Racismo no Mormonismo

Não Ao Racismo“De pequenino é que se torce o pepino”, já dizia o ditado popular.

Racismo, como toda forma de preconceito, é um dos grandes males da humanidade. Ele pode ter suas raízes em simples ignorância e medo, ou pode crescer de pura maldade e imoralidade. Ele pode ser ensinado e passado de pessoa a pessoa, de geração em geração, ou pode ser instintivo e patológico. Porém, independentemente de onde o racismo nasce, ele é facilmente assimilado por crianças apenas começando a formar suas visões do mundo adulto ao seu redor. Crianças têm, por motivos óbvios, dificuldades para enxergar nuances, preferindo estabelecer padrões claros e sem ambiguidades de certo e errado, de bem e mal, e preto e branco. Quando os adultos em suas vidas ainda arrastam as mesmas dificuldades, esta inabilidade rapidamente favorece a formação de preconceitos.

Toda forma de preconceito é danosa e perigosa. Nenhuma forma, contudo, é mais danosa que aquela dirigida a si mesmo.

Eu não sei como eu nunca havia assistido este vídeo antes, mas ele simplesmente partiu o meu coração. A agência Mexicana de “publicidade social” 11.11 Cambio Social filmou uma representação de estudos científicos realizados pelo casal Clark (Mamie e Kenneth) da década de 1940. Os Clarks usavam bonecos de cores diferentes, representando raças e etnias distintas, e observavam as interações de crianças com esses bonecos distintos para estudar a importância de representações raciais e étnicas para elas. Os estudos são clássicos na literatura científica e, mais importantemente, ainda influenciaram históricas decisões judiciais nos EUA durante os anos do movimento de direitos civis e impactaram profundamente as relações raciais, tanto nos EUA, como no mundo — inclusive no mundo Mórmon.

Não obstante, nenhuma leitura científica consegue impactar tanto como uma imagem, ou um vídeo. E este é simplesmente inesquecível. Assita:

Os estudos dos Clark avaliaram a percepção de crianças negras em escolas segregadas versus crianças em escolas dessegregadas. Eles demonstraram claros sinais de “racismo internalizado” e “ódio próprio” como se vê no vídeo mexicano acima, porém mais importantemente, demonstraram que as crianças em escolas segregadas demonstraram sinais mais intensos e mais óbvios de “racismo internalizado” e “ódio próprio”.

As crianças nos estudos do casal Clark, e em vários estudos confirmatórios subsequentes (e mesmo na apresentação acima), apresentaram claros sinais de “racismo internalizado” de modo a expressar atitudes racistas e preconceituosas contra seu próprio grupo étnico, aceitando estereótipos negativos de sua própria raça e fantasias positivas sobre outra(s) raça(s). Esta internalização de estereótipos raciais negativos de sua própria etnia lhes força a própria descaracterização racial (buscando enxergar-se como ligado à outra raça que não a sua) e a “ódio próprio”, tipificado por baixa auto-estima, sensação de vergonha e complexo de inferioridade.

Estes conceitos não são exclusivos do preconceito contra minorias raciais e repetem-se frequentemente em instituições de preconceito contra minorias de gênero e de orientações sexuais. Contudo, a subjugação de minorias raciais serve de parâmetro de julgamento e avaliação por tratar-se de uma atitude mais óbvia e tangente, e portanto mais perniciosa e maléfica.

Mormonismo

Esta questão do “ódio próprio” e do “racismo internalizado” é muito relevante e contundente dentro do contexto Mórmon. Pessoalmente, eu nasci Mórmon e cresci na Igreja SUD e passei por anos de conflito interno sobre questões raciais na minha infância e adolescência.

Eu tive a felicidade de nascer homem e heterossexual, o que reduziu qualquer percepção de preconceito contra mim baseado nestes parâmetros sociais. Contudo, eu cresci numa Igreja que segregava Negros das demais raças e etnias como pertencendo a um status social (e espiritual) inferior, ouvindo inúmeras argumentações racistas (comuns até hoje) e estereotipagens negativas para justificar uma política racial oficial simplesmente injustificável. Apesar de não ser Negro, o racismo contra Negros não é o único preconceito racial institucionalizado no Mormonismo!

O Livro de Mórmon ensina que a cor de pele escura é um sinal claro de maldição divina (ler aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui).

E [Deus] fez cair a maldição sobre eles, sim, uma dolorosa maldição, por causa de sua iniqüidade… e como eram brancos, notavelmente formosos e agradáveis, a fim de que não fossem atraentes para meu povo o Senhor Deus fez com que sua pele se tornasse escura.

A raça normativa Mórmon é a caucasóide (i.e., Branca). Ela compõe não apenas a maioria, como a maioria esmagadora da classe dominate (i.e., a liderança espiritual e administrativa). Há 30 anos atrás, recém-saídos de 13 décadas de segregação racial, era quase que a raça exclusiva na Igreja SUD, sendo o estereótipo popular a do Mórmon gringo de aspecto escandinavo. Eu cresci ouvindo estórias do Bispo da minha mãe ameaçando não oficializar o seu casamento com o meu pai (pálido de tão branco, e fã confesso de Hitler de tão racista) caso não pudesse comprovar a ausência de quaisquer antepassados Negros. Eu cresci conjecturando, com meu irmão e alguns amigos, o possível significado da minha herança asiática, e como os nossos traços não-caucasóides poderiam significar parte na maldição divina refletida na crença Mórmon (defendida pelo então Presidente da Igreja Spencer Kimball) de que “as ilhas do Pacífico” haviam sido colonizadas por Lamanitas.

Grupo Musica da BYU na década de 1970, capitalizando em estereótipos racistas de Ameríndios, Mexicanos, e Polinésios

Grupo Musica da BYU na década de 1970, capitalizando em estereótipos racistas de Ameríndios, Mexicanos, e Polinésios

Esta crença, popular entre as Autoridades Gerais até o final do século XX, tem sua origem na estória de Hagote, como narrada no Livro de Mórmon. Em diversas ocasiões, Spencer Kimball deixou bastante evidente de que “o Senhor os chama de Lamanitas” e que gozavam da mesma herança espiritual e sacerdotal que os Judeus do “povo escolhido”, mas que também sofriam das mesmas maldições que teriam afligido seus antepassados das escrituras — incluindo-se a maldição dos traços genéticos raciais.

Eu me recordo, ainda uma criança na Primária, quando ouvi alguém lendo este discurso por Spencer Kimball:

“Eu tenho visto um impressionante contraste no progresso do povo indígena hoje em dia… O dia dos Lamanitas está chegando. Por anos eles vem se tornando deleitosos, e agora estão ficando brancos e deleitosos, como prometido. Nesta foto de 20 missionários Lamanitas, 15 dos 20 eram tão brancos quanto os Anglos; 5 eram mais escuros, mas igualmente deleitosos. As crianças adotadas em lares de Utah são geralmente mais claras que seus irmãos e irmãs nas reservas indígenas. Em uma reunião, um pai e mãe estavam presentes com sua filha de 16 anos, e a jovem moça membro da Igreja — de 16 anos — sentada entre os pais escuros, e era evidente que ela já tinha tons mais claros que seus pais — na mesma reserva, na mesma casa, exposta ao mesmo sol e vento e clima. Havia um médico numa cidade de Utah que por 2 anos alojou um jovem índio em sua casa que testemunhou que o rapaz já estava vários tons mais claro que seu irmão recém-chegado da reserva ao programa de adoção. Estes jovens membros da Igreja estão mudando para brancos e deleitosos. Um jovem élder jocosamente disse que ele e seu companheiro estavam doando sangue regularmente no hospital com a esperança de acelerar o processo.” — Spencer Kimball (Conferência Geral Outubro 1960, ênfase nossa)

Eu imagino que a pessoa lendo este discurso acreditava que a mensagem principal nele era de que Deus sempre abençoa Seu povo, assim como estava abençoando os Lamanitas (i.e., os Ameríndios). Eu, porém, internalizei que a mensagem principal era que Deus amava os brancos e castigava os iníquos com peles não brancas. Pessoalmente, me tardou preciosos anos (décadas) para assumir a minha herança genética asiática. Como fenotipicamente não aparento pertencer a nenhuma das duas raças com qualquer semblança de clareza, sempre me foi mais fácil me assumir como “branco”, sempre me foi mais razoável me identificar com os personagens históricos (e fictícios) “brancos” do que os “asiáticos”. E isto apesar de ter forte laços familiares com meus parentes japoneses e não com os meus parentes luso-brasileiros.

Crescendo na Igreja, eu certamente incorporei um certo grau de”ódio próprio” por causa de minha raça asiática e aceitei o “racismo internalizado” que me havia sido imposto culturalmente. Apenas uma compreensão madura e consciente deste legado cultural me forneceu a oportunidade de desvencilhar-me deste nefasto ciclo vicioso.

Recentemente, num discurso para as comemorações do Dia dos Pioneiros de 2010, o então Historiador Geral da Igreja Marlin K. Jensen (Primeiro Quórum dos Setenta) admitiu o problema de racismo contra Ameríndios, confessando que “…[eles] frequentemente se depara[m] com preconceito e intolerância – mesmo dentro da Igreja.”

“…[Ameríndios] frequentemente se depara[m] com preconceito e intolerância – mesmo dentro da Igreja.” — Marlin K. Jensen

Quem acredita, hoje, que Deus é racista? Ninguém. Quem acredita que racismo é uma atitude tolerável ou ética? Quase ninguém. Não obstante, profetas e Apóstolos do passado eram claramente racistas. É possível, até, que alguns do presente também o sejam, mas cientes de que racismo é uma característica universalmente (e justamente) detestável, estes comentários preconceituosos já não se ouvem mais em público. É possível, também, que muitos dos profetas e Apóstolos do presente tenham aprendido com os erros dos seus antecessores e abandonado as ideações raciais e supremacistas. Pode-se argumentar assim, que nos dias de hoje, não há mais racismo no Mormonismo.

Infelizmente, isto não é a realidade, como o próprio Jensen, uma Autoridade Geral com credenciais inquestionáveis, admite. Os textos racistas permanecem no canone oficial da Igreja. As Autoridades Gerais da Igreja não se distanciam claramente das interpretações racistas das obras padrões e se recusam a alegorizar ou contemporizar narrativas que instigam o preconceito e a intolerância (sem falar na ridícula incompatibilidade científica). Esta covardia moral de enfrentar, aberta e honestamente, os erros do passado apenas incentivam o racismo velado na cultura popular.

Consideremos a questão do racismo contra Negros. Por mais de um século a Igreja SUD institucionalizou abertamente seu racismo contra Negro. Em 1978 esta prática de segregação racial foi suspendida, mas a imoralidade de mante-la por 13 décadas nunca foi abordada ou discutida. No ano passado, a Igreja publicou um ensaio que serviria de reflexão sobre esta mancha ética na história da Igreja que, por sua natureza superficial, tímida e semi-escondida, mais aparenta uma pirueta de relações públicas do que uma discussão séria e coletiva. Tão escondida, diga-se, que uma busca pela internet mais rapidamente encontra estas citações do profetas Mórmons do passado sobre Negros do que o ensaio em questão:

Brigham Young:

“Veja que algumas classes da família humana são negras, rudes, feias, desagradáveis e de hábitos ruins, selvagens, e aparentemente desprovidos de quase todas as bençãos da inteligência que é doada à humanidade…. o Senhor colocou a marca em Caim, que é o nariz achatado e a pele negra. Rastreie a humanidade até o Dilúvio, e então outra maldição foi imposta à mesma raça — que eles seriam ‘servo dos servos’; e assim serão até que a maldição lhes seja removida.” — Brigham Young (Journal of Discourses 7:290)

John Taylor:

“E depois do Dilúvio sabemos que a maldição pronunciada sobre Caim continuou-se através da esposa de Cão, pois este casou-se com uma mulher daquela linhagem. E por que passou-se a maldição adiante depois do Dilúvio? Porque era necessário que o Diabo tivese um representante na Terra, assim como Deus.” — John Taylor (Journal of Discourses 22:304)

B.H. Roberts:

“Que o Negro é obviamente inferior ao Caucasiano [Branco] está provado tanto craniologicamente como por 6000 anos de experimentação planetária.” — B. H. Roberts em Manual dos Setenta 1:233

Como cresce, hoje, um jovem Negro na Igreja SUD lendo os ensinamentos racistas nas obras padrões contra sua própria raça e contra Ameríndios? Angustiado pela crescente dissonância cognitiva alimentada pelo racismo internalizado, este jovem busca respostas na literatura de sua fé, apenas para encontrar estes comentários racistas de seus profetas venerados, e no site oficial da Igreja apenas um curto ensaio anônimo superficial e vazio de significado (se, por acaso, o achar). Como não desenvolver ódio próprio, lutando com malabarismos internos entre manter sua fé e aceitar sua identidade racial?

Negros e Ameríndios não são as únicas classes dentro do Mormonismo a sofrer com o preconceito e a marginalização coletiva (e institucional). Mulheres e homossexuais passam por processos de conflitos internos e ostracismo social muito similares. Estas sofrem com o mesmo mecanismo psicológico de ódio próprio e preconceito internalizado, imposto nelas pela pressão social e religiosa.  O problema é tão intenso que taxas de depressão entre mulheres e suicídios entre jovens (especialmente homossexuais) em Utah são as mais altas nos EUA.

Não obstante, o problema racial é muito mais óbvio por ser mais explícito na literatura e na prática social, além de ser mais condenada (e menos aceita) pela sociedade em geral. A raíz destes problemas é a mesma, e possívelmente suas soluções também serão muito parecidas. O mesmo preconceito e intolerância que incentiva o racismo, incita a homofobia e estimula a misoginia. Infelizmente, há um longo caminho ainda para se corrigir e superar os erros do racismo no Mormonismo, que dirá dos demais.

 

Três irmãos Sioux saindo para servir como missionários SUD. Quem acha que eles ficarão brancos e loiros se forem mais fiéis?

3 irmãos Sioux saindo para servir missão SUD. Quem acha que eles ficarão brancos se forem mais fiéis?

Quem acha que esse jovem foi

Quem acha que esse jovem missionário foi “menos valente” na vida pré-mortal? Ou que ele herdou a “maldição de Caim”?

Quem acha que essa missionária foi

Quem acha que essa jovem missionária nunca poderia exercer liderança na Igreja?

 

 

 

30 comentários sobre “Racismo no Mormonismo

  1. É muito díspar as posições defendidas pelas autoridades da Igreja quando se confrontam a atual posição relacionada ao preconceito racial com a de tempos mais remotos, mais precisamente nas primeiras décadas do séc. XX.

    De um lado, no que diz respeito ao casamento inter-racial (negros), Brigham Young foi categórico ao afirmar o grande erro que isso representaria: “Devo dizer-lhe a lei de Deus no que diz respeito à raça Africana? Se o homem branco que pertence à semente escolhida misturar seu sangue com a semente de Caim , a penalidade , sob a lei de Deus, é morte na hora. Isso vai ser sempre assim.” (Journal of Discourses 10:110)

    Por outro lado, a posição atual da Igreja é distanciar-se o máximo desse passado segregador. O Ex-presidente da Igreja, Gordon B. Hinckley, em seu discurso intitulado “A Necessidade de Mais Bondade” proferido na Conferência Geral de Abril de 2006, discorre sobre os atuais conflitos raciais da maneira como se segue: “Foi-me dito que às vezes se ouvem comentários e insultos racistas em nosso meio. Lembro a vocês que nenhuma pessoa que faça comentários depreciativos a respeito de outras raças pode considerar-se um verdadeiro discípulo de Cristo; nem tampouco pode achar que está agindo de acordo com os ensinamentos da Igreja de Cristo. Como poderia um portador do Sacerdócio de Melquisedeque ser arrogante a ponto de se achar qualificado a receber o sacerdócio, enquanto que outro que vive em retidão, mas cuja pele seja de outra cor, não se qualifique?”

    Tendo por base o que é aceito hoje como posição oficial da Igreja no que diz respeito às diferenças raciais e, baseado no que foi dito por Hinckley, seria Brigham Young um verdadeiro discípulo de Cristo?

    • A igreja nunca negou qualquer individuo de cor negra a entrar na igreja, e de participar das reuniões e de receber o sacramento. Joseph Smith e Brigham Young estavam ainda diante de prerrogativas citadas no livro de mormon como na biblia sobre o povo de pele escura que em 1978 o profeta diante de muitos negros dignos pediu ao pai clemencia, e este recebeu uma revelação de que eles poderiam receber o santo sacerdócio e assim selar suas familias para toda eternidade além de outros convênios e ordenanças. Hoje temos lideres negros, missionários e cargos na igreja com pessoas de cor negra ou qualquer outra raça ou cor.Muitos não enetndem o que esta por detras das entrelinhas da biblia e do livro de mormon e ja vão assim julgando de que somos racistas, e não olham para sua denominação tb que possui numero rfestrito de pessoas de cor e fraça. Acho que esta discriminação inconsciente existe há seculos ate hoje, portanto , parem de dizer que somos racistas , qdo creio que somos os menos racista do mundo.

      • Maria Rodrigues amiga,
        Mormons menos racistas?
        Os EUA eh o pais mais racista do mundo,
        e essa religiao americana (mormons) expressa bem esse racismo
        de cultura Withe Power.
        Eu moro em SLC, Utah e a populacao mormon em Salt Lake City ja caiu
        para menos de 40%. Em outros estados americanos mormonismo eh motivo de chacota.
        Então aonde o mormonismo ainda cresce?
        Países pobres como Brasil e Mexico, sao muitos missionários chegando no Brasil todos os dias,
        a igreja usa da pouca educação do povo brasileiro para arrumar mais adeptos,
        Agora, o Brasil sendo o segundo maior pais de população negra do mundo,
        como esse religião racista cresce?

      • CLEMÊNCIA irmã? O que eu fiz de tão errado para que o presidente tivesse de intervir por mim com relação a minha dignidade perante Deus? Sou eu, ou eram meus antepassados nenos dignos que os brancos por causa da cor? Para com essa besteira. Que Deus é esse que vocês estão pregando? Que Cristo é esse? Não percebes tu que a igreja tinha que “segregar”, ou melhor ofuscar a presença de negros para que se fizesse aceita nos países em que tinha intenção de entrar, e inclusive nos EUA? A ampliação dos direitos civis aos negros da América foi o marco decisivo para a revogação dessa revelação (a se saber que não houve revelação nenhuma e sim um delírio do B.Y.). Se ainda houvesse hoje, nos EUA, o mesmo regime separatista, será que essa “doutrina” (milonga) seria revogada? Ah… para com isso!?!

  2. Texto muito bem escrito. Também fui criado em um ambiente racista. Na minha época, na década de 80, o padrão de beleza dentro da Igreja continuava a ser “branco de olhos azuis”.

    • O padrão de beleza do mundo sempre foi designado as pessoas brancas, como é tb, os das pessoas magras e elegantes. Istro é acima de tudo cultural e até Hitler queria criar uma raça humana perfeita=branca e de olhos azuis.É tanto que raramente se veem papas, bispos, pastores desde muitos séculos sendo de cor negra? Por que será? heim?porque só atacam os mormons, qdo na verdade jamais rejeitou alma sequer. Quem fez isto com certeza foi talvez o pp negro que se desciminalizou e se afasta, por diversas razões . Assim acredito que todos foram acionados a não elegerem estas pessoas,porque estavam tb seguindo ditames da biblia?O padrão de pessoas serem de cor branca nunca foi exigencia na igreja mormon, acredito que de nenhuma igreja, mas se observa pelos números, observem na sua denominação o percentual de brancos e negros. Agora se o negro não tem percentual similar a culpa é só das igrejas? pensem mais nisto amigos

  3. O vídeo é mais do que lamentável, mas acredito que os pais tenham grande parte da culpa também. A educação de uma criança é de total responsabilidade dos pais primeiramente, da família, daqueles que a cerca. Acho inconcebível que uma criança cresça sem a noção de questões tão importantes quanto essa. O racismo pode estar em toda a parte, mas pais que realmente se preocupam com a formação de seus filhos conversariam a respeito do assunto e mostrariam uma visão diferente. Crianças são sensíveis e perceptivas a tudo, se demonstram essa postura é porque têm pais, no mínimo, omissos e negligentes. Significa que os pais falharam em algum momento ou estão falhando. Soa esquisito que o racismo possa ser instintivo. Além disso, exemplo é tudo no desenvolvimento. Esse exemplo deve vir, antes de tudo, de casa e não somente da escola, porque o espelho delas são os pais.

  4. Há idiotas que praticam racismo em toda parte, numa igreja de proporções mundias não seria diferente encontrar casos isolados de racismo.

  5. Acredito sim que isso ainda existe dentro da igreja sou negra….tbem e sinto que tem muitos rapazes de famílias brancas que não se misturam triste. Isso me entristece. É a única coisa dentro da igreja que me incomoda e muito !

    • Como mormon ha 38 anos, digo que tenho profundo respeito e amizade com pessoas negras, assim como as pessoas brancas e sei que a igreja sempre ensinou isto, de que somos iguais perante ele. Na faculdade tinha amigas negras, simples, inteligentes, amigas, alma pura e amizade sincera. Na igreja da mesma forma, como de pessoas que não membros da igreja, amo cada uma delas sem distinção.

  6. A cada dia que passa tenho mais nojo dessa igreja ,sendo eu negra,li em doutrinas de salvação que continua a haver desvantagens contras os negros na mortalidade e não há revelação nenhuma dizendo que os escritos desse livre mudaram ou são mentira,continua até hoje mesmo que disfarçadamente,por isso não querem que a gente leia estes livros,eles não se garantem em suas doutrinas (falsas)…..

    • Palavras ditas por autoridades da igreja, somente podem ser consideradas doutrinas, quando todos os Apóstolos concordam ou seja, se não concordarem não é doutrina. Muito se tem dito sobre a questão dos negros na igreja, que só começaram a receber o sacerdócio em 1978, mas isso não é verdade. Quando Utah não fazia parte integralmente dos Estados Unidos, muitos negros se filiavam a igreja e donos de escravos eram incentivados pelo Profeta Joseph Smith a dar a liberdade para eles. Negros recebiam o sacerdócio de Melquisedeque na época de Joseph Smith e posso dizer que Joseph Smith era um homem de muita compreensão. Muitas pessoas esquecem ou ignoram que os Profetas e lideres da igreja são homens e como homens são imperfeitos é claro que sendo profetas ou lideres eles são mais cobrados e possuem mais responsabilidades. O que se vê em muitos casos são opiniões ( não é atoa que se diz e incentiva os membros a estudarem as escrituras, a saberem por si mesmo ou em outras palavras a buscarem conhecimento/ testemunho próprio e não se apoiarem nos testemunhos dos outros ou esperarem sentados pelas respostas. Por isso muita gente se afasta ou se torna digamos que ” anti-mórmons” e começam a falar besteiras. ´

      • Marce,

        1) Joseph Smith nunca foi pra Utah. Ele morreu em 1844. Os primeiros Mórmons chegaram a Utah em 1847.

        2) Entre os primeiros Mórmons que chegaram em Utah em 1847, 3 eram escravos Negros.

        3) Em 1852, Brigham Young ordenou a legislatura de Utah a legalizar a escravidão Negra. No mesmo ato, anunciou a proibição ao Sacerdócio.

        4) Quando “Utah não fazia parte integralmente dos Estados Unidos”, não havia Mórmons lá. Os EUA roubaram Utah do México durante a (injustificável) invasão norte-americana de 1846-1847. Inclusive, Brigham Young implorou ao governo federal para poder ajudar nessa invasão em troca de dinheiro e autorização para a migração para Utah.

        5) Palavras “ditas por autoridades da igreja” são “consideradas doutrinas” apenas “quando todos os [15] Apóstolos concordam” e a Igreja inteira aceita em Conferência Geral. Se a Igreja, em Conferência Geral, rejeitar uma ideia, mesmo que os 15 Apóstolos a aceitem, ela não pode ser considerada doutrinária.

    • Magnólia,Não sei onde vistes doutrinas falsas, se seguimos a Deus e seu filho Jesus Cristo e a igreja nunca desavantajou ninguém por ser de cor negra. Cuidado aos julgamentos. O negro tem as mesmas vantagens e direitos perante o senhor, desde que sejam fiéis, obedientes, persevere nos mandamentos sem exceção, Quando realmente leres os livros vc mesma se desmistificará. e verás que não obrigamos ninguém a le-los. Mas sabe-se que é pelo conhecimento das coisas que teremos o discernimento sim, agora de julgar, mas antes disto, fica–se apenas nas especulações e disse me disse de muitos que tb não leem, não investigam, não jejuam, não oram a este respeito, como vão saber?

  7. Sempre abordei esse assunto com membros da igreja, e a resposta sempre foi diferente uma da outra. Uma coisa eles estavam certo, se foi ensinamento dos profetas temos que acreditar, mas eu não compartilhava dessa fé cega e fundamentalista ensinada na igreja.A maioria esmagadora dos mórmons aqui no Brasil não conhece um por cento da doutrina ensinada pela igreja, veja, falei outro dia com um membro onde abordei o tema da poligamia , ele rapidamente disse: Joseph Smith era casado com Ema, tudo isso é engano seu.

    A falta de conhecimento e a ausência da igreja em manifestar a verdade, faz com que muitos membros use o argumento de defesa rapidamente, onde a frase “é mentira ou prove”, seja mais rápido do que onde você leu sobre isso”. Os membros sempre tomam conhecimento desses ensinamentos racistas através de um não membro.

    O racismo ainda vive dentro do seio mórmon. Nunca uma autoridade geral negou em uma conferência o erro cometido sobre os profetas racistas, antes negam, e tetam justificar usando o tempo, época e criação que tiveram.

    Será que nunca esses profetas que afirmam falar com Deus pessoalmente, nunca perguntaram ao Pai celestial se segregar uma raça era justo? Ou esses justos profetas deixaram seus demônios falarem mais alto.

  8. Bergh a igreja fundamentalista é outra denominação derivada da IGREJA DOS MORMONS ORIGINAL talvez aí resida a maioria das confusões sobre racismo, poligamia etc.Esta Igreja existe no Arizona, coberta de princípios falsos que desviam da biblia. O fundador desta igreja ainda teve a ousadia de usar quase a mesma denominação. Mas sabemos que isto é fruto do adversário e que temos que vigiar e orar e conhecer, para não termos um livre arbítrio de julgar-se erroneamente pois responderemos por isto.

  9. Marcello vc tem razão Deus sempre abençoa o seu povo.
    E um exemplo disso, fato bíblico, eh o caso da Arca de Noe.
    Onde Deus mata homens, mulheres, crianças, animais e toda fauna e flora.
    E também como somos abençoados hoje em dia, vivemos em um mundo justo
    onde nao existe miseria, sem guerras, sem doenças e sem stress.
    Para falar a verdade vivendo nesse mundo que eh a criação de Deus, eu não votaria nesse
    Deus nem pra sindico de predio.
    Trabalhinho mediocre que esse Deus fez nesse mundo!!!
    Ate o Lula faria melhor.

  10. Pingback: O Dia dos Lamanitas | Vozes Mórmons

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s