Missionários e o Dom de Línguas

“E também a alguns é dado falar em línguas; E a outros é dada a interpretação de línguas.” Assim diz a revelação dada a Joseph Smith Jr. Porém, para mim foi dado uma única vez.

Jovens missionários d’A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. | Foto: Acessórios Sud

Enquanto servia como missionário, sempre tive muita dificuldade com os estudos para aprender a falar e com a gramática do inglês. Poucas vezes estudei com companheiros, ainda que fosse uma regra importante na missão em que servi. O dom de línguas conforme ensinado pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é usado para a pregação do evangelho e seus missionários o teriam pela facilidade com que aprendem outro idioma. Continuar lendo

Dallin Oaks: Evite Pesquisar a História da Igreja

O Presidente Dallin H Oaks ofereceu conselho a jovens casados em Chicago sobre como lidar com perguntas que ameaçam a fé.

Dallin Oaks

Dallin Harris Oaks, Primeiro Conselheiro da Primeira Presidência e Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos da Igreja SUD, ao lado de Russell Nelson (à direita)

Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência e Presidente do Quórum dos Doze Apóstolos da Igreja SUD, Oaks afirmou em devocional nesse 2 de fevereiro p.p. que a melhor estratégia para se manter a fé intacta na era das “informações” é se esforçar para permanecer ignorante dos fatos.

Oaks, de acordo com o relatório publicado pelo jornal da Igreja SUD The Church News, sugere que a melhor maneira para evitar “dúvidas” e manter “a fé” é nunca estudar os fatos históricos, evitar pesquisas, simplesmente acreditar no que os líderes da Igreja falam ou publicam no site oficial da Igreja, e dedicar-se com afinco às atividades da Igreja (ênfases nossas):

Continuar lendo

História Mórmon Não Ocorreu Como Ensinada Pela Igreja

Há poucos dias, publicamos a declaração do historiador e apologista Richard Bushman sobre a narrativa oficial da história mórmon não ser verdadeira.

Patriarca e ex-Presidente de Estaca, Editor para a Igreja SUD, e historiador biógrafo de Joseph Smith, Richard Lyman Bushman

Em um serão informal, ele havia sido questionado se acreditava haver espaço no mormonismo para diferentes narrativas históricas ou se a Igreja SUD manter-se-ia atrelada à sua atual narrativa oficial. Bushman respondeu (ênfase nossa):

Eu acho que para a Igreja permanecer forte, ela tem que reconstruir sua narrativa. A narrativa dominante não é verdade. Ela não pode ser sustentada. Assim, a igreja tem que absorver toda essa nova informação [histórica], ou ela vai se basear numa fundação instável, e é isso que ela está tentando fazer. E vai ser uma pressão para um monte de gente, para pessoas mais velhas especialmente, mas eu acho que tem que mudar.

Apesar da tendência recente em publicar fontes antes pouco acessíveis ou mesmo secretas, bem como incluir informações e narrativas que haviam sido marginalizadas em sua história, e até mesmo retirar uma mentira histórica de suas escrituras, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias ainda sustenta e promove algumas narrativas que beiram o ficcional, distorce fatos a fim de adequá-los às suas práticas e doutrinas atuais, e falha grosseiramente em disponibilizar novas informações históricas ao seu público interno. Nesse sentido, a “narrativa dominante” na Igreja, como afirma Bushman, não é verdadeira.

Tal constatação absolutamente não implica em desacreditar ou deixar de acreditar em conceitos subjetivos e abstratos que constituem a fé religiosa em geral, ou a fé mórmon em específico. Não obstante, devido a leituras deficientes e/ou ao desejo de confirmar suas próprias crenças (acerca do mormonismo, ou de Bushman, ou destas Vozes Mórmons), alguns erroneamente atribuíram (a Bushman ou a este site) essa conclusão de natureza espiritual.

Richard Bushman publicou, há dois dias, uma nota em que reafirma suas crenças pessoais no chamado profético de Joseph Smith e nos eventos sobrenaturais por ele narrados, refutando a conclusão infundada e débil de que teria “perdido seu testemunho”.

Eis a nota, traduzida na íntegra (ênfases e links nossos): Continuar lendo

Quando Seu Cônjuge Perde A Fé

Texto por Robert Kirby

 

Foto: kronick_

Foto: kronick_

A coluna de hoje é um teste. Um teste curto, ainda. Consiste de apenas uma pergunta. Você está pronto?

Eis a pergunta: Todas as outras coisas na sua vida permanecendo iguais, você se divorciaria de seu cônjuge se ele ou ela parasse de (ou começasse a) acreditar em Deus? Continuar lendo

“O Evangelho da Esposa de Jesus”

Papiro copta faz referência à esposa de Jesus Cristo

Uma historiadora da Universidade de Harvard, especializada em cristianismo primitivo, identificou um pequeno fragmento de papiro em que Jesus Cristo é citado falando de sua esposa. A Dra. Karen L. King e sua equipe trabalharam sobre o pequeno fragmento de apenas oito linhas, partindo da ideia de que poderia ser uma fraude. Mas a conclusão unânime foi de que não era. O fragmento de “O Evangelho da Esposa de Jesus”, como foi nomeado o texto, é um documento autêntico em um dialeto do copta, idioma egípcio escrito com caracteres gregos, provavelmente do séc. IV.  O recorte do fragmento faz com que nenhuma frase esteja completa. Mas em meio à narrativa de um debate entre Cristo e seus discípulos, é possível ler “Jesus disse a eles: ‘Minha esposa…'”. Essa é a primeira alusão na primeira pessoa ao matrimônio de Cristo em um evangelho apócrifo. Logo abaixo, lê-se “e ela será capaz de ser minha discípula”. Continuar lendo

Apostasia pessoal

Apostasia é um conceito frequentemente empregado por santos dos últimos dias para se referir, (1) num sentido histórico, à transformação do cristianismo original e sua perda de autoridade divina e, (2) num sentido individual, a uma forma de decadência espiritual ou desobediência a princípios divinos. Continuar lendo

A Errônea Associação do Catolicismo à Corrupção das Escrituras

Um dos fundamentos doutrinários dos santos dos últimos dias é a afirmação de que as escrituras bíblicas não permaneceram intactas desde a pena de profetas e apóstolos até nossos dias, mas sofreram adulterações de forma que passagens foram retiradas, editadas ou acrescentadas.

francis_bacon_1_study_after_velazquezs_portrait_of_innocent_x

Estudo do Retrato do Papa Inocêncio X por Velázquez, de Francis Bacon (1953)

Em 1 Néfi 13, lemos sobre a visão recebida por Néfi da instituição responsável pela corrupção do Novo Testamento, chamada de “grande e abominável igreja”. Muitos santos dos últimos dias interpretam essa instituição como sendo a Igreja Católica Apostólica Romana, embora a ação da “grande e abominável igreja” sobre as escrituras, descrita no Livro de Mórmon, não possa ter nenhuma relação histórica com o catolicismo romano. Continuar lendo

Nós e os outros

Pretendemos o privilégio de adorar a Deus Todo-Poderoso de acordo com os ditames de nossa própria consciência; e concedemos a todos os homens o mesmo privilégio, deixando-os adorar como, onde ou o que desejarem.

A Regra de Fé acima é uma forte posição a respeito da liberdade religiosa de todo ser humano. Mas nem sempre, no cotidiano da igreja, as referências a outras religiões fazem jus a essa doutrina. Quando se fala em religiões em geral, tudo bem; os problemas surgem quando se citam denominações específicas. Compartilho quatro episódios da minha própria experiência.  Continuar lendo

Chamada de trabalhos para a IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

IV Conferência Brasileira de Estudos Mórmons

Conferência Anual da ABEM

(Associação Brasileira de Estudos Mórmons)


Tema

“A Relação entre Sede e Periferia na Igreja SUD”

19 de janeiro de 2013

São Paulo, Brasil Continuar lendo

Mitos Populares Mórmons: Poligamia

Quem nunca ouviu, numa reunião do Sacerdócio, ou numa classe da Escola Dominical, ou mesmo em aulas do Seminário ou Instituto, alguém dizer que o lendário Pé Grande é nada mais, nada menos que o bíblico Caim? [14]

Se alguém nunca ouviu essa estória (sim, Caim filho de Adão e Eva, e que teria matado seu irmão Abel), esta perdendo uma das partes mais divertidas do folclore Mórmon! OU então não está prestando atenção no que os outros estão falando na Igreja…

Caim?

Toda cultura tem os seus mitos. Não se trata aqui do sentido clássico, acadêmico de Mitologia, mas de mitos populares, ou lendas urbanas, ou contos folclóricos. Crenças ou dizeres populares cujas origens raramente se podem rastrear, cujas validade e racionalidade usualmente forçam a credulidade, e cuja permeabilidade no consciente coletivo desafia o tempo e o bom senso. Continuar lendo