Roupas Fazem o Mórmon

Roupas determinam a espiritualidade, religiosidade, ou o valor de uma pessoa?

Para alguns Mórmons, parece que sim.

Roupa Missionário Rebelde

Veja o exemplo de uma membro da Igreja que, nas mídias sociais, postou a piada acima ilustrando um membro da Igreja SUD que não se veste de acordo com as regras institucionais para os missionários de tempo integral, não como uma piada mas como um lição de moral espiritual e ética:

30592_1

Escreve a moça Mórmon:

“O Padrão missionário é o padrão pra vida.

Depois de uma experiência pessoal com Cristo, como pode voltar a sua antiga vida?

#Lamentável” (sic)

Muitos amigos virtuais expressaram suas concordâncias com esse sentimento:

“Concordo com você…, é tal decepcionante ver missionários retornados que Simplesmente agem como se nunca tivessem feito uma missão, que tudo que aprenderam lá não teve importância, e isso não reflete só nas roupas.” (sic)

Seis pessoas concordaram com esta comentarista.

Outra concorda, mas ao menos prega cautela antes de julgar os outros. Ainda assim, a premissa básica de que as vestuárias externas expressam uma espiritualidade interna é largamente aceita:

Concordo que o portador do sacerdócio deve sim manter uma aparência digna do poder que possui,porem acho que não se deve criticar quem tem opinião diferente e eu concordo sim ,… com vc! Minha opinião é a mesma  que a sua o que comentei é pq vejo muitos líderes falarem que precisamos ter cuidado para não julgarmos os outros!” (sic)

Outra ainda estabelece não o uniforme missionário como padrão, mas as vestuárias de executivos corporativos exibidos pelas Autoridades Gerais:

…ontem estávamos conversando sobre isso no nosso grupo da missão! Meu pai sempre me disse sobre a aparência de um portador do sacerdócio como deve ser. Veja só os profetas… eles são o padrão a se seguir, acredito que Jesus Cristo tenha uma ótima a aparência também! É fato que não se pode julgar as pessoas pela aparência mas ajuda demais, não digo na formação do caráter mas da mensagem que ela quer passar!”(sic)

Essa é capaz de prestar seu testemunho que Jesus Cristo está vivo nos céus, vestindo um lindo terno italiano sob medida. Não à toa 10 pessoas curtiram esse testemunho, inclusive com aplausos virtuais efusivos.

Roupas são importante para Mórmons. Além das roupas íntimas religiosas obrigatórias, as publicações da Igreja e  os manuais da Igreja e as diretrizes da Igreja e os professores da Igreja e até Profetas e Apóstolos colocam uma importância excessiva e um foco zeloso em roupas e vestuários. Dado a ubiquidade e a atenção prestada a esse assunto, é quase impossível dizer que a correlação entre espiritualidade e roupas não tenha uma importância crucial para os Santos dos Últimos Dias.

Como vocês responderiam à essa colocação? Roupas determinam a espiritualidade ou religiosidade de uma pessoa? Deveríamos estar focando em peças de vestuários para avaliar dedicação espiritual? Os ensinamentos de Jesus têm alguma relevância nesta questão?

“Sim, ai de vocês, mestres da lei e fariseus, fingidos! Pois dão o dízimo da última folha de hortelã do vosso quintal, mas esquecem as coisas importantes, como a justiça, a compaixão, a fé. Sim, devem dar o dízimo, mas não devem esquecer as coisas de maior monta. Guias cegos! Tiram um mosquito que cai na comida, mas seriam capazes de engolir um camelo! Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, fingidos! Tão cuidadosos em polir o copo por fora, enquanto que por dentro está todo sujo de roubos e de cobiça! Fariseus cegos! Limpem primeiro o interior do copo e então todo ele ficará limpo. Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! São como jazigos — belos, mas cheios de ossadas e de podridão. Procuram parecer santos, mas por baixo dos vossos mantos de piedade escondem­-se corações manchados por toda a espécie de fingimento e pecado.”

Élder James Bond demonstra o maior potencial espiritual de um portador do Sacerdócio

Élder James Bond demonstra o maior potencial espiritual de um portador do Sacerdócio

24 comentários sobre “Roupas Fazem o Mórmon

  1. Se alguém tiver interesse, responda à minha pergunta do modo mais simples e sincero possível:

    “Se não conhecesse o Ator da foto, e o visse adentrar a capela e sentar-se um pouco antes dos primeiros bancos, se lhe dirigir uma palavra sequer, quais primeiras impressões suas sobre ele?”

    Dependendo da resposta, eu repondo algo nos próximos comentários…

  2. Eu pensaria que se tratava de uma autoridade um setenta…
    Diferente de um bispo que se vestiu de mendigo e sua congregação o recusou.

  3. Vamos ver o que o Senhor realmente fala sobre vestimentas:
    ” E vi também aouro e prata e sedas e escarlatas e linho finamente tecido e toda espécie de vestimentas preciosas; e vi muitas meretrizes. (1Nefi 13:7-8)

    8 E falou-me o anjo, dizendo: Eis que o ouro e a prata e as sedas e as escarlatas e o linho finamente tecido e as vestimentas preciosas e as meretrizes são os adesejos dessa grande e abominável igreja.
    “27 E estava cheio de gente, tanto velhos como jovens, tanto homens como mulheres; e suas vestimentas eram muito finas; e sua atitude era de escárnio e apontavam o dedo para aqueles que haviam chegado e comiam do fruto.(1Nefi 8:27)

    “3 Roubam os pobres por causa de seus belos santuários; roubam os pobres por causa de suas ricas vestimentas; e perseguem os mansos e os de coração contrito, porque estão inchados de corgulho. (2 Nefi 28:13)

    “6 E aconteceu, no oitavo ano do governo dos juízes, que o povo da igreja começou a tornar-se orgulhoso, por causa de suas excessivas ariquezas e de suas finas sedas e de seus finos tecidos de linho; e pelos seus muitos rebanhos e manadas; e seu ouro e sua prata e toda espécie de coisas preciosas que haviam obtido pelo seu trabalho; e por causa de tudo isso engrandeceram-se a seus próprios olhos e começaram a usar vestimentas muito luxuosas. (Alma 4:6)

    E para terminar as palavras de Moroni direcionada a nos membros da igreja:
    ” 35 Eis que eu vos falo como se estivésseis presentes e, contudo, não estais. Mas eis que Jesus Cristo vos mostrou a mim e conheço as vossas obras. (Moroni so poderia estar falando com aqueles que tem o livro de Mormon)

    36 E sei que andais segundo o orgulho de vosso coração; e poucos há que não se exaltam no orgulho de seu coração, a ponto de vestirem-se com trajes finos (CITY CREEK CENTER) entregarem-se a inveja e contendas e malícia e perseguições e a toda sorte de iniquidades; e vossas igrejas, sim, todas elas se tornaram corruptas por causa do orgulho de vosso coração.

    37 Pois eis que amais o dinheiro(Construir shoppings ao inves de auxiliar os pobres) e vossos bens e vossos trajes finos e o adorno de vossas igrejas mais do que amais os pobres e os necessitados, os doentes e os aflitos. (Mormon 8:35-37)

    Talves temos que pensar melhor nos padroes do coracao e se preocupar menos com aparencias. Imagino se o Sennhor enviar um profeta no nosso meio para realmente avisar o povo sobre o que esta por vir, sera que ele aparecera entre nos de terno e gravata? Sera que teremos a capacidade de reconhecer lo como um mensageiro de Deus, como foram Abinadi, Lehi, Samuel o Lamanita entre outros que provavelmente nao pareciam como mensageiros de Deus?

  4. Esse texto era para ter sido apenas um comentário todavia virou meio que um desabafo. Só explicando um pouco da minha estória: me chamo Rafael e me mudei para Utah para estudar na BYU. Com a crise, pedi para ser transferido ao LDSBC (perderia a chance de ficar mais tempo nos US porém teria como vantagem a de “poupar” tempo pois não estudaria as matérias gerais do diploma de bacharel).
    Desde que me mudei ando desanimado. E esse assunto do Vozes Mórmons só é a ponta do Iceberg do quê vejo errado por aqui. Ser preconceituoso e tacanho em relação a vestimenta não é só exclusividade do brasileiro, em Utah os americanos são muito mais preconceituosos.

    Esse assunto vestimenta vem bem a calhar pois há poucos dias mas passei por uma situação desanimadora em uma aula de Comunicação Interpessoal (COM 122 Interpessoal Communications).

    O tópico dessa aula era Comunicação Não-Verbal. Sister Bell, a professora, nisso começou a falar a respeito da importância do Código de Honra. Em um infeliz momento, ela relacionou pureza espiritual a vestimenta da pessoa, citando que os Apóstolos estavam sempre impecáveis e que todos os estudantes deveriam se espelhar neles antes de saírem de casa (para trajar algo adequado).

    Assim que acabou de falar, não me segurei, levantei a mão e comentei que apesar de termos o código de honra e devermos segui-lo, na minha sincera opinião, ele está errado. Disse que muitos estudantes se preocupavam mais em julgar os outros pela aparência do quê pelas suas virtudes e pela maneira com que tratam os outros, pois eram incentivados a pensar assim. Ainda, para que tivesse alguma base sólida citei a escritura 1 Samuel 16:7 (O Senhor, contudo, disse a Samuel: “Não considere sua aparência nem sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não vê como o homem: o homem vê a aparência, mas o Senhor vê o coração”.)

    Foi algo tão inesperado que a professora não soube nem ao certo como reagir. Acabou por se contradizer totalmente e em pouco tempo mudou de tópico.

    @gersonsena, As pessoas estariam inclinadas a pensar quê pelo fato deste homem estar bem vestido seria alguém “importante” e logo de cara já relacionariam isso a algum cargo de importância na igreja.

    Conceito totalmente errado. E o grande problema é que essa ideia está tão enraizada na cultura mórmon que a maioria dos discípulos, nem se questiona mais e considera normal julgar os outros baseando-se em suas vestimentas.

    Eu, por exemplo, já sofri represália por parte de uma professora por me vestir mais casual e em relação a barba. (Ela até enfatizou que eu deveria me vestir “profissionalmente”, além de que refizesse a barba sempre antes de sua aula, pois minha barba cresce rápido).
    Segundo ela eu não estaria obedecendo o Código de Honra. (https://policy.byu.edu/view/index.php?p=26)

    • Pois é Fael (Rafael), e de onde você acha que vem o padrão de dignidade para o mundo? Dos ‘santos’ norte-americanos. Vendemos nossa dignidade e pluralidade cultural por um punhado de bananas (que temos mais aqui do que lá; quer dizer, não sei das culturas no Hawaii… kkkk). Enquanto o evangelho é universal e eterno, o jeito certo de vestir e agir é o da cultura dos gringos, ‘nenhum outro salva’.

    • Pois é Fael, virei seu fã, é exatamente isto, sem pôr nem tirar.
      O padrão de vestimenta serve para nos ajudar a demonstrar respeito a adoração a Deus, ou seja, me apresentar melhor diante da deidade, e mesmo quando estamos a fazê-lo, e em situações que nos favoreçam nos sentir bem e a vontade, fora isso, não é obrigatório para requerer respeito ou adulação social, ou mesmo status espiritual, em minha experiência, neste contexto, os mais elegantes me decepcionaram na igreja.

  5. Não entendi o propósito desta discussão fútil.
    Alguém aí pode me explicar (talvez o autor do post) se não se importa…

    Criar um revés psicológico do porque os evangélicos usam ternos coloridos, o papa usa batina branca, os ortodoxos usam chapéu cocal… e por aí vai.

    O que é isso, fazer bullying e provocar uma reação?

    Desculpe-me mas Isso é uma discussão sem valor – “Dado a ubiquidade e a atenção prestada a esse assunto, é quase impossível dizer que a correlação entre espiritualidade e roupas não tenha uma importância crucial para os Santos dos Últimos Dias.” (parafraseando o texto ubíquo).

    • Desculpa, Ricardo. Talvez em sua busca por rebuscado português ou arte retórica ou lógica ainda não tenha tido tempo de perceber que socialmente somos vítimas de várias ‘regras’ temporais. E sequer tenha tido tempo de questionar o valor de um ser, dado a sua aparência.

      Se terminasse por aqui, tudo bem, o mundo e a vida e a sociedade que construímos é assim.

      Mas, diante de uma congregação que se diz detentora do saber Puro e Máximo de Cristo, tais hábitos e práticas, veladas ou explícitas não coadunam com a máxima cristã registrada (cujos textos já foram citados por outros aqui; sim, refirmo-me à bíblia e outros similares) e utilizada por uma grande maioria.

      O que sempre questionei, e exatamente o que está questionado aqui é que: é muito fácil vestir uma roupa e um palavreado, difícil mesmo é mudar o interior e os atos. E advinha qual o caminho (inclusive pelos mórmons) é o mais escolhido?

      E quando alguém questiona tais atitudes, o sensacionalismo sobre a importância das aparências, é taxado como hippie, drogado, vagabundo ou marginal. Porque é mais fácil destruir um caráter do que justificar tamanha “futilidade”.

      Para mim, a única roupa obrigatória chama-se EPI (Equipamento de Proteção Individual), no exercício de profissão de risco claro ou inerente. No demais é tudo bobagem. Se vê pelos atos a atitudes de uma pessoa a que ela veio. Os maiores atos cristãos que já realizei eu não usava terno e gravata. Tão pouco já vi (em mais de 20 anos) homens sujarem suas camisas brancas no serviço de alguém enquanto as usavam.

      No caso, eu posso usar qualquer roupa, contanto que eu esteja realmente imbuído em ser o cristão que prometi ser.

      • Sim, concordo com você, mas não julgo o critério de cada um, certa vez fui para a capela de camiseta e jeans, e ninguém me recriminou, em outras ocasiões perceberam que era minha escolha ou perguntaram se a gravata era importante para mim usar.

        Diante de tantas experiências concernentes ao complexo vira-latas que as vezes nos colocamos a experimentar penso que o Salvador Jesus Cristo soube amar tanto pescadores com roupas miseráveis como publicanos que com lindas vestes queriam também agradá-lo. Mateus mesmo sendo rico e no contexto da época, bem vestido que nem o James Bond da figura acima, soube aproveitar a melhor parte, que era a compreensão de onde está nosso coração e nosso tesouro.

  6. Ricardo Aguiar, desculpe-me, com todo respeito a sua opinião, mas você provavelmente não compreendeu o propósito do “post”. Usando a linguagem que você usou (que, por sinal, demonstra uma clara ofensa pessoal direcionada a alguns comentaristas), a questão não se trata do complexo de “vira-latas” que supostamente alguns membros possuem e sim da capacidade de alguns membros tornarem “vira-latas” alguns dos seus irmãos por causa da roupa que eles usam.

  7. Nossa! hoje no vozes só deu “as roupas”. Li todos os comentários mas fico com o meu: Gosto de vestir minhas melhores roupas para ir a igreja, neste dia eu escovo meus cabelos, me maquio, coloco meu sapato de salto alto e um sorrisão na cara porque vou adorar meu Deus. Quando digo minha melhor roupa não estou me referindo a roupas que paguei uma fortuna se bem que nem as tenho. Estou com a melhor roupa que posso comprar simples mas graciosa.
    Sou da opinião que tanto mulheres quanto homens devem dar o melhor que tem ao Senhor. Dependendo das roupas, você pode colocar ou tirar a importância da ocasião. Só para exemplificar, Jamais vou a um casamento de Jeans.

    • O melhor que podemos dar a Deus, e um coração quebrantado e um espírito contrito.
      Viemos sem roupa ao mundo, e ao morrer essas roupas tambem serão eliminadas.
      O meu melhor ao senhor, é a ajuda ao próximo. E o amor, respeito, fraternize, lealdade e honestidade.
      Cristo não julga pela roupa e sim seu coração.

  8. O irmão “Bond” entra na capela acompanhado de uma linda “Bond girl ” saudá alguns irmãos com um leve sotaque britânico (James Bond é poliglota e logicamente fala português) Logo uma horda de irmãos começa a conversar com ele e se dispor a ajudá-lo, os comentários sobre o carrão dele parado no estacionamento se proliferam e se ouve : – “Tá vendo…esse irmão deve ser um servo do senhor olha como ele é abençoado!. Passa o horário da escola dominical e vamos para a sacramental, primeiro domingo do mês, as pessoas prestam seu testemunho “profundamente espiritual” James levanta e se dirige ao pulpito repete uma ou duas palavras das mesmas coisas que ouviu a pouco tempo e diz amém ! O líder presidente comenta com um conselheiro: – Me lembra de entrevistar esse irmão acho que o Senhor esta me inspirando a dar um chamado de presidência para ele! . Logo todos estão elogiando o testemunho do irmão Bond embora ninguém saiba, mas os elogios são para um assassino profissional, frio calculista e extremamente violento que trabalha para um governo opressor (sim por que na verdade é isso que o 007 é no fundo). Alguém aqui acha que seria diferente na maioria das estacas que ele visitasse?

    • Poderia copiar esse seu comentário e análise e colocar num grupo de estudos da Igreja e na minha linha do tempo no facebook?

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s