Morre Ativista Mórmon Brasileira

A ativista social Sabrina Bittencourt, que ganhou notoriedade nacional recentemente por ajudar vítimas a denunciar os casos de abuso sexual cometidos por gurus espirituais como João de Deus e Sri Prem Baba, morreu esta semana no Líbano de acordo com familiares.

Sabrina Bittencourt (Foto: Facebook)

Bittencourt, que nasceu e cresceu dentro d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, de pais e avós membros da Igreja, recontou em entrevista pouco antes de morrer como sua experiência SUD a levou ao caminho do ativismo social:

“Sofri abusos sérios por homens da mesma religião que eu frequentava na época: os mórmons. O primeiro aconteceu dos 4 aos 8 anos. Nada foi feito a respeito, muito embora tivéssemos levado o assunto às instâncias mais altas da igreja. Era um pediatra que abusava de mim, fazendo ‘exames nos genitais’ com a gente. Até que um dia minha mãe viu e ficou furiosa, tirou satisfação com ele. Minha tia o defendeu, dizendo que era algo ‘normal’. Ele nunca havia pedido autorização para os meus pais para isso.

O outro caso foi de um menino que tinha quase 18 anos, eu 15, e era meu melhor amigo, em 1996. Meu pai o batizou logo depois da sua tentativa de estupro, pois o achava o ‘rapaz ideal, escoteiro, recém-convertido à religião, pronto para ser um excelente missionário’. Entrou numa barraca de camping que eu estava e tentou forçar sexo comigo. Ficou bastante agressivo quando eu neguei e passou os anos posteriores me difamando e caluniando na igreja para meus amigos.

O terceiro, também aos 15 anos, foi numa viagem religiosa, dentro do ônibus de peregrinação em que a maioria eram jovens e senhoras (estavam meus irmãos mais novos e exclusivamente gente da igreja mórmon). Ele se sentou ao meu lado enquanto eu dormia e começou a lamber minha orelha, tocar nos meus seios. Acordei assustada, saí da poltrona e fui sentar lá na frente perto do bispo. Fiquei chorando a noite toda. Não podia acreditar que aquilo estava acontecendo. Somente após a viagem, consegui contar à minha mãe e demais líderes.”

Sabrina Bittencourt aos 15 anos de idade (Foto: Facebook)

Bittencourt reconta como também foi vítima de estupro de um desconhecido ainda aos 16 anos de idade. Seu relato é horrível, incluindo ameaça de morte, fuga arriscada, humilhação com policiais, e medo constante de morte ou doenças. Contudo, na maturidade de seus 38 anos, contextualiza a traição sofrida entre os Santos dos Últimos Dias:

“Para mim, sempre foi muito pior os abusos com pessoas conhecidas e que tinham minha confiança, que do estuprador desconhecido. Era uma sensação de impotência, inadequação, vergonha, solidão, desamparo por homens e pelo ‘Deus’ a quem me foi ensinado acreditar.”

E Bittencourt narra a sensação frequentemente repetida por vítimas de abuso sexual em contexto SUD:

“Não pude mais me relacionar com rapazes na época que faziam parte da mesma religião. Era considerada impura, uma vergonha para essa microssociedade.”

Sabrina Bittencourt (Foto: Facebook)

Resiliente sobrevivente desses traumas sexuais, físicos, espirituais, e emocionais, Bittencourt tornou-se ativista de direitos humanos e das mulheres, focada no “objetivo de ajudar essas pessoas que, como [ela], sofreram abusos dentro de uma instituição religiosa”. Foi assim que se encontrou em posição para ajudar as vítimas do guru religioso João Teixeira de Faria, vulgo João de Deus, a denunciá-lo e a expor seus crimes, tanto com outros líderes religiosos como o guru Sri Prem Baba.

Menos de um mês após a publicação dessa entrevista, Bittencourt, que estava sendo tratada por um linfoma e sendo ameaçada por seguidores dos religiosos acusados, teria despedido-se de sua família e amigos e viajado ao Líbano para cometer suicídio, determinada a exercer controle sobre sua morte e não permitir que nem o câncer, e nem nenhum homem, pudesse lhe roubar esse controle.

Fazendo alusão a Marielle Franco, política e ativista assassinado no Rio de Janeiro há quase um ano, Bittencourt publicou uma nota de despedida em rede social no dia 2 de fevereiro p.p., antes de cometer suicídio:

“Marielle me uno a ti. Somos semente. Que muitas flores nasçam dessa merda toda que o patriarcado criou há 5 mil anos! Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos. USEM A SUA PRÓPRIA VOZ. A SUA PRÓPRIA VONTADE. TOMEM AS RÉDEAS DE SUAS PRÓPRIAS VIDAS E ABRAM A BOCA, NÃO TENHAM VERGONHA! ELES É QUEM PRECISAM TER VERGONHA. (…) Gabriela Manssur, muito obrigada por me fazer ter esperança de que elas serão ouvidas e atendidas em suas necessidades. João de Deus, Prem Baba, Gê Marques, Ananda Joy, Edir Macedo, Marcos Feliciano, DeRose Pai, DeRose filho, todos os padres, pastores, bispos, budistas, espíritas, hindús, umbandistas, mórmons, batistas, metodistas, judeus, mulçumanos, sufis, taoístas, meus familiares, Marcelo Gayger, Jorge Berenguer, eu desconheço a sua infância e a sua criação pelo mundo, mas sei no meu íntimo que TODO MENINO NASCEU PURO e foi abusado, corrompido, machucado, moldado, castrado, calado, forçado a fazer coisas que não queria, até se converter talvez, cada um à sua maneira, em tiranos manipuladores (em maior ou menor grau) que ao não controlar os próprios impulsos, tentam controlar a quem consideram mais frágil e assim praticam estupros, pedofilia, adicções diversas… Eu sei, eu sinto, eu vi. Mas ainda assim, preferi SEMPRE ficar do lado mais frágil nesta breve existência: mulheres, crianças, idosos, jovens, povos originários, afrodescendentes, refugiados, ciganos, imigrantes, migrantes, pessoas com deficiência, gays, pobres, lascados, fudidos, rebeldes e incompreendidos… (…) Aos meus amigos, amadas e amantes, nos encontraremos um dia! Sintam meu amor incondicional através do tempo e do espaço. SIM e FIM.”

Detalhes específicos sobre o seu falecimento (como método de suicídio, local ou cidade do falecimento, etc.) estão sendo zelosamente guardados em sigilo por familiares.


Leia também

Fui Estuprada e a Igreja Mórmon Mandou Arrepender-me

Ex-Líder SUD Preso Por Estupros, Pedofilia

Prêmio Pulitzer à Cobertura de Estupros em Escola Mórmon

Juíz Autoriza Intimação de Profeta Mórmon em Caso de Abuso Sexual

Vítimas de Estupro: Mudanças nas Regras da Igreja SUD

Apóstolo Richard Scott: Vítimas de Abuso Podem Ter Culpa

Spencer W Kimball: Moças Estupradas Perdem Castidade

Igreja Mórmon Critica Jornalistas Cobrindo Vítimas de Estupros em Suas Escolas

Estupro Não Engravida, Diz Legislador Mórmon

Senador Mórmon Defende Estuprador, Critica Vítima

Como Evoluíram as Regras Oficiais da Igreja SUD Sobre Abusos e Vítimas?

 

6 comentários sobre “Morre Ativista Mórmon Brasileira

  1. Ela foi estuprada por membros da Igreja ligadas aos pais e avós dos 4 aos 16 anos. Aos 16, ela engravidou de um dos estupradores e abortou, lutou a vida toda pra que outras mulheres não passassem por isso, onde estava a inspiração dos líderes LDS? Isso é tão comum no meio SUD, Utah é recordista no número de pessoas com depressão e suicídio de gays.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.