Jane Manning James – parte I

jane3A história de Jane Elizabeth Manning James (1822-1905) tem se tornado cada vez mais conhecida por um número crescentes de mórmons e estudiosos do mormonismo. Uma história que inclui fome e perseguição; seu abandono pelo marido durante longas duas décadas; sua insistência junto a um presidente da Igreja para receber certas ordenanças; sua convivência no lar de Joseph e Emma Smith, e muitos outros acontecimentos que tornam sua vida como mulher mórmon e negra uma narrativa única e impressionante.

Na nova página publicada pela Igreja sud em dezembro do ano passado, acerca das visões raciais no mormonismo, o nome de Jane é citado da seguinte forma:

Jane Manning James, membro fiel negra que atravessou as planícies e viveu em Salt Lake City até sua morte, em 1908, (…) pediu para entrar no templo, foi autorizada a realizar batismos por seus antepassados mortos, mas não foi autorizada a participar de outras ordenanças.

Ela também foi um dos personagens retratados no filme Joseph Smith: o Profeta da Restauração,  produzido pela Igreja sud em 2005, em que a jovem de 21 anos, recém chegada a Nauvoo, virou uma mulher de 45-50 anos.

Jane Elizabeth Manning nasceu em 1822, em Wilton, no estado do Connecticut. Era uma negra livre e desde menina trabalhou numa fazenda. Seu encontro com missionários mórmons na sua cidade natal, em 1843, fez com que ela não só se convertesse, mas também liderasse oito pessoas de sua família na migração para Nauvoo, incluindo seu filho pequeno e sua mãe. A família de Jane foi impedida de seguir com o grupo maior de conversos quando lhes foi negado entrar num barco no estado de Nova York, sendo então obrigados a seguir a pé.

Em sua autobiografia, Jane relembra:

Caminhamos até nossos sapatos gastarem e nossos pés ficarem doloridos e rachados e sangrarem até se ver toda a marca dos nossos pés com sangue no chão. Paramos e nos unimos em oração ao Senhor, pedimos a Deus, o Pai Eterno, para curar nossos pés e nossas orações foram respondidas e nossos pés curados sem demora.

No filme produzido pela Igreja em 2005, Jane chega com os pés sangrando e Joseph Smith lhe aplica bandagens, uma licença poética que ironicamente nega seu relato de cura divina (trecho entre 52:30 e 53 minutos).

Ao longo de mais de 1287 quilômetros, Jane e sua família tinham que dormir muitas vezes a céu aberto. Mas a dureza não estava apenas na natureza.  Ao chegarem a Peoria, no estado de Illinois, os Manning sofreram ainda a ameaça de serem presos, por não portarem documentos que atestassem sua alforria – o que lhes causou grande aflição uma vez que nenhum deles jamais havia sido escravo.

Seguimos nosso caminho nos alegrando, cantando hinos e agradecendo a Deus por sua infinita bondade e misericórdia para nós (…)

Quando finalmente chegam a Nauvoo, os nove santos negros são guiados até a casa de Joseph Smith. Em suas memórias, Jane disse ter reconhecido o rosto do profeta de um sonho que tivera. Eles são apresentados então a Emma e Joseph Smith e se sentam junto a outros convidados. Joseph pede a Jane que relate a sua história. A família Manning então ouve de Joseph Smith “Deus os abençoe. Vocês estão entre amigos. Agora serão protegidos”.

Depois de uma semana na casa dos Smith, todos acham novas casas e trabalho, com exceção de Jane. Chorando uma manhã, ela é vista por Joseph Smith. Jane relata o diálogo entre os dois. “Todo mundo foi embora e achou uma casa e eu não tenho nenhuma”. Ao que Joseph respondeu

Sim, tem. Você tem uma casa aqui mesmo se quiser. Não deve chorar. Nós secamos todas as lágrimas aqui.

“Mansion House”, onde Jane viveu com a família Smith.

Durante os meses que viveu na casa, ajudando no trabalho doméstico, Jane conversava seguidamente com a mãe do profeta, Lucy Mack Smith, e tinha também a companhia de outras jovens que lá moravam, esposas plurais de Joseph, como Eliza e Emily Partridge e Sarah e Maria Lawrence.

Não se sabe quando ou como Jane tomou conhecimento das doutrinas e práticas que estavam em desenvolvimento em Nauvoo, ou qual foi sua reação inicial ao casamento plural. Mas seria possível que nas tarefas domésticas Jane tivesse visto as “roupas do santo sacerdócio” ou detectado no convívio social as relações românticas entre Joseph Smith e outras mulheres. O fato é que a experiência no lar Smith lhe foi marcante por toda a vida e decisiva na sua devoção por Joseph Smith.

Em suas memórias, ela definiu Joseph Smith como “o melhor homem que já vi na terra” e “um homem bom, grande, nobre e belo”. Quando soube do seu assassinato, Jane disse que sentiu o desejo dela própria morrer.

Após migrar para as Montanhas Rochosas, Jane pediria à Primeira Presidência para poder ingressar no templo, batizar-se por seus ancestrais, ser selada a um marido e ainda, em um dos momentos mais duros de sua vida, ser selada como filha a Joseph Smith, no novo e eterno convênio. Sua luta nesse período será tratada na segunda parte deste post.

22 comentários sobre “Jane Manning James – parte I

    • Eu não assisti o filme, Márcio, mas isso é bem verossímil. Emma mentiu até a morte, repetidas vezes, para os seus filhos sobre o envolvimento de Smith com poligamia. O filho mais novo de Smith, David Hyrum, teve uma crise de dissonância cognitiva tão severa (em grande parte por causa das mentiras de Emma sobre o assunto) quando foi morar em Utah e conheceu, pessoalmente, inúmeras viúvas de seu falecido pai que ele entrou em depressão profunda e acabou passando (em parte como consequência desta crise) as últimas 3 décadas da sua vida num manicômio.

      • Acho um erro, procurar acobertar o fato que lideres da igreja foram poli gamos no passado uma vez que isto é um fato histórico e muito bem conhecido. Parece uma tentativa de “tapar o Sol com uma peneira…” Mas, também acho errado o fato de os membros procurarem justificativas para explicar os motivos da poligamia, sendo que é muito claro lendo a própria Bíblia, perceber que o evangelho foi polígamo desde suas origens. Quando lidamos com “crenças” e “religiões” partimos do princípio da fé! Se a pessoa se diz um Mórmon converso (meu caso) deve aceitar todas as doutrinas, culturas e crenças “tal como se acham nas sagradas escrituras.” Ou então, deve mudar de religião, porque é complicado você ter uma fé definida e viver um conflito “interno”. O evangelho é polígamo, hoje ele não é apenas por questões de “leis” do seu país. Mas, se tudo dependesse unicamente das leis do evangelho, “basta ler a Bíblia” e tirar suas próprias conclusões do que seriam as leis que nos reagiriam… Eu aceito o fato que o evangelho é polígamo, porém também sigo o mandamento de que hoje não seja. Mas, jamais vou procura justificar a poligamia de JS porque se eu procura-se fazer isso, teria que explicar a poligamia de Moisés, Davi, Salomão, Abraão, e tantos outros… Joseph foi polígamo e tinha esposas plurais Brigam Young também, e isto foi mandamento do Senhor naquela época. Assim, como foi para profetas e patriarcas do mundo antigo.

    • Também não vi esse filme, Marcio, e não saberia dizer em que contexto se dá a afirmação dentro da narrativa, qual a intenção da personagem, etc. De qualquer forma, como dito pelo Marcello, não há dúvidas de que Joseph Smith teve esposas plurais.

      Note que até mesmo numa igreja que denunciou a poligamia como uma invenção de Brigham Young, a antiga Igreja Reorganizada e atual Comunidade de Cristo, a evidência histórica não pode ser mais negada: “todos os líderes da Comunidade de Cristo que conheço estão conscientes de que Joseph Smith Jr. é o criador da poligamia e isso é verdade em relação à maioria dos membros com quem já falei. No entanto, há todo um segmento de membros (especialmente a geração mais velha) que não acredita que a evidência exista.” (John Hammer)

      No caso da igreja sud, ainda que não seja divulgada nas reuniões dominicais ou publicações, é uma informação disponível. Veja, por ex., o Family Search.

  1. Será que alguém pode me mostrar onde se encontra a revelação do Senhor a Josepf, relativo a poligamia? mas que seja claro o suficiente pera que eu possa entender de modo claro.

  2. É muito interessante !
    É bom saber que as historinhas do bom homem chamado Joseph Smith não ficam apenas na ficção, a narrativa dessa nobre irmã me dá uma forte impressão de que aquele Joseph Smith dos filmes produzidos pela igreja pode sim ser real.
    Como sempre (isso deve aparecer na segunda parte) a mudança da igreja após a morte do grande profeta mudou muito a atitude da liderança e Jane morreu sem conseguir o que queria.
    Certamente está junto a Joseph, ou bem perto…..

    • “Certamente está junto a Joseph, ou bem perto”

      Sem querer estragar a próxima parte do excelente artigo do Antônio, mas no que depender da Primeira Presidência (1894), Jane passará toda eternidade “junto a Joseph” como sua escrava.

      • Eu conheço o resto da historia !
        Vamos esperar a segunda parte (pra não estragar) e daí completo o raciocinio.
        Voce não está errado, porém acho que a culpa não foi de Joseph….

  3. Desculpe pela inconveniência da pergunta meus caros amigos, o irmão Antônio Trevisan, Marcello Jun e Kent Larsen são membros ativos da Igreja SUD ou da Comunidade de Cristo, ou frequentam outra igreja ou nenhuma? Se o são há uma certa perseguição por parte da liderança local? É só uma curiosidade, eu sou um líder local da Igreja SUD de minha Ala, e gosto muito dos posts de vocês, são grandes homens cultos. Mas eu conheço vários irmãos que são preconceituosos quanto a sites não oficiais da igreja, por isto gostaria de saber o que os líderes de vocês falam sobre este blog. Creio que vocês seriam grandes professores do SEI, se o não o são. Novamente me perdoe pelas perguntas sobre suas crenças e por fazê-las neste texto sobre Jane, onde não tem nada a ver com o meu comentário.

  4. Nao os acho muito eruditos como afirmam outros. O texto e pobre e precisa de mais pesquisas. Ha e compreensao de voces me parece um tanto de criancas sem experiencia de vida. Estudem mais.

    • Neno, apreciaria se pudesse nos indicar em que pontos a pesquisa é pobre e o que em particular devo estudar sobre o tema. Salve-nos da nossa compreensão infantil, enriqueça-nos, compartilhe conosco o que você sabe sobre o assunto, por favor.

  5. Sempre soube que o profeta Joseph Smith fora um personagem “notável” apesar de ser um homem comum sujeito a todas as “fraquezas da juventude e as debilidades da natureza humana” como ele mesmo se intitulou em sua história registrada em History of the Church, Volume 1, Capítulo 1 versículo 28.
    Joseph era um homem sujeito as fraquezas e imperfeições como todo ser humano que já pisou nesta terra com exceção somente de Jesus Cristo. Apesar das fraquezas de Joseph as pessoas que tiveram o privilégio de conhece-lo sentiam sua grandeza de espírito, bondade e doçura.
    Como disse a própria Jane Elizabeth Manning James (1822-1905) “o melhor homem que já vi na terra” e “um homem bom, grande, nobre e belo”. Lembrando que ela não foi a única a descrever o profeta desta maneira.
    A partir de Joseph tivemos homens bons liderando a igreja, porém homens imperfeitos. Hoje temos grandes homens liderando da mesma forma. Isso não muda a veracidade do evangelho e nos reforça o que o Senhor deseja fazer conosco, ou seja, nos transformar em homens e mulheres perfeitos usando nossas fraquezas e imperfeições para nos tornar humildes em busca sua graça, pois sabemos não podemos ser perfeitos sem ajuda Deles.

Deixe um comentário abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s