Mórmons Brasileiros Não Crêem em Casamento Eterno?

Será que alguns mórmons brasileiros não acreditam no conceito de “casamento eterno”?

Capa do livro ‘Fastasmas da Poligamia: Assombrando os Corações e o Céu de Mulheres e Homens Mórmons’ de Carol Lynn Pearson, que explora a ansiedade de mulheres mórmons contemporâneas com o conceito de poligamia na vida após a morte

A doutrina oficial da Igreja SUD especifica que casamentos realizados em seus templos sagrados não são dissolvidos com a morte, e portanto, duram por toda eternidade. No jargão mórmon, trata-se de “casamento celestial”, “casamento eterno”, “casamento para o tempo e para a eternidade”, e o “novo e sempiterno convênio”.

O manual para mulheres da Igreja SUD ‘Manual Básico da Mulher SUD’ explica, por exemplo, o conceito doutrinário do “casamento eterno”:

“A vida não termina com a morte, e o casamento também não foi feito para terminar com a morte. Porém, o casamento realizado por oficiais civis ou de outras igrejas, fora do templo, é só para esta vida. O casamento eterno no templo é o único que continuará após a morte, e a exaltação no grau mais alto do reino celestial só vem para aqueles que fazem tal convênio e o observam.”

Não obstante, a reação pública de alguns leitores mórmons levanta a questão se a crença no conceito de “casamento eterno” realmente encontra-se internalizado, e não apenas liturgizado. Tomemos, por exemplo, a reação deste leitor quando confrontado com um texto que explica como o Apóstolo Russell Nelson se tornou o Apóstolo mórmon polígamo mais recente na história da Igreja:

 

“O texto acusa Nelson de polígamo, ao se casar com outra mulher depois da primeira! Mas não argumenta tal suposição, fazendo com que muitos leitores inexperientes interpretem que a Igreja mantem a poligamia. Nelson casou-se novamente; porém, sua primeira esposa já não havia falecido?”

Em parte, a crítica do leitor é razoável. Para aqueles que não acreditam em “casamentos eternos”, Nelson não é, nem nunca foi, polígamo. Sua primeira esposa havia falecido, e consequentemente ele estava, por virtude de sua viuvez, solteiro para se casar novamente. Adicionamos aqui, portanto, para aquele artigo a seguinte nota: Nelson é considerado polígamo apenas por aqueles que acreditam que em “casamentos eternos”, ou seja, que o casamento realizado nos templos é eterno e dura por toda eternidade, como é a doutrina oficial da Igreja SUD.

Não obstante, o próprio texto daquele artigo que já deixara claro isso:

“Nelson foi casado por 60 anos a Dantzel White… 14 meses após o falecimento dela, Nelson casou-se novamente com Wendy Watson…”

Esse trecho claramente deixa explícito que a primeira esposa morreu antes dele se casar com sua segunda esposa. Ademais, o fato de incluirmos um link justamente no trecho “Apóstolo mórmon polígamo” que leva a um artigo que explica justamente o conceito de “poligamia na vida pós-mortal” deixa ainda mais óbvioque  a asserção refere-se ao conceito teológico mórmon de “casamento eterno”.

Quaisquer reclamações sobre confusões quanto ao status de “acusação” de poligamia durante a vida terrena só pode ser atribuída a duas posturas distintas: 1) Leitura descuidada e inatenta, ou 2) Aberta desonestidade intelectual apologética.

Supondo que tal leitor seja, em realidade, intelectualmente honesto e que leia textos atentamente, especialmente antes de resolver criticar ou contestar tal texto como é de se esperar de uma pessoa intelectualmente honesta, então a única conclusão alternativa para tal confusão seria uma terceira alternativa: A completa descrença, ainda que em âmbito subconsciente, no conceito de “casamento eterno”. Tal suspeita só se reforça quando o mesmo leitor insiste em criticar a descrição dos casamentos de Nelson argumentando que é prática comum entre membros da Igreja viúvos casar-se novamente.

Kkkkkkk… aproveitando o deboche de quem está escrevendo isso aí como resposta dada por esta importante página racional, escreva algo sobre a poligamia de membros brasileiros, já que muitos casam-se após uma separação ou morte de cônjuge! Pesquisa também sobre o que é realmente considerado POLIGAMIA!

Certamente pesquisamos “o que é realmente considerado POLIGAMIA (sic)”, e por definição poligamia é definida como a “[m]ultiplicidade simultânea de mulheres para um marido ou de maridos para uma mulher”. Porém, não há necessidade alguma de apelar para o dicionário para “pesquisar o que é realmente considerado POLIGAMIA (sic)”. O Profeta Joseph F. Smith explicou de maneira clara e inequívoca “o que é” e, ainda, a importância crucial para exaltação da poligamia ou “casamento plural” (ênfases nossas):

Algumas pessoas supõe que a doutrina do casamento plural era uma espécie de superfluidade, ou algo não essencial para a salvação ou exaltação da humanidade. Em outras palavras, alguns dos santos disseram, e acreditam, que um homem com uma esposa, selada a ele pela autoridade do Sacerdócio para o tempo e a para eternidade, receberá uma exaltação tão grande e gloriosa, se for fiel, quanto ele possivelmente poderia com mais de uma [esposa]. Quero aqui registrar o meu solene protesto contra essa ideia, pois sei que é falsa.”

Enquanto muitos Apóstolos e Profetas durante os quase 2 séculos da Igreja SUD pronunciaram-se quanto à importância da poligamia para a exaltação, muitos membros assumiram para si a crença de que tratava-se de uma prática meramente opcional, ou temporária e pragmática (i.e., específica para uma determinada ocasião). O Apóstolo John Widtsoe tratou de repudiar tais crenças como infundadas, enquanto o Presidente Jedediah Grant chegou a pregar que Cristo teria sido crucificado por causa de Sua defesa e ensinamento da poligamia. Ademais, a seção 132 de Doutrina e Convênios permanece no cânone SUD como escritura e obra padrão, definindo e pregando a importância da poligamia até hoje.

Tudo posto, poligamia mórmon é um conceito claro e inequívoco. Trata-se de “multiplicidade simultânea de mulheres para um marido” por toda eternidade. Provido, é claro, que os casamentos sejam realizados nos templos sagrados da Igreja SUD. Com isto em mente, Russell Nelson ingressou no rol dos profetas e apóstolos mórmons polígamos em abril de 2006 com seu segundo casamento para “o tempo e para toda eternidade”.

Vejamos outro exemplo de uma leitora que insiste que afirmar o status polígamo de Russell Nelson consista em “distorção” dos fatos.

“Vocês acabam distorcendo fatos.. gostaria de saber mais a respeito da vida poligamia q vcs dizem q ele levava… Por exemplo? Provas”

Como explicamos acima, o texto claramente descreve como Nelson casou-se com uma mulher “para o tempo e para a eternidade” no “novo e sempiterno convênio”, e 14 meses após o falecimento desta, casou-se com outra mulher “para o tempo e para a eternidade” no “novo e sempiterno convênio”. Para quem crê no “novo e sempiterno convênio”, isso claramente constitui numa “[m]ultiplicidade simultânea de mulheres para um marido”.

Supondo que a leitora não seja intencionalmente desonesta, e que portanto não seria displicente de ser descuidada na leitura de um texto o qual pretende criticar, então resta apenas a conclusão de que em realidade não crê no “sempiterno convênio”, e para ela o primeiro casamento de Nelson se dissolveu com o falecimento de sua primeira esposa, e portanto, não se caracteriza poligamia com seu segundo casamento, não havendo assim “multiplicidade simultânea” mas sim multiplicidade serial e não simultânea.

Logicamente, há que se considerar uma quarta alternativa possível. É inteiramente possível que tais mórmons nada mais estejam tentando reduzir uma dissonância cognitiva entre o desejo de negar (ou abandonar) o princípio da poligamia sem descreditar a importância do passado polígamo na história mórmon.

Contudo, tal hipótese não é realmente uma “quarta alternativa” pois não deixa de ser uma postura intelectualmente desonesta, pois aberta e francamente ignora, e finge não existir, uma realidade teológica que impacta a vida pessoal de milhares de mulheres. Por exemplo, um estudo recente demonstrou que milhares de mulheres mórmons, membros d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, sofrem na atualidade com a perspectiva de poligamia na vida pós-mortal.

O estudo, conduzido pela pesquisadora Carol Lynn Pearson, ouviu de mais de 8 mil respondentes mórmons que apenas 15% deles sentiam-se à vontade com o conceito de poligamia na vida após a morte, enquanto 85% sentiam-se incomodados, desanimados, desconfortáveis ou abertamente em oposição à prática. Pearson relata, como exemplos, testemunhos de pessoas que recusaram-se namorar ou envolver-se com pessoas viúvas justamente para evitar os conflitos matrimoniais gerados pela crença de ter que dividir (ou perder) seu/sua cônjuge no futuro (da vida pós-mortal).

“Em nossa Igreja, com sede em Salt Lake City – não nos grupos de dissidentes fundamentalistas, muitas vezes violentos ou bizarros como o que caiu na infâmia por causa de Warren Jeffs, mas a Igreja SUD do Coro do Tabernáculo, Mitt Romney, e Donny e Marie Osmond – a Igreja que eu frequento semanalmente – poligamia não é um artefato em um museu. Ela está viva e não muito bem, um fantasma que tem uma vida escura própria – escondida nos recessos da psique Mórmon, causando profunda dor e medo, assegurando mulheres de que elas ainda são objetos, danificando ou destruindo casamentos, trazendo caos para as relações familiares, levando muitos a perder a fé na nossa Igreja e em Deus. Apesar de seu dano óbvio, ao Fantasma é dado um lugar de honra na mesa da família.” (‘Fastasmas da Poligamia: Assombrando os Corações e o Céu de Mulheres e Homens Mórmons‘, p.7)

No livro onde descreve os achados de seu estudo, Pearson reconta testemunhos de membros ativos que sofreram para lidar com as ramificações da poligamia eterna. Mórmons da Igreja SUD podem não praticar poligamia abertamente com os de outras igrejas ditas “fundamentalistas”, mas a Igreja ainda crê na doutrina de poligamia e ela ainda pratica-a de forma mais sutil e esotérica, mas não menos real.

Em conclusão, notamos 4 alternativas possíveis para explicar as reações negativas de mórmons membros da Igreja SUD ao lidar com a realização que o seu atual (ainda presuntivo) Profeta e Presidente da Igreja é (de acordo com sua própria fé e doutrina) polígamo:

  1. Leitura descuidada e inatenta;
  2. Aberta desonestidade intelectual apologética;
  3. Descrença no conceito teológico de “casamento “eterno”;
  4. Desonestidade intelectual apologética motivada pelo desconforto com o princípio fundamental da poligamia.

O que você acha? Mórmons brasileiros realmente crêem em “casamento eterno”? Ou apenas fingem crer em seus cotidianos religiosos por tratar-se de um ritual apenas nominalmente importante? Ou crêem mas preferem fingir que poligamia não é mais um princípio válido? Ou crêem em “casamento eterno” mas preferem mentir que não crêem em poligamia pelo desconforto com esse princípio?

11 comentários sobre “Mórmons Brasileiros Não Crêem em Casamento Eterno?

  1. É um assunto muito controversio. Se, de fato, é um casamento eterno, então, por que se casar com outra pessoa, mesmo estando viúvo? Se o viúvo (a) está liberado (a) para se casar quando o companheiro (a) morre, então não existe casamento eterno. Caso contrário, entende-se que seja bigamia, ou poligamia.

  2. Numa perspectiva eterna, se você se sela a uma mulher e ela vem a falecer, os laços do matrimônio permanecem em vigor mesmo após a morte da esposa e caso você venha a se selar novamente com outra mulher é criado um novo laço conjugal, passando assim o homem a ter dois laços conjugais, essa é a perspectiva que a ABEM está focando para dizer que o apóstolo é polígamo.
    Porém, numa perspectiva temporal não existe poligamia, pois o casamento civil é dissolvido após a morte do cônjuge é dissolvido, não havendo o que se falar em poligamia nesses casos.
    A Declaração Oficial 1 acabou com a poligamia numa perspectiva temporal, não numa perspectiva eterna.
    A confusão entre a ABEM e alguns que comentaram é que nenhuma das duas partes teve a ideia de fazer esta distinção.

    • Você tem absoluta razão, Alisson.

      Exceto pela parte em que diz que nós não tivemos “a ideia de fazer esta distinção”.

      O próprio título do artigo específica que estamos discutindo “Casamento Eterno”.

      Ou você acha que alguém crê que o casamento civil é um “casamento eterno”?

      A segunda frase do artigo deixa isso ainda mais claro quando específica: “A doutrina oficial da Igreja SUD especifica que casamentos realizados em seus templos sagrados não são dissolvidos com a morte, e portanto, duram por toda eternidade.”

      Absolutamente nenhum leitor honesto e alfabetizado consegue ler o título do artigo e as duas primeiras frases e ainda se confundir se estamos falando em casamentos civis ou casamentos realizados no templo SUD.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.