Prêmio Pulitzer à Cobertura de Estupros em Escola Mórmon

O Prêmio Pulitzer de 2017 na categoria “reportagem local” foi anunciado para a equipe de jornalistas do The Salt Lake Tribune pela cobertura do acobertamento por líderes e autoridades mórmons de estupros e violência sexual contra alunas da universidade da Igreja Mórmon.

O Prêmio Pulitzer foi estabelecido em 1917 pelo jornalista Joseph Pulitzer, fundador e/ou dono dos então famosos periódicos St Louis Post Dispatch e New York World (respectivamente), para celebrar a excelência em coberturas e investigações jornalísticas, além das letras e artes.

Medalhão do Prêmio Pulitzer

Pulitzer estabeceleu um fundo para não apenas fundar a Faculdade de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, como separou outro para permitir à Columbia estalecer e financiar um comitê que anualmente julgasse os méritos de jornalistas e escritores e premiasse os trabalhos extraordinários para aquele ano. Atualmente julga-se em 21 categorias distintas (e.g., jornalismo local, jornalismo investigativo, jornalismo explanatório, jornalismo nacional, jornalismo internacional, jornalismo editorial, notícias de última hora, etc.), e os premiados recebem, além de enorme prestigio e reconhecimento internacional, uma medalha de ouro e um prêmio de USD 15 mil.

O anúncio oficial do prêmio de 2017, uma mordaz condenação da postura mórmon, diz simples e diretamente:

“Por uma série de reportagens brilhantes revelando o tratamento perverso, punitivo e cruel dado às vítimas de violência sexual na Brigham Young University, uma das instituições mais poderosas de Utah.”

Obra Vencedora

A fundação Pulizter lista os seguintes artigos como os textos vencedores nesta categoria para o ano de 2017:

13/04/2016
Alunas da BYU afirmam que vítimas de violência sexual são punidas pelo Código de Honra

15/04/2016
Promotor afirma que processo de estupro está ameaçado por Código de Honra da BYU

26/04/2016
Vítimas de violência sexual expõe como estupradores usam o Código de Honra da BYU como uma arma

05/05/2016
Como ensinamentos mórmons permitem e incentivam “cultura de estupro”

19/05/2016
Alunas que denunciam violência sexual afirmam serem vistas com a presunção de culpa

03/06/2016
Vítimas de violência sexual e experts concordam: BYU não oferece um espaço seguro

16/08/2016
‘Você não pode falar sobre isso como ninguém’: Código de Honra da BYU deixa vítimas de violência sexual LGBT vulneráveis e abandonadas

26/10/2016
BYU anuncia anistia para vítimas de violência sexua, outras mudanças

24/07/2016
Quatro abusos sexuais relatados, nenhum processo aberto

19/11/2016
Ex-jogador de futebol da USU denunciado por mais 2 estupros


Nós, do Vozes Mórmons, cobrimos essa jornada jornalística vencedora de Pulitzer durante o ano passado [ver aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui], além de explorarmos os ensinamentos mórmons que favorecem tal cultura de estupro [ver aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui], infelizmente com consideravel repercussão negativa entre mórmons brasileiros¹ que, em sua maioria, demonstraram-se mais preocupados em desculpar a Igreja que se compadecer com as dúzias e dúzias de vítimas mórmons de violência sexual².

Eis um resumo do caso específico da universidade da Igreja SUD:

Após imensa pressão pública, protestos de alunos e ex-alunos, intenso escrutínio e crítica na imprensa nacional e nas redes sociais, e a abertura de uma investigações estadual e federal, a universidade oficial da Igreja Mórmon, a Brigham Young University, anunciou alterações às regras internas da instituição para eximir alunas vítimas de violência sexual que denunciam o crime às autoridades de serem punidas pela administração universitária.

Alunas protestam em abril de 2016 contra as políticas oficias da BYU que punem vítimas de violência sexual

Alunas protestam em abril de 2016 contra as políticas oficias da BYU que punem, direta e indiretamente, vítimas de violência sexual. Notem forte presença da mídia.

Antes das novas mudanças, anunciadas via email pelo Presidente da BYU em Provo Kevin J. Worthen,  alunas que denunciavam ter sido estupradas eram investigadas e punidas, muitas vezes expulsas da universidade, por violações do Código de Honra. Em maio p.p., apenas após os protestos, o processo, uma popular petição, e intensa cobertura na imprensa que incluiu novas denúncias por outras ex-alunas durante um longo mês, Worthen anunciou a criação de uma força-tarefa para analisar a questão. Uma investigação estadual foi iniciada, por suspeitas de troca ilegal de informações entre agências de polícia e autoridades da universidade, e uma federal também foi iniciada por alegações de violação de leis federais [i.e., Título IX; leia abaixo], porém estas esperam-se que durem meses a anos para se completarem.

Esse comitê elaborou um documento sugerindo 23 recomendações para mudanças internas destinadas a proteger tais vítimas de abuso e violência sexual, e Worthen anunciou em seu email a todos os alunos, docentes, e funcionários da universidade que acataria todas as 23 recomendações [ver mais sobre as mudanças no final do artigo].

O Problema Não Era Recente

O Departamento de Polícia da BYU estima que 90% de todos os estupros na cidade universitária simplesmente não são denunciados. Nove em cada 10 mulheres estupradas lá optam por não denunciar a violência, supostamente por medo das represálias acadêmicas e sociais (como relatou reportagem no jornal da Igreja SUD Deseret News aqui).

Uma professora da BYU demonstrou que apenas 22% dos testes de estupro realizados nos últimos 3 anos em Utah foram enviados para análise (como relatou reportagem no jornal FOX 13 aqui).

A mesma pesquisadora ainda determinou que Utah tem tido, pelos últimos 25, anos uma taxa de estupros per capita por ano acima da média nacional.

O jornal The Salt Lake Tribune coletou várias testemunhas de vítimas de estupro na BYU que se sentiram oprimidas, pressionadas ou vitimizadas pela univerdade (leia aqui, aqui, aqui, aqui, ou aqui).

Mais de 50 alunas relataram à reportagem do The Salt Lake Tribune haver sido violentadas enquanto alunas na universidade mórmon, e na maioria esmagadora dos casos elas não denunciaram os estupros por causa do medo de serem punidas pela universidade, algumas inclusive relatando haver recebido ameaças de seus estupradores que as denunciariam ao Escritório do Código de Honra como retaliação.

Madi Barney, 20, said she faced an Honor Code investigation after reporting to the Provo police that she had been raped. She has decided not to return to Brigham Young. Credit Kim Raff for The New York Times

Madi Barney, 20 anos, processou a BYU por puni-la após denunciar seu estuprador, em entrevista para o The New York Times (Foto: Kim Raff para o The New York Times)

Uma dúzia de alunas entrevistadas pela mesma reportagem recontaram como foram investigadas pelo Escritório do Código de Honra após denunciarem terem sido estupradas, e encontrando julgamento e abuso emocional por parte da administração escolar, que escrutinizavam como elas estariam vestidas no momento dos ataques, ou onde estavam e a que horas do dia (ou noite) ocorreram, e ainda com quem elas conversavam sobre todo o processo de investigação  deles. Muitas delas relataram o choque do questionamento por parte da liderança mórmon se elas haviam ou não consentido com seus violentadores.

Um exemplo:

Katina Parker-Philpotts disse que ela foi sexualmente agredida em 1993 enquanto estudava na BYU. O ataque aconteceu em uma colina acima do campus que ficou conhecida coloquialmente como “colina do estupro”, explicou ela, porque muitos ataques aconteceram lá.

Ela nunca relatou o ataque. Uma amiga sua que fora abusada sexualmente por volta da mesma época foi expulsa da escola particular depois de uma avaliação do Código de Honra, disse Parker-Philpotts.

Ademais, não é incomum Bispos nas alas da BYU punirem vítimas de abuso sexual com sanções eclesiásticas, mas pouparem os agressores para que não sofram punições acadêmicas sob a guisa do Escritório do Código de Honra (como se poder ler na reportagem da Pacific Standard Magazine aqui).

Há 1 ano, em um evento da BYU destinado a conscientizar contra estupro e violência contra mulheres, uma Reitora e Diretora de Título IX Sarah Westerberg ofereceu um discurso explicando que é a política oficial da BYU investigar todos os casos de denúncia de violência sexual, e isso inclui uma investigação completa concernente o código de honra, tanto para o acusado, como para a vítima/acusadora.

[Leia reações e testemunhos de alunas presentes a esse evento aqui.]

Nós havíamos publicado uma nota explicando o mesmo problema no campus de Provo da BYU, e a própria universidade emitira nota oficial reconhecendo o problema e prometendo estudar mudanças. Na época, uma das alunas-vítimas, Madi Barney, decidiu brigar de volta contra a universidade e contra a Igreja, expondo ambas ao escrutínio público.

O jornal The Washington Post explicou o caso de Madi Barney: 

Madi Barney, 20 anos, [relata que] apresentou uma queixa de Título IX contra a BYU ao Ministério da Educação na segunda-feira.

O processo alega que a BYU colocou Barney em suspenção acadêmica após descobrir que ela havia denunciado um estupro fora do campus para a polícia local, em setembro [do ano passado].

Seu estuprador acusado, Nasiru Seidu, 39 anos, foi acusado de despi-la e manter relações sexuais sem o consentimento de Barney. Ele disse à polícia que o sexo foi consensual.

[O] Vice-Xerife do Condado de Utah Edwin Randolph, treinador de atletismo feminino na escola, enviou uma cópia do boletim de ocorrência para a universidade, que passou a lançar uma investigação do Código de Honra contra o Barney.

“Recebemos informações que você tenha sido vítima de um comportamento que é abordado na  Política de Má Conduta Sexual da universidade”, escreveu um coordenador Título IX da BYU para Barney…” Também recebemos informações que você partilhou em um comportamento que viola o Código de Honra da BYU.”

O advogado de Barney a aconselhou a não participar na investigação do código de honra, pois poderia afetar o seu caso criminal. Quando ela recusou o pedido da escola, Barney relata, a BYU a impediu tanto de se registrar em, como se descadastrar de, suas classes.

Entenda o contexto: Código de Honra

A Universidade Brigham Young é uma corporação sem fins lucrativos controlada pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que admite publicamente que uma “porção considerável” dos seus custos operacionais (incluindo os 5 campi em Utah, Idaho, Havaí, e Israel) são financiados pelos dízimos dos membros da Igreja.

A universidade é dirigida por um conselho de curadores cujo presidente é o Presidente da Igreja, e cujos membros são os três homens da Primeira Presidência, 2 dos Apóstolos, um Presidente dos Setenta, a Presidente Geral da Sociedade de Socorro, e a Presidente Geral das Moças. Em suma, a liderança máxima da Igreja SUD.

Sob a égide deste conselho de curadores, a universidade exige de seus alunos, sob pena de expulsão, um código de conduta denominado o “código de honra“. Esse código proíbe aos alunos, entre outras coisas, de usar barbas ou bigodes para os homens, blusas sem mangas ou saias acima do joelho para as alunas, e qualquer contato físico para homossexuais. A universidade mantém um escritório aberto exclusivamente para investigações e denúncias de violações do “código de honra”.

Madi Barney

Madi Barney diz sentir-se violada novamente pela universidade mórmon.

Uma das regras que o “código de honra” regulamenta são visitas de pessoas do sexo oposto a repúblicas ou lares dos alunos. Visitantes são probidos nos quartos de dormir, nos banheiros exceto em casos de urgência, e nas casas em si entre a meia-noite e 09h da manhã. Considerando essas regras, portanto, uma aluna que tenha um amigo ou colega na sua casa assistindo um filme até à uma hora da manhã estará violando o “código de honra” e corre, assim, risco de ser expulsa da universidade.

Se essa moça, por exemplo, for estuprada por esse colega, e denunciar o estupro, ela corre o risco de ser expulsa por ter violado o “código de honra”. Quem ousaria expulsar uma aluna por denunciar tamanha violência física e emocional? O escritório do “código de honra” (ECH) da BYU.

Existe uma lei federal nos Estados Unidos, conhecida como “Título IX“, que proíbe discriminação sexual em instituições de ensino. Universidades, mesmo as particulares como a BYU, são obrigadas a manter um escritório destinado a certificar-se que o Título IX seja cumprido. Alunas vítimas de violência sexual, por exemplo, são encorajadas a denunciar os agressores (quando alunos) aos escritórios de Título IX (ET9) para tomarem providências acadêmicas e iniciar procedimentos legais e criminosos, além de receber orientações.

Contudo, alunas Mórmons acusam o ET9 da BYU de rotineiramente denunciá-las ao ECH para investigar as próprias vítimas de violência sexual. Mesmo numa escola onde 99% dos alunos são membros da Igreja SUD, a incidência de violência sexual é  considerável, e vítimas acreditam que os números seriam ainda maiores se muitas delas não estivessem aterrorizadas de denunciar tais violências por medo das investigações do ECH contra elas.

Explicou o vencedor do Pulitzer The Salt Lake Tribune:

Depois que ela foi agredida sexualmente no ano passado, a carga horária de Barney de 17 créditos tornou-se esmagadora, disse ela, e os professores não se propuseram a acomodar suas aparições judiciais e outros aspectos da investigação de seu caso.

Ela pediu para retirar-se retroativamente de dois cursos nos quais não estava indo bem, explica, mas a escola não lhe permitiu fazer isso.

“Eles estão me dizendo que eles não podem provar que um estupro ocorreu”, disse Barney.

Então, na segunda-feira, ela apresentou uma queixa com o Ministério da Educação dos EUA, dizendo que a BYU negou serviços à disposição das vítimas no âmbito do Título IX, uma lei federal barrando a discriminação sexual nas escolas que recebem fundos do governo dos EUA.

Se uma escola é descoberta ter violado o Título IX, normalmente busca um acordo com o Escritório de Direitos Civis e deve mostrar que está fazendo novos esforços para cumprir com a lei federal.

Barney é uma das várias alunas da escola, de propriedade de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que disseram que foram investigadas pelo Escritório do Cógido de Honra da escola depois de relatar uma agressão sexual.

Outros Casos

Outra ex-aluna abriu um processo contra a BYU do Havaí, alegando ter sido impedida de buscar ajuda legal após ser violentada sexualmente por um de seus orientadores, que ainda fora protegido pelos administradores da instituição cientes do abuso.

A ex-aluna, que transferiu-se para outra faculdade após o trauma emocional, alega que a universidade mórmon, onde estudava no campus do Havaí, não apenas ignorou sinais de abusos repetidamente cometidos pelo supervisor acusado, mas coibiu sua denúncia.

A jovem, cujo nome ainda não foi divulgado na imprensa, descreve em seu processo na justiça federal que ela havia solicitado nomeação para um cargo na associação de alunos da universidade, e que já durante o processo de seleção começara a sofrer assédio sexual do acusado, seu supervisor direto na agremiação. Ela relata que seu supervisor a solicitou que o acompanhasse em uma atividade praiana, onde e quando ele aproveitou-se para violentá-la.

Ela afirma no processo que o “código de honra” da universidade a impediu de denunciar o abuso. Ela já havia sido disciplinada pelo Escritório do Código de Honra uma vez, e por isso temia ser suspensa ou mesmo expulsa da faculdade caso denunciasse o acusado. O próprio manual dos estudantes da universidade justifica sua apreensão, deixando explícito que vítimas de violência ou abuso sexual podem ser investigadas e punidas após denunciarem seus estupradores:

“violações das políticas da universidade ou do … Código de Honra não isentam uma vítima culpada de conduta sexual ou criminosa e será investigada separadamente da alegação.”

Mark Gallagher, advogado da ex-aluna explica:

“[Sua suspensão prévia] é um dos motivos pelos quais ela se sentiu impotente nessa situação. Ela sentia que não poderia denunciar à escola e conseguir qualquer outro resultado além de [uma nova punição] por violação do Código de Honra.”

A jovem passou o resto da semana sendo assediado pelo acusado, quando a turbulência emocional tornou-se insuportável e ela abandonou seu emprego, e em seguida, seus estudos. Ela saiu do Havaí e retornou para casa, e ainda conseguiu apresentar seus trabalhos e fazer suas provas à distância para fechar seu semestre, mas imediatamente transferiu-se para outra faculdade em Vancouver.

Em seu processo contra a BYU, ela especifica que o Diretor de Assuntos Discentes da universidade tinha consciência das práticas predatórias sexuais do acusado contra outras alunas, mas que nenhuma atitude havia sido tomada, e ele seguira em sua posição de supervisão e autoridade sobre outras alunas. Ela pede reparações por danos morais sob os leis federais chamadas Títulos VII e IX que expressamente proibem assédio sexual no ambiente de trabalho e discriminação sexual em universidades que recebem dinheiro do governo federal.

Nem o acusado, nem o departamento de relações públicas da Igreja SUD retornaram solicitações para comentários pela reportagem do The Salt Lake Tribune. A queixa crime apresentada à polícia local não resultou em nenhuma ação oficial.

Mudanças

A petição online citada acima, que já quase havia atingido a meta de 50 mil assinantes quando publicamos esse artigo há 1 ano, ultrapassou o marco de 117 mil assinaturas. Sua meta era pressionar a BYU por uma suspensão de investigações de vítimas de violência sexual. [Você pode ver as assinaturas da petição aqui.]

Madeline MacDonald tornou-se ativista

Madeline MacDonald tornou-se ativista após ser punida pela BYU após denunciar ter sido vítima de violência sexual

As 23 recomendações propostas pela força-tarefa deverão ser votadas pelos conselhos docentes, discentes, e administrativos para se tornar oficial, porém Worthen não prevê empecilhos para sua aprovação. Algumas das novas regras serão aplicadas imediatamente, como a proibição de investigações de alunas que denunciam violência sexual, sejam vítimas, sejam testemunhas.

Infelizmente, as outras universidades da Igreja Mórmon não são obrigadas a acatar essas 23 recomendações, embora elas já tenham sido notificadas delas e estão sendo consideradas.  Com o controle absoluto dessas universidades nas mãos da liderança eclesiástica da Igreja, esperar-se-ia que as medidas designadas para proteger tais alunas na universidade de Utah devessem ser aplicada a todas as demais.

A Universidade de Brigham Young é uma das corporações sem fins lucrativos controlada pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, que admite publicamente que uma “porção considerável” dos seus custos operacionais (incluindo suas universidades em Utah, Idaho, Havaí, e Israel) são financiados pelos dízimos dos membros da Igreja. Além disso, a Igreja SUD mantém e financia a Faculdade de Administração SUD em Salt Lake City. As universidades (e demais escolas) da Igreja SUD são dirigidas por um conselho de curadores cujo presidente é o Presidente da Igreja, e cujos membros são os três homens da Primeira Presidência, 2 dos Apóstolos, um Presidente dos Setenta, a Presidente Geral da Sociedade de Socorro, e a Presidente Geral das Moças. Em suma, a liderança máxima da Igreja SUD.

Não obstante essa incerteza com relação às demais escolas sob controle da Igreja, as mudanças na universidade de Provo, Utah, foram recebidas com comemorações por ativistas, jornalistas, e especialmente, pelas vítimas do passado. Barney, a aluna que serviu de estopim para toda a pressão externa, respondeu ao anúncio com otimismo:

“Eu estou muito feliz com os resultados da análise [da força-tarefa], e estou ainda mais feliz que a BYU concordou em implementar todas as 23 recomendações da análise. Eu me sinto otimista que a BYU tenha afirmado que essas políticas serão continuadas e atualizadas. Eu quero que a BYU, e sua comunidade, continue a procurar por caminhos pelos quais possa ajudar e apoiar as sobreviventes.”

Kelsey Bourgeois, a organizadora do protesto no campus de abril p.p., que também foi vítima de estupro enquanto estudante da BYU, e que pressionou a administração da BYU para receber a petição citada acima, respondeu com emoção:

“Eu até chorei um pouco. Estou tão feliz.”


NOTAS

[1] Apesar de havermos publicado vários artigos detalhando e explicando os fatos bem documentados sobre esse mesmo assunto, muitos e muitos e muitos mórmons exclamaram nas mídias sociais que os assuntos abordados eram “mentiras” e “sem fundamentos” e “sem fontes”. Isso a despeito de havermos incluído mais de 15 links para fontes diferentes documentando tudo o que havia sido publicado naqueles artigos [leia cobertura de vários jornais aqui]. Como há, evidentemente, um número alarmante de mórmons que são incapazes (seja por ignorância de como funciona, seja por incompetência intelectual inerente, seja por desonestidade intelectual, etc.) de clicar em links para checar as fontes, simplificamos o formato deste artigo para explicitar de quais fontes saem as citações acima e para ensiná-los que as fontes encontram-se no links, quais sejam, as palavras em cor azul-água (ou verde-água, dependendo do monitor). Quem clicar nessas palavras coloridas, se-lhe abrirá uma tela contendo a fonte ao qual aquela palavra se refere. Sabemos que para a maioria dos nossos leitores essa explicação é óbvia e pode parecer insultante e paternalista, porém ela se faz necessário considerando a dificuldade de muitos comentaristas.

[2] Acusar vítimas de violência sexual de mentirosas ao vir a público e denunciar seus agressores ou defender instituições que as marginalizam ou punem em consequência ou concomitante ao denúncio desta agressão sexual é o equivalente moral e ético a compactuar com, e desculpar, a violência sexual em si. Criar e manter um ambiente onde a denúncia de violência sexual seja desencorajada por medo de represálias é o mesmo que encobrir (i.e., “dar acolhimento ou evasão a”) tais violências. Antes de ceder ao ímpeto da defender a Igreja SUD a quaisquer custos, consideremos a moralidade da cumplicidade com esse tipo de ato hediondo de agressão contra a mulher.

2 comentários sobre “Prêmio Pulitzer à Cobertura de Estupros em Escola Mórmon

    • Claro que não.Se voce tivesse lido o artigo teria visto que o premio é para celebrar a excelência em coberturas e investigações jornalísticas, além das letras e artes e não dizer que todo homem é um estuprador em potencial.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s