Igreja Mórmon Modifica Garments

Maior mudança nas vestes sagradas do templo desde a década de 1920

Na semana passada, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias lançou novos modelos de garments, as vestimentas religiosas usadas por membros que receberam a cerimônia da investidura. Os lançamentos trazem tecidos mais elásticos e mangas menores para o público feminino.  Alguns modelos masculinos e femininos, antes disponíveis nos EUA, também foram descontinuados, como os garments de peça única. Porém, a maior e mais inusitada inovação nas vestes mórmons está na confecção das suas quatro marcas sagradas.

Ao invés de bordadas de forma visível no exterior da peça, as marcas são impressas no avesso, de forma a não serem visíveis de fora. Além disso, devido à impressão, os novos garments têm “validade” prevista de um ano. Na compra dos novos modelos, membros SUD recebem a seguinte explicação:

Foi aprovada uma aplicação atualizada das marcas sagradas. Elas são agora impressas no interior do garment, permitindo que sejam vistas por quem o veste enquanto reduz sua visibilidade externa e aumenta o conforto do seu usuário.

As marcas são usadas para durarem mais do que o garment em condições normais de lavagem e uso (aproximadamente 50 lavagens ou um ano de uso).

Cartão inserido na embalagem dos novos garments SUD, comercializados nos EUA, traz explicações em inglês e espanhol.

História dos garments

O uso de roupas com símbolos associados à investidura foi introduzido sob a direção do Profeta Joseph Smith em 1842 em Nauvoo, Illinois. Há evidências de que os primeiros modelos confeccionados fossem constituídos por uma camisa e uma calça. Posteriormente, os primeiros iniciados do Quórum dos Ungidos passaram a adotar uma peça única, como pode-se ver neste exposé publicado em 1879 pelo jornal The Salt Lake Tribune.

O modelo de peça única era similar ao chamado union suit, roupa íntima comum nos Estados Unidos à época. Muitos mórmons fundamentalistas hoje usam exclusivamente o garment longo de peça única.

As marcas sagradas, originalmente cortadas no tecido durante a investidura e posteriormente bordadas pelo iniciado, incluíam o esquadro e o compasso, tradicionais símbolos maçônicos.

A obtenção ou confecção de garments era originalmente uma responsabilidade individual para mórmons do século 19. Já no século 20, em Utah, surgiram empresas privadas que ofereciam garments, com ou sem as marcas sagradas, e competiam entre si no mercado santo dos últimos dias. As opções de escolha estavam nos tecidos (algodão, lã, seda, etc) e mesmo nas cores (branco, bege, pêssego, etc).

Anúncio da empresa The Reliable (“A Confiável”) publicado na década de 1920 em periódicos da Igreja SUD.

Em 1923, o então Presidente da Igreja SUD Heber J. Grant approvou mudanças nas vestimentas sagradas, possibilitando o uso de mangas e pernas curtas, ainda que mantendo a peça única. Foi somente na década de 1970 que a Igreja SUD passou a incentivar o uso dos garments de duas peças (camiseta e shorts) e desincentivar o estilo tradicional.

Monopólio eclesiástico

Na década de 1930, a Igreja adentrou o mercado de garments com sua empresa Beehive Clothing Mills, em Salt Lake City, gradualmente instituindo o monopólio da confeccção e comercialização.

A expansão mundial mórmon e a construção de templos em outros países também implicou na maior demanda de roupas sagradas. A logística e custos de exportação colocaram um fim na produção exclusiva de garments na capital de Utah.

Em 1980, afirma o historiador D. Michael Quinn em seu mais recente livro sobre as finanças SUD, a Beehive Clothing Mills já possuía “fábricas auxiliares em Hunter, Utah; Manchester, Inglaterra; Cidade do México, México; e São Paulo, Brasil”.

Cartão inserido na embalagem dos novos garments SUD, comercializados nos EUA, traz explicações em inglês e espanhol.

Ainda não sabemos quando os novos modelos com as marcas impressas estarão disponíveis aos membros SUD no Brasil.

 

15 comentários sobre “Igreja Mórmon Modifica Garments

  1. Interessante quando se fala sobre os garments e como tal vestimenta é tratado dentro da Igreja.
    Sempre aprendemos que tal vestimenta era sagrado e tanto é que sempre mantive ela longe da visão de pessoas que não eram membros, mas com o passar dos tempos comecei a perceber que os garments se tornaram roupas comuns mesmo entre membros; deixando assim, de serem sagrados.
    Lembro de muitas ocasiões na missão onde era comum ir na rua e encontrar membros usando calça ou bermuda e acima usando a parte de cima do garment. Na época como era um pouco crentão rs… me assustava, mas hoje vejo isso como normal. Eu não ligo e pelo visto nem a própria liderança que por sinal sabe dessas coisas parece ligar pois nunca vi alguém da liderança falar sobre esse assunto em reuniões seja dentro de um conselho de ala(já quando eu não estava na missão) ou reuniões abertas como reunião sacramental ou reunião do sacerdócio.
    Somando a esse fato há também a exposição do garment ao público no mundo da internet a qual é fácil de ver no youtube e google com as informações detalhadas dos sinais e dos propósitos do garment.
    Quando se fala em algo a manter como sagrado, tal objeto não deve ser mantido livre para o público; especialmente, se trando de pessoas que não são membros da igreja. Por isso que digo que o garment deixou(se é que podemos dizer isso) de ser sagrado já há tempos.

  2. Ligando esse assunto do garment ao templo, vejo da mesma forma o significado da palavra sagrado. Assim como o garment, penso que os templos e seus propósitos deixaram de serem sagrados já há tempos uma vez que são exposta na net facilmente e ninguém da Igreja denuncia essas coisas.

  3. Uma coisa que acho interessante sobre a liderança da Igreja é como eles decidem o que deve ser feito sem ao menos analisar as situações e consultar as lideranças e membros de outros lugares que tem diferentes culturas ou sub-culturas e situações.

    Hoje eles anunciam essa mudança do garment, mas nem ao menos consultaram a opnião dos outros membros e lideranças para chegar a essa decisão. O garment é só um exemplo do que tange ao assunto decisão de liderança, mas outros exemplos.

    Aonde eu resido era comum os membros pagarem dízimo diretamente ao bispado, então eles temporariamente disseram aos membros para pagar o dízimo no correio. O que ocorre que nesse meio tempo houve um número consideravel de queixas de membros que isso expunha eles em uma situação de vergonha considerando o fato que não vivemos em um país “cristão”. Mesmo assim decidiram fazer isso sem ao menos ouvir os membros.

  4. Não há problema algum das pessoas saberem ou verem os garments , os propósitos deles continuam os mesmos , é só estudar mais um pouquinho

    • Em um artigo sobre roupas íntimas sagradas (i.e., garments), o Matheus está preocupado com relações homossexuais.

      Sigmund Freud descreveu em 1901, em seu livro A Psicopatologia da Vida Cotidiana, um impulso inconsciente que ele chamou de Fehlleistung (traduzido para o português como “ato falho”). Sugerimos a leitura.

  5. Eu pessoalmente sempre acreditei que o garment deveria ser algo a ser usado no templo e nas reuniões da igreja, principalmente nesse calor do Brasil, e sejamos sinceros, quem nunca ficou sem camisa em casa, ou dormiu sem os garments pra dar uma refrescada!

    adoro os vozes mórmons, para mais discussões sobre mormonismo liberal, acesse.

    • Só se for voce, porque eu não. Pelo que entendo e sei, devem ser usados dia e noite, e podem ser retirados em algumas ocasiões, e devem ser colocados o mais rápido possível apos uma determinada atividade.

      • Como eu disse, essa é a minha opinião! Já fui mais ativo na igreja do que você imagina, eu entendo perfeitamente como os garments são usados! Torno a dizer, essa é a minha opinião!
        Sonho com o dia em que o mormonismo será um espaço de discussões respeitosas e Inteligentes…. Sem esse teor farisáico, sem julgamentos e apontar de dedos!

    • Eu detestava usar, só usava por obrigação e quando saí de lá, eu joguei todos no lixo, foi uma libertação. Conheci muitas na missão no nordeste que odiavam usar, calor infernal.

      • Pra te falar a verdade eu usei mesmo só na missão, depois da missão fui trabalhar na expedição do Correio, carregando caixas em caminhão em um galpão sem ventilação…. O Garment fazia eu passar mal! Depois que me afastei parei de usar… Quando ia na igreja, uma vez a cada 3 anos, vestia uma camiseta branca por baixo, e falava q eram Garments Americanos… Eles tem em formato de camiseta! Não frequento a igreja mais, e não uso Garment! A igreja deveria rever isso!

      • Mormonismo cultural, eu sei como é isso, conheci muitos na missão e na área onde eu morava, que já estavam excomungados e para disfarçar eles usavam uma outra camiseta, é horrível usar aquilo e o dos homens é bem alto, até o pescoço, que ridículo.

  6. Percebo que grande maioria dos membros se preocupam muito com os garments e como deve ser tratado tal vestimenta, Se formos sensatos, iremos ver que falar sobre isso é irrelevante uma vez que a Igreja deveria sim focar em melhorar a Igreja no que toca ao assunto espiritualidade e união da irmandade algo pela qual são os motivos que levam muitos ao afastamento da religião em sí.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s