Mórmons Contra Camisinha?

Membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, especialmente os jovens adolescentes e jovens adultos, estão acostumados a receber orientações de como devem e como não devem conduzir suas vidas amorosas.

Contatos sexuais antes do casamento são estritamente proibidos, assim como namorar antes dos 16 anos de idade. Ademais, jovens são insistentemente desencorajados a demorar muito para se casar.

Beijo Templo Lago Salgado

Mas a Igreja Mórmon também proíbe ou desincentiva o uso de contraceptivos entre jovens casados?

Vejamos, primeiro, o que os Profetas e Apóstolos da Igreja SUD disseram ao longo das décadas sobre o assunto de contracepção e planejamento familiar. Em seguida, vejamos as publicações oficiais atuais e recentes da Igreja. [29]

PROFETAS

Brigham Young

“Há multidões de espíritos puros e santos aguardando para tomar tabernáculos, agora qual é o nosso dever? — Preparar tabernáculos para eles; Tomar um curso que não tende a conduzir os espíritos para as famílias dos ímpios, onde vão ser treinados na maldade, devassidão, e toda espécie de crime. É o dever de todo homem e mulher dignos preparar tabernáculos para todos os espíritos que podem.” [1]

Restringir o aumento de nossa raça tem seus defensores entre os círculos influentes e poderosos da sociedade no nosso país e em outras nações. A mesma prática existia quarenta e cinco anos atrás, e vários dispositivos foram utilizados por pessoas casadas para evitar as despesas e responsabilidades de uma família de crianças, que devem ter incorrido se tivessem permitido as leis da natureza para governar preeminente. Aquilo que era praticado antigamente, no medo e contra a consciência de reprovação, é agora, corajosamente, alardeado no exterior como um dos melhores meios de melhorar as misérias e tristezas da humanidade. O infanticídio é muito prevalente em nossa nação. É um crime que se encontra dentro do alcance da lei, e portanto não é tão corajosamente praticado como é o outro igualmente grande crime, o que, sem dúvida, em grande parte, previne a necessidade de infanticídio. O estilo antinatural de viver, o uso extensivo de narcóticos, as tentativas de destruir e secar as fontes da vida, estão rapidamente destruindo o elemento americano da nação; ele está morrendo, antes do aumento da classe mais saudável, robusta, honesta e menos pecaminosa das pessoas que estão despejando no país diariamente vindo do Velho Mundo. A esposa do homem servo é a mãe de oito ou dez crianças saudáveis, enquanto a esposa de seu senhor é a mãe de uma ou duas crianças doentias, coitadas, desprovidas de vitalidade e constituição, e, se filhas, impróprias, por sua vez, a ser mães, e a saúde e vitalidade que a natureza negou-os através das irregularidades de seus pais não são reparadas em nada por sua educação. ” [2]

John Taylor

“… os pais estão com medo de cumprir a primeira grande lei de Deus, ‘Sede fecundos e multiplicai-vos e enchei a terra’, e por circunstâncias desesperadoras são quase forçados ao desejo antinatural de não propagar sua espécie; Enquanto isso, com uma corrompida depravação correspondente com a qual reina entre as nações, eles são encontrados usando medidas suicidas para evitar o que seria d’outra maneira uma numerosa descendência de aumentar a miséria de seu pai, e herdar seus infortúnios.” [3]

Wilford Woodruff

“Quanto ao pecado menor de prevenção da concepção, nenhuma regra geral pode ser estabelecida, há assim muitas circunstâncias diferentes que distinguem um caso de outro e essa diferença de motivos de cada caso particular tem que ser julgada por si só e decidido pela luz do Espírito. Mas acreditamos onde as pessoas se arrependeram sinceramente e cessam a prática, eles devem ser autorizados a entrar na Igreja. Este não é o pecado imperdoável, e como outros crimes, podem ser perdoados quando penitência e reforma são demonstrados.” [4]

Joseph F. Smith

“Eu acredito que, quando as pessoas comprometem-se a reduzir ou impedir o nascimento de seus filhos, eles vão colher decepção certa. Eu não tenho nenhuma hesitação em dizer que é um dos maiores crimes do mundo hoje, essa prática maligna.” [5]

“Aqueles que tomaram sobre si a responsabilidade da vida conjugal devem se assegurar que não abusem do curso da natureza; Que eles não destruam o princípio da vida dentro deles, nem violem qualquer dos mandamentos de Deus, o mandamento que ele deu no começo para multiplicar e encher a terra ainda está em vigor para os filhos dos homens. Possivelmente não há maior pecado que poderia ser cometido por pessoas que abraçaram este evangelho do que prevenir ou destruir a vida da maneira indicada. Nascemos no mundo para que tenhamos vida, e vivemos para que possamos ter uma plenitude de alegria, e se vamos obter uma plenitude de alegria, devemos obedecer à lei de nossa criação e a lei pela qual podemos obter a consumação de nossas esperanças e desejos justos – a vida eterna “. [6]

Heber J. Grant

“Outro dos grandes males da nossa época é o suicídio de raça. Isso também não é coerente com o evangelho de Jesus Cristo. Proporcionar oportunidade para os filhos espirituais de nosso Pai Celestial de vir à Terra e trabalhar em sua própria salvação é um dos nossos privilégios e obrigações sagradas. Nós acreditamos que entre as maiores riquezas eternas estão as crianças.” [7]

George Albert Smith

“Os filhos são herança do Senhor, e aqueles que se recusam a responsabilidade de trazê-los para o mundo e cuidar deles são geralmente motivados por razões egoístas, e o resultado é que eles sofrem a pena do egoísmo por toda a eternidade. Não há desculpa para os membros de nossa Igreja que adotam o costume do mundo.” [8]

David O. McKay

“A verdadeira maternidade é o chamado mais nobre do mundo, e nós olhamos com tristeza sobre a prática aqui em nosso próprio Estados Unidos de limitar famílias, uma tendência se infiltrando em nossa própria Igreja“. [9]

Quando o marido e a mulher são saudáveis e livres de fraquezas e doenças hereditárias que possam ser transmitidas aos seus descendentes, o uso de contraceptivos deve ser condenado.” [10]

“… na maioria dos casos, o desejo de não ter filhos tem seu nascimento na vaidade, na paixão e no egoísmo… Todos esses esforços, também, muitas vezes tendem a colocar a relação do casamento em um nível com o cafajeste e a meretriz. Eles mancham as fontes puras da vida com o lodo de indulgência e sensualidade.” [11]

Qualquer esforço ou desejo por parte de um casal para fugir da responsabilidade da paternidade reflete uma condição de mente antagônicos aos interesses superiores do lar, do estado e da nação. Sem dúvida, existem algumas pessoas do mundo que honestamente limitam o número de filhos e da família a dois ou três por causa de meios suficientes para vestir e educar uma família grande como os pais desejariam fazer, mas em quase todos esses casos, as duas ou três crianças não são melhor providos que duas ou três vezes esse número seria. Esses pais podem ser sinceros, ainda que equivocados, mas na maioria dos casos o desejo de não ter filhos tem seu nascimento na vaidade, paixão e egoísmo. Tais sentimentos são as sementes plantadas na vida de casado cedo, que produzem uma colheita da discórdia, desconfiança, alienação, e divórcio.” [12]

Joseph Fielding Smith

Nenhuma prevenção é legítima, exceto através da abstinência absoluta.” [13]

“Aqueles que praticam o controle da natalidade… estão correndo contra o plano preestabelecido do Todo-Poderoso. Eles estão em rebelião contra Deus e são culpados de grosseira iniquidade.” [14]

“Aqueles que tentam perverter os caminhos do Senhor, e impedir a sua prole de vir ao mundo em obediência a este grande comando, são culpados de um dos crimes mais hediondos da categoria. Não há promessa de salvação eterna e exaltação para pessoas como eles, pois seus atos provam sua indignidade para a exaltação e inaptidão para um reino onde a coroa de glória é a continuação da união familiar e aumento eterna que foi prometido a todos aqueles que obedecem à lei do Senhor. É tanto como assassinato destruir uma vida antes como o é após o nascimento, mesmo que as leis feitas pelo homem possam não considerá-lo, mas há Alguém que toma conhecimento e Sua justiça e juízo são certas. Eu sinto apenas o maior desprezo para aqueles que, por causa de uma um pouco de educação mundana ou uma sensação de sua própria superioridade sobre os outros, defende, e se esforçam a controlar as chamadas “classes inferiores” a partir do que eles têm o prazer de chamar de “reprodução indiscriminada”. O estoque colonial velho, que um ou dois séculos atrás colocou a fundação de nossa grande nação, está sendo rapidamente substituído pelas “classes inferiores” de uma raça mais resistente e mais digna. Mais digna porque eles não aprenderam, nestes tempos modernos, a desconsiderar o grande mandamento dado ao homem por nosso Pai Celestial. É, de fato, um caso de sobrevivência do mais forte, e é só uma questão de tempo antes que aqueles que defendem e praticam a doutrina perniciosa de “controle de natalidade” e a limitação do número de crianças na família tão fortemente, terão legislado a si mesmos e ao seu tipo para fora desta existência mortal.”[15]

O controle da natalidade é iniquidade. O abuso deste santo convênio tem sido a principal causa para a queda das nações. Quando votos sagrados do matrimônio estão sendo quebrados e o propósito real do casamento abusado, como achamos tão prevalente no mundo de hoje, então a destruição é inevitável. Nenhuma nação pode resistir por qualquer período de tempo se os convênios do casamento são abusados e tratados com desprezo. A ira do Todo-Poderoso se acendeu contra nações antigas por sua imoralidade. Não há nada que deva ser considerado em maior sacralidade que este pacto pelo qual os espíritos dos homens se vestem de tabernáculos mortais. Quando um homem e uma mulher são casados e eles concordam, ou se comprometem, a limitar sua prole a dois ou três, e agem de acordo para alcançar este objetivo, eles são culpados de iniquidade, que eventualmente deverá ser punida. Infelizmente, esta doutrina maligna está sendo ensinada como uma virtude por muitas pessoas que se consideram cultas e altamente educadas. Ela até se insinua entre os membros da Igreja e tem sido defendida em algumas das classes dentro da Igreja. Deve-se entender definitivamente que este tipo de doutrina não só não é defendida pelas autoridades da Igreja, mas também é condenada por eles como iniquidade aos olhos do Senhor.” [16]

Harold B. Lee

“Declaramos que é um grave pecado diante de Deus adotar medidas restritivas em desobediência à ordem divina de Deus desde o início do tempo para ‘multiplicar e encher a terra‘. Certamente aqueles que projetam essas medidas para evitar a vida ou de destruir a vida antes ou depois do nascimento colherão as tempestades da retribuição de Deus, pois Deus não se zomba.” [17]

Spencer W. Kimball

“É um ato de extremo egoísmo para um casal se recusar a ter filhos quando eles são capazes de fazê-lo.” [18]

“Muitas pessoas boas, sendo influenciadas pelo espírito destemido da atualidade, estão agora a procurar cirurgia para a esposa ou para o marido para que eles possam evitar a gravidez e cumprir com a voz estridente exigindo uma redução de crianças. Nunca foi fácil sustentar e criar crianças, mas as coisas fáceis não fazem incentivam o crescimento e desenvolvimento. Mas vozes altas e barulhentas gritam hoje ‘menos crianças’ e oferecem a pílula, e medicamentos, cirurgias e até mesmo o feio aborto para conseguir isso. É estranho que os defensores de despovoar o mundo nunca parecem ter pensado em castidade!” [19]

“Eu já disse a muitos grupos de jovens que não deveriam adiar o casamento até que tenham adquirido todas as suas ambições de educação. Eu disse a dezenas de milhares de jovens que, quando se casam eles não devem esperar para ter filhos até que tenham terminado a sua escolaridade e seus desejos financeiros. O casamento é, basicamente, para a família, e não deve haver nenhum atraso. Eles devem viver juntos normalmente e deixar as crianças virem.” [20]

“A tendência para muitos de nossas meninas e muitos de nossas mulheres casadas a adiar ou reduzir suas famílias não é agradável ao Pai Celestial, pois Ele disse: ‘multiplicai-vos e enchei a Terra’, e Ele sabia o que estava fazendo, e qualquer uma de nossas opiniões pessoais não importa muito em comparação com a sabedoria de Deus. E Ele disse quando Ele concluiu este grande esforço de criação, ‘E eu… vi tudo o que Eu tinha feito, e eis que todas as coisas que Eu tinha feito eram muito boas… ” Ele ficou de fora e olhou-os; Ele não tinha feito nenhum erro; Ele não cometeu enganos, Ele criou o homem e a mulher para uma finalidade. Esse objetivo não era diversão; O propósito, basicamente, era viver juntos em harmonia e paz e para criar crianças em retidão.” [21]

Ezra Taft Benson

“Fiel à forma, muitas das pessoas que desejam frustrar os propósitos de Deus de dar tabernáculos mortais para Seus filhos espirituais por meio de controle de natalidade em todo o mundo são as mesmas pessoas que apóiam os tipos de governo que perpetuam a fome. Eles defendem um mal para curar os resultados da maldade que eles apóiam.” [22]

“O mundo ensina controle de natalidade. Tragicamente, muitas de nossas irmãs tomam suas pílulas e aceitam suas práticas quando poderiam facilmente fornecer tabernáculos terrenos para mais filhos de nosso Pai. Sabemos que todo espírito designado a esta terra virá, seja através de nós ou algumas outras pessoas. Há casais na Igreja que pensam que estão se dando muito bem com suas famílias limitadas, mas um dia vão sofrer as dores do remorso, quando se encontrarem com os espíritos que poderiam ter sido parte de sua posteridade.” [23]

“Jovens mães e pais, com todo o meu coração, eu os aconselho a não adiar a ter os seus filhos, sendo co-criadores com nosso Pai Celestial. Não use o raciocínio do mundo, tais como: ‘Vamos esperar até que possamos melhor arcar com as crianças, até que estejamos mais seguro, até que John tenha completado a sua educação, até que ele tenha um trabalho com salário melhor, até que tenhamos uma casa maior, até que tenhamos obtido alguns dos confortos materiais’, e assim por diante. Este é o raciocínio do mundo e não é agradável aos olhos de Deus. As mães que gozam de boa saúde, tenham seus filhos e tenham-nos mais cedo. E, maridos, sejam sempre atenciosos com suas esposas na geração das crianças. Não reduzam o número de crianças por motivos pessoais ou egoístas. Bens materiais, conveniência social e assim chamadas vantagens profissionais não são nada em comparação com uma posteridade justa. Na perspectiva eterna, crianças — não as possessões, não a posição, o prestígio — são as nossas maiores jóias.” [24]

Howard W. Hunter

“Honre o papel único e divinamente designado de sua esposa como mãe em Israel e sua capacidade especial de gerar e criar filhos. Estamos sob mandamento divino de nos multiplicar e encher a terra e criar os nossos filhos e netos na luz e verdade. Você compartilha, como um parceiro amoroso, o cuidado dos seus filhos. Ajude-a a gerenciar e manter a sua casa. Ajude-a a ensinar, treinar e disciplinar seus filhos.” [25]

Gordon B. Hinckley

“É claro que acreditamos em crianças. O Senhor disse-nos para multiplicar e encher a Terra para que tenhamos alegria em nossa posteridade, e não há alegria maior do que a alegria que vem de crianças felizes em boas famílias. Mas Ele não designou o número, e nem a Igreja. Isso é um assunto sagrado entre o casal e o Senhor.” [26]

APÓSTOLOS

Erastus Snow

“Os Santos dos Últimos Dias não devem imitar os exemplos das cidades do Leste e dos estados da costa atlântica em destruir sua prole. Eles não freqüentam os fornecedores de medicamentos destrutivos, nocivos, e tóxicos para induzir o aborto, infanticídio, assassinato de crianças, e outros dispositivos perversos, através dos quais interrompem a multiplicação da espécie, a fim de facilitar a gratificação de luxúria carnal. Nós não estamos dispostos a imitar esses exemplos, nem a beber da doutrina perniciosa uma vez proferida na Igreja de Plymouth como observou Henry Ward Beecher – que era definitivamente mal aumentar as famílias na terra além de um certo limite, e a capacidade dos pais de os educar corretamente e mantê-los, sustentando a idéia de famílias pequenas; com efeito, justificando as mães – as mães antinaturais – da Nova Inglaterra, e os seus parceiros que sancionam os seus esforços na destruição de seus próprios filhos, e na prevenção da fecundidade da raça. Imaginem tal doutrina justificada pelo estimado orador do século XIX, e re-ecoou pelos menores oradores em todo o país! Os Santos dos Últimos Dias são ensinados a reverenciar as palavras do Deus de Abraão, Isaque e Jacó, relativo à multiplicação de suas espécies, e são chamados como Seus filhos, de multiplicar e encher a terra.” [30]

George Q. Cannon

“Há uma coisa que me disseram que é praticada, em certa medida entre nós, e eu vos digo que, aonde ela é praticada, e da qual não seja completamente arrependida, a maldição de Deus certamente virá. Refiro-me à prática de impedir o nascimento de crianças. Eu quero levantar minha voz em solene advertência contra isso, e eu vos digo que a mulher que pratica tais artes diabólicas, ou o homem que consente a elas, serão amaldiçoados de Deus. Tais pessoas serão amaldiçoados em seus corpos, amaldiçoados em suas mentes, amaldiçoados em sua propriedade, amaldiçoados em sua prole. Deus os destruirá do meio deste povo e nação. Lembrem-se. Mães, ensinem isso a vossas filhas, pois eu vos digo que é a verdade. Eu não preciso pronunciar qualquer maldição, qualquer que seja a minha autoridade para tanto, mas eu vos digo que as mulheres que tomam este rumo, e os homens que concordam com isso, serão amaldiçoados pelo Deus Todo-Poderoso, e essa maldição repousará sobre eles até que sua geração seja expulsa, e seus nomes borrados d’entre os santos de Deus, a menos que, como eu já disse, haja profundo, intenso e sincero arrependimento.” [31]

George Franklin Richards

“Os esforços por parte dos escritores de revistas do Leste para educar o povo dos Estados Unidos, em particular os pais, com a doutrina que eles limitam o número de sua prole para três ou quatro filhos, e como isso pode ser feito, é tanto pernicioso como uma abominação aos olhos do Senhor; e isso rouba tanto o homem e o seu Criador de suas glórias e aumentos.” [32]

Orson F. Whitney

“A única forma legítima de ‘controle de natalidade’ é aquela que brota naturalmente da observância das leis divinas, e o uso dos poderes de procriação, não para o prazer principalmente, mas para a perpetuação da raça e sua melhoria. Durante certos períodos – os de gestação e lactação – a esposa e mãe deve estar relativamente livre para dar sustento para sua prole; e se isso envolve alguma abnegação por parte do marido e pai, tanto melhor para todos os envolvidos. O ‘controle de natalidade’ sob a lei de Deus é um problema que se resolve sozinho. Eu não tenho fé nos sofismas daqueles que rejeitam a Sua lei, e tentam substituí-lo por suas próprias vãs teorias para a regulamentação do sexo. Os eugenistas podem até estar bem intencionados, mas eles não sabem o suficiente para guiar o mundo para fora do deserto.” [33]

John A. Widtsoe 

“… visto que as raízes do controle de natalidade é uma espécie de egoísmo, a vida espiritual do usuário de contraceptivos é também enfraquecida. Mulheres parecem tornar-se mais masculinas em pensamento e ação; Homens mais insensíveis e reservados; Ambos, marido e mulher, se tornam mais descuidados uns dos outros, e cada vez mais indiferentes aos direitos mais elevados e as alegrias da vida.” [27]

J. Reuben Clark

“Quanto ao sexo no casamento, o tratado necessário para Santos dos Últimos Dias pode ser escrito em duas frases: Lembre-se que o objetivo principal do desejo sexual é o de gerar filhos. Gratificação sexual pode ser conseguida apenas com isso em mente.” [28]

Hugh B. Brown

“O problema de controle de natalidade e esterilidade voluntária está envenenando as fontes da vida e desafiando o mandamento de Deus para multiplicar e encher a terra.” [34]

“A Igreja sempre desaconselhou o controle de natalidade e essa é a única posição que a Igreja pode manter tendo em vista nossas crenças com relação à eternidade do convênio do casamento e da finalidade dessa relação divina.” [35]

Bruce R. McConkie

“Hoje o grito é ouvido em alguns setores que estas declarações convidando pais para fornecer corpos para as hostes espirituais do Céu estão fora de moda. Programas de controle de natalidade estão sendo patrocinados em escala nacional e internacional. Os medos são expressos de que a terra não poderá suportar o número de pessoas que nascimentos irrestritos trará. Mas o decreto de Deus e o conselho dos profetas permanecem inalterados. A necessidade real não é limitar o número de habitantes da Terra, mas aprender a cuidar das hostes acrescidas que o Senhor determina que devam habitar este mundo antes que o último espírito alocado seja enviado para cá para ganhar um corpo mortal. Em meio a todos os gritos e pressão do mundo, a posição da Igreja verdadeira permanece fixa. Deus ordenou a seus filhos a se multiplicar e encher a Terra, e a Terra está longe de estar preenchida.” [38]

Mark E. Peterson

“Neste esforço de controle de natalidade, o homem se coloca em oposição direta ao plano e as leis de Deus. O Todo-Poderoso fez este mundo, e Ele nos fez. Todos os seres humanos são seus filhos, sua progênie espiritual, e é a Sua intenção fornecer a cada um de nós um corpo de carne e ossos. Este corpo é essencial para o progresso eterno. Com isso em mente, Ele nos dá os poderes de procriação e permite-nos juntar-se a Ele em um ato divinamente patrocinado. Mas, ao prevenir ou abortar nascimentos legítimos, nós nos opomos a este plano. Seus filhos espirituais nascem em corpos de carne e ossos pelo Seu próprio desenho. Então quem somos nós para impedir isso?” [36]

Alguns que são perfeitamente saudáveis e capazes de gerar filhos tem evitado essa responsabilidade, e ao fazer isso recorreram ao uso de práticas prejudiciais e dispositivos resultantes muitas vezes em danos físicos à esposa e desmoralização para ambas as partes. Alguns se perguntam se o Igreja aprovaria tais práticas. É claro que ela nunca aprovou e nunca poderia“. [37]

J. Ballard Washburn

“É uma contradição a[o convênio do templo] evitar o nascimento de filhos se os pais gozarem de boa saúde. Há trinta e cinco anos, quando comecei a exercer a medicina, era raro uma mulher casada procurar informações a respeito de como evitar filhos. Quando me aposentei era raro uma mulher casada, com exceção de algumas que são membros fiéis da Igreja, desejar ter mais de um ou dois filhos, sendo que algumas nem mesmo queriam filhos. Nós, da Igreja, não nos devemos deixar enganar pelas falsas doutrinas do mundo que nos fazem quebrar os convênios sagrados do templo.” [39]

PRONUNCIAMENTOS OFICIAIS

A Primeira Presidência
(Joseph F. Smith, Anthon H. Lund, Charles W. Penrose)

“Dirigentes, membros da Sociedade de Socorro, aqui vocês tem a palavra do Senhor, sobre este assunto. Pode qualquer coisa ser mais clara ou mais enfática? É uma coisa muito estranha que as pessoas possam acreditar que o Senhor da Vida poderia tolerar por um momento a recusa de seus filhos a cumprir o primeiro mandamento dado a Adão e Eva. É tão fácil evitar paternidade, se as pessoas desejam fazê-lo, e assim, também, inocentemente, mesmo que de forma egoísta. Homens e mulheres podem permanecer solteiros. Isso é tudo que se precisa para fazê-lo.” [40]

A Primeira Presidência
(David O. McKay, Hugh B. Brown, N. Eldon Tanner)

“Presidentes de Estaca, Bispos das Alas, e Presidentes de Missões

Queridos Irmãos:

A Primeira Presidência está sendo questionada de tempos em tempos, sobre a posição da Igreja concernente controle de natalidade. A fim de que você possa ser informado sobre este assunto e que você possa estar preparado para transmitir a informação adequada aos membros da Igreja sob a sua jurisdição, decidimos dar-lhe a seguinte declaração:

Nós seriamente devemos lamentar que haja um sentimento ou uma sensação entre quaisquer membros da Igreja para reduzir o nascimento de seus filhos. Nós fomos comandados a multiplicar e encher a Terra para que tenhamos alegria e júbilo em nossa posteridade.

Quando marido e mulher desfrutam de saúde e vigor e estão livres de impurezas que seriam impostas à sua posteridade, é contrário aos ensinamentos da Igreja artificialmente reduzir ou impedir o nascimento de crianças. Acreditamos que aqueles que praticam o controle da natalidade vão colher decepção eventualmente.

No entanto, sentimos que os homens devem ser atenciosos com suas mulheres que carregam a maior responsabilidade não só de gerar crianças, mas de cuidar delas durante a infância. Para esse fim, a saúde e a força da mãe devem ser conservadas e a consideração do marido por sua esposa é o seu primeiro dever, e auto-controle um fator dominante em todos os seus relacionamentos.

É, ademais, nosso sentimento que os casais devam buscar inspiração e sabedoria do Senhor para que possam exercer um poder discricionário na solução de seus problemas conjugais, e que eles possam ser permitidos criar seus filhos de acordo com os ensinamentos do evangelho.” [41]

A Primeira Presidência e o Quórum dos Doze Apóstolos
(Gordon B. Hinckley, Thomas S. Monson, James E. Faust)

O PRIMEIRO MANDAMENTO dado a Adão e Eva por Deus referia-se ao potencial de tornarem-se pais, na condição de marido e mulher. Declaramos que o mandamento dado por Deus a Seus filhos, de multiplicarem-se e encherem a Terra, continua em vigor.” [42]

Manual de Instruções da Igreja

“É o privilégio dos casais que são capazes de gerar filhos fornecer corpos mortais para os filhos espirituais de Deus, a quem eles são, então, responsáveis por nutrir e criar. A decisão sobre quantos filhos ter e quando tê-los é extremamente íntima e privada e deve ser deixada entre o casal e o Senhor. Membros da Igreja não devem julgar uns aos outros nesta matéria.

Os casais também devem compreender que as relações sexuais dentro do casamento são divinamente aprovadas não só para fins de procriação, mas também como um meio de expressar amor e fortalecer os laços emocionais e espirituais entre marido e mulher. “[43]

A Igreja desencoraja fortemente a esterilização cirúrgica como uma forma eletiva de controle de natalidade. Esterilização cirúrgica deve ser considerada somente se (1) condições médicas comprometem seriamente a vida ou a saúde ou (2) defeitos congênitos ou trauma grave tornaram uma pessoa mentalmente incompetente e não responsável para suas ações. Essas condições devem ser determinadas por uma avaliação médica competente e em conformidade com a lei. Mesmo assim, as pessoas responsáveis por essa decisão devem consultar uns aos outros e o seu bispo e devem receber a confirmação divina da sua decisão através da oração.” [44]

Enciclopédia do Mormonismo

“O manual geral de instruções para os líderes da Igreja tem as seguintes instruções sobre controle de natalidade: “Os maridos devem ser atenciosos com as suas mulheres, que têm uma grande responsabilidade, não só para ter filhos, mas também para cuidar deles durante a infância …. Os casais devem buscar inspiração do Senhor no cumprimento das suas dificuldades conjugais e criar seus filhos de acordo com os ensinamentos do evangelho.

A interpretação destas instruções gerais é deixada para o arbítrio dos membros da Igreja. Um dos ensinamentos básicos da Igreja, no entanto, é que as crianças espirituais de Deus vem à Terra para obter um corpo físico, para crescer, e para ser testados. Nesse processo, os adultos devem se casar e fornecer corpos temporais para esses filhos espirituais. Para Santos dos Últimos Dias, é uma bênção, uma alegria, e também a obrigação ter filhos e formar uma família.

Um dos pilares do evangelho é o arbítrio ou escolha. Santos dos Últimos Dias acreditam que todos serão responsabilizados pelas escolhas que fazem. Muitas decisões envolvem a aplicação de princípios onde instruções precisas não são indicados no Manual Geral de Instruções ou nas escrituras. Por conseguinte, é necessário o exercício da ação individual, e Santos dos Últimos Dias acreditam que os resultados de crescimento pessoal de pesar as alternativas, estudar assuntos com cuidado, aconselhar-se com os líderes da Igreja apropriados, e em seguida, procurar a inspiração do Senhor antes de tomar uma decisão.

Os membros da Igreja são ensinados a estudar a questão de planejamento familiar, incluindo aspectos tão importantes como a saúde física e mental da mãe e do pai e sua capacidade de atender às necessidades básicas da vida. Se, por razões pessoais, um casal em oração decide que ter outro filho imediatamente é imprudente, o controle de natalidade pode ser apropriado. A abstinência, é claro, é uma forma de contracepção. Como qualquer outro método, no entanto, ele tem os seus efeitos secundários, alguns dos quais podem ser prejudiciais para o relacionamento matrimonial.

Profetas antigos e atuais nunca estipularam que ter filhos era a única função do relacionamento conjugal. Eles têm ensinado que a intimidade física é uma forte força para expressar e fortalecer o vínculo de amor no casamento, melhorando e reforçando a unidade conjugal.

As decisões relativas ao número e espaçamento dos filhos devem ser feitas pelo marido e mulher juntos, em retidão, e através da comunicação empática, e com a oração para a inspiração do Senhor. Santos dos Últimos Dias acreditam que as pessoas são responsáveis não só pelo que fazem, mas por quê o fazem. Assim, a respeito do tamanho da família e questões concomitantes, os membros devem desejar multiplicar e encher a terra, como o Senhor ordenou. Nesse processo, Deus quer que seus filhos usam o arbítrio que ele lhes deu para traçar um curso sábio para si e suas famílias.” [45]

Seção de Tópicos do Evangelho do Site Oficial da Igreja SUD

“Os filhos são uma das maiores bênçãos da vida, e seu nascimento em uma família amorosa e afetuosa é essencial para os propósitos de Deus em relação à humanidade. Se o marido e a mulher estão fisicamente aptos, eles têm o privilégio e a responsabilidade de trazer filhos ao mundo e de cuidar deles. A decisão de quantos filhos ter e quando tê-los é um assunto particular do casal. Deus tem um plano para a felicidade de todos os que habitam na Terra, e o nascimento de filhos em uma família amorosa é essencial em Seu plano. O primeiro mandamento que Ele deu a Adão e Eva foi “frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra” (Gênesis 1:28). As escrituras declaram: “Os filhos são herança do Senhor” (Salmos 127:3). Aqueles que são fisicamente capazes têm a bênção, a alegria e a obrigação de gerar filhos e criar uma família. Essa bênção não deve ser adiada por motivos egoístas. As relações sexuais no casamento não são apenas para o propósito da procriação, mas também um meio de expressar amor e fortalecer os vínculos emocionais e espirituais entre marido e mulher. O casal é incentivado a orar e consultar a opinião um do outro ao planejar sua família. As questões a serem levadas em conta são a saúde física e mental da mãe e do pai e sua capacidade de prover as necessidades básicas da vida para os filhos. A decisão sobre o controle de natalidade e as consequências dessas decisões cabe exclusivamente ao casal. O aborto eletivo como método de controle de natalidade, porém, é contrário aos mandamentos de Deus.” [46]

Líderes Mórmons Dificultam Acesso A Contracepção

A Igreja SUD posicionou-se oficial e judicialmente contra a lei que a obrigaria pagar planos de saúde a seus funcionários que cubram métodos contraceptivos.

“Mas a fé [Mórmon], baseada em Utah, alia-se outras igrejas, como uma questão de liberdade religiosa, em oposição ao mandato [da Lei Federal para regular planos de saúde] para pagar por contracepção. E a sua própria seguradora, Administradores de Benefícios Mútuos Deseret, que cobre todos os empregados da Igreja SUD – incluindo professores da Universidade de Brigham Young e professores do seminário e instituto SUD – não cobre quaisquer dispositivos ou medicamentos para efeitos de planeamento familiar. ‘Planos de seguro de saúde para os funcionários da igreja cobrem contracepção somente quando for medicamente necessário para lidar com condições de saúde’, explica o porta-voz da igreja Cody Craynor.” [47]


Leia mais sobre Profetas Mórmons e Sexo Oral

Leia mais sobre Profetas Mórmons e Namoro

Leia mais sobre Profetas Mórmons e Beijos

Leia mais sobre Profeta Mórmon e Estupro

Leia mais sobre Profetas Mórmons e Gays

NOTAS                     
[1] Young, Brigham, Discourses of Brigham Young, p. 197
[2] Brigham Young em Journal of Discourses, 12:120
[3] Taylor, John, The Government of God, cáp. 2
[4] Carta de Wilford Woodruff e Joseph F. Smith a Job Pingree, 23 jan 1894
[5] Smith, Joseph F., Gospel Doctrine, p. 278
[6] ibid., p. 276
[7] Grant, Heber, Gospel Standards, p. 154
[8] Smith, George Albert, ‘Birth Control’ em Relief Society Magazine, Fev 1917, p. 72
[9] David O. McKay em Church News, 11 Jun 1952
[10] David O. McKay em Conference Report, Out 1943, p. 30
[11] McKay, David, ‘Birth Control’ em Relief Society Magazine, Jul 1916, p. 366
[12] ibid., p. 367
[13] Smith, Joseph Fielding, Improvement Era 11:959-61
[14] McConkie, Bruce, Mormon Doctrine, p. 81
[15] Joseph Fielding Smith, Relief Society Magazine, v. 3, no. 7, Jul 1916
[16] Smith, Joseph Fielding, Doctrines of Salvation, Vol. 2, p. 85
[17] Harold B. Lee em Conference Report, Out 1972, p. 63
[18] Spencer W. Kimball em Conference Report, Abr 1979, p. 6
[19] Spencer W. Kimball em Conference Report, Abr 1971, p. 7
[20] Kimball, Spencer, ‘Marriage is Honorable’ em Speeches of the Year, 1973, p. 263
[21] Spencer Kimball em Address to Special Interest Fireside in Tabernacle, 29 Dez 1974, p. 4
[22] Benson, Ezra, Teachings of Ezra Taft Benson, p. 539
[23] Ezra Taft Benson em Conference Report, Abr 1969, p. 12
[24] Ezra Taft Benson em ‘To the Mothers in Zion: Parents’ Fireside‘, 22 Fev 1987
[25] Howard W. Hunter em Conference Report, Out 1994, p. 67; Ensign, Nov. 1994, p. 50
[26] Gordon B. Hinckley em Cornerstones of a Happy Home, panfleto de discurso proferido em 29 Jan 1984
[27] Widtsoe, John, Improvement Era, Dez 1942; Evidences and Reconciliations, p. 310
[28] J. Reuben Clark, Jr. em Conference Report, Out 1949, p. 194
[29] Profetas e Apóstolos em ordem cronológica por ordenação, e a exceção de Ballard Washburn representando os Setenta (1990-1995); ênfases nossas nas citações.
[30] Erastus Snow em Journal of Discourses, v. 25, p. 110
[31] George Q. Cannon em Collected Discourses, v. 5, Out 7 1894
[32] Richards, George Franklin, Relief Society Magazine, v. 3, no. 7, Jul 1916
[33] Whitney, Orson F., Relief Society Magazine, v. 3, no. 7, Jul 1916
[34] Brown, Hugh, The Abundant Life, p. 244
[35] Brown, Hugh, The Way of the Master, p. 114
[36] Peterson, Mark, The Way to Peace, p. 266
[37] Peterson, Mark, Your Faith and You, p. 121
[38] McConkie, op. cit., p. 86
[39] J. Ballard Washburn em Conference Report, Abr 1995
[40] Primeira Presidência, Relief Society Magazine, v. 4, no. 2, Fev 1917, p. 68
[41] Carta da Primeira Presidência,  Arquivos da Primeira Presidência, 14 Abr 1969
[42] Carta da Primeira Presidência e Conselho dos Doze Apóstolos, A Família: Proclamação Ao Mundo, 23 Set 1995
[43] Controle de Natalidade, Manual de Instruções da Igreja, 21.4.4, 2010
[44] Esterilização Cirúrgica, Manual de Instruções da Igreja, 21.4.15, 2010
[45] Controle de Natalidade, Enciclopédia do Mormonismo, 1992
[46] Controle de Natalidade, Seção de Tópicos do Evangelho do Site LDS.org, copiado na data de publicação deste
[47] ‘Líderes Mórmons OK com Contracepção, Mas Não Com Planos de Saúde Que A Cubra’, The Salt Lake Tribune, 5 Fev 2014, copiado na data de publicação deste
[48] O título do artigo deveria ser “Mórmons Contra Contracepção” ou “Mórmons Contra Planejamento Familiar”, mas existe uma preocupação real que muitos Mórmons não entendam o significado dessas expressões, enquanto “camisinha” é um termo popularmente associado com contracepção e planejamento familiar e simples o suficiente para todos. Certamente, haverá os que se queixarão do título “sensacionalista”, mas é justamente para esse tipo de leitor, cuja baixa qualidade intelectual nos obriga a simplificar tudo, que o título foi escolhido. 

6 comentários sobre “Mórmons Contra Camisinha?

  1. Desde muito cedo nunca notei muita diferença entre nossa crença e, por exemplo, da igreja católica a esse respeito, inclusive que hoje ambos os grupos de crentes pouca atenção tem dado a esses “ensinamentos”.

    Não sei se algum dia teve, nessa ou naquela igreja, alguma prática sacerdotal que coibisse tal prática com alguma sanção prática, mas é fato que hoje isso não faz parte oficial das entrevistas aos membros SUD.

    Mas é um assunto recorrente, mesmo em entrevistas com alguns casais, especialmente os recém casados.

  2. “A decisão sobre quantos filhos ter e quando tê-los é extremamente íntima e privada e deve ser deixada entre o casal e o Senhor.”
    O pecado acontece quando se coloca o Senhor fora da decisão, ficando entre o casal apenas, ou quando apesar da inspiração clara numa direção, opta-se por seguir outra.

  3. Essa foto de duas mulheres se beijando em frente ao templo de salt lake agindo de forma provocativa e deliberada, afrotando contra o sentimento religioso daquelas pessoas de fé mórmon é o exemplo de atitude criminosa que muitos gays praticam. Exigem respeito, mas não se dispõem a respeitar.
    Em respeito aos de fé mórmon, a adminisração do site deveria retirar essa foto ofensiva e desrespeitosa.

    • Membros heterossexuais que tiram fotos se beijando em frente ao templo também estão “agindo de forma provocativa e deliberada, afrontando contra o sentimento religioso”? Beijar em público é uma “atitude criminosa”?

      • Lógico que membros heterossexuais se beijando em frente ao templo não ofendem o sentimento religioso da fé mórmom.
        Não sejamos ingênuos de pensar que essa foto é um simples beijo em público, a foto da maneira que foi tirada tem um forte apelo provocativo e vocês sabem disso, foi tirada de forma provocativa e deliberada, afrotando contra o sentimento religioso daquelas pessoas de fé mórmon.
        Respeito você não considerar falta de respeito, mas para muitos é falta de respeito à fé alheia.
        Sobre o crime, está lá no art. 208 do código penal, vejamos;
        “Art. 208. Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso;
        Pena – detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.”
        A palavra vilipêndio consiste em desprezar, menoscabar, aviltar, desdenhar, injuriar, ultrajar, portanto, pode ser praticada em ato de culto religioso por palavras, escritos ou gestos e que seja cometido na presença de várias pessoas ou de maneira que chegue ao conhecimento delas, ou mesmo pode ser praticado contra objeto de culto religioso a que prestam como o altar, capelas, crucifixo, livros litúrgicos entre outros.

      • Você acha que beijar em público constitui “escarnecer” ou “vilipendiar”?

        Você sabe o que significa o verbo “vilipendiar”? Talvez lhe ajudasse ler um dicionário.

        Você sabe o que significa o verbo “escarnecer”? Além do dicionário, talvez lhe ajudasse conhecer melhor os fatos.

        Você sabe o que significa o verbo “protestar”? E o verbo “discriminar”? E o têrmo “liberdade de expressão”, você entende?

        Você sabia que a Constituição Federal protege minorias, como homossexuais, de discriminação? E as crianças em famílias de minorias contra discriminação?

        Mas se você realmente acha que está ocorrendo um crime aqui, denuncie à polícia.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s