voltou atrás várias vezes e os primeiros negros com sacerdócio vieram pelas mãos dele. Se pensarmos na literatura sud saída das mãos de JS ele tinha a crença de cor da pele relacionada à impureza e indignidade, por mais que talvez se solidaridasse com tais (crenças de sua época colaboravam para JS crer nesse tipo de coisa também). Mas a primeira coisa que fez seu sucessor BY foi banir essa idéia de igualdade racial no meio sud.

        Quem demonstra não ter sabedoria ou conhecimento ao falar dessas coisas é você, meu amigo, que não conhece quase nada dia detalhes da história da própria igreja que defende.

  2. Q nada a ver esse post! No mundo inteiro o Branco é e entendido e reconhecido como sinônimo de pureza, todos sabem disso! Ninguém está querendo que negros se tornem brancos! Essa mola q reclamou certamente tem problemas com auto aceitação e é neurótica! Na maioria das vezes o racismo vem dos próprios negros e sua mania de se sentiram diminuídos.
    Quando alguém me chama de branca ou galega não fico ofendida, pq eu sei q essa é uma característica minha e não digo q é racista! Agora chama de preto ou até mesmo negro p ver o escândalo! Se fazem de vítimas! Se tivessem amor próprio e se aceitassem, de tivessem mais orgulho da propri a cor, raça e etnia, seriam mais felizes.
    Meu avô era negro e super racista com a propria cor, sei do q estou falando.
    O hino se refere à brancura da pureza não essa viagem q essa pobre moça racista com ela mesma sugere.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s